Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ERMESINDE - "DIREITOS LABORAIS" OU ALGO MAIS?

VLG_bombeiros.jpg

 

Foto do Jornal Verdadeiro Olhar 

 

Captura de ecrã 2015-02-28, às 12.42.42.png

Lamentável, que uma minoria de assalariados - porque ao que parece, nem todos aderem a esta 'estratégia' - tente desestabilizar toda uma Corporação onde prevalece uma esmagadora maioria de voluntários.

 

Se existem questões profissionais a resolver ou corrigir, discutam-se com a Direcção eleita, mas de forma razoável e séria como sempre deve ser a postura de um Bombeiro!

 

Registo um facto relevante e incontornável:

 

Durante os cerca de 6 meses em que a Direcção cessante lançou mão de todos os expedientes - providências cautelares, queixas na Justiça, instauração de processos aos sócios mais incómodos, visando a sua suspensão e o exercício dos seus direitos - tudo com o fim supremo de impedir a tomada de posse dos actuais Órgãos, estes "activistas laborais" não tenham apresentado o seu caderno reivindicativo!

 

Os Sócios estão atentos e saberão tirar as devidas conclusões relativamente a estes estranhos "activismos"!

publicado às 11:54

ALFENA SÉNIOR EM 'LOW COST'...

Captura de ecrã 2015-02-27, às 15.47.17.pngNão gosto de ser "desmancha-prazeres" sejam eles quais forem e muito menos ainda quero colocar algum travo amargo no 'prazer' de que vou falar a seguir...

 

Gosto especialmente de iniciativas solidárias, contribuo sempre que posso se as considero relevantes e por isso não teria - não tive pelo menos até agora - nenhuma razão para não louvar o trabalho que é desenvolvido pela Escola Sénior de Alfena a funcionar (actualmente) no espaço da Plataforma Solidária.

 

Tinha de começar por esta declaração inicial, por uma questão de respeito para com os muitos utentes que a frequentam, esperando que todos compreendam que o que vou escrever a seguir não os visa de forma alguma e apenas se dirige a quem, sem respeito pelas boas práticas e por um trabalho transparente - a solidariedade não tem nenhuma razão para ter medo da transparência - põe de facto em causa e até mesmo em risco um projecto socialmente relevante.

 

Tomei conhecimento há dias, de uma iniciativa no âmbito da Plataforma Solidária de Alfena - aquela onde não existe nenhuma IPSS envolvida, o que é no mínimo estranho - designada de Feijoada Solidária e alegadamente destinada a apoiar o Banco Local de Apoio Alimentar.

 

Se assim fosse, eu que por acaso até gosto de feijoada, seria seguramente um dos visitantes do 'Take Away', restando-me apenas esclarecer previamente uma relevante dúvida:

Será que a cozinha onde a mesma vai ser confeccionada tem as condições necessárias para tal e está devidamente licenciada para esse efeito?

 

Acontece que informações que entretanto me chegaram, acrescentam razões bem mais graves para eu levantar aqui - e  a quem de direito - uma questão mais preocupante do que a higiene alimentar:

 

Parece que o produto da feijoada, ao contrário do que é dito - 'apoio ao Banco Local de Apoio Alimentar' - se destina, no todo ou em parte, a pagar uma viagem de avião em low cost dos Seniores a Lisboa e que parece que fica por cerca de 50 Euros cada!

 

- Como é que a Câmara de Valongo - um dos dois parceiros que restam na Plataforma Solidária depois da saída da AVA  - pode compactuar com esta gestão 'amiguista' de um equipamento tão relevante?

 

- Como é que os privados da restauração, que para servirem feijoadas são obrigados a cumprir uma série de regras, vão reagir, sobretudo depois de saberem que afinal o destino do produto da venda da dita não é assim tão solidário?

________________________________

 

Pequena nota de rodapé:

Não tenho nada contra 'baptismos de voo' de quem quer que seja, mas numa altura em que há gente a passar por muitas dificuldades - a Plataforma foi criada para tentar dar resposta a isso - será que estes 'pequenos prazeres' fazem algum sentido?

 

publicado às 15:35

A 'MORGUE MUNICIPAL' DE VALONGO - ONDE JAZEM PRECOCEMENTE MORTOS OS NOSSOS SONHOS...

20150225_212000.jpg

 

Ontem foi dia de Assembleia Municipal - em versão descentralizada realizada em Campo.

Infelizmente e como já deu para perceber ao longo de quase um ano e meio deste mandato 'socialista atípico', em Valongo continuamos a leste da Democracia, a leste da legalidade, a leste da transparência, a leste de tudo aquilo a que temos direito...

 

A Ordem do Dia da sessão de ontem, estava a bem dizer reduzida à expressão mais simples - 1) Aprovação de actas; 2) Eleição de um Presidente de Junta de Freguesia e seu substituto para o XXII Congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses; 3) Apreciar a informação escrita do Presidente da Câmara - mas mesmo assim e durante o período de "antes da Ordem do Dia" a coisa desenrolou-se no registo do costume, com o malhar do costume também, as críticas vindas de todas as latitudes menos de uma, as perguntas de todos os lados menos de um.

E tudo isto pontuado pelas costumeiras acusações de falta de transparência, da ausência de um rumo concreto e definido, do vazio de projectos, da degradação acentuada da qualidade dos vários serviços assegurados pela Câmara ou da sua responsabilidade - piscinas, recintos desportivos, zonas de lazer, equipamentos colectivos, instalações diversas...

 

Vários emblemas de campanha do nosso 'presidente do avental' continuam a jazer sobre a 'pedra fria da morgue municipal' ao lado dos nossos sonhos de Setembro de 2013.  E como é seu apanágio, sempre que o confrontam com esse lamentável estado de morte precoce - como foi o caso de ontem - ele veste o discurso de circunstância dos políticos de aviário da nossa praça de cuja fornada é oriundo e reage da forma mais previsível e básica: discurso palavroso, inconsistente, redondo, onde depois de se somarem todas as não-respostas que vai debitando para o gravador, se obtém sempre o também previsível resultado: o zero absoluto.

 

Mas pior que termos um presidente que fala muito e não diz nada, é não termos mais ninguém no grupo dos que o suportam que seja capaz de lhe preencher os vazios governativos. Limitam-se a massajar-lhe  o ego e a 'reforçar-lhe' a inacção incapazes sequer de brandir o verbo em defesa do chefe!

 

O Presidente é pois e de forma cada vez mais visível, um homem só. Por culpa própria - porque foi ele que compôs o ramalhete com que se enfeita - mas também, porque tal como os eucaliptos, ele seca tudo em redor e tem aquela espécie de 'toque de Midas' ao contrário: ouro em que põe o dedo vira seguramente pechisbeque...

 

Tivéssemos nós uma liderança à altura das circunstâncias no Órgão deliberativo - a Assembleia Municipal - e o Presidente da Câmara há muito que estaria a 'piar fininho'. É que existem atropelos à Lei que não deveriam passar sem a adequada reacção do Presidente da AMV, Dr. Abílio Vilas Boas, tais como a sistemática recusa (por omissão displicente) de prestar as informações requeridas pelos deputados da oposição, ou a ostensiva tentativa de colocar o deputado independente à margem do direito à informação, só porque ousou ampliar a voz daqueles muitos - cada vez mais muitos - que têm vindo a dar volume ao grito de denúncia de que o rei vai (de facto) nu.

 

Só por 'inconseguida' tentativa de fazer humor é que alguém pode ousar dizer que 'Mudar Valongo' continua a ser uma marca fiável e que tudo está a decorrer de acordo com o caderno de encargos a ela associado em Setembro de 2013. E talvez por isso se perceba melhor o real significado do ruidoso silêncio dos cada vez mais escassos batedores de palmas do nosso homem do avental.

 

Ontem e uma vez mais, entreguei na Mesa uma lista de perguntas e questões para serem esclarecidas e tal como das vezes anteriores, as minhas expectativas são (quase) nulas! Pelo menos enquanto não me dispuser a "ir por aí acima" até às instâncias da Justiça...

_______________

 

AMV 25FEV2015

Questões ao Presidente da AMV

 

1)

- Sobre a Moção relativa à USF Alfena/Campo - Acta 11 - pode apresentar-nos resultados?

2)

- Pode dar-nos conta de alguma diligência por parte da Câmara relativamente à moção sobre REN (Rede Eléctrica Nacional) aprovada por unanimidade nesta Assembleia - Acta 13 - e se existiu, quais os Resultados?

3)

- Solicito uma informação urgente sobre o estado da participação ao Ministério Público de um caso de corrupção envolvendo um fiscal da Câmara.

4)

- Solicito detalhes sobre o ponto de situação relativo à concessão da BeWater, nomeadamente sobre a constituição da Comissão de Fiscalização e sobre a avaliação externa que estava prevista .

5)

- Ponto de situação sobre a concessão do estacionamento de superfície e garantias sobre o estado actual da verificação obrigatória dos parquímetros instalados. 

6)

- Solicito-lhe uma posição formal sobre tratamento discriminatório por parte do executivo relativamente ao deputado independente no que toca ao direito à informação e também, uma explicação para a mudança da sua parte, relativamente ao que tinha acertado comigo e funcionou durante cerca de um mês.

7)

- Solicito uma informação urgente sobre os moldes em que funcionam as Academia Sénior e Escola Sénior no espaço ocupado pela Plataforma Solidária de Alfena e com quem foram acordados, nomeadamente em relação à imputação de custos.

8)

- Solicito uma informação detalhada e certificada - clara delimitação na planta do PDM que corresponda visualmente à área indicada no mesmo - sobre a UOPG 16 de ALFENA.

publicado às 17:10

VALONGO TEM NOVO PDM - E TAMBÉM NOVAS 'BOLSAS' DE CORRUPÇÃO...

PaosCncelho.jpg

 

Entrou ontem em vigor o novo PDM de Valongo - consultar a publicação em Diário da República AQUI

 

RE_1_PDM_Valongo.png

Trata-se de um instrumento fundamental para o desenvolvimento do nosso Concelho e isso deveria deixar-nos satisfeitos, não fora a desnecessária e lamentável insegurança jurídica introduzida pelo actual presidente da Câmara na parte final do processo.

 

Mas não é apenas essa questão da segurança jurídica invocada pelos subscritores dos votos contra e de abstenção muito crítica em sede da Assembleia Municipal. 

 

Para além dela, subsistem e ampliam-se as bolsas de corrupção do costume e que ao contrário daquilo que seria expectável em resultado da mudança da cor política da Câmara, florescem mais do que nunca - parabéns Dr. Fernando Melo, um dia destes ainda teremos de o considerar um autarca exemplar e impoluto - à luz dos actuais padrões, obviamente...

_______________________

 

Esta é mais uma UOPG 'metida à pressão' por José Manuel Ribeiro e o seu 'assessor' arquitecto Vítor Sá, "a pedido de várias famílias" e onde vai ser gerada muita riqueza.

Para quem? Essa é a pergunta para "um milhão de dólares", mas no ponto em que o atoleiro se encontra, será que isso é importante?

 

REC_2_PDM_Valongo.png

Captura de ecrã 2015-02-14, às 16.53.18.png

Captura de ecrã 2015-02-14, às 17.07.36.png

 

Primeiro recorte permite ver a UOPG 16 enquadrada com a UOPG 06 (a do "garimpo"), do lado direito e a cor de rosa.

No segundo recorte e com maior detalhe,  a dita UOPG 16.

 

________________________

 

 

Passam portanto a ser duas as bolsas mais 'relevantes' da florescente corrupção valonguense, sendo que a do "garimpo" (a UOPG 06) impulsionada pelo novo instrumento, não tardará muito em ver o seu valor actual nos fundos imobiliários NOVIMOVEST em que se insere, que neste momento é de (apenas) 8,225 ME - começou em 4 ME em 2009 - a subir de novo para os 20 ME que já estiveram registados na CMVM, salvo erro até 2010, valor corrigido 'em baixa' devido aos sucessivos adiamentos do PDM.

 

NOVIMOVEST_CMVM_1.png

NOVIMOVEST_CMVM_2.png

 

_____________________

 

E viva a transparência da Câmara mais opaca do País, onde os negócios do imobiliário e do urbanismo continuarão a permitir ganhar dinheiro de forma (bem) mais fácil do que em muitos concelhos vizinhos... 

 

 

 

publicado às 20:23

MENTIRAS E ARTIMANHAS...

A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer

Mário Quintana

___________

 

260756-mentira_util2.jpg

 

E a verdade, na verdade também pode ser influenciada e moldada por vários factores de ordem cultural, religiosa, jurídica e outros e exige muitas vezes o recurso a uma 'ferramenta específica de parametrização' que a interprete ou descodifique.

 

Porém, no caso do presidente da Câmara de Valongo essa 'ferramenta'  já não é suficiente.

 

Quando das palavras ditas ou escritas resulta claramente e sem nenhuma sombra de dúvida o contrário do que é verbalizado ou escrito, não há 'parametrização' que valha!

 

Passemos pois de imediato à 'verdade da mentira' do presidente da Câmara...

 

Requeri na passada Assembleia Municipal um conjunto de documentos certificados destinados a 'futuros desenvolvimentos' jurídicos do conturbado processo de aprovação do PDM de Valongo, documentos esses que me foram entregues hoje pelo carteiro, via volume registado e com aviso de recepção.

Entre esses documentos está a Acta da reunião de Câmara de 20 de Novembro de 2014 onde o vereador da CDU Adriano Ribeiro (a meu pedido) colocou a questão de existirem Associações e cidadãos que apresentaram reclamações no período de consulta pública do PDM e a quem a Câmara não remeteu qualquer resposta no decurso da elaboração do Relatório de Ponderação - ver recorte:

 

Esta verdade esqueceu-se de acontecer:

 

REC_2_2.png_________

 

Em Resposta José Manuel Ribeiro respondeu mentindo!

 

Por muito que me desagrade o termo, é de facto o único que se aplica à situação concreta:

Nem a Al Henna, nem a Associação Coragem de Mudar nem o Clube '9 de Paus', que entregaram no Gabinete do Munícipe duas reclamações durante o período de consulta e de cuja entrega possuímos o correspondente  comprovativo, receberam da parte da Comissão incumbida de elaborar o Relatório de Ponderação qualquer resposta.

 

Esta é pois mais uma razão - entre muitas outras - para que quem de direito proceda a uma cuidada reavaliação de todo o nebuloso processo.

_________

 

Mas José Manuel Ribeiro não é exímio apenas em evitar que as verdades aconteçam. Também na arte da manha ele dá cartas:

 

Desde que tomou posse que os documentos que vão a reunião de Câmara passaram a ser enviados ao presidente da Assembleia e aos representantes dos grupos que a seguir os reenviam aos restantes deputados.

Acontece que a seguir à minha desvinculação do grupo do PS a primeira retaliação que me foi dirigida, foi cortarem-me o acesso à informação. 

É evidente que só quem não me conheça poderia esperar que eu ficasse calado perante esta atitude, que mais do que execrável, é acima de tudo ilegal!

O presidente da Assembleia Municipal questionado por mim e numa primeira fase deu-me razão, pelo que de imediato foi dada indicação à assistente de apoio aos Órgãos eleitos para me enviar toda a informação nas mesmas condições em que era remetida aos restantes.

 

Sol de pouca dura, que aquilo que falta a José Manuel Ribeiro em capacidade para gerir bem os destinos do Concelho, sobra em 'esperteza saloia'!

 

Fui informado pelo Dr. Abílio Vilas Boas (presidente da Assembleia Municipal) que para 'contornar' a questão por mim levantada e para que o principal desiderato do Zé Manel possa ser conseguido, a informação a remeter aos deputados municipais deixará de ser feita pela Assembleia passando a ser assegurada directamente pelo gabinete do presidente.

 

Como se a Câmara tivesse passado a ser a sua "horta urbana" e ele se possa dar ao luxo de plantar nela os legumes de que mais gosta! 

 

 

 

publicado às 21:25

DO 'SUBÚRBIO' À CAPITAL DO REINO EM VOO PLANADO E SEM SEGURO...

 

Existem duas coisas verdadeiramente inconcebíveis e que portanto, passe o pleonasmo, eu não concebo - a primeira mais inconcebível que a segunda:
Que o "luso-alemão" Passos Coelho e o "ratinho de submarinos" Paulo Portas - coligados ou não - consigam uma nova maioria nas próximas legislativas.
A segunda, é que o 'espanta-turistas' alfacinha (com a criação da taxinha de 1 € para entrar em Lisboa) e que igualmente persegue o 'patriótico' projecto de transformar o centro da capital do reino num território quiçá exclusivo à circulação dos Audi e BMW topo de gama dos políticos e governantes, consiga alcançar a maioria absoluta.


Se acreditasse em providências divinas, seria a altura de dizer a frase do costume: "que Deus nos livre de qualquer destas hipóteses"!


Mas pronto, sobre os 'mortos' recuso-me a dizer mais - sim, porque os que (ainda) estão, já estão 'mortos' há muito só que ainda não sabem e também ainda ninguém lhes disse.


Já sobre o Costa...


De desilusão em desilusão, lá vai dando algum consolo aos desconsolados apoiantes de António José Seguro que ele tanto criticou e bem, mas de quem agora vai recuperando algumas propostas.


Não têm porém nenhuma razão os (agora) menos desconsolados apoiantes do Tó Zé!


Vejamos o caso concreto da recuperação do projecto do 'enriquecimento não justificado' - o Tó Zé chamava-lhe com mais coragem ilícito:
Peguemos no exemplo mais próximo do nosso Concelho de Valongo onde a Câmara foi conquistada ao PSD por um activo apoiante de Seguro e onde a corrupção continua 'sorridente a pavonear-se à janela' do Município.


O 'suburbiano' condomínio da Avenida 5 de Outubro permanece firme e hirto no respectivo 'ranking', como o maior 'habitat' natural da corrupção a nível do Poder Local.


A proliferação dos casos de favorecimento ilícito, os 'ajustes directos' do costume, a prevaricação de sempre, permanecem como regras intocáveis.
A manutenção e até o reforço da presença de elementos corruptos e alegadamente corruptos em funções de destaque sem que daí decorra sequer o mais leve pestanejar de incómodo do presidente- maçon permanece até agora.
O tratamento desigual dos munícipes e/ou a perseguição que é movida àqueles que mais ousam incomodar o poder iníquo é igualmente e ainda,  a norma vigente.


Resumindo e compilando, caros companheiros de estrada nas muitas acções de campanha de 2013 - sobretudo àqueles que teimam em fingir que 'não dão por nada' em relação à vergonhosa situação que se vive na nossa Câmara:
Façam uma pequena pausa, contem até dez enquanto mentalmente repetem: "vou abrir os olhos, vou abrir os olhos, vou abrir os olhos"...
E depois abram-nos mesmo!


E 'depois do depois', já bem despertos, façam o favor de ser felizes!


Bom fim de semana - a todos...

publicado às 21:42

PARLAMENTO HOJE - DEPUTADOS COM INTESTINO NO SÍTIO DO CÉREBRO...

Captura de ecrã 2015-02-5, às 22.32.16.png

 

Este o momento em que "um cretino cujo nome nem me dei ao esforço de memorizar" bolsou o insulto à mais mediana inteligência do Povo...

 

No decurso do debate parlamentar de hoje, a direita mais torta desta Europa torta perdeu o que ainda lhe restava de algum respeito que muitos portugueses ainda acham que lhes deve ser guardado pelo facto de terem sido eleitos.


Hoje, aquela cambada de imbecis - os que vomitaram infâmias e os que lhes bateram palmas de forma alarve - tentou a fuga para a frente para esconder o trabalho de exterminador de velhos e doentes levado a cabo pelo seu ministro da Saúde - OOOPS! - da morte, sob a batuta do seu 'ministro alemão' Passos Coelho e que ontem deu o lamiré para as infâmias de hoje. E a forma mais elaborada que o bando de cretinos pôde encontrar, foi acusar a esquerda "de estar ao lado do grande capital e das farmacêuticas", ao colocar pressão sobre o governo e "dificultando assim a negociação com a farmacêutica". Negociação essa que o ministro vem arrastando - parece até que deliberadamente - há quase um ano em torno do preço do fármaco inovador para a cura da hepatite C (o Sofosbuvir).


Isto é, a direita mais torta desta Europa torta quer ter todo o tempo do mundo para poder reduzir ao "mínimo orçamentalmente aceitável" o número de destinatários do fármaco - deixando que a natureza lhes facilite a tarefa e enquanto isso e para fingir que faz alguma coisa, acompanha esse "processo natural" com uma negociação 'pró-forma' com o tal do grande capital.

 

'Lamentavelmente', a esquerda  não se presta ao vil papel de colaborar no extermínio e ao não entrar nesse jogo, está a fazer o jogo do grande capital!


Pensávamos nós que já tínhamos ouvido tudo...

___________________

 

PS: Afinal, bastou aquele "par de estalos" no ministro, ontem no Parlamento, dado por um dos muitos portugueses a quem ele tem vindo a adiar o pleno direito à vida,  para que o processo negocial com o grande capital se desbloqueasse. 

Prova-se portanto que o episódio de hoje no debate parlamentar, não passou mesmo de uma "crise diarreica" que se manifestou através de uma saída errada - conferir AQUI...

publicado às 22:01

TUDO COMO DANTES NO QUARTEL DE... VALONGO!

 

mala.jpg

Já deixei de gastar tempo a colar "etiquetas" ao irrelevante presidente - oops, escapou-me a  "irrelevante" - ao presidente da Câmara de Valongo.

De facto ele já disse tudo e o seu contrário sobre quase tudo e com isso transformou-se em algo que pode ser comparado àquelas malas de viagem retro só  que, em vez de nomes de países ou cidades, ele optou por "tatuagens" do género:

"Sou contra o 'faroest' urbanístico" / "sou a favor da corrupção da Novimovest em Alfena" / "sou a favor da transparência" / "sou contra o concurso público para os serviços jurídicos da Câmara" / "sou a favor das boas práticas" / "mas escolho para meu 'assessor informal' um funcionário condenado a três anos e meio de prisão por corrupção" / "e também mantenho em funções um fiscal punido disciplinarmente e com processo em curso no Ministério Público - por corrupção"...

 

E podia seguir enumerando exemplos vários de tudo e do seu contrário, tantos - "post-it" que a epiderme de José Manuel Ribeiro não chegaria para os colar!

 

Mas há coisas que mexem com o dia-a-dia dos munícipes e que não se compadecem com este registo de denúncia morna que por aqui vou fazendo - embora alguns me digam o contrário, isto é, que às vezes até sou cáustico demais...

 

Avanço para já dois casos que merecem seguramente um sublinhado a vermelho:

 

1. José Manuel Ribeiro teima em manter - por razões mais que óbvias - a empresa municipal Vallis Habita, com uma equipe que ninguém sabe muito bem o que faz e que justifique o respectivo Orçamento - se eu que sou deputado municipal não 'faço a mínima', o que dizer da generalidade dos munícipes? - mas que não faz seguramente uma boa gestão do parque habitacional do município, a não ser naquela parte de funcionar como "mealheiro" onde já acumula um valor que ronda o milhão de Euros!

Portanto, a Vallis Habita para além do papel aconchegante de "almofada fofa" do presidente, pouco ou nada representa em termos de benefício para os moradores do parque habitacional detido pelo município. Tivemos disso um bom exemplo na última reunião pública da Câmara.

 

2. As Águas de Valongo (BeWater), deixaram há muito de ser uma inofensiva borbulha enquistada na epiderme municipal e evoluíram para uma avançada necrose purulenta que o presidente prometeu - antes de Setembro de 2013 - colocar à cabeça na "lista de espera das cirurgias urgentes".

Assim não foi nem pelos vistos será, pelo menos a curto prazo.

Extinguiu os SMAES e o seu Conselho de Administração, sem ter o cuidado de o substituir pelo órgão sucedâneo nos termos da Lei - a Comissão Fiscalizadora.

Eu votei contra esse erro na Assembleia Municipal - com voto de vencido - e pelos vistos, caros colegas deputados, sobretudo os do grupo municipal do PS, o tempo está a dar-me razão!

Não admira portanto que os nossos irmãos chineses da BeWater se considerem os novos "donos disto tudo" fazendo o que lhes apetece com a concessão, impondo taxas que a Lei não permite, ou que pelo menos obriga a fundamentar economicamente, adoptando práticas verdadeiramente condenáveis como seja por exemplo, mandar um técnico a um determinado condomínio em Alfena para cortar a água numa fracção - por falta de pagamento - usando a esperteza saloia de tocar na campainha de outro morador dizendo que era para "contar a água". Enquanto esse morador se vestiu (ou calçou) para descer as escadas, já o 'espertinho' estava a milhas depois de efectuar o corte.

Claro que não se trata de defender quem não cumpre as suas obrigações, mas existem regras e neste caso elas não foram respeitadas: há uma administração de condomínio e ela seria a entidade indicada para abrir a porta ao funcionário - no caso do morador em falta não atender - depois de comprovado o aviso ao morador em questão, nos termos da Lei.

 

Portanto, caros valonguenses e infelizmente, "tudo como dantes no quartel de Abrantes" - neste caso de Valongo...

 

 

publicado às 00:40

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D