Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A CÂMARA DE VALONGO E A 'RODA QUADRADA'...

 

Não é segredo para ninguém que a Câmara de Valongo tem um grande problema com o IMG (Índice de Massa Gorda).


"Realinhamento Estratégico da estrutura Orgânica" é a partir de agora o eufemismo pomposo para a doença que resulta do excesso da dita e que seguramente vai passar a ser usado quando alguém tiver de se referir ao problema. Até aqui, dava pelo nome - mais modesto - de Macroestrutura e pela cópia do 'diagnóstico' que um amigo atento hoje me fez chegar, as preocupações com a cura parecem não perturbar - de forma significativa - o sono dos actuais gestores da coisa pública valonguense.


Porque é um documento complicado para colocar no Blog dado que a exigência de o passar para o formato de imagem tornaria ilegíveis os conteúdos dos múltiplos rectangulozinhos onde hão-de caber os contemplados - múltiplos demais para uma Câmara afogada em dívidas - deixo-o AQUI sob o formato de link.

 

Vale a pena atentar em algumas abstracções como "Departamento de Desenvolvimento Organizacional-DDO", "Departamento de Desenvolvimento Sustentável-DDS"...

 

Mas o que mais impressiona - pelo desconhecimento das boas práticas em termos de Administração - é designada "Divisão de Auditoria, Controlo Interno e Qualidade - DACIQ!

Como é que se pode imaginar alguém - ou algum serviço - a auditar outros serviços de nível superior? Como é que à 'cabecinha pensadora' que idealizou este Organigrama escapou que neste caso concreto, o responsável por este Serviço só pode reportar directamente ao Presidente, logo só pode estar num dos rectangulozinhos cá de cima? 

A não ser que seja só para fingir que se tem um Serviço de auditoria interna.

 

Apenas um pequeno exemplo para que se perceba melhor sobre o que falo:


Eu trabalhei quase 20 anos numa grande empresa industrial privada, com um quadro de pessoal de quase 800 trabalhadores. Era apenas um quadro intermédio, mas porque tinha a meu cargo definir e fazer cumprir as normas internas de Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho - a todos os níveis da empresa - reportava directamente ao então administrador-delegado. É que se assim não fosse, naturalmente ninguém me ligaria 'peva'!

 

Estamos pois e uma vez mais, confrontados com as incontornáveis 'especificidades' de uma Câmara empenhada em 'reinventar a roda' - só que no caso de Valongo, esta (a roda) parece ter saído quadrada...


 

PS: Conforme explico NESTE POST alguém entrou hoje na minha conta do MEDIAFIRE - onde estava alojado o ficheiro refrente ao link acima (AQUI) - e de forma criminosa, conseguiu apagá-lo. Estou a tentar tudo para chegar ao IP do pirata. Se alguém por acaso imprimiu o referido ficheiro, agradeço que mo envie, para que possa republicá-lo.

 

publicado às 19:38

DAR UM POUCO DE VIDA - PARA QUE OUTROS TENHAM DIREITO À VIDA INTEIRA...

Segundo me disseram, hoje devo manter uma espécie de 'resguardo', evitando exercícios físicos e grandes esforços - que bom!

Foi no Instituto Português de Sangue do Porto (Rua de Bolama n.º 133, para quem quiser ser solidário) e segundo reza a declaração que me passaram para entregar no Centro de Saúde por causa das taxas moderadoras, terei efectuado até ao presente, 36 dádivas. Muitas? Poucas? Depende do ponto de vista, mas foram aquelas que por condicionalismos vários e nunca por falta de vontade, pude fazer...

publicado às 13:46

VALONGO - 'RALI DOS PATROCINADORES'

Correndo o risco de ser politicamente incorrecto, sujeitando-me às críticas de alguns amigos mais 'aferroados' por este tipo de desporto - e aqui me confesso que eu próprio também o aprecio - quero falar do próximo Rali dos Patrocinadores anunciado na passada 6ª feira na Câmara Municipal.

E gostando como já disse, de ver os bólides a acelerar, a única reserva que me coloca de 'pé atrás' relativamente a esta iniciativa é o facto de ela decorrer mais uma vez na M 606 - uma alternativa aos que tentam fugir ao roubo praticado de forma legal nos pórticos da A 41 - cujo piso começa já a apresentar alguns sinais preocupantes de degradação e um Rali representará seguramente menos uns mícron na espessura do betuminoso ou o agravamento nos pontos em que ele já quase não existe.

Não conheço ainda os contornos do protocolo estabelecido com os organizadores - e que deverá ir, suponho, à próxima reunião de Câmara mas o mínimo que se espera desta, é que saiba acautelar este tipo de preocupações não deixando de obrigar à reposição do estado do piso nas condições anteriores à realização do evento.

Sabemos que este tipo de eventos dão visibilidade ao Concelho - também darão eventualmente alguns votos nas próximas eleições - mas podem igualmente se não forem bem geridos, representarem mais inconvenientes do que vantagens.

O Presidente da Câmara já sabe que vai ter uma data de gente a dizer que foi prejudicada pelos constrangimentos causados pela prova - é natural e percebe-se - mas ao menos, que saiba acautelar a utilização futura daquela via em condições aceitáveis para o cada vez mais numeroso trânsito que começa a ter.

publicado às 22:23

A UNANIMIDADE DE VALONGO....

 

 Ainda sobre a agregação de freguesias no Concelho de Valongo:


Fiz referência neste Blog, no Facebook - e também no artigo de opinião que hoje saiu no jornal Verdadeiro Olhar - a comentários informais feitos pelo Dr. João Paulo Baltazar numa reunião partidária, sobre a agregação das freguesias de Sobrado e Campo, 'considerando essa hipótese a que melhor serviria os interesses do Partido'.

 

Em momento algum afirmei - nem a minha fonte o referiu - que o presidente da Câmara tenha alguma vez defendido a diminuição do número de freguesias, mas apenas, que no caso de a mesma vir a ocorrer, aquela seria a 'geometria' mais vantajosa para o PSD. 


Chegaram-me entretanto 'ecos' de uma reacção negativa do Dr. João Paulo Baltazar sobre o que escrevi acerca do episódio que me foi relatado - todos os que me conhecem sabem que eu não participo nas reuniões partidárias do PSD, aliás, não participo em reuniões de qualquer partido.


O Dr. João Paulo nega em primeiro lugar, ter tido esta conversa com quer quer que seja e terá afirmado ainda de forma peremptória, que considera a solução encontrada para Valongo perfeitamente injustificada e até idiota - foi mais ou menos este o sentido da sua reacção e que me chegou ao conhecimento.


Excluindo portanto a hipótese de qualquer das partes estar a mentir - 'quem diz que ele disse e ele que diz que não disse', resta a hipótese plausível de ter sido levada à letra uma qualquer afirmação irónica do género da referida. Como entretanto ocorreu a infeliz coincidência do presidente da Assembleia Municipal, parceiro na coligação  e membro de UTRAT, ter votado por unanimidade no seio daquele Órgão a agregação que foi no sentido atrás referido, alguém terá associado a (eventual) ironia à decisão de facto.


Mas vendo bem as coisas, acho que o que realmente conta a partir de agora - pelo menos para mim - é o seguinte:


i.  O Dr. João é claramente contra a agregação de qualquer freguesia em Valongo;


ii. Está disposto a assumi-lo publicamente e sempre que essa posição venha a ser solicitada;


iii.Esta mesma posição terá sido sempre manifestada por ele nas instâncias partidárias em que o assunto foi abordado;


Portanto, como o que vale são as atitudes assumidas formalmente e as atrás referidas me foram garantidas por fonte igualmente idónea, só posso dá-las como validadas: poderemos contar com o empenho do presidente da Câmara e de todo o grupo municipal do PSD no sentido de tudo ser feito para corrigir a completa idiotice que representa a agregação de qualquer freguesia no Concelho de Valongo.

Resta portanto e apenas, a atitude indesculpável do presidente da Assembleia Municipal, do qual se espera que o próprio e todos os eleitos saibam retirar as devidas consequências no momento oportuno. 

publicado às 15:56

CÂMARA DE VALONGO - 'GRILOS FALANTES' E OUTRAS HISTÓRIAS...

Ao contrário do que se pensava, as 'massagens ao ego', tal como as outras, as que que nos atenuam ou eliminam de forma definitiva aquela dor desagradável que nos incomoda, parecem resultar em ganhos claramente visíveis para os 'massajados'.

E perguntarão os menos familiarizados com a 'especialidade' como é que se processam as ditas, em que locais é possível fazê-las, se ficam muito caras e outras perguntas frequentes (FAQ usando a terminologia inglesa).


A resposta é muito simples e abrangente:


Em Valongo, basta ser vereador da oposição com direito a assento na semanal reunião de Câmara (o equivalente a uma 'sessão de tratamento') e o 'massajado' em vez de pagar ainda recebe em troca a regulamentar senha de presença.

Dirão os cidadãos comuns, 'que não é justo, que assim pagamos todos, os prazeres de uns poucos' e coisas do género!


Pois é, mas quem é que disse que a democracia representativa não tinha custos? Apesar disso, parece que ainda é o menos imperfeito de todos os sistemas políticos e por isso, antes que inventem outro, vamo-nos dando por felizes por podermos continuar a usufruir deste.


Mas há na Câmara quem tendo direitos iguais a idênticas 'massagens', deles abdique esporadicamente - para poupar um pouco aqueles que ficam cá atrás a assistir olhando para o relógio, à 'autocompensação' que normalmente se processa no extremo esquerdo da mesa - para quem olha para ela do lado do público.


Falta apenas acrescentar, que os efeitos benéficos - para o próprio, obviamente - só são alcançados se lhe for concedido ou ele o tiver conquistado por uma espécie de direito por 'uso capião', o estatuto de 'grilo falante'.

 

Hoje para não variar, voltamos a ter mais do mesmo: temas livres - alguns requentados - não sujeitos a qualquer escrutínio de representatividade e mais uma vez também, voltamos a não ter temas desde há muito apresentados por cidadãos comuns de Valongo, que acreditando na diferença de uma certa oposição acreditaram também que ela seria a voz dos 'sem voz' na opacidade de uma 'Câmara excelente' apenas em títulos.

Assuntos relevantes que infelizmente continuarão a aguardar melhores dias para serem atirados para cima da mesa. As 'massagens ao ego' não se compadecem com o uso de um tema qualquer...


Dizia a minha avozinha na sua simples mas imensa sabedoria e por palavras dela, que um pouco de vaidade genericamente falando, valoriza o comportamento das pessoas, mas - e isto já sou eu que digo - quando a dita ultrapassa 'aquela linha imaginária', então existe o risco de as transformar em pedantes emproados, em 'discursadores onanistas' em 'viciados' no monólogo como forma de atingirem o clímax.


Este tipo de pessoas, normalmente fica tão embevecida a ouvir as próprias palavras, que nem se dá conta - como hoje voltou a acontecer na reunião de Câmara - do tédio que a sequência discursiva vai provocando, quer entre os seus pares, quer entre a plateia que em cada reunião a que resolve assistir, tem sempre a expectativa - quase sempre gorada - de ouvir algo de relevante para Valongo vindo da oposição, já que do executivo, ainda é cedo para as prometidas novidades.


O que vale, é que quem assim procede, quem prefere continuar a 'privilegiar-nos' com sequências de trinados em vez de palavras com conteúdo, já só se representa a si próprio - enrolado nas próprias palavras um dia proferiu em relação à Associação que o ajudou a eleger: 'vereadores e Associação são duas realidades distintas que aqui e além podem eventualmente tocar-se" - fim de citação.

publicado às 20:32

O PAEL E O NOVO PARADIGMA DE VALONGO...

 

Vamos por partes - a ver se consigo colocar aqui o que penso em termos entendíveis:

Começo por uma declaração prévia sobre a Câmara de Valongo e como uma coisa tem a ver com a outra, também sobre quem a gere - agora formalmente e de facto - que não é de todo comparável em termos de trato, ao seu antecessor.

 

Estas coisas têm a importância que têm e às vezes é muito pouca, mas mesmo assim, vale a pena destacá-la: até há uns meses atrás, chegava-se mais facilmente à fala com um secretário de Estado ou até com um ministro, do que com o então presidente da Câmara de Valongo. Com João Paulo Baltazar, as coisas são mais informais, o que é positivo.


Sobre a administração propriamente dita, é que já não há assim tantas diferenças como os valonguenses esperavam que viessem a ocorrer e isso é mau. E pior ainda, é quando se transformam coisas negativas - resultado de uma gestão desgraçada de quase duas décadas - em 'inevitabilidades' que só nos caíram em cima por causa da crise.

'Bendita crise' que se tornou de repente no único álibi dos ineptos, dos incapazes de realizar obra e no caso de Valongo, nos 'padre nossos' da absolvição dos criminosos que por aí se pavoneiam ainda, assobiando para o ar para disfarçarem as malfeitorias praticadas.

Ontem no Facebook, constatei uma ocorrência verdadeiramente deprimente - na página do grupo 'Valongo sou eu és tu' (https://www.facebook.com/amovalongo?fref=ts) - a propósito de uma fotografia do presidente a assinar o PAEL em Lisboa.


Como é que os donos da página podem negar o by-pass à Câmara, quando se dão ao trabalho de fazerem eles a promoção de um acontecimento negativo e que só ocorre pelas razões - em Valongo pelo menos - que todos conhecemos e não dizem nada sobre essas mesmas razões?

Como é que o chefe de gabinete do presidente aproveita logo a boleia para fazer partilhas às dezenas e depois se mobilizam - os telemóveis são uma invenção maravilhosa que só deixa rastos quando estão sob escuta por suspeita de algum crime - dezenas de 'puxa-sacos' - reconheço que é um brasileirismo pouco simpático, mas escrevi, está escrito - para comentarem elogiosamente o acontecimento e 'parabenizar' - outro brasileirismo que me escapou - o Senhor Presidente pelo relevante acontecimento?


Então e sobre as razões que nos conduziram a esta desgraça, nada?

E sobre as consequências futuras que ela representará para os valonguenses, nada também?

É que mais de 16 milhões de Euros vão ter de ser pagos e os juros também! E para além disso, continuamos a ter o 'serviço da dívida' de longo prazo!

Será que vai sobrar alguma coisa para a Câmara trabalhar e fazer as obras que Valongo necessita?

 

Ou será que pelo contrário tudo se vai resumir a uma postura minimalista vulgarmente designada de 'sempre em festa', onde passaremos a ver constantemente o presidente e os seus mais directos colaboradores a posar para memória futura? Associações não faltam e oportunidades para promover a imagem também não, com vantagens para aquelas: realizam eventos de forma baratinha bastando que a Câmara lhes conceda a modesta ajuda do costume através dos múltiplos protocolos que com elas tem vindo a celebrar e os 'ilustres convidados' ajudarão a encher a fotografia que depois se mandará encaixilhar para colocar lá nas paredes de Sede do Clube, da Associação, do Grupo...


Mas Valongo sobreviverá durante mais de uma década, apenas com este paradigma?

Eu que tenho origens e princípios católicos, mas que por contingências e razões várias que não vêm para ao caso, deixei praticar há bastante tempo, apetece-me 'regressar às origens', erigir um pequeno oratório num qualquer recanto da casa onde me possa recolher com uma fotografia na mão - que não digo de quem é, nem que me torturem - para apelar até à exaustão: "Deus livrai-nos 'deste' mal" - e da desgraça de termos de hibernar nos longos invernos que se avizinham!


Fernando Melo apesar de tudo, era um 'mal menor'.

Porque mais previsível, mais selectivo nas suas aparições públicas, por não entrar em qualquer tasquinha nem ser tão espontâneo a tirar o casaco e a enfiar a t-shirt - como faz o actual detentor do cargo, se achar que daí advirão mais vantagens que sacrifícios.

João Paulo Baltazar é um 'homem do Povo' e a História está repleta de 'homens do Povo' que foram verdadeiras personificações do mal.

Talvez seja algo exagerado conceder-lhe para já esse 'estatuto', mas é, de todo avisado mantê-lo 'sob vigilância apertada'!

publicado às 10:33

Pág. 1/3

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D