Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

'INSANIDADES' ALFENENSES - O ZÉ MANEL NO SEU MELHOR...

 

Captura de ecrã 2015-09-24, às 20.45.01.png

 

Como dizia o outro "não havia necessidade" ...

 

O presidente virtual da Câmara de Valongo soma e segue nas 'gafes' e nas decisões erradas.

Depois de ter andado de candeias às avessas com o presidente da Junta de Freguesia de Alfena relativamente a quem é que teria direito aos 'galões' na organização da Festa do Brinquedo de Alfena que se inicia amanhã e se prolonga por todo o fim de semana, eis que inventou uma nova forma de melgar os pacatos cidadãos e incomodar quem trabalha e precisa das estradas para se deslocar!

 

José Manuel Ribeiro, qual novo 'dono disto tudo', decidiu que o troço da Rua de S. Vicente - uma via estruturante que atravessa Alfena - entre o cruzamento com a Avenida Padre Nuno Cardoso e a Junta de Freguesia, seria encerrada desde ontem e até à próxima segunda feira!

Tudo isto, para montar a parafernália do costume que inclui um palco no meio da via!

 

A alternativa do trânsito passou a ser assegurada pelas Ruas da Várzea e Nossa Senhora da Piedade e foi neste troço, verdadeira 'rua da betesga' que o incompetente presidente literalmente tentou enfiar o 'Rossio': trânsito ligeiro, veículos pesados, a carreira 701 dos STCP, que inclui veículos longos e articulados, etc., etc.

 

Esqueceu-se o incompetente presidente - e ele que conhece tão bem esta Rua! - que por irresponsabilidade dos operadores de telecomunicações e incúria da própria Câmara que não os tem obrigado a cumprir os 'serviços mínimos' em termos de boas práticas, este troço é um vergonhoso estendal de cabos da MEO, da Vodafone, da NOS - há mais algum de quem me tenha esquecido?

Em consequência disso ontem sobretudo, foi uma verdadeira razia de cabos rebentados de telhados levantados e telhas partidas em resultado dos consecutivos 'esticões'.

 

Como dizia o motorista de um camião TIR envolvido num desses incidentes e que não fez como muitos que 'não deram por nada' mas parou para pedir desculpa aos lesados por mais um 'esticão', "o meu camião cumpre o Código de Estrada e não tenho nenhum sensor de objectos aéreos".

 

A GNR foi chamada a intervir umas quantas vezes e os protestos de inúmeros cidadãos prejudicados por esta verdadeira 'insanidade governativa' da autarquia têm continuado a multiplicar-se.

Seria bom que desta vez o Zé Manel não se limitasse a passar pelos pingos da chuva sem se molhar e descesse à terra para dar a mão à palmatória pedindo desculpa pelo pouco cuidado que pôs na sua decisão sobre este assunto.

 

A culpa não pode morrer solteira! O respeitinho é muito bonito e os alfenenses - e não só - gostam! 

publicado às 20:26

VALONGO DEPRIMENTE - "CADA CAVADELA CADA MINHOCA"...

20150917_154130.jpg

 

O Presidente Zé Manel não dá uma para a caixa e a Câmara de Valongo continua, portanto, "entregue aos bichos" - sem ofensa para os ditos...

 

Hoje foi dia de reunião pública e no período 'antes da Ordem do Dia' lá saltou para cima da mesa e pela enésima vez, o 'aperitivo' do costume, ou seja, o assunto da incompatibilidade do adjunto do presidente.

É verdade, desta vez foi servido como 'entrada' pelos vereadores do PSD, ao contrário das últimas vezes em que tem sido apresentado por mim próprio mais como 'sobremesa' e isso permitiu uma degustação mais demorada...

 

João Paulo Baltazar comparou mesmo o actual presidente ao antigo ministro da propaganda do Iraque:

Chovem acusações de má gestão de todos os lados - menos do lado dos 'bate-palmas' presidenciais evidentemente - e ele diz que "está tudo bem"...

A 'maioria relativa' desrespeita de forma displicente a oposição e viola a Lei de forma grosseira e continua ele repete que "está tudo bem"...

Proliferam os ajustes directos que 'cheiram-a-qualquer-coisa-que-não-cheira-bem' e ele, qual papagaio que não consegue ir além das duas ou três palavras mais ouvidas lá em casa, limita-se a papaguear que "cumprimos a Lei, está tudo legal, somos transparentes, é só demagogia da oposição".

Para quem não tenha assistido é dificil de acreditar mas isto foi o máximo que se conseguiu sacar ao 'representante-da-Loja-Passos-Manuel' junto da Câmara de Valongo e que de vez em quando veste a farda de presidente da Câmara...

 

Sobre o caso grave que tem a ver com o facto de o seu adjunto ter permanecido em situação ilegal desde Outubro de 2013 até ao momento presente "tudo legal"!

 

Sobre a situação criada pelo Gabinete Jurídico da Câmara (escritório de advogados do amigo Ricardo Bexiga pela pena de Frederico Bessa Cardoso) que produziu uma informação enviada pelo gabinete da presidência aos vereadores da oposição e a mim próprio como se  fosse verdade - na verdade é uma mistificação e que no limite pode configurar mesmo um crime - "está tudo legal"!

Aqui acrescentou, que "quem não aceitar isso como um facto só tem um remédio: queixar-se ao Ministério Público"!

 

Vamos então fazer uma revisão da matéria antes de tentar outras diligências, incluindo as sugeridas pelo presidente.

 

O recorte que se segue demonstra que o adjunto do presidente "renunciou" ao cargo de gerente da empresa CAMEF em 10-09-2015 "com efeitos a partir de 31 de Outubro de 2013"!

 

Paulo_1.png

 

Comentário:

 

Exagerando um pouco, Ricardo Salgado está a ser julgado porque é imbecil. Bastar-lhe-ia ter suspendido o seu cargo de CEO do BES  "com efeitos retroactivos" a uma data anterior à vigarice e tudo teria sido diferente para ele!

 

O segundo recorte tem a ver com a mistificação construída pelo dr. Frederico Bessa Cardoso.

 

Captura de ecrã 2015-09-17, às 23.54.00.png

 

Comentário:

 

Não é que o homem em 28 de Julho já sabia que o "Senhor Adjunto do Senhor Presidente" haveria de ser 'legalizado' por uma renúncia retroactiva a ocorrer apenas em 10 de Setembro

 

Talvez devamos seguir o conselho do Zé Manel e partilhar esta história (nada) edificante com o Ministério Público.

Talvez....

 

publicado às 23:57

'GARIMPO' DE ALFENA (ACTUALIZAÇÃO)...

Captura de ecrã 2015-09-10, às 23.52.45.png

 

Encontra-se já publicado na CMVM o Relatório de Contas do primeiro semestre/2015 relativo ao fundo de investimento imobiliário NOVIMOVEST. 

 

É agora possível actualizar o 'retrato' do enriquecimento ilícito proporcionado pelo novo PDM de Valongo ao grupo Santander e a alguns influentes 'suburbianos' - ver recortes seguintes.

 

No Relatório de 2008 o 'garimpo' de Alfena tinha a dimensão de 542.368,00 m2 e valia 20.300.000,00 euros.

 

No Relatório do primeiro semestre do corrente ano, o 'garimpo', já descontados os destaques da Chronopost e  da parte destinada à plataforma logística da Jerónimo Martins - vendidos 'sabe-se lá-por-quantos-milhões' - está reduzido à área de 237.323.00 m2 e mesmo assim - vejam lá! - vale mais do que o que foi pago pelo conjunto dos terrenos (4 milhões), ou seja, vale agora 4.653.970,00 euros!

 

Este foi o contributo do actual PDM e de quem activamente o promoveu, não hesitando em se rodear de 'condenados/cadastrados' para melhor vender a ideia de que era a única saída para defender o erário público e os interesses do Município.

 

Agora sim, o Ministério Publico terá todos os elementos para promover uma investigação minuciosa e apurar quem é sério e quem não o é.

E para além de todos esses, responsabilizar também todos aqueles que abdicando do seu dever de fiscalização e escrutínio das acções lesivas do interesse público eventualmente cometidas, pactuaram em demasia com 'aquilo-que-a-gente-sabe-que-aconteceu-de facto'.

 

Agora estão finalmente criadas as condições para alguém ir preso - embora eu não acredite que isso venha a acontecer...

 

Os recortes:

Captura de ecrã 2015-09-10, às 23.33.34.png

 

 

 

 

 

publicado às 23:07

MALFEITORIAS DA 'JOVEM PROMESSA' VALONGUENSE - 'SEQUELA NÚMERO NÃO SEI QUANTOS'...

Este foi o post que fez 'saltar a tampa' a José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara de Valongo e o fez partir para 'vias de facto' - as vias da Justiça - contra a minha pessoa.

 

Na sequência da divulgação que fiz há meses atrás da autoria do 'Polvo à Vallis Longus' e que colheu de surpresa mesmo os seus colaboradores mais directos, o presidente-maçon de Valongo 'passou-se literalmente dos carretos' e pôs o seu amigo e camarada de partido, ex-candidato derrotado à Câmara da Maia e agora advogado contratado da Câmara de Valongo pago por todos nós Dr. Ricardo Bexiga a redigir a toda a pressa a queixa contra mim que deu entrada a 20 de Maio último no MP de Valongo.

 

 

É (apenas) mais uma tentativa entre as muitas já tentadas, de amordaçar este Blog e o seu autor.

 

Porém...

 

A TERRA COMO LIMITE continuará a ser "Um espaço onde escreverei sobre tudo, sobretudo, sobre tudo que seja capaz de captar a minha atenção. Um espaço onde o limite não limita - apenas delimita"Apesar de todas as tentativas de José Manuel Ribeiro e outros que tais...

______________________________________

 

Captura de ecrã 2015-03-22, às 13.38.08.png

 

 (Dicionário Priberam)

________________________

 

Captura de ecrã 2015-03-22, às 15.09.29.png

Pois é, mudam-se os tempos mudam-se as vontades e quando escolheu para a sua campanha o slogan 'MUDAR VALONGO', José Manuel Ribeiro - de facto - nunca nos prometeu que essa mudança seria a mesma em que estávamos a pensar: para melhor!

 

Até  2013 o actual presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, denunciava os seus antecessores por gestão danosa, por défice de solidariedade para com os mais desfavorecidos, por falta de transparência, por favorecimentos vários de amigos e correligionários através dos 'famigerados ajustes directos', enfim, por corrupção...

 

1)

Captura de ecrã 2015-03-22, às 16.11.07.png

 

Em vésperas de eleições, José Manuel Ribeiro pediu-me a colaboração para elaborar o flyer clandestino "POLVO À VALLIS LONGUS". Nem mesmo muitos dos elementos da sua lista mais chegados aos 'lugares cimeiros' sabiam que a publicação anónima distribuída massivamente pelos eleitores de Valongo foi patrocinada pela nossa lista - patrocinada mas não paga, porque ingenuamente e na base  da confiança, eu aceitei dar sequência ao seu pedido e ainda hoje estou sem ver a "cor" de 350 Euros!

Aliás, e apesar das dívidas que tem para saldar, o José Manuel Ribeiro nem sequer institucionalmente fala comigo...

 

José Manuel Ribeiro não é pois - por esta e muitas outras razões - uma pessoa de confiança!

 

2)

Já depois das eleições e no período que antecedeu a sua tomada de posse, José Manuel Ribeiro enviou-me um pedido urgente para denunciar na minha página do Facebook uma alegada acção do seu antecessor que recorrendo à colaboração do marido de uma funcionária superior da Câmara "estaria a apagar informação sensível dos arquivos da Câmara".

Como é evidente, a pessoa em causa intentou uma acção contra mim por denúncia caluniosa e depois de me andar a tranquilizar durante meses sobre as provas que tinha e a incentivar-me a não aceitar qualquer acordo, José Manuel Ribeiro deixou-me só na altura em que ou fazia o dito acordo ou o assunto seguiria para Tribunal.

Fiz obviamente o acordo com a pessoa visada e ainda hoje não consigo chegar à fala com José Manuel Ribeiro - ou com algum dos seus 'adjuntos' no sentido de acertar os custos...

 

José Manuel Ribeiro não é pois - por esta e muitas outras razões - uma pessoa de confiança!

 

3)

Captura de ecrã 2015-03-22, às 16.17.01.png

José Manuel Ribeiro mandou-me em vésperas de eleições um extenso dossier com várias fotos e um texto explicativo, sobre as obras clandestinas da então vice-presidente Dr.ª Maria Trindade Vale, para que eu fizesse a denúncia no Ministério Público.

Fi-lo em sua substituição, dando a cara e nunca me escondendo por trás de qualquer pseudónimo confortável.

Para surpresa minha, ganhas as eleições, José Manuel Ribeiro não tardou em fazer 'selfies' com a senhora vereadora e presidente da ADICE - como se não tivesse sido ele o 'afiador' da faca que por interposta pessoa lhe tinha espetado pelas costas meses antes...

 

José Manuel Ribeiro não é pois - por esta e muitas outras razões - uma pessoa de confiança!

 

4)

José Manuel Ribeiro apresentou em Alfena um candidato de quem sou amigo e uma lista com pessoas de bem que acreditaram todas - as que eram militantes do seu Partido e algumas outras sem filiação partidária - que a candidatura era mesmo para levar a sério. Aliás, pode-se dizer sem risco de desmentido, que por acreditarem que assim era, é que todos 'deram o litro' nas acções de campanha e Alfena foi, de todas as freguesias do Concelho, aquela onde a campanha foi mais intensa e 'mais porta-a-porta'!

Afinal, José Manuel Ribeiro tinha - e tem - um 'acordo secreto' com Arnaldo Soares em que aceitava não o atacar - tentou por várias vezes convencer-me a moderar as publicações no meu Blog em que aquele fosse o visado - para que ele o apoiasse na votação para a Câmara.

Portanto, para José Manuel Ribeiro o candidato do PS em Alfena, o meu amigo Eng.º. José Luís Marques, era apenas 'a fingir' e para 'cumprir calendário'.

A esta distância percebemos já um pouco melhor porque é que a seguir às eleições, o presidente da Câmara sempre que vinha a Alfena participar em iniciativas públicas, convidava Arnaldo Soares e se 'esquecia sempre do seu primeiro deputado na Assembleia de Freguesia!

 

José Manuel Ribeiro não é pois - por esta e muitas outras razões - uma pessoa de confiança!

 

Mas não é apenas nestes exemplos compilados ao acaso que se prova que José Manuel Ribeiro está já muito para além das malfeitorias que andou a denunciar ao longo dos anos - em relação a Fernando Melo e mais tarde a João Paulo Baltazar.

José Manuel Ribeiro é neste momento a prova viva da desfaçatez de uma certa classe de políticos oriundos dos inesgotáveis e lodosos viveiros das várias 'jotas' e consegue como quase todos eles, provar que por pior que as coisas estejam, é sempre possível fazer pior!

 

José Manuel Ribeiro prometeu mais transparência para a Câmara e publicar na página do Município todas as despesas com as várias iniciativas levadas a cabo por esta.

 

Desafio os mais atentos e mais pacientes a encontrarem - refiro apenas três eventos ao calhas - exemplos de que está a cumprir o que prometeu:

 

- Os custos com a Festa da Mulher na Vila Beatriz (15 mil Euros que incluem o aluguer de uma tenda e o concerto da Mónica Sintra) e não contemplados no Orçamento;

 

- Idem para a inauguração da Casa da Juventude, também na Vila Beatriz (cujos custos se desconhecem):

 

Idem para o evento 'Vila Doce' que irá decorrer também na Vila Beatriz (30 mil Euros que incluem o aluguer da mesma tenda e o cachet da Xana toc-toc) igualmente não orçamentado;

 

Com tantas carências que existem em Valongo, com tantos problemas que se arrastam ao longo dos anos por falta de meios, com as populações dos bairros sociais a reclamarem há anos obras urgentes nas suas modestas habitações, com muitas estradas e arruamentos ao nível do terceiro mundo, José Manuel Ribeiro, com um quadro de funcionários na área da cultura - neste caso - capazes de fazer mais e melhor, prefere contratar empresas amigas à margem do Orçamento em vez de usar a 'prata da casa' pagando algum do trabalho suplementar prestado, bem como as despesas de alimentação associadas!

 

José Manuel Ribeiro não é pois - por esta e muitas outras razões - uma pessoa de confiança!

 

E existem muitas outras razões que 'desaconselham' José Manuel Ribeiro e sobre as quais falarei em breve...

 

Perante este 'upgrade' do actual 'prefeito' às malfeitorias que o precederam e que as transforma em quase "inofensivas partidinhas" pregadas aos valonguenses, fica cada vez mais estranho e 'ruidoso' o silêncio do PSD...

Sabendo todos nós embora, que não é com rotativismos ao nível do 'arco da governação' que as coisas melhorarão muito para Valongo, vejam lá mesmo assim se resolvem depressa os vossos problemas de sucessão concelhia - para começarmos a dar pela existência da oposição, cujo  sinal de vida, modesto e inerente à sua representatividade, nos chega apenas através do Vereador da CDU Adriano Ribeiro...

 

 

publicado às 14:37

LITIGÂNCIAS DE... 'MÁ-FÉ'?

Arguido_JMR.jpeg

 

Socorrendo-me de uma 'frase feita' utilizada noutros contextos, "arguido uma vez, arguido...sempre?"

 

Fui há dias notificado pelo Ministério Público junto do Tribunal de Valongo para comparecer hoje às 11 horas nas instalações deste Tribunal para ser - mais uma vez - constituído arguido.

Desta feita, no âmbito de uma queixa-crime interposta contra mim em 20 de Maio de 2015  pelo actual presidente da Câmara de Valongo.

 

Sem entrar - porque não quero nem posso para já fazê-lo - nos detalhes da queixa, digo apenas que tem a ver com o uso pleno dos meus direitos fundamentais - à liberdade de expressão e à livre crítica.

Em causa estão várias publicações neste Blog sobre o processo de aprovação do novo PDM de Valongo e alguns empreendimentos a ele associados e ao posicionamento da Câmara sobre o assunto.

 

Nada de novo portanto...

 

Há queixas que nos abrem oportunidades inesperadas e talvez esta possa traduzir-se nisso mesmo: numa grande oportunidade.

 

publicado às 15:53

TEM O PRESIDENTE DA CÂMARA DE VALONGO UM 'PROBLEMINHA' COM AS LEIS? SIM TEM!

20150903_151209.jpg

 

Porra! Já não há pachorra!

O homem deve ser retardado - ou então, é apenas e só mais um saloio esperto a tentar mangar comigo...

 

Na reunião pública de Câmara de hoje (em Ermesinde), coloquei ao excelentíssimo senhor presidente da Câmara, dr. José Manuel Ribeiro, 4 questões a saber:

 

Primeira:

Voltei ao incumprimento da Lei das incompatibilidades no que toca ao seu ajunto, Eng.º Paulo Ferreira 

 

(O Dr. João Paulo Baltazar já havia tocado no assunto de forma discreta, manifestando abertura para encontrar uma saída).

 

 

Referi que não basta afirmar mil vezes uma mentira (dizendo que não existe incompatibilidade) para que isso passe a ser um facto que devamos aceitar, ponto final.

Dei exemplos:

Uma certidão permanente da Conservatória do Registo Comercial válida para o período de 29-07-2015 e 19-07-2016 que prova a incompatibilidade - e apresentei como exemplo de conflito de interesses - para além da incompatibilidade legal, o caso curioso de uma obra de 90 mil euros adjudicada pela Junta de Freguesia de Valongo por ajuste directo (construção de um edifício de inumação de cadáveres no Cemitério de Valongo) em que o adjunto tentou (?) camuflar esse conflito mandando o sócio da CAMEF concorrer - e ganhar - "encoberto" por uma empresa em nome individual ( a BatiWork).

 

Resposta 'copy-paste' da anterior reunião pública:

- Não temos nenhum problema de incompatibilidade no meu Gabinete (!)

 

Aposto que vai repetir mil vezes o "não temos" mas nem por isso deixará de ser mentira.

 

Segunda:

- Situação profissional de um fiscal da Câmara, incluindo a sua acumulação de funções.

 

(Referia-me evidentemente ao 'tal fiscal Vital' que tanto preocupou o Zé Ribeiro candidado na pré-campanha eleitoral de 2013, que veio propositadamente a Alfena para me pedir que lhe arranjasse provas de que o dito funcionário continuava a fazer trabalho na fiscalização. A preocupação do Zé foi testemunhada por um amigo comum, na conversa que tivemos no 'Café conspirativo' de Alfena à esquina do Burgo).

 

Pois bem...

 

O fiscal lá continua, de 'pedra e cal' na fiscalização e com uma autorização do excelentíssimo senhor presidente da Câmara, dr. José Manuel Ribeiro, para acumular a sua função pública com a actividade privada de 'compra e venda de imóveis'(!)

 

Excelentíssimo Zé Ribeiro: como bem sabes, o 'tal fiscal Vital' tem um Gabinete de Projectos onde parece que trabalha também um eng.º da Câmara e incompatibilidades - mais uma vez as malditas - são coisa que não falta relativamente a este caso!

 

Na resposta redonda do costume - o homem deve ter mesmo um atrazo, ou então sou eu que falo chinês e ainda não dei por isso - saíu esta pérola: 

- 'Nos temos de facto uma lista extensa de funcionários autorizados a acumular legalmente com outras funções. Mas até agradecemos que nos alertem se souberem de algum caso concreto de falsas declarações' (!)

 

Porra! Eu tinha acabado de falar num caso concreto e perguntado se se sentia confortável com a situação e ele 'chutou para canto'!

 

Terceira:

Tem ou não a Câmara um Banco de Horas (Art.º 208 da Lei 23/2012 de 25 de Junho)?

 

(Eu já havia perguntado sobre este assunto na última reunião pública e o vicé-presidente, talvez contagiado pelas redondas respostas do Zé Ribeiro, tinha respondido "nim")...

 

Resposta, desta vez absulutamente clara, curta e grossa do excelentíssimo senhor presidente da Câmara, dr. José Manuel Ribeiro:

 

- Não, a Câmara não tem um Banco de Horas.

 

Portanto, em Valongo e por enquanto, "a lei sou eu"

O Zé e Luis XIV, tão distantes no tempo e tão próximos nas ideias...

 

Quarta:

Perguntei sobre um lamentável caso de favorecimento ilícito de um munícipe relativamente a outro, na Rua Raúl Proença em Valongo e que se arrasta, se não me falha a memória, desde 2011 mas que o Zé Ribeiro prometeu resolver - prometeu, mas não disse quando.

Nomeadamente, perguntei ao Zé Ribeiro se tinha alguma coisa contra o senhor Provedor de Justiça

(O munícipe em causa, cansado de ser enganado enviou uma queixa ao Sr. Provedor em Março e este pediu uma resposta à Câmara mas até hoje o Zé não se dignou responder).

 

Resposta redonda do Excelentíssimo senhor presidente da Câmara, dr. José Manuel Ribeiro:

 

- Evidentemente não tenho nada contra o Sr. Provedor de Justiça e vou ver o que se passa.

 

Farto de saber o que se passa está vossa excelência, portanto, deixe de se armar - uma vez mais - em Luis XIV!

 

E assim vai - não vai - a nossa lamentável maioria relativa de Valongo...

Até quando a oposição (nos seus habituais 'tacticismos') quiser.

 

 

 

 

 

 

publicado às 20:35

CÂMARA DE VALONGO - 'Ó DA GUARDA!'

Unknown.jpg

 

E assim vai a Câmara de Valongo...

 

Criaram-se os empregos possíveis - os permitidos pelo garrote das admissões para funções públicas - para os rapazes e raparigas (ou 'job for the boys and girls' se preferirem), os mesmos que comandam a orquestra dos batedores de palmas e incensadores de que o 'irmão' José Manuel Ribeiro tanto gosta de andar rodeado.

 

Reabilitaram-se conhecidos manipuladores do Urbanismo municipal - que estranho que é verificar que até Fernando Melo e João Paulo Baltazar tinham já conseguido perceber que para alguns deles a 'prateleira' era o melhor sítio para se acomodarem - depois de terem passado pelos pingos da chuva da nossa justiça sem se molharem, ou no mínimo, apenas 'borrifados' por penas mínimas pouco mais que simbólicas.

 

De igual modo, mantiveram-se em funções fiscais corruptos a que nem Fernando Melo conseguiu evitar punições internas, permitindo mesmo o actual presidente no caso de um deles e bem conhecido, que continue a acumular funções que não correspondem àquelas que indicou no respectivo requerimento.

 

Permite-se ainda que o adjunto do presidente acumule o cargo público para que foi nomeado, com o de sócio-gerente de uma empresa de construção civil, função à qual nunca renunciou como tentou fazer crer e o advogado da Câmara declarou como verdade e através da qual intervém em obras públicas e privadas de forma directa ou por interposto sócio através de uma 'empresa fantasma'.

 

Captura de ecrã 2015-09-2, às 00.37.25.png

 

Captura de ecrã 2015-09-2, às 00.38.49.png

 

As duas obras a que se referem os dois recortes acima são ambas da responsabilidade da Junta de Freguesia de Valongo:

 

Em 2013 e ainda antes da respectiva nomeação, intervieram os dois - e únicos - sócios da CAMEF (Paulo Ferreira e Carlos Machado) e em Dezembro de 2014, já interveio apenas o último e mesmo assim, camuflado através da tal 'empresa de  conveniência' atrás referida - a Batiwork - alguém conhece? Pois... Nem eu!

 

No primeiro caso, tratou-se de um ajuste directo de cerca de 18 mil euros para a construção de um muro de suporte no Cemitério de Valongo.

 

No caso mais recente - Dezembro de 2014 - foi também 'ajustada directamente' a construção de um edifício inumação e decomposição aeróbica, igualmente no Cemitério de Valongo, no valor de 90 mil euros.

 

A pergunta que se impõe só pode ser esta:

 

- Foi para isto que andamos a prometer que íamos MUDAR VALONGO?

 

Mas para além do desagradável odor que este tipo de procedimentos exala ser apenas de cariz político, quer-me parecer que neste caso do ajunto, estamos mesmo perante um incontornável 'caso de polícia' para quem de direito investigar.

 

Como diz o Povo, "à mulher de César não basta ser séria..."

 

Ora o nosso presidente de Câmara, para além de não o ser já nem se dá ao trabalho de fingir que o é e assim sendo... 

publicado às 00:06

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D