Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO 'SUI GÉNERIS'...

20150515_112158.jpg

 

Hoje teve lugar no Museu Municipal de Valongo uma cerimónia oficial da outorga à Câmara por parte dos Bombeiros Voluntários de Valongo, do direito de superfície sobre o velho edifício do antigo Quartel no Largo do Centenário a fim de o transformar no Museu/Oficina da Regueifa e do Biscoito - "ou outra de interesse público", como reza o referido contrato.

 

Sobre este projecto, nada de negativo a apontar. Afinal, foi uma das muitas promessas de campanha do actual presidente, com a qual estive de acordo e não seria agora por razões laterais que iria alterar a minha opinião.

Quem cumpre o que promete não faz mais que a sua obrigação - assim ele não perca o optimismo com hoje brindou a escassa assistência que testemunhou tão relevante cerimónia. Sobretudo, que não lhe falte "aquilo com que se compram os melões" e que ele tem andado a desbaratar noutras iniciativas menos relevantes e menos urgentes também...

 

Mas tratando-se de um acontecimento relevante - como já o disse atrás - tenho duas dúvidas aparentemente relevantes também e que transformaram a cerimónia de há pouco em algo 'sui géneris' cujos contornos ainda estou a tentar perceber:

 

Primeira: Porque razão não esteve presente nenhum representante da oposição na Câmara (CDU e PSD)?

 

Segunda: Porque razão é que o único deputado municipal presente era eu próprio - ninguém presente nem da Mesa da Assembleia Municipal, nem dos grupos municipais, incluindo do próprio Partido Socialista?

 

Parecem-me - até prova cabal em contrário - sinais pouco animadores para o começo de um processo que todos e eu próprio prevíamos mais entusiástico e festivo...

 

Espero - sinceramente mesmo! - que não nos quedemos uma vez mais pelas vazias e inconsequentes manifestações festivas e plenas de entusiasmo, mas desgraçadamente apenas virtuais a que José Manuel Ribeiro já nos tem habituado ao longo deste ano e meio de mandato - Alfena e o "grande Projecto" do presidente para a Quinta do Bandeirinha que o digam!

 

 

publicado às 13:27

VALONGO: DIFERENTES? NÃO, (QUASE) TODOS IGUAIS!

Com a devida vénia ao JN de hoje, transcrevo a seguir a notícia sobre uma acção inspectiva da IGF (Inspecção Geral de Finanças) à Câmara de Valongo.

 

A corrupção no seu melhor, o favorecimento ilícito de amigos e correligionários políticos em todo o seu esplendor, enfim, tudo aquilo que sempre denunciamos e que sempre acreditamos que a partir de 30 de Setembro de 2013 deixasse de ocorrer.

 

Mas afinal, não acabou...

 

Espero bem que José Manuel Ribeiro não reaja de forma festiva a esta notícia, ele que está a conseguir demonstrar ao longo deste ano e meio de governação - que prometeu que seria diferente - ter-se transformado no melhor dos discípulos de Fernando Melo!

De facto, até para escolher a empresa que vai - finalmente! - avançar com a auditoria à Câmara, José Manuel Ribeiro e o seu vice-presidente preferem ir pelo ajuste directo em vez do concurso público!

__________

Captura de ecrã 2015-05-13, às 13.46.09.png

Captura de ecrã 2015-05-13, às 13.46.47.png

 

 

publicado às 13:47

VALONGO - O IMUTÁVEL, INCONTORNÁVEL, IRREMEDIÁVEL 'SUBÚRBIO'...

11267135_10204429446838025_100443827_n.jpg

 

Ainda só passou um ano e meio...

 

MUDAR era a 'tag' agregadora e VALONGO o objectivo maior à volta do qual nos reuníamos e cuja força nos empurrava em todas aquelas caminhadas/arruadas da esperança.

O entusiasmo e o calor - no sentido literal, que Setembro de 2013 foi quente - que nos tingiam de cor de rosa as lentes com que víamos as cores que muitos mais 'tarimbados' teimavam em dizer-nos que permaneciam cinzentas, impediram-nos de ver a explícita nudez do 'rei' que ajudamos a promover.

 

(Mesmo assim já ia dando para perceber que alguns 'encasacados' resistiam o mais que podiam a misturarem-se demasiado com o Povo e com os mais activistas das tais caminhadas/arruadas, o que não pressagiava nada de bom).

 

Afinal, ano e meio volvido, confirmou-se o pior...

 

Valongo permanece desigual no incipiente desenvolvimento mas igual no vazio de ideias e de projectos.

Valongo consolida-se na sarcástica apelidação de 'subúrbio' com que nos mimam os nossos vizinhos mais prósperos.

E para mal dos nossos pecados - mas quais pecados? - a Câmara de Valongo confirma e reforça a sua faceta de madrasta má, tratando de forma diferente a prole que deveria ser tratada por igual - aqui todos são (alegadamente) iguais, mas tal como sempre aconteceu ao logo das últimas décadas, continua a haver alguns 'mais iguais' que outros.

 

E no entanto 'há festa na aldeia'...

 

Sim, é verdade, Valongo tem substituído a 'obra que se veja' por festas, festinhas, e show de palco  'sensorialmente' mais intensos e de efeito imediato.

Dizem os assessores/bate palmas do presidente que "é disso que o Povo gosta" e ele pelos vistos acredita. 

Acredita mas faz mal - dizemos nós - porque já são mais os que gritam que "o rei vai nu" do que os que aplaudem...

E para piorar as coisas para o lado dele, não há forma de se consolidar a liderança na Divisão da Cultura - a Cultura possível, a tal do show de palco e das festinhas do 'efeito imediato' é certo, porém a única.

 

Soube hoje que o mais incondicional dos apoiantes de José Manuel Ribeiro - e por isso mesmo nomeado para chefiar a Divisão da Cultura - o dr. Agostinho Rocha, terá entrado em rota de colisão com as confusões que abundam naquela frente de trabalho e batido com a porta.

Ao que dizem, encontra-se de 'baixa médica' e permanece incontactável, obrigando o presidente a destacar 'informalmente' para a função, o seu adjunto, eng.º Paulo Ferreira.

 

Nada que nos surpreenda por aí além. Afinal Paulo Ferreira já vai sendo conhecido no meio como o 'presidente em exercício', dadas as sistemáticas ausências do titular por força das suas responsabilidades externas múltiplas.

Entre os rituais maçónicos da 'Loja Paços Manuel', as tarefas da Concelhia do PS e muitos, mas mesmo muitos outros 'etecéteras', o tempo é mais que pouco...

 

Valongo continuará portanto igual ao que sempre foi, à imagem e semelhança do seu líder municipal que também permanece igual a si mesmo, isto é, igual à 'jovem promessa' que já nos habituamos a considerar 'eterna' no sentido mais negativo do termo, isto é e uma vez mais, imutável, irremediável, incontornável - e tantos outros 'áveis' do nosso descontentamento.

 

publicado às 21:22

EMPRESÁRIOS "INDIGENTES" MAS BEM SUCEDIDOS...

images.jpg

 

Recorrendo à analogia de uns certos comentadores desportivos de um certo canal de TV - 'o topo e o fundo' a única conclusão que podemos retirar do elogio amigo, entusiástico mesmo, do lamentável primeiro-ministro deste Portugal desbaratado, feito em Aguiar da Beira  ao "empresário bem sucedido" - e de que maneira! - Dias Loureiro - AQUI - é que o 'fundo' de Passos Coelho, se não tinha sido ainda atingido, foi-o agora seguramente!

 

- O "empresário bem sucedido" roubou este País e os portugueses - em co-autoria - com outros 'assaltantes' bem conhecidos da nossa praça. alguns ainda a contas com a Justiça.

- O "empresário bem sucedido" era Conselheiro de Estado e nem o facto de ser um bom amigo do mais inútil de todos os Presidentes da República o conseguiu salvar de ser demitido do cargo.

- O "empresário bem sucedido" afinal é um simples e modesto indigente, sem nenhum bem em seu nome e, quem sabe, a dormir nalgum vão de escada em Aguiar da Beira - ver AQUI.

 

Mas perante o dislate do primeiro-ministro o que é que vemos?

 

Os líderes da oposição a saírem a terreiro para denunciarem esta verdadeira "declaração de interesses" de Pedro Passos Coelho? Nada disso! 

Talvez porque todos tenham no seu rol de amigos idênticos "empresários bem sucedidos"...

Talvez porque a política em Portugal já há muito que atingiu o seu "grau zero" e descer mais já não é mais possível...

 

António Costa diz que quer ser o próximo primeiro-ministro e até acrescenta que quer governar com maioria absoluta.

 

Das duas uma:

 

Ou António Costa nos diz rapidamente e em tempo útil que é diferente do homem da Tecnoforma e outras manigâncias bem conhecidas e que é amigo de "empresários bem sucedidos" e de "vice primeiros-ministros bem sucedidos" como Paulo Portas, especializado em decisões irrevogáveis e navegação subaquática, ou então, por dedução inevitável e lógica, prova que é igual a esta espécie de gente que nos governa - que por sinal, não é melhor nem pior que a que nos governou anteriormente.

 

Está avisado!

 

 

 

publicado às 10:55

VALONGO - O 'ZERO ABSOLUTO'...

ng4146710.jpg

 

Valongo do nosso descontentamento - ainda e sempre...

 

É tão deprimente o inexistente entusiasmo popular à volta do presidente da nossa Câmara, que até dói!

 

Depois de ter apostado nas frágeis (ou por ele fragilizadas) fidelidades, comprado em regime de pré-pagamento encenadas salvas de palmas e pago como se fossem genuínas as assessorias contrafeitas, nada disto tem conseguido travar o seu mergulho uniformemente acelerado rumo a um fundo cada vez mais próximo.

Num desesperado esforço de 'auto-ajuda', rapou o fundo do 'pequenino cofre das economias de credibilidade' para comprar um 'espelho meu' igual ao da história infantil e passa horas (dias, meses) a fio na frente do mesmo repetindo até à exaustão a conhecida pergunta, teimando em ouvir, não a dura mas verdadeira resposta mas sim a outra, inebriante, massajadora do imenso ego porém falsa.

(Porque na realidade existe muita gente 'mais bela' do que ele)...

 

Neste momento, se a realidade coincidisse com aquilo que o espelho lhe diz, o seu caminhar pelas ruas de Valongo deveria ser acompanhado por acordes de violinos e cânticos de louvor e as solas dos seus sapatos não se estragariam nas irregularidades do alcatrão das ruas por fazer (ou reparar) nem escorregariam na ausência dos passeios por construir. Deslizariam isso sim, suavemente na fofura de coloridos tapetes de flores 'tecidos' pelo Povo feliz e agradecido pelo abnegado trabalho desenvolvido pelo seu muito amado prefeito.

 

Assim não acontece no entanto...

 

Valongo definha na ausência de quase tudo o que é essencial enquanto o empanturram de quase tudo aquilo de que não precisa:

Em vez de acessos condignos, de passeios onde façam falta (ou não faltando, decentes para não nos fazerem tropeçar) de habitações sociais com um mínimo de dignidade, de, de e de tantas coisas mais, massacram-nos - literalmente - com festas e festinhas, 'Xanas toc-toc' e corridas radicais no lago dos patos de Ermesinde.

Ou então, 'atiram-nos para cima' com tapetes de verdejante relva sintética onde felizes assistiremos às sessões de 'show de bola' dos nossos jovens valonguenses - aqueles mais 'sortudos' a quem tenha calhado na selectiva rifa o arranjinho catita e há muito adiado do respectivo estádio. 

 

Enquanto o presidente da Câmara de Valongo seguido dos seus acólitos 'batedores de palmas' se arrasta penosamente e sem tapetes de flores em direcção ao (seu) futuro/miragem, é cada vez maior o número de valonguenses que desperta para a dura realidade de se ver 'pior do que antes' - parece que afinal isso é (mesmo) possível!

 

Aqui pelos vistos e para desgosto do presidente, 'uma mentira mil vezes repetida' não consegue virar verdade e isso é cada vez mais evidente.

 

MUDAR VALONGO é - pelo menos enquanto José Manuel Ribeiro liderar o 'zero absoluto' da nossa municipal governação - um desejo, um sonho adiado, uma quase-abstracção!

publicado às 23:18

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D