Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

SERVIÇO PÚBLICO - REUNIÃO DE CÂMARA OU A ROTINA DE UM HOMEM CANSADO...

Cumprindo a rotina do costume - só ocasionalmente interrompida, como foi o caso da passada quinta feira - lá teremos amanhã mais uma reunião da Câmara de Valongo.

É às 10 horas, mais minuto menos minuto, no Salão que já foi nobre e valha-nos o ponto de antes da Ordem do dia para animar o ambiente.

Também, a falta de Orçamento e a gestão com base em "duodécimos pequeninos", não permitem grandes voos - o que faz todo o sentido para um presidente cansado, que já não gosta de o ser.

Aliás, e retirando as devidas consequências da sua infeliz afirmação, esperemos que amanhã se tome de brios e atire com o "cartão dourado" para cima da mesa.

Já no que toca à viatura de serviço e ao motorista privativo, pode devolvê-los da forma habitual, que nem uma nem outro merecem ser tratados à medida da sua revolta.

Segue-se o recorte habitual com os assuntos agendados.


publicado às 20:23

URGÊNCIAS "LOW COAST" - ÚLTIMO DIA! É APROVEITAR, É APROVEITAR!

Ainda a propósito da sessão da Assembleia Municipal de ontem (hoje) em Campo:

No ponto destinado às intervenções do Público, coloquei ao Presidente - é já um assunto recorrente - a questão de termos a funcionar em Alfena uma Unidade de Saúde Privada, o Hospital Privado pertencente ao grupo Trofa Saúde, em plena actividade e portanto a facturar como não podia deixar de ser. Porém, com um pequeno senão: a funcionar ilegalmente e sem estar licenciado, como já tive oportunidade de o referir num outro post.


Na resposta endossada ao presidente da Câmara em exercício (e de facto) o Dr. João Paulo tentou uma explicação atamancada: "tanto quanto sei, a Unidade de saúde terá aguardado cerca de seis meses a resposta a uma questão burocrática, que já terá sido ultrapassada e estará neste momento a contar o prazo de 30 dias para que a licença seja emitida. De qualquer forma, da parte da Câmara todos os licenciamentos foram concedidos e está tudo em ordem. Já quanto ao patrocínio de uma ilegalidade por parte do Sr. Presidente (foi o "corta-fitas" de serviço) convém lembrar que esta Assembleia também lá esteve...".


Nós sabemos, Dr. João Paulo, nós sabemos. E também sabemos a quem foram endereçados os convites. E também sabemos a quem não foram endereçados - talvez porque a recusa a colaborar numa farsa e numa ilegalidade, acompanhada da devolução dos referidos convites, daria (ainda) mais nas vistas!


Mas a explicação que deu, foi de facto atamancada conforme pode comprovar pela cópia do e-mail que fiz chegar ao Sr. Presidente da Assembleia e onde a ARS-Norte deu 10 dias ao grupo Trofa para explicar porque está a funcionar ilegalmente. Nesse e-mail, é-me dito, que serei informado através de ofício, acerca do que vier a ser alegado e do que for decidido. Quando isso acontecer, terei todo o gosto em lhe facultar uma cópia - para confirmar que ontem tentou "tapar o sol com a peneira" - o que foi duplamente errado: não o conseguiria de qualquer forma e além do mais, já era noite!

 

A propósito, coloco a seguir um recorte para alertar para o facto de terminarem hoje as (ilegais) urgências "low coast". Quem precisar e não se importar de correr riscos desnecessários, é altura de aproveitar este último dia!


publicado às 11:56

RELVAS DANINHAS...

Hoje (ontem) decorreu como previsto, a sessão ordinária da Assembleia Municipal, desta vez - cumprindo o calendário de sessões descentralizadas - em Campo. Muita gente - sala do Centro Cultural cheia - o que é óptimo e alguma unanimidade em torno das questões mais polémicas, o que também é bom.


A questão mais quente, era de longe a famigerada proposta de Lei 44/XII do governo sobre a "Reorganização Administrativa Territorial Autárquica" - de facto, um autêntico aborto com cheiro a Relva (no plural) - com pretenções a Lei, segundo os mais cáusticos e um completo rol de asneiras, segundo os mais moderados - aqueles que pertencencem aos partidos do governo. Mesmo assim e depois de uma tentativa - sugeriada aliás pelo grupo do PSD - para que se votasse apenas a moção de repúdio e rejeiçãao do PS, que era de todas a mais abrangente, foi decidido levar a votos todas as apresentadas pelas restantes forças, tendo sido todas aprovadas, sendo que a do PS foi aprovada por unanimidade.


Ficou no entanto um aviso de alguns a pairar no ar: É que a Lei pode mesmo avançar e se isso acontecer, será bom que todos se lembrem da sua posição de hoje e que antes de pertencerem aos Partidos A,B, ou C, são valonguenses e que aquilo que o governo está a pretender levar por diante a coberto do alibi da Troika, é uma autêntica aberração. No caso de Valongo, então, seja qual for a configuração que se tente para ficar com as tais três freguesias previstas na proposta de Lei, não se conseguem sequer cumprir os critérios definidos na mesma.


Daí que, com um silêncio comprometido do PSD, se tenha criticado muito aquela bacorada proferida por Fernando Melo (que mais uma vez não largou o robe e os chinelos para estar presente na Assembleia) na entrevista concedida ao JN, sugerindo uma nova configuração para Valongo: Ermesinde+Alfena, Campo+Valongo e deixando Sobrado como está. Só daquela cachola poderia sair tamanha barbaridade, autêntico tiro no pé, não dele, mas sim dos valonguenses: O resultado, seria ficarmos com duas super freguesias enquanto alguns Municípios continuarão a existir com menos de quatro mil eleitores! Além do mais, o despesismo é sobretudo gerado pelo Poder Central e esse continua gordo que se farta. Foi decidido enviar à AR com carácter de urgência, as moções hoje aprovadas, dado que a proposta de Lei irá começar a ser discutida já amanhã, segundo parece.


Outro ponto quente onde houve alguma (aqui apenas) aparente unanimidade, toldada no entanto por muito taticismo, foi a questão suscitada pela Junta de Alfena que apresentou a moção aprovada por unanimidade na última Assembleia de Freguesia, àcerca da questão dos seus limites territoriais. Ao nível dos presidentes de Junta e da própria Câmara, todos parecem estar de acordo com a razão de Alfena e de que pelo menos a versão dos limites do PDM ainda em vigor, poderiam perfeitamente constituir a base do entendimento.

 

A CDU propôs por isso que a Câmara promova mais uma reunião com todos os presidentes de junta e tente dinamizar uma plataforma de entendimento, envolvendo-se a sério no problema. Mas não há bela sem senão: tinham de vir ao de cima as "dificuldades com as ratificações nas Assembleias de Freguesia" - questão levantada por Ivo Neves do PS Valongo em substituição do Presidente de Câmara! É este taticismo que não augura nada de bom e que fica mal a quem o utiliza. Os Partidos têm que se assumir de corpo inteiro nesta questão e se for o caso, como Alfena não tem dúvidas, assumirem a verdade histórica nas respectivas Assembleias. O problema coloca-se só com Valongo e com Sobrado, embora neste caso, Sobrado no deve/haver entre Valongo e Alfena, fique praticamente na mesma. Mas verdade é verdade e taticismo aqui, cairá muito mal a quem persistir nele. Vamos ver no que dá a diligência de que João Paulo Baltazar foi incumbido - como presidente de Câmara em exercício (e de facto). 

 

Desta vez, o nosso homem de leis de Alfena não esteve mal e colocou os acentos tónicos nas palavras certas:

"O problema está menos nas mãos dos presidentes e sobretudo na atitude dos Partidos".

Para dizer a verdade, gostei francamente da intervenção da CDU sobre o assunto, que apresentou inclusive a tal moção que foi aprovada por unanimidade e não gostei nada do discurso titubeante e cheio de ziguezagues de Ivo Neves de Valongo.

Mas gostei muito menos ainda do silêncio ensurdecedor dos grupos municipais do PSD, do CDS-PP e do Partido Socialista: deixaram os respectivos presidentes de Junta a fazer as despesas da festa em relação a este assunto e isso não me pareceu bonito.

 

Conforme pode ser verificado pelo adiantado da hora a que estou a publicar este post, ele foi escrito ao "correr da pena" e versa apenas o essencial da discussão.

Voltarei por isso ao tema - sobretudo na parte do período de antes da Ordem do dia e das intervenções do Público, em próxima oportunidade. 

 

publicado às 02:01

HOSPITAL PRIVADO DE ALFENA PROCURA TÉCNICO DE MANUTENÇÃO NO DISTRITO DE... MATOSINHOS!

 

O grupo Trofa Saúde e Hospital Privado de Alfena, contratam um técnico e manutenção M/F <35 anos desempregado de longa duração.

A "coisa" começa a ganhar contornos estranhos a partir daqui:

1)Não precisa (ao contrário da ideia que os nossos autarcas nos "venderam") de ter residência em Alfena - pode residir num raio de 10 Km do Distrito de Matosinhos(?) - VIVA! Matosinhos já é Distrito

2) Terá como principais responsabilidades executar funções na área da manutenção preventiva e curativa de equipamentos hospitalares;

(Percebo a ideia, só que falar em intervenções curativas a nível de equipamentos, soa um pouco estranho - mas pelo que um amigo acaba de me dizer a designação está correcta - agora estranho mesmo, é ter de ser no "Distrito de Matosinhos"(!)quando o anúncio é publicado na página de Alfena...).

Mas o melhor mesmo, é verem o recorte que coloco a seguir. Ah! e já agora, experimentem apresentar uma candidatura. Pode ser que alguém consiga ser seleccionado antes de o Hospital se deslocalizar para outro sítio qualquer do País.


publicado às 10:27

HOSPITAL PRIVADO DE ALFENA FUNCIONA ILEGALMENTE!

 

Afinal, a menina dos olhos de Arnaldo Soares e dos seus companheiros de projecto dos UpA (Unidos por Alfena) - um empreendimento de "extrema relevância" para todos os alfenenses (?) nasceu torto e assim continua, cumprindo o ditado "o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita". Apesar da pompa e circunstância da sua inauguração e da mais alta figura do Município mais corrupto do País ter colaborado no corte da fita.

O recorte do e-mail que coloco abaixo, não deixa margem para dúvidas: 

Depois de um primeiro pedido de informação que enviei à ARS-Norte, que não obteve resposta, insisti e enviei cópia dessa insistência ao Ministério da Saúde e a prova chegou hoje, iniludível nua e crua: Neste País/República (das bananas), existem grupos económicos que se julgam acima de todas as leis e que estas se destinam apenas a castigar o cidadão comum quando este comete alguma falta, por mais pequena que seja. Quanto a eles, como costuma dizer o nosso autarca local (de Alfena) e acérrimo defensor do Hospital Privado de Alfena e do grupo Trofa Saúde "aqui a lei sou eu" - no caso concreto, o Grupo Trofa - ainda que na realidade, ambos se encontrem vezes demais à margem da mesma.

O caso seria menos preocupante se não fosse com a saúde dos cidadãos que eles neste caso andam a brincar.

Esperemos que finalmente e porque agora já existe o reconhecimento de uma grave irregularidade, a Administração actue, puna e proteja os cidadãos destes predadores que ora no Algarve, ora em Braga, ora em Alfena, vão fazendo de conta que "a lei são eles", que o País é seu refém e que os cidadãos não têm direitos, ainda que a nível dos cuidados de saúde privados que nem por isso devem deixar de ser certificados!

O Hospital Privado de Alfena, está a funcionar ilegalmente e isso deve ser ponderado por qualquer utente no momento em que precisa de recorrer a um Hospital!


publicado às 16:49

MAIS UM FÓSSIL PARA A PRATELEIRA...


 

Com a devida vénia ao Jornal o VERDADEIRO OLHAR, damos conta aqui de uma decisão relevante envolvendo Valongo: Fernando Melo, com empurrãozinho ou sem ele, está em vias de se recolher.

Ermesinde e a indispensável prateleira que vai ter de ser montada para a arrumação dos fósseis recentemente descobertos por José Manuel Pereira, seria uma das hipóteses ponderadas para o acondicionar, sendo que neste caso ele teria a seu favor a vantagem de poder escolher o melhor lugar na prateleira, enquanto os "companheiros" mais antigos que ainda estão numa fase de prospecção, não começam a chegar. Portanto, uma melhor visibilidade e maiores hipóteses de recolher uns esporádicos piparotes de ternura dos seus ex queridos munícipes.

A outra possibilidade seria segundo este Jornal, acondicioná-lo numa pequenina cabana de madeira construída à sua medida no parque paleozoico de Valongo, sendo que neste caso, convinha não esquecer uma substancial reserva de Barca Velha para as noites menos amenas.

(Não me pagaram nada pela publicidade, mas como se trata de um produto de qualidade genuinamente português que o velho dinossauro aprecia, abri uma excepção...) 

publicado às 13:37

A "FACE OCULTA" DE ALFENA...

 

Apesar do esforço que todos aqueles que - uns de má fé e outros (apenas) algo ingenuamente - estão a fazer para que o processo dos "Cinco Caminhos/Jerónimo Martins" avance correndo à frente da revisão do PDM, outros dão o seu melhor, não para travar investimento, não para impedir a criação de postos de trabalho, mas simplesmente, para que se respeite a Lei, que se tratem os investidores de forma igual, para que se chamem os "bois pelo nome" e para que que falhou, quem corrompeu, quem violou de forma grosseira a Lei, sem ter sido penalizado com a mais pequena coima, não seja (ainda por cima) premiado.

O núcleo de Alfena da Coragem de Mudar, enviou à CCDR-N, representada pela sua Directora Regional, a exposição que se segue - para que todos aqueles que vão ser chamados a deliberar, o possam fazer na posse do máximo de informação possível e não apenas daquela que a Câmara vai disponibilizando, enquanto sub-repticiamente escamoteia outra eventualmente mais relevante.


 
19 Fev (há 7 dias)
 
Exma. Senhora Directora Regional do Ordenamento do Território, Drª. Célia Ramos,

Conforme tive oportunidade de lhe dizer na nossa última conversa telefónica, foi aprovado no passado dia 16 em reunião de Câmara, o Relatório de Ponderação da consulta pública sobre a Excepção Pontual ao PDM de Valongo.
Tratou-se de uma uma segunda tentativa em menos de dois meses, após a primeira ter sido chumbada com os votos conjugados de toda a oposição e depois de  – fora de tempo e à margem de todos os procedimentos éticos, para falarmos apenas nestes – ter sido possibilitada uma "consulta privada" do grupo Jerónimo Martins aos Deputados do Partido Socialista e da coligação PSD/CDS-PP da Assembleia Municipal, à sua sede  na Azambuja. A Coragem de Mudar, recusou-se a integrar a "excursão", por duas razões a saber:
  1. A Jerónimo Martins – e a NOVIMOVEST também - teveram todas as possibilidades de fornecer todas as explicações para todas as dúvida, no período de consulta pública. Preferiram não o fazer;
  2. Por uma questão de princípio, entendemos que os problemas que a Alfena dizem respeito, devem ser discutidos em Alfena. Além do mais, não contribuiríamos para o agravamento da nossa "pegada ecológica" e  pouparíamos o custo de uma série de almoços – a quem os pagou.
Importa antes de mais alertar para a caricata circunstância, de que a Jerónimo Martins não tem pendente na Câmara nenhum PIP, sendo que aquilo que mais se aproxima desse tipo de pedido, é um dossier capeado e apresentado pelo grupo NOVIMOVEST, que é de facto e continuará a ser, o detentor da área onde se pretende construir a tal plataforma a qual seria cedida por concessão temporária à Jerónimo Martins, no caso da construção avançar.
Há porém muitos problemas a jusante deste Pedido de Excepção Pontual:
Desde logo, a investigação do Ministério Público sobre a especulação imobiliária à volta daqueles terrenos, a alteração radical do seu perfil feita  à margem da Lei e sem que a Câmara (alegadamente) tivesse conhecimento, arrasando, entubando ribeiras, limpando o coberto vegetal. Estaremos pois, aprovando a Excepção Pontual, a beneficiar o infractor.
Mas talvez a questão mais relevante a ter em conta, seja a da medida preventiva que impende sobre os mesmos, por terem sido percorridos por incêndios há menos de 10 anos, nos termos do que se encontra estabelecido pelos DL nºs. 34/1999 e 55/2007.
Na nossa já referida conversa telefónica, disse-me que a Autoridade Florestal Nacional será consultada sobre esta questão.
Independentemente disso já nos dar alguma garantia, interessa talvez alertar para o facto de por vezes os dados disponibilizados por esta entidade nem sempre coincidirem com os que são contabilizados pelos CDOS, pelos Corpos de Bombeiros envolvidos e pelas próprias notícias da Comunicação social.
Permito-me por isso enviar-lhe alguns links que remetem para notícias sobre incêndios naquela área – normalmente designada Nossa Senhora do Amparo, havendo porém muitos mais que me dispenso de juntar, por desnecessários.
Envio também uma tese de Mestrado apresentada pela Dr.ª Carla Isabel Pinto Oliveira - "Susceptibilidade de Incêndio Florestal no concelho de Valongo. Implicações no Planeamento de Áreas Periurbanas" - onde os incêndios em Alfena também são referidos e onde nos remete para os registos que os Corpos de Bombeiros locais – Valongo e Ermesinde – necessariamente possuem.
Por último, dizemos que não se trata aqui de estar contra o desenvolvimento e consequente criação de emprego – embora neste caso, como aliás é admitido pela Jerónimo Martins publicamente, "numa primeira fase, se trate da deslocalização das plataformas de Vila do Conde e Guardeiras". 
Do que se trata, é de que estando o PDM de Valongo em fase final de revisão, deve ser através desse instrumento que os grandes projectos urbanísticos devem avançar, garantindo-se assim plena igualdade a todos os cidadãos e a todos os eventuais investidores.
Em anexo:
1)INCÊNDIOS ALFENA:

 

http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/fogo-fogos-incendio-incendios-valongo-tvi24/1188210-4071.html 

2) TESE DE MESTRADO REFERIDA:

 

http://www.mediafire.com/?rf1nt82o7ac4se1

 

 

Com os melhores cumprimentos,

Pel'A Direcção da Coragem de Mudar e em representação do núcleo de Alfena,
(Assinatura)
publicado às 21:10

VALONGO MERECE UM PRESIDENTE QUE GOSTE DE O SER!


Ora bem...

A notícia não é explícita, não por culpa do Verdadeiro Olhar obviamente, mas sim de quem anuncia a posição do PS.

É que a posição institucional deste Partido - da sua estrutura concelhia - é importante, mas tendo em conta o contexto algo conturbado que parece atravessar por causa do anúncio da candidatura à liderança por parte de José Manuel Ribeiro, fica a dúvida sobre as consequências desta tomada de posição a nível dos seus três Vereadores.

Mas lá que faz todo o sentido que quem já "não gosta de ser presidente" deve deixar de usufruir das mordomias devidas e indevidas pelo facto de continuar a ocupar esse cargo, isso faz!

Quem exerce funções deste tipo, até pode sentir isso, mas nunca pode declarar publicamente que ocupa o cargo a contagosto! Se "não gosta", devolve-o nos termos da lei, calça as pantufas e vai para casa gozar os rendimentos - merecidos ou não!

O máximo que poderemos transigir, é que nesse último percurso sem regresso, se faça transportar na viatura de serviço, conduzida pelo motorista de serviço e que possa usar o cartão de crédito uma última vez, para pagar um lanchezinho aos dois a meio da viagem. Chegado a casa, enfia-o (ao cartão dourado) num envelope e manda-o de volta para ser devolvido juntamente com a viatura.

É absolutamente extraordinário, que as estruturas concelhias do PSD e do aliado CDS-PP, ainda não se tenham pronunciado sobre esta verdadeira falta de respeito para com os eleitores valonguenses. Ou será que também os referidos Partidos já não gostam de governar Valongo? Eé que se for assim, é preferível extrair todas as consequências que resultam da lei, do que levar até ao fim um mandato onde quem lidera não é quem deve e quem deve já não lidera - porque "ligado à máquina" ninguém consegue tomar decisões.

publicado às 17:06

O CENTRO DA CORRUPÇÃO EM PORTUGAL


 

"O Porto e tudo à volta" devem ter-se, perdoem-me o vernáculo, borrado de medo ao ouvir falar no nome de Paulo Morais para a vice presidência da CCDR-N.

(Refiro-me obviamente à parte podre do Grande Porto - e de Valongo em especial, por ser o Concelho que conheço melhor - que vive dos rendimentos do submundo da especulação imobiliária, dos crimes ambientais que lhe estão geralmente associados e do jogo com as regras à medida e as excepções pontuais nos instrumentos de Ordenamento do Território) para rentabilizarem devidamente os seus investimentos.

Afinal, a máquina da corrupção lá conseguiu conter os danos e limitar as perdas, convencendo Passos Coelho a quedar-se por uma versão menos ameaçadora, tendo em conta os interesses instalados.

Imaginamos as longas maratonas negociais que terão ocorrido, o tráfego de telefonemas, a circulação de e-mails, os apelos à memória feitos por alguns dos principais investidores nas campanhas eleitorais e no financiamento dos Partidos - "financiamento partidário" é como sabemos, o sobrenome da CORRUPÇÃO - para que Paulo Morais ficasse de fora.

Paulo Morais constituiria uma ameaça demasiado preocupante, uma espécie de "cavalo de Tróia" dentro da CCDR-N, a complicar o rotineiro funcionamento dos negócios do costume. No fim de tudo, pelo menos os financiadores conseguiram evitar o mal maior.

Um homem (Paulo Morais) que diz  que "o Parlamento tem sido 'centro de corrupção' em Portugal" seria uma espécie de míssil apontado ao coração do monstro...

publicado às 10:20

QUALQUER SEMELHANÇA COM O PDM DE VALONGO (NÃO) É MERA COINCIDÊNCIA...

O simples arrastamento no tempo, do processo de revisão do PDM de Valongo, já suscita em se mesmo muitas dúvidas e proporciona razões mais que suficientes para alimentar todas as especulações.

Desde logo e à cabeça, este conveniente arrastamento ao longo de anos, cheira a corrupção e esta, apesar de se ter transformado já, infelizmente, num fenómeno algo rotineiro neste Município sui géneris - pelas piores razões - ainda assim, continua a mobilizar muitos valonguenses e faz correr muita tinta em artigos de opinião de vários jornais, anima muitas páginas do Facebook e da blogosfera e aquece muitas discussões de café - sobretudo para as bandas de Alfena, onde os últimos casos mais mediáticos que vieram a lume, estão a ser investigados pelo Ministério Público, ou já mesmo nos Tribunais.

Se calhar, é por isso mesmo que Melo perdeu a "vontade de viver" - como presidente de Câmara, obviamente - conforme nos deu conta naquela longa entrevista concedida ao JN, para a qual, deve ter tido necessidade de apelar a todas as presidenciais energias que ainda lhe restam e quiçá, ter de reforçar a medicação desse dia, para aguentar os dois Jornalistas do JN...

Talvez apesar de tudo, Melo tenha ainda a capacidade de perceber,  de que com tantas pontas soltas, mais tarde ou mais cedo algum peixe vai cair na rede e há sempre o risco de se tratar de um "peixe falante", o que à partida, imagino eu, deve causar algum desassossego pelas bandas de Vallis Longus. Isso explica a já famosa frase "já não gosto de ser presidente".

Vale a pena ler o texto que se segue e que recortei da versão online do DN de hoje.


publicado às 16:01

Pág. 1/5

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D