Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

'LAMBE-CUS' - EM VALLIS LONGUS TAMBÉM HÁ...

Captura de ecrã 2016-08-31, às 02.11.55.png

 

Chamo aqui em meu auxílio Miguel Esteves Cardoso e a sua visão crítica sobre essa subespécie humana que ele designa por ‘lambe-cus’ – no seu livro ‘Ultimo Volume’ publicado em 1991.

 

(Texto integral aqui)

 

"(...) Hoje tudo isso mudou. O engraxanço evoluiu ao ponto de tornar-se irreconhecível. Foi-se subindo na escala de subserviência, dos sapatos até ao cu.

O engraxador foi promovido a lambe-botas e o lambe-botas a lambe-cu (…).”

 

Falei em ‘subespécie’ a pensar exactamente na evolução humana no que ao ‘subúrbio’ Vallis Longus diz respeito.

 

Por cá - 'numa parte de cá', bem entendido - o ‘lambe-cus’ está ainda longe da fase ‘homo erectus’ (está por assim dizer 'a meio caminho' entre o 'habilis' e o 'erectus') e mais longe ainda da fase ‘homo sapiens’, evidentemente...

 

Alguns exemplos recolhidos de forma aleatória na página 'facebookiana' de uma conhecida figura pública - também ela um conhecido 'lambe-cus' local - e que demonstram de forma clara que é mesmo na fase ‘lambe-cus’ que uma parte significativa do 'subúrbio' se encontra:

 

(A propósito da recente divulgação de uma “sondagem” da Consulmark2 – Estudos de Mercado e Trabalho de Campo e que dá a "maioria" em 2017 ao actual presidente minoritário da Câmara):

 

“Espero que o povo de Valongo abra os olhos e se deixe de clubismo, sejam honestos sinceros e verdadeiros olhem para o exemplo que o Presidente tem dado, força Presidente não desista...”

(...)

“Muito bem. Grande trabalho de um grande autarca. Muitas felicidades e muito sucesso”.

  

(A propósito de várias publicações sobre a semana da “prestação de contas”):

 

“Sempre soube que o meu amigo daria um autarca de valor. Muito bem!

Esta é uma boa prática que devia ser seguida pela câmaras socialistas.”

(...)

“José Manuel Ribeiro, transformou a gestão da Câmara de Valongo, numa gestão transparente que pode e deve ser " fiscalizada " pelos cidadãos do Concelho .Relativamente à sua presença em Sobrado, foi notória a " falta " de apoiantes da Oposição !!! para poderem directamente, questionar o Presidente sobre as contas que apresentou, mas como as " contas " deixadas anteriormente pelos mesmo, são tão más, que nem lhes interessou ouvirem falar das mesmas . Parabéns Presidente rigor e transparência, fazem parte de uma Boa Gestão” .

 

(A propósito de uma publicação sobre o 25 de Abril):

 

Liberdade. E falar do nosso melhor presidente Sr Ribeiro pelo o que tem feito por Valongo, sobrado,alfena, Ermesinde e sua equipa Sr Ivo Sr Alfredo um abraço forte para vocês “.

 

(A propósito da expropriação do Estádio de Sonhos em Ermesinde):

 

"Boa tarde Senhor Presidente da Câmara parabéns mais uma promessa cumprida a posse administrativa do Campo dos Sonhos em Ermesinde que o executivo PSD tinha deixado partir para as mãos de um construtor civil. Mais uma para a mudança de Valongo aonde os Ermezindenses irão ter o seu campo para jogar. Parabéns a todos".

 

Socorrendo-me uma vez mais de Miguel Esteves Cardoso, vejo-me obrigado a reconhecer que (…)o culambismo compensa. Sobreviver sem um mínimo de conhecimentos de culambismo é hoje tão difícil como vencer na vida sem saber falar inglês".

 

Mas sejam perseverantes na caminhada, insistam na postura vertical da coluna e sobretudo, não desistam às primeiras dores nas cruzes - que no início, a verticalidade  custa a aguentar!

Afinal, do cu à nuca (que é onde é suposto alojar-se a ‘base de dados’ do ‘homo sapiens’) não é uma distância assim tão grande.

publicado às 01:39

O REI CONTINUA NU - EM VALONGO TAMBÉM...

Captura de ecrã 2016-08-29, às 15.14.16.png

 

Um destes dias talvez me sente  no 'divã do meu psicanalista’ para uma conversa sobre o 'poeta que eu sou' e inevitavelmente, sobre o 'louco que eu sou’ também, porque “de poeta e de louco todos temos um pouco" - mais talvez sobre o segundo...

 

Na pele do primeiro tenho algum acervo que tenciono continuar a alargar - um dia destes com algum incremento até.

Já no que ao segundo diz respeito, aconselham-me alguns, por enquanto, ainda não o psicanalista, a moderar a pedalada - que as 'loucuras' nem sempre matam mas moem quase sempre...

 

Não sei o que será o dia de amanhã, mas pese embora a generosidade daqueles que me aconselham sem nenhuma reserva mental a 'tirar o pé do pedal', apetece-me passar ao lado do seu conselho.

 

Embora...

 

Alguém com um mínimo de auto estima, com pensamento estruturado e uma história de vida (pessoal e profissional) relativamente bem preenchida, alguém com padrões mínimamente exigentes no que toca ao exercício de uma cidadania responsável, deveria ser ‘legalmente inibido’ de se juntar a projectos (?) como aquele que o actual presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, protagonizou em 2013 – e que pelos vistos tenciona repetir em 2017.

 

Ninguém me ‘inibiu’ ou sequer me aconselhou a tomar a iniciativa de o fazer em 2013, ninguém precisa sequer de pensar fazê-lo em 2017.

Mas isso só torna (ainda) mais imperioso que continue a alertar os mais distraídos para o perigo de poderem ser de novo 'atropelados pelo rei nú do subúrbio!

 

Parafraseando o velho ditado segundo o qual “na primeira quem quer cai, na segunda cai quem quer e na terceira cai quem é burro”, eu passo directamente para a terceira fase: claramente, não me apetece fazer o papel do distinto animal – que aliás considero não merecer o tal ditado.

E isso significa exactamente que não alinharei em mais nenhum embuste mas significa igualmente que me recuso a pactuar com quaisquer silêncios cúmplices.

 

Um poder decadente

Que se alimente

Unicamente

Da ameaça permanente

Que mantém pendente

(pendurada evidentemente)

Sobre cada irreverente

Ser livre e independente

Independentemente

De haver razão subjacente

Ao seu pensar diferente

É um poder putrefaciente

A extirpar ruidosamente

(porque quem cala consente)

publicado às 14:44

QUE SORTE TIVERAM AS GENTES DE ERMESINDE!

Captura de ecrã 2016-08-27, às 11.54.19.png

 

Ler mais aqui 

________________________________________

 

Pois é...

 

Sorte por Abílio de Sá não ser o Fundo de Investimento Imobiliário NOVIMOVEST do Banco Santander, que detém a vasta área onde se localiza o conhecido 'garimpo' de Alfena.

 

Sorte por beneficiarem de uma característica congénita de José Manuel Ribeiro e que é a de 'ser sempre forte com os mais fracos e... temeroso/colaborante com os mais fortes' - e Abílio de Sá está a anos luz de distância do poderio da NOVIMOVEST/Santander/António Vitorino.

 

Sorte por a tentativa de especulação de Abílio de Sá ser apesar de tudo pequenina demais quando comparada com aquela que envolveu a compra dos tais terrenos em Alfena por 4 milhões de euros e que foram vendidos no mesmo dia por 20 milhões!

 

Sorte por neste negócio de Estádio do Ermesinde não estar envolvido o mesmo 'testa de ferro' da NOVIMOVEST - Jaime Resende - amigo de José Manuel Ribeiro e que na altura em que se iniciou um dos maiores casos de corrupção do nosso Concelho que se conhecem, era deputado municipal do PS em Matosinhos num mandato de Narciso Miranda - de quem é ou era familiar.

 

Sorte por Abílio de Sá não pertencer a nenhuma Loja Maçónica - nem à Passos Manuel nem a qualquer outra - que se saiba.

 

Por último, sorte por esta decisão sobre a expropriação do Estádio dos Sonhos ter podido  contar  com a colaboração do Secretário de Estado de um governo da Geringonça liderado por António Costa - que como se sabe nunca foi apoiado por José Manuel Ribeiro.

 

Parabéns portanto, ao governo da Geringonça e 'não parabéns' àqueles poucos ermesindenses, que naquelas primárias do PS disputadas por António Costa e António José Seguro (apoiado por José Manuel Ribeiro) tentaram agredir o actual primeiro-ministro num evento que decorreu no Fórum de Ermesinde.

 

publicado às 11:51

OXALÁ CHOVA EM VALONGO...

Captura de ecrã 2016-08-11, às 13.37.03.png

Peço antecipadamente desculpa a todos os veraneantes de águas cálidas, brisa suave, cheiro a maresia e descontraídas caminhadas de final de tarde/princípio de noite à beira-mar degustando  um gelado eventualmente aromatizado pelo sabor de um ou outro beijo mais ou menos furtivo 'roubado' ao parceiro de caminhada.

 

Incluo neste pedido de desculpas todos os outros que preferem a beleza campestre do turismo de interior e a contemplação das estrelas que só a ausência da 'poluição luminosa' dos grandes aglomerados urbanos permite ver em toda a sua beleza.

 

Feito o registo prévio das desculpas...

 

Oxalá chova - pelo menos em Valongo, este Concelho onde escolhi viver até ao termo da minha vida, uma vida que já assentou arraiais, uns mais prolongados que outros, em tantas outras latitudes (Santo Tirso, Gondomar, Moçambique, Moscovo, Berlim, entre outras)...

 

Em Valongo lancei raízes, em Valongo acreditei na possibilidade de um dia poder dizer "já fui muito feliz aqui" e apesar de todas as desilusões, a minha resiliência força-me a não atirar a toalha ao chão - por todas as razões e mais a que se segue: 

Não me apetece - já não estou em idade para isso e nem sei se ainda conseguiria fazê-lo - imitar o caracol a quem a Natureza fez à medida da própria 'casa', por muito que a alguns agradasse que o pudesse fazer.

 

Mas que Valongo nos sufoca, é um facto indesmentível!

 

E não é (só) o fumo dos incêndios nem o mato por limpar nas margens das estradas que dão acesso ao centro do 'subúrbio', nem as ruas pouco limpas, nem o desordenamento urbanístico, nem as lixeiras espalhadas um pouco por todo o lado ou a 'inimizade' de quem manda no 'condomínio' da Avenida 5 de Outubro relativamente a um dos principais patrimónios de que dispomos: os nossos Rios Leça, Ferreira, Simão e Tinto.

 

Por isso, neste Verão que segue quente em várias frentes, umas mais activas que outras, relembro o início deste artigo:

 

Que a chuva 'abençoe' Valongo - uma chuva amena mas suficiente, que ajude a assentar as partículas de , cinza e nada de que são feitos alguns governantes locais e as faça drenar para uma qualquer  ETAR do nosso desprezo...

 

 

publicado às 11:45

VALONGO - UMA CANDIDATURA 'AO CONTRÁRIO'...

Captura de ecrã 2016-08-09, às 15.05.50.png

 

Dizem que em Valongo já 'cheira a autárquicas'...

 

Este é - em jeito de 'mansa brincadeira', mas às vezes a brincar dizem-se coisas muito sérias - o meu eventual e quiçá útil contributo:

 

 

 

___________________________

 

VALONGO – AUTÁRQUICAS/2017 - CANDIDATURA ‘AO CONTRÁRIO’

 

Aceito encabeçar uma candidatura à Câmara de Valongo nos temos do clausulado seguinte:

 

cl.1

Proponho-me ser ‘um presidente do terreno’ mas ‘nunca’ e muito menos ‘apenas’ do terreno festivo. Estarei presente apenas nos actos oficiais referenciados ao detentor do cargo, sendo que todos os vereadores detentores de pelouros o serão de corpo inteiro incluindo o papel de representação do executivo;

 

cl.2

Qualquer iniciativa de propositura terá de partir dos cidadãos . Não me farei ao lugar de nenhum modo – directo ou encapotado - nem sairei da minha ‘zona de conforto’ para ir à procura de ‘patrocinadores’;

 

cl.3

Todos os actos de campanha e pré-campanha estarão confinados às redes sociais e serão geridos por um grupo de voluntários sob minha total supervisão;

 

cl.4

Em nenhum momento do período eleitoral poderá ocorrer alguma acção de rua – ‘arruada’, desfile, comício, palestra, entre outros;

 

cl.4.1

Excepção única para o pequeno acto festivo e sem quaisquer custos em que se comemore a vitória eleitoral;

 

cl.5

Em nenhum momento do período eleitoral poderá ocorrer a difusão de informação, promoção, denúncia através do meio ‘papel’. Comigo não haverá lugar ao abate de árvores nem ao aumento da plantação de eucaliptos;

 

cl.6

Se for eleito, o meu Gabinete será constituído por:

- 1 Secretário(a)

- 1 Adjunto(a)

- 1 Chefe de gabinete

- 1 Motorista

 

Notas sobre cl.6:

a.Todos estes cargos agrupados numa única pessoa;

b. Concentram-se nessa pessoa todas as ‘mordomias’ previstas no estatuto dos funcionários públicos para o cargo melhor remunerado dos anteriormente referidos, incluindo a isenção de horário ou outras que se possam aplicar;

 

cl.7

Prescindo de viatura pessoal. A minha viatura será uma viatura de serviço que será ‘pessoal’ apenas em relação ao Motorista nos termos previstos na Lei;

 

cl.8

‘Decretarei’ – no caso de ser eleito – como dias de atendimento dos munícipes todos os dias úteis do ano, sujeitos apenas à ‘marcação’ na agenda do presidente;

 

cl.9

‘Decretarei’ igualmente todas as reuniões de Câmara a definir por consenso dos vereadores eleitos, como reuniões públicas;

 

cl.10

A colocação de questões à câmara no ponto do Público dessas reuniões está (apenas) condicionada à apresentação prévia à funcionária de apoio nos minutos que antecedem o seu início;

 

cl.11

Será permitido ao cidadão reformular até duas vezes as questões colocadas, ou reclamar sobre o acerto das resposta recebidas, devendo o tempo ser gerido de acordo com o Regimento e com o rateio relativo ao número de inscritos;

 

cl.12

Todas as solicitações ou pedidos de documentos públicos nos termos da LADA (Lei do Acesso aos Documentos Administrativos)  serão despachados directamente pelos Serviços competentes para o efeito, sem necessidade da intervenção do presidente;

 

cl.13

Se for eleito, não aceitarei nenhum patrocínio ou parceria para a realização de qualquer evento, por parte de qualquer empresa, instituição ou pessoa individual com quem a Câmara tenha qualquer espécie de litígio em aberto;

 

cl.14

Nenhum evento da responsabilidade da Câmara poderá ocorrer sem que o respectivo caderno de encargos se encontre publicado na página da Câmara na Internet – custos directos e indirectos. Qualquer derrapagem imprevista não poderá nunca exceder a ordem dos 10% e deverá ser devidamente explicada e documentada;

 

cl.15

Por último, exigirei e praticarei uma completa separação de poderes entre Órgãos executivo e deliberativo. Se for eleito não darei nenhuma indicação, orientação ou ordem encapotada ao presidente da Assembleia Municipal nem vetarei nenhum nome a indicar pelo órgão deliberativo para qualquer comissão, conselho ou outra forma de representação da AMV.

 

(Estas condições prévias mantêm-se ‘em actualização’ durante todo o período que antecede a apresentação legal de candidaturas).

 

Serve assim?

Se servir, os eventuais interessados podem vir buscar-me a casa para assinarmos os papéis enquanto bebemos uma mini acompanhada de uns amendoins e dividimos a despesa ...

 

 

publicado às 15:00

VALONGO - IPSS E ASSOCIAÇÕES versus "FESTA E FESTANÇA" DO PRESIDENTE DA CÂMARA...

Se me perguntarem sobre a actual gestão da autarquia maior de Valongo, se me revejo no essencial relativamente à mesma, se considero que - perante as enormes limitações financeiras que por razões de todos conhecidas a espartilham e sufocam -  existe uma efectiva, solidária e justa partilha do pouco que sobra depois de pagar o serviço da dívida, qual é que acham que será a minha resposta - minha e da maioria dos valonguenses?

 

Telegráfica, isto é curta e grossa e em formato 'notas à Professor Marcelo', ela só pode ser uma: 'nota zero'!

 

Quando um executivo (minoritário) que enverga as cores do 'socialismo democrático' (?) não consegue ser solidário com aqueles que no terreno praticam a Solidariedade concreta e definida - as IPSS e as Associações - então é (quase) desnecessário fundamentar o 'zero' da nota...

 

Foram assinados com as Associações no passado dia 4 os protocolos culturais para o ano 2016 - já muito para além do meio do ano em curso.

Pelos recortes que coloco abaixo, desafio os valonguenses a compararem o que esta Câmara sem dinheiro vai distribuir por mais de 30 Associações - cerca de 30 mil euros (uma média de 1.000 euros por cada uma delas) - e o que gastou com (apenas) dois dos principais eventos nos últimos dois anos da "festa e da festança" promovida pela 'clic' do presidente .

 

É claro que as Associações, afogadas em dificuldades como estão, não se podem dar ao luxo de 'falar alto' ou de serem mais reivindicativas - o pouco que vem é mesmo assim muito importante para elas - e até se prestam a 'pagar' ao presidente da Câmara a primeira 'factura' (a 'foto de família para memória futura') que ele sempre cobra à cabeça quando 'dá' com a mão mais pequena que tem, alguma coisa que nem sequer é dele.

 

Lamentável, lamentável mesmo, esta gestão dos negócios do 'subúrbio!

 

A 'foto de família para memória futura':

 

Captura de ecrã 2016-08-06, às 11.39.39.png

 

Feira da Regueifa e do Biscoito/2015: 

Feira da Regueifa:2015.png

 

Vila Doce /2015:

Vila Doce:2015.png

 

Feira da Regueifa e do Biscoito_2014

Feira da Regueifa:2014.png

 

Aldeia Natal_2014: 

Aldei Natal:2014.png

 

publicado às 11:52

"BRANCO É GALINHA O PÕE" - TAMBÉM EM VALONGO...

O País discute acaloradamente, opina, julga (e há-de seguramente condenar o visado em processo sumaríssimo) - no assunto secretário de Estado dos assuntos fiscais, Rocha Andrade.

Aceitar o patrocínio da Galp - uma empresa que se arroga o papel de Estado dentro do Estado ao recusar o pagamento de um imposto de mais de 100 milhões de Euros - não foi obviamente uma boa ideia.

O mais comum dos cidadãos está farto de saber que "não há almoços grátis" e estas viagens - elas próprias grátis - devem ter metido almoços e jantares - seguramente.

 

O secretário de Estado é que parece que não sabia...

 

Porém, quando toda a gente que sabia desatou numa gritaria pegada a avisar Rocha Andrade, ele imediatamente sacou o cartão de crédito para pagar a despesa. 

 

Ainda bem, porque assim ficamos mais descansados relativamente ao perigo que representaria para o País termos um secretário de Estado a "morrer pela boca como o peixe"...

_____________________

 

As atribulações de Rocha Andrade remetem-me para uma situação mais próxima, aqui em Valongo e que envolve um importante parceiro (e patrocinador) da Câmara Municipal e do seu presidente em muitos 'dos muito relevantes eventos com que ele nos tem favorecido'. 

 

Falo evidentemente da BeWater, Águas de Valongo...

 

Por acaso este 'parceiro', tal como a Galp das viagens a França, também tem um litígio com o Município e também pretende onerar os paupérrimos orçamentos da maioria dos munícipes de Valongo com mais uma 'alcavala' a que chama pomposamente de 'reequilíbrio financeiro'.

Mas ao contrário do secretário de Estado dos assuntos fiscais Rocha Andrade que parece que continua de mãos livres e ainda não teve (nem sei se alguma vez terá) qualquer intervenção no que toca ao litígio com a Galp, José Manuel Ribeiro já decidiu (tinha decidido mas "os 5 da maioria" trocaram-lhe as voltas na penúltima reunião pública de Câmara) que a proposta do tal reequilíbrio financeiro da BeWater é que era boa para o Município - e quem sabe, também para os munícipes (?).

 

Também, com tanto 'patrocínio e mecenato' da BeWater no que toca à actividade da Câmara, como é que José Manuel Ribeiro podia ter outra posição?

 

Partilho abaixo (apenas) dois pequenos recortes  para exemplificar esse 'envolvimento' da BeWater.

 

Aqueles que acham que Rocha Andrade não violou nenhuma regra de conduta não encontrarão seguramente nenhum sinal de promiscuidade entre o executivo da Câmara de Valongo e a concessionária BeWater - 'por acaso' em litígio com a mesma. Os outros, os das 'teorias da conspiração', esses encontrarão seguramente esses sinais.

 

"Branco é galinha o põe"...

_____________

 

Captura de ecrã 2016-08-05, às 02.16.55.png

 

____________

Captura de ecrã 2016-08-05, às 00.34.27.png

 

 

 

publicado às 01:05

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D