Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - 'ESTADISTAS', 'SALOIOS ESPERTOS' E OUTROS 'INVERTEBRADOS'...

Captura de ecrã 2018-07-11, às 14.46.06.png

 

Parabéns Dr. José Manuel Ribeiro (presidente da Câmara de Valongo)!

Lamento ter de 'dar a mão à palmatória', mas ao lado do 'seu' presidente da Assembleia Municipal (Dr. Abílio Vilas Boas Ribeiro)  você é um estadista!

________________________

 

Em 2014 requeri ao presidente da Câmara Municipal de Valongo um conjunto de documentos relevantes relacionados com a fase final de revisão do PDM.

José Manuel Ribeiro, sabendo embora que esses documentos eram públicos e que eu tinha integral direito a consultar os mesmos - presumo que terá consultado os Serviços Jurídicos da Câmara nesse sentido - entendeu pedir um parecer à CADA (Comissão para o Acesso aos Documentos Administrativos).

Esta Comissão deu-me inteira razão e no seguimento dessa posição o Dr. José Manuel Ribeiro mandou - no limite do prazo imposto pela Lei - entregar em minha casa - eram cerca das 21 horas de uma sexta-feira - quase 1 Kg de papel.

(Escrevi sobre isso AQUI e ainda AQUI)

 

E é neste ponto que o Dr. José Manuel Ribeiro, ganha aos meus olhos a verdadeira dimensão de estadista em comparação com o Dr. Abílio...

 

Na sequência da sessão pública descentralizada da Assembleia Municipal (em Alfena) e que descrevi AQUI - requeri ao Dr. Abílio Vilas Boas Ribeiro, (pouco) digníssimo presidente deste Órgão deliberativo e primeiro na hierarquia municipal, o acesso às gravações desta sessão.

É minha intenção transcrever integralmente o que (de lamentável) se passou na mesma.

 

O Dr. Abílio pediu parecer aos serviços Jurídicos da Câmara - segundo ele "as gravações não são um documento administrativo mas apontamentos para redigir a acta" - e estes consideraram ser meu direito aceder às respectivas gravações (!).

Insatisfeito, consultou a Comissão de representantes (maioria PS) e evidentemente e como seria expectável, estes acharam que eu não tinha esse direito (!).

 

Decidiu por isso o senhor presidente da AMV solicitar um parecer à CADA - mais uma vez o expediente da CADA para protelar o cumprimento da Lei... - que em tempo recorde emitiu posição contrária e considerou - eu nunca tive dúvidas! - ser meu direito o acesso às referidas gravações.

 

É neste ponto que se destaca a completa ausência de dignidade e sentido de responsabilidade do presidente da AMV, Abílio Vilas Boas - em comparação - mais uma vez o realço a contragosto - com o presidente da Câmara José Manuel Ribeiro.

 

Para Vilas Boas Ribeiro a CADA "não manda" pelo que decidiu - e cito a conversa telefónica (muito) desagradável que tivemos há pouco - "consultar de novo a Comissão de representantes (agendada para o dia 18 de Julho) antes de emitir uma posição" sobre o assunto - fim de citação!

 

Pelos vistos, Luis XIV de França (o famoso Rei-Sol) tem um novo sósia em Valongo...

 

O Dr. Vilas Boas Ribeiro sabe (já alguém lho terá dito seguramente) que existe (sempre) a possibilidade de recorrer ao TAF de Penafiel para uma "Intimação para entrega de documento legalmente exigível". Só que a mesma será seguramente prejudicada com o início das férias judiciais, pelo que esta 'foleira' artimanha (só) visa conseguir protelar o mais possível a divulgação dos lamentáveis posicionamentos do PS valonguense contra Alfena.

 

Não faz mal. Mais cedo ou mais tarde, o assunto relacionado com a 'tenebrosa' noite de 3 para 4 de Maio verá a luz do dia - para espanto de todos e também dos muitos socialistas honestos - que também os há, mesmo em Valongo! 

__________________

PS: Admito que para alguns menos atentos ao 'fenómeno valonguense' sobre o qual muito tenho escrito e por causa do qual tive até de enfrentar a Justiça - felizmente com êxito - pareça algo extremada a forma como me refiro ao Dr. Abílio Vilas Boas Ribeiro.

A verdade, é que eu reajo sempre muito mal quando tentam fazer de mim uma pessoa destituída de inteligência suficiente para perceber à partida quando estou perante alguém intelectualmente desonesto!

(É uma conhecida piadola, mas não encontro outra forma mais explícita de deixar bem clara ao Dr. Vilas Boas Ribeiro a minha posição: 'não sou uma rotunda para me tentar 'dar a volta' - que basicamente foi o que hoje tentou fazer no tal telefonema!)

O presidente da AMV é - para mim, evidentemente - alguém completamente destituído daquele mínimo de dignidade que se exigiria para o exercício de funções tão elevadas como são as de presidir ao Órgão deliberativo de Valongo!

 

 

 

publicado às 13:12

PORTUGAL, UM PAÍS DOIS SISTEMAS - ATÉ QUANDO?

Captura de ecrã 2018-07-05, às 11.09.19.png

 

Declaração prévia de interesses:

Sou Funcionário Público aposentado, trabalhei no sector da Saúde (Hospital Central Especializado de Crianças Maria Pia no Porto).

_______________

 

Entre muitos outros problemas graves com que o País real se debate neste momento, aquele que mais sentimos em termos imediatos é o da escassez crónica de meios - sobretudo humanos - na área da Saúde.

Se já era assim (quase) desde sempre, a implementação do regime das 35 horas sem a correspondente contrapartida ao nível da contratação veio instalar - e continuo a situar-me no sector da Saúde - o caos que só não vê quem é cego ou pior que isso, quem não quer ver.

 

Ganhar eleições ou gerir popularidades à custa das promessas que se fazem de forma irresponsável - porque se sabe à partida que a implacável realidade do País torna impossível o seu cumprimento - é uma pecha velha de anos neste País de Abril por cumprir.

Apesar de se equiparar ao velho preparado da 'banha da cobra' que garantindo todas as curas nada cura de facto, a verdade é que o embuste continua a vender bem e - pasme-se até com os números das sondagens - registará mesmo a entrada de novos crentes.

 

É um facto que um horário de 35 horas é um objectivo razoável tendo em conta que os trabalhadores não são máquinas e têm uma outra vida para além da profissional - vida social e familiar, necessidades de formação e de lazer, actualização ou aquisição de novos conhecimentos, satisfação de necessidades culturais, descanso...

Que qualquer governo considere possível implementá-lo de forma rápida e sem fazer (prévias e muito ponderadas) opções orçamentais muito bem debatidas com a sociedade, cheira a banha da cobra ou a lamentável reserva mental de que se especializou na arte de vender sonhos.

 

Mas bem pior do que isso, é o governo - qualquer governo - continuar a pensar que neste rectângulo à beira-mar plantado existem dois ´países': o País do sector Privado e o País do sector Público.

Em questão de direitos e deveres ou de sistemas de remuneração de base regulada não pode ser - tem de deixar de ser - assim!

 

Lamento ter que o dizer - e adivinho até as críticas que, de forma mais ou menos explícita, muitos me farão por o dizer - mas o horário das 35 horas, a ser possível, tem de ser para TODO o País que trabalha e não apenas para o 'País' do sector Público!  

 

publicado às 10:13

VALONGO - OS RADARES E OS DETECTORES DE METAIS...

Captura de ecrã 2018-06-22, às 11.09.12.png

 

Para o bem e para o mal - infelizmente mais para o mal - o Município de Valongo tem-se aprimorado nos últimos anos em muitos aspectos...

Desenvolveu - e de forma rápida e eficiente - uma notável 'tecnologia de estruturas' que consegue - tem conseguido até agora - escapar com êxito a todos os radares do controlo global e aos detectores de metais da nossa Justiça. 

E também, ao contrário do que "muitos e muito relevantes investidores" receavam, o 'novo' Município vestido de novas e mais garridas cores desde Setembro de 2013, não baniu do nosso território os negócios rentáveis, não nacionalizou os grandes grupos 'emissores de moeda', não contratou - que se saiba - nenhuma empresa especializada na remoção dos esqueletos que jazem nas catacumbas do condomínio da Avenida 5 de Outubro, nem levou a cabo nenhuma (e muito receada por alguns) operação de limpeza intensiva ao interior do mesmo...

O presidente da Câmara de Valongo é PS.

Ana Gomes Também é do PS.

 

Porém...

 

José Manuel Ribeiro estará, estou seguro disso, em completo desacordo com a afirmação de Ana Gomes produzida dias antes do último Congresso do PS!

 

O texto que se segue foi publicado há minutos na minha página do Facebook

________________________________

 

Captura de ecrã 2018-06-22, às 11.06.34.png

CONCORDO EM ABSOLUTO ANA GOMES!


Mas convém ter em conta que a corrupção (também) é um fenómeno transversal e pluripartidário.
Por isso é que aqui em Valongo o fenómeno - que evidentemente vai para além do PS e começa aliás muito antes do PS ser governo no 'subúrbio' - continua "a florescer, se aprimorou" e ganhou com a actual governação do Município novos contornos bem mais "burilados" e capazes de passar nos 'detectores de metais' da nossa Justiça.

 

- TURISMO DO (Porto) E NORTE DE PORTUGAL:
Melchior Moreira (bom amigo do Presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro) que juntamente com outros dirigentes está a ser acusado de (ALEGADA) corrupção, não é do PS...

- NOVIMOVEST ('garimpo de Alfena'):
A (ALEGADA) corrupção que envolveu a desclassificação daqueles terrenos REN e RAN na Senhora do Amparo onde se instalaram a Chronopost e a Plataforma Logística da Jerónimo Martins - um negócio de muitos milhões promovido pela Novimovest (Banco Santander) coadjuvado por José Luís Pinto (vereador à altura da maioria PSD) - aconteceu é verdade, com a presença no seio do grupo Santander do 'histórico' do PS António Vitorino...
Mas nem José Luís Pinto nem as figuras de topo da Novimovest/Santander pertenciam ao PS...

 

E é tudo... por agora!

publicado às 10:14

PS/CÂMARA DE VALONGO - CONTRA ALFENA, TUDO!

20180504_021610.jpg

 

São 10 da manhã...

Acabo de fazer o segundo café forte para despegar as pestanas - o primeiro estraguei-o ao 'adoçá-lo' com alho em pó em vez do habitual açúcar mascavado...

 

Ontem - e hoje até quase às 4 da manhã - foi dia de 2.ª sessão da Assembleia Municipal de Valongo em versão descentralizada, em Alfena.

 

Antes de tomar o tal café forte - já com açucar mascavado - ainda fui dar uma olhada no dicionário em papel que ainda uso de vez em quando, para ver o significado dos termos 'chantagem'-'chantagista'-chantagear'.

O significado ainda é aquele que eu pensava...

 

"Fui chantageado" - foi o termo usado por José Manuel Ribeiro para justificar porque é que num dos orçamentos passados da Câmara incluiu uma verba inicial para apoiar a construção de uma nova sede para a Junta de Freguesia de Alfena e agora a retirou.

 

(Presumo que tenha tomado esta última atitude apenas quando se conseguiu libertar da pistola apontada à cabeça pelo 'vil chantagista').

 

Melhor do que fazer uma descrição exaustiva e maçadora do quão baixo desceu a estrutura concelhia do Partido Socialista e dos seus deputados e vereadores no que toca à perseguição movida contra Alfena, faço uma promessa:

 

Tão depressa quanto a burocracia e os artifícios na arte de 'engonhar' no que toca a dispensar informação pública o permitam, irei pedir a consulta da gravação desta sessão, e transcrevê-la-ei aqui na íntegra.

 

(Afinal e graças à experiência adquirida na transcrição das várias horas das 7 sessões do meu Julgamento para preparar o recurso para o Tribunal da Relação do Porto em que fui absolvido - obrigado José Manuel Ribeiro! - transcrições integrais já são uma brincadeira para mim).

 

Quem não tenha estado ontem (e hoje) no Centro Cultural dificilmente acreditará em mim se me limitar a relatar o que se passou.

Depois de ver quão baixo pode descer a 'partidarite' em versão cor de rosa para se colocar ao serviço de uma estratégia muito pessoal da maioria absoluta do PS na Câmara, fico curioso para ver qual será a posição da débil estrutura do PS em Alfena na próxima Assembleia de Freguesia:

 

Qual será a sua posição em contraposição (ou não?) com a do PS de Valongo, no apoio a José Manuel Ribeiro contra o presidente da Junta de Freguesia de Alfena e contra a nossa terra:

 

O PS concelhio e a Câmara têm estruturas desportivas municipais - pavilhões, museus, bibliotecas, estádios de futebol em todas as freguesias menos em Alfena.

Aqui, quem substitui a Câmara são Instituições como o Atlético Clube Alfenense e o CSPA (da Igreja).

A título de exemplo, só em Valongo e com os custos que envolvem a água a Luz, o gás, o pessoal e outras despesas com os pavilhões e estádio municipal, a Câmara gasta algo próximo de 100 mil euros por ano.

Em Alfena limita-se a pagar uma pequena majoração nos apoios às Instituições atrás referidas relativamente aos que dá a todas as restantes.

 

Tudo isto para "castigar"... o Dr. Arnaldo Soares? Nada disso! Para castigar Alfena!

 

Nas restantes freguesias constroem-se (e bem!) equipamentos de lazer - parques de merendas, parques infantis e outros - em Alfena não se pode apoiar a ainda embrionária mas muito relevante área do 'Parque Vale do Leça' "porque os terrenos são da Junta"!

Em Alfena, o processo de cedência do terreno disponibilizado num dos mandatos camarários anteriores em Francisco Sá Carneiro para a nova sede da Junta caiu numa gaveta muito funda e não há maneira de lá sair. 

 

Tudo isto para "castigar"... o Dr. Arnaldo Soares? Nada disso! castigar Alfena!

 

Em Alfena, os jovens que se atrevam a candidatar trabalhos no âmbito o Orçamento Participativo Jovem terão que "inventar" sítios para encaixar os seus projectos que não se incluam em espaços pertencentes à Junta!

Em S. Lázaro ou Parque Vale do Leça não!

(Então onde?).

 

Tudo isto para "castigar"... o Dr. Arnaldo Soares? Nada disso! Para castigar Alfena!

 

Em Alfena a sua Junta - instalada na conhecida 'casinha de bonecas' sem espaço para nada - solicitou à Câmara a cedência de 3 salas na Escola do Xisto para instalar algum do arquivo arrumado no sótão da Junta (e até por baixo do palco do Centro Cultural) e para fazer algumas acções de formação para desempregados.

Afinal, a Câmara acabou de ceder a Escola a uma Instituição de Valongo que desenvolve uma actividade muito meritória na área de apoio à deficiência - a EDUCASON.

 

Nada contra este apoio!

Mas dadas as múltiplas e antigas solicitações da Junta atrás referidas, esta cedência à EDUCASON deveria ter sido conjugada com a reserva de uma área para a Junta neste mesmo espaço que é muito ou, em alternativa, num outro sítio compatível!

 

Tudo isto para "castigar"... o Dr. Arnaldo Soares? Nada disso! Para castigar Alfena!

 

Em Alfena está em construção o novo Centro de Saúde. Finalmente!

Não fomos - aqui há uns anos atrás - recambiados para o Centro de Saúde da Bela graças à mobilização dos moradores e ao empenho da Junta de Freguesia.

O terreno foi conseguido pela Junta  - no mandato do Dr. Rogério Palhau -  e com a colaboração do proprietário dos terrenos.

Há dias, fez-se o acto formal do início das obras com a presença do Secretário de Estado e do Presidente da Câmara e - ao contrário do que aconteceu com o Centro de Saúde de Campo - não se convidou a população nem o Presidenta da Junta!

 

Tudo isto para "castigar"... o Dr. Arnaldo Soares? Nada disso! Para castigar Alfena!

 

Ontem o presidente da Junta apresentou um voto de congratulação pelo início das obras.

O grupo municipal do PS apresentou outro.

O da Junta era simples e não fazia considerações supérfluas, o do PS referia "graças ao empenho dos autarcas" mas não fazia a mais leve menção do empenho da Junta.

O Dr. Arnaldo Soares optou por retirar a sua moção - porque o PS votaria contra - para não prejudicar a congratulação.

O PS  - e muito a custo - lá aceitou incluir no seu voto "o empenho da Junta de Freguesia de Alfena"...

 

Tudo isto para "castigar"... o Dr. Arnaldo Soares? Nada disso! Para castigar Alfena!

 

Desafio quem quer que seja a provar que tenha criticado mais o Dr. Arnaldo Soares, o Dr. Rogério Palhau e Guilherme Roque. Fi-lo sempre de nos olhos e com argumentos - bons ou maus interessa pouco para o caso - mas sempre em contexto da luta política e de forma frontal.

Mas tal como acontece nas famílias quando estão zangadas - os pais com os filhos, estes com os pais, os irmãos entre si, etc., - aqui em Alfena podemos andar todos "à batatada" mas não toleraremos que 'grupos de fora' venham dar pancada nos nossos.

 

(Acho que a colectividade cigana também é um pouco assim...).

 

Espero sinceramente que na próxima Assembleia de Freguesia, a débil estrutura local do PS se junte ao lado certo na defenda dos seus - que somos todos nós alfenenses!

 

Só para terminar, dois pequenos (ou não) - 'fait-divers' 

 

1 . O grupo da CDU apresentou uma recomendação relacionada com a cedência ao Moto Clube de Alfena de um terreno municipal localizado junto à rotunda da A41 para esta Associação construir a sua sede.

Os moradores não concordam. Era o último bocadinho das cedências da urbanização ali implantada e destinava-se a equipamentos colectivos. Apresentaram oportunamente um abaixo-assinado e reclamações fundamentadas opondo-se a essa cedência.

A Câmara escondeu esses documentos, não os incluiu na deliberação levada então à Assembleia Municipal e agora gaba-se que foi tudo por unanimidade! - na Câmara até foi mas na Assembleia houve 1 voto contra: o meu!

 

(Honra lhe seja feita, o Dr. Arnaldo Soares tomou a palavra para dizer que assumia que tinha sido ele a propor à Câmara aquele terreno que "estava abandonado pela Câmara há 40 anos).

 

Fez mal o Presidente da Junta, porque conhecendo bem os seus fregueses sabia qual era a posição dos moradores sobre o assunto e deveria ter sugerido outro local - porque ao contrário do que disse, em Alfena existem mais terrenos municipais disponíveis.

 

Não está em causa - de forma alguma - o quão meritória tem sido a actividade dos nossos 'Motards' e o apoio que em face da mesma eles merecem.

Atrevo-me aliás a dizer - para provar o quanto gosto e como acompanho com interesse tudo o que fazem - que se eles encontrarem uma forma de me restituírem 20 anos do tempo que já vivi, compro já uma Harley-Davidsom em bom estado, inscrevo-me no Motoclube de Alfena e pago à cabeça as quotas desses 20 anos.

A sério! 

 

Mas até neste episódio da recomendação da CDU o PS concelhio quis dar um sinal - neste caso inverso aos anteriores! Vejamos:

 

Votos a favor da recomendação: 3 (CDU e presumo que o Bloco de Esquerda).

Votos contra: 2 (Arnaldo Soares e um outro que não retive).

Abstenções: 26

Aprovado por maioria!

 

Tudo isto para "castigar" (no caso do PS...) o Dr. Arnaldo Soares!

 

2 . As Juntas de freguesia - que no mandato anterior e apesar das diferenças partidárias souberam manter quase sempre posições concertadas e solidárias e por vezes desalinhadas em relação à Câmara, ontem estiveram - também elas e através de representantes designados e que não os presidentes - CONTRA ALFENA!

 

(Ressalva para a DIGNIDADE da representante do Presidente de Campo e Sobrado - parabéns, Raquel! - que não querendo 'desalinhar' ostensivamente com o Partido, optou no entanto por se abster sempre.  

Alfena registou!).

 

E pronto...

 

É tudo... por agora!

____________________________

PS: Alguém atento alertou-me para uma omissão injusta da minha parte, no que se refere à cerimónia de início das obras do novo Centro de Saúde de Alfena: no álbum de recordações de José Manuel Ribeiro ficam a faltar as fotos de, além dos milhares de alfenenses e do presidente da Junta à altura, Rogério Palhau, também a do então presidente da Câmara, João Paulo Baltazar, que com uma Câmara na penúria, teve de 'rapar o fundo ao tacho' para fazer as infra estruturas e o estacionamento que garantiriam  a cedência do terreno por parte do Toninho do Cabo.

Como não gosto de injustiças, eu que tanto o critiquei durante tanto tempo, não podia deixar de fazer este acrescento à minha publicação.

É Justo!

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 10:04

O PODER LOCAL QUE ENVERGONHA VALONGO...

20180427_211319.jpg

 

Ontem foi dia de Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de Valongo - em versão descentralizada em Alfena.

 

Alguns recortes - que permitem antecipar com bastante rigor o tipo de governação que teremos até 2021!

 

* Um Presidente de Assembleia capturado pelo Órgão executivo e com um relógio muito selectivo na contagem dos tempos, conforme o quadrante político respectivos oradores.

 

(O presidente da Câmara, esse tem sempre 'via verde' para as suas longas e redondas incursões discursivas)...

 

A origem de muitos dos problemas com que os valonguenses se debatem, ao contrário do que muitos possam pensar, não tem a ver com a incompetência, a arrogância ou a falta de aptidão do cidadão José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara de Valongo para o exercício do alto cargo que lhe foi atribuído pelos munícipes.

Por exagerado que isso possa parecer, é na total abdicação relativamente ao exercício dos deveres inerentes ao cargo de presidente do Órgão Deliberativo Assembleia Municipal por parte do cidadão Abílio Vilas Boas Ribeiro que essas razões assentam. 

 

* Um deputado socialista de Alfena - olá senhor Joaquim Moreira - que em vez de falar da lamentável prestação de contas da Câmara - o ponto para o qual se inscreveu - optou (!) por atacar o presidente da Junta da sua  Freguesia e o Parque Vale do Leça, achando muito bem a falta de cumprimento dos compromissos assumidos pelo presidente da Câmara - a Junta não tem, nem obrigação nem capacidade financeira para tal - de instalar algum equipamento, de recuperar o velho moinho do Cabo e o respectivo canal, de colocar iluminação - entre muitas outras coisas em falta.

Segundo o senhor Joaquim, isso seria "fazer filhos na mulher dos outros" (sic), logo, a Câmara faz muito bem em não fazer nada e ele bate palmas.

 

Ó senhor Joaquim, quando disse que vivia em Alfena há não sei quantos anos e que gostava muito da sua terra e blá-bá-blá, estava (mesmo) a mangar connosco não estava?

 

Por uma vez, o presidente da Assembleia esteve bem e tirou-lhe a palavra, porque não era esse o ponto em discussão. Meteu o 'rabo entre as pernas', sentou-se e prometeu inscrever-se na "altura certa" para dizer o que não conseguiu.

Esperemos que pense melhor e tenha vergonha na cara antes de voltar a envergonhar a "sua terra"...

 

* Falou-se de estacionamento e da VERGONHA a que assistimos em Valongo e Ermesinde, com a empresa concessionária a arrogar-se o papel de 'dona disto tudo' na caça desenfreada às multas - alguns minutos ,ou mesmo segundos, que se percam a atravessar a rua para ir trocar moedas no café em frente são suficientes para o ROUBO.

 

(Por acaso ninguém falou no estado de degradação absoluta e na falta de fiabilidade da esmagadora maioria dos parcómetros nem na obrigatoriedade da sua inspecção anual com  aposição do respectivo selo de garantia por parte do ISQ (Instituto de Soldadura e Qualidade) e que por si só já deveria ter obrigado a Câmara a ter actuado e a invocar isso a seu favor no (alegado) litígio judicial que a opõe à 'Parques VE').  

VER MAIS AQUI:

 

* Falou-se ainda na VERGONHA que foi a cerimónia do início de obras do novo Centro de Saúde de Alfena com a presença do secretário de Estado da Saúde, do presidente da ARS Norte e do presidente da Câmara e para a qual não tiveram o mínimo respeito pela Instituição Junta de Freguesia: não convidaram sequer o seu presidente para estar presente - convém lembrar que foi precisamente a Junta de Freguesia da altura que negociou com o dono do terreno a cedência do lote para o efeito!

 

(Só por mero acaso é que o Dr. Arnaldo Soares, quando se dirigia para a sede da Junta, percebendo movimento inusitado no local, de alguns fatos azuis, dos habituais carros pretos e das câmaras fotográficas dos jornalistas, optou por se chegar ao grupo.

 

Se isto não revolta os alfenenses, o que mais é que José Manuel Ribeiro terá de fazer para que isso aconteça?

 

* Falou-se de 'bexiguices' e configurações mais ou menos 'cor de rosa' do gabinete jurídico da Câmara e falou-se na contratação de mais um Jurista interno (talvez para dar um tratamento mais célere à cobrança das multas de estacionamento).

 

* Falou-se também da (lamentável) passagem pública de ligação da paralela à Rua 1.º de Maio à Praceta Almirante Pinheiro de Azevedo - sinalizada por um semáforo particular! - e dificultada por duas lombas excessivas e buracos com malha-sol à vista.

 

* Falou-se ainda da cedência do último lote municipal resultante de cedências no âmbito da urbanização de 1986 de Adão Inácio Lopes - neste mesmo local - para ser construída uma sede do Moto Clube de Alfena.

 

(Essa cedência foi votada (por unanimidade) em reunião de Câmara no mandato anterior e aprovada por maioria em Assembleia Municipal (com o meu voto de vencido) porque a Câmara sonegou à apreciação dos vereadores da oposição e dos deputado municipais, as reclamações fundamentadas entragues por mim e por um conjunto de moradores e que não aparece em nenhuma das fases do processo que instruiu as deliberações referidas).

 

Portanto...

 

O executivo actual e a Assembleia Municipal, ao tomarem conhecimento pormenorizado dos contornos deste processo ardiloso levado a cabo no mandato anterior, não podem - sob pena de incorrerem em crime - fazer outra coisa que não seja reverterem esta cedência e - para não frustrar as justas expectativas do Moto clube de Alfena - encontrarem um outro terreno onde a referida sede possa ser construída!

 

* Por último - no que me ocorre - falou-se nas obras de Cabeda e na vergonha e FALTA DE RESPEITO PARA COM ALFENA que as mesmas constituem.

 

(Parece que o concurso público lançado para a execução da obra ficou deserto - com excepção do empreiteiro em situação de pré falência e como agora é público e notório, não tinha nem tem a adequada capacidade técnica para a executar).

 

O presidente da Câmara, numa lamentável demonstração(?) de falsa humildade, assumiu "inteiras responsabilidades por tudo o que de errado aconteceu nesta obra".

Acrescentou ainda que "embora já tenha sido traído relativamente a outras previsões no que toca à reabertura do troço em obras, prevejo a conclusão até final do mês de maio

 

Haja paciência para tanta incompetência!

 

E foi mais ou menos isto - com um ou outro detalhe que me possa ter escapado - o que ontem se passou...

 

Como se passou da meia noite sem sequer ter cumprido metade da Ordem de Trabalhos, a sessão continuará na próxima quinta-feira, dia 3 de Maio, à mesma hora e no mesmo local.

 

 

publicado às 10:17

QUE CHEGUE ABRIL...


 

Captura de ecrã 2018-04-25, às 14.21.17.png

 


QUE CHEGUE ABRIL – A VALONGO TAMBÉM...
 
Quando Abril chegar
E a coragem de mudar
Não faltar
Quando o Povo acordar
(Em Valongo também)
E Portugal amordaçado
Desnutrido e subjugado
Vilipendiado e roubado
Brandir corajoso o cajado
(Em Valongo também)
Quando a Liberdade sair à rua
E nem a ponte por fazer a obstrua
Quando a minha Liberdade for igual à tua
(Em Valongo também)
Quando esse dia chegar
Sem bombeiros ou polícia a saudar
Os prefeitos imperfeitos do lugar
Portugal amordaçado poderá cantar
E será finalmente Abril - em Valongo também
 
(Ao correr da pena, em 25 de Abril de 2018)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

publicado às 14:32

25 DE ABRIL SEMPRE! - APESAR DE TUDO...

Captura de ecrã 2018-04-25, às 09.27.39.png

 

- Ainda que o País político o viva com (muita) hipocrisia...

 

- Ainda que as razões pelas quais ele se fez - a maioria pelo menos - persistam quase imutáveis...

 

- Ainda que os cancros que corroem o País real persistam, resistindo às várias sessões de quimioterapia que têm sido tentadas - a corrupção, a incompetência, a falta de solidariedade para com os mais frágeis, as sucessivas alienações de soberania e a transferência dos nossos centros de decisão para fundos-abutre ou para as mãos sujas dos para-mafiosos funcionários públicos de Bruxelas...

 

- Ainda que na terra onde vivemos há mais de três décadas e na Câmara que fica para lá dos montes, as cerimónias oficiais com que se tenta fingir que se está com ele (?) sejam verdadeiramente deprimentes e 'vazias de actos concretos' - e colidam mesmo frontalmente, pelos lamentáveis posicionamentos do dia-a-dia de quem administra a coisa pública, com os nobres propósitos dos heróicos Capitães de Abril de 1974...

 

- Ainda que neste subúrbio às portas do Grande Burgo onde há muitos muitos séculos atrás houve nome Portugal, quem lamentavelmente o administra já se tenha há muito esquecido do real e concreto significado da expressão "fazer das tripas coração"...

 

- Ainda que neste Concelho de pechisbeque a Liberdade continue a não saír à rua - e quando o faz corra sempre o risco de ser assassinada -  e os detentores do poder persistam na ideia transformada em lamentável prática diária, de que Abril de 1974 foi apenas "aquela" singela Primavera sem exemplo que convém - para eles obviamente - não repetir e portanto, esvaziar tanto quanto possível de significado concreto e actualizado...

 

Ainda assim... (e parafraseando o grande Galileu)

 

O 25 de Abril move-se e no essencial, permanece vivo no coração do Povo!

 

25 de Abril sempre!

 

 

 

publicado às 09:28

ÓNUS (INVERTIDO) DA PROVA - NÃO MATAMOS A VELHINHA MAS NÃO CONSEGUIMOS PROVÁ-LO...

Captura de ecrã 2018-03-14, às 15.52.22.png

 

O título parece estranho mas explica-se rapidamente...

 

A Associação Al Henna levou a efeito na passada sexta-feira uma tertúlia sobre as origens de Alfena e onde se falou do muito trabalho que a nossa Associação tem realizado e do muito mais que temos pela frente -  para que o nosso Património histórico, cultural, patrimonial sejam preservados e transmitidos às novas gerações.

 

Para o efeito solicitamos à Câmara a cedência do anfiteatro do Centro Cultural.

Nada de estranho nem que não tenha já sido pedido e bem por outras organizações, independentemente das áreas ou interesses em que se movimentam...

 

A Câmara pediu-nos cópia dos Estatutos, último Relatório de Contas, declaração de inexistência de dívidas ao Fisco e... - muitos 'es' depois - também a 'prova de que não somos terroristas nem matamos nenhuma velhinha para lhe ficarmos com os brincos e o fio de ouro com medalhinha'...

 

Foi aqui que tudo se complicou para a Al Henna ao não conseguir cumprir esta última 'exigência': a única pessoa que poderia testemunhar a nosso favor era a dita 'velhinha'  e essa morreu entretanto - de morte natural, evidentemente...

Valeu-nos a Direcção do Agrupamento de Escolas de Alfena que nos cedeu o anfiteatro da Secundária de Alfena (no Lombelho)...

 

Mas Alfena tem (muitos, muitos) mais problemas causados pela inércia, pela incompetência, pela negligencia culposa ou mesmo pelo espírito persecutório do (alegado) 'pai da cidade de Alfena' - o presidente da Câmara - para com a nossa Cidade!

Talvez a principal - mas não única - razão (?) para essa inexplicável sanha persecutória resida no facto de o executivo da Junta de freguesia da nossa Cidade ser o único que escapou à configuração monocolor dos restantes executivos em modo "atentos, veneradores e obrigados" onde as exigências não existem - desde logo, porque 'a Câmara amiga se antecipa a fazer o que adivinha que os camaradas do Partido lhe vão pedir'.

 

E nos 'entretantos', Alfena fica-se (apenas) com as promessas:

 

. Uma Oficina do Brinquedo que não passa de um projecto pomposo e em bolandas;

. Um Espaço multiusos na chamada Quinta do Bandeirinha que se ficou por duas ou três visitas de pompa e circunstância ao local em momentos eleitorais; 

. Recuperação do antigo cinema do Centro Social e Paroquial de Alfena, um projecto lançado pomposamente em vésperas da última campanha eleitoral e jazendo numa qualquer gaveta nas catacumbas do 'arquivo morto' da Câmara;

. Construção do novo Centro de Saúde de Alfena à espera que se descubra 'a pedreira de onde haverá de sair a primeira pedra' da obra;

. Construção de passeios e medidas de mitigação do tráfego na N105 (rua 1.º de Maio) - em conjugação com as I.P.;

. Resolução da vergonhosa cobertura da rede de transportes públicos em Alfena - apesar de o presidente da Câmara integrar a actual estrutura de transportes do Porto;

. Recuperação do moinho do Cabo e respectivo canal, bem como melhoria dos actuais percursos pedonais, instalação de iluminação pública e algum equipamento urbano - conforme promessas eleitorais;

. Finalização da atribulada recuperação da Rua de S.Vicente em Cabeda e ponte do Reguengo;

. Cumprimento das promessas feitas de intervenção junto da BeWater para que - também nesta zona mas em muitas outras - a cobertura relativa à rede de saneamento básico seja executada e se deixem de mandar directamente para o rio Leça os efluentes urbanos;

. Etc., etc., etc.

 

Não matamos a velhinha mas é como se o tivéssemos feito dada a dimensão da 'pena informal' que a Câmara nos tem vindo a aplicar! 

_______________

PS:

Parece que - vi agora uma publicação de há poucos minutos na página da Junta - as obras do Centro de Saúde têm início a seguir à Páscoa - não é referido na notícia, mas quero acreditar que seja a Páscoa de 2018...

 

 

publicado às 15:03

VALONGO DO NOSSO DESENCANTO...

Dizem que o Poder Local Democrático foi uma das grandes conquistas do 25 de Abril de 1974 e dizem bem - digo eu e a esmagadora maioria dos portugueses!

Mas que há excepções, lá isso há.

 

 

E como em tudo na vida em que não há regra sem excepção Valongo é a lamentável excepção...

 

A última maioria absoluta dada pelos valonguenses ao PS, reforçando de forma significativa a anterior e tangencial maioria relativa, longe de assentar no reconhecimento dos méritos de José Manuel Ribeiro e da sua gestão, assentam no estado de absoluta desgraça em que caiu o PSD Nacional reforçado em Valongo pela absoluta nulidade de (quase) todos os seus candidatos em 2017.

Sobre a restante oposição nem vale a pena falar porque ao longo de 4 anos do mandato anterior andou a olhar para os respectivos umbigos e a favorecer - pela omissão pelo menos - o nepotismo, a arrogância, o 'amiguismo', a gestão orientada para a 'estratégia pessoal futura' do presidente.

Vozes críticas - a minha era uma delas - nunca foram especialmente acolhidos ou apoiados, nem na Câmara nem na Assembleia e os atentados à Liberdade, nomeadamente à Liberdade de expressão, de que o meu Julgamento por causa de ""difamar"" José Manuel Ribeiro foi o lamentável sinal (mais que) visível, não mereceram especial atenção ou apoio por parte dessa oposição.

 

(Uma excepção que seria injusto não destacar, foi a atitude do então vereador da CDU, Adriano Ribeiro, que sempre fez questão de me manifestar o seu apoio e assistiu a quase todas as sessões de julgamento).

 

Nem sequer na Assembleia Municipal, Órgão do Poder Deliberativo a que eu pertencia se levantaram vozes contra o abuso de poder do presidente do Órgão executivo - vozes significativas e consequentes pelo menos...

E até mesmo quando fui absolvido  e o presidente - por contraposição dos argumentos aduzidos - foi literalmente arrasado pelo Tribunal da Relação do Porto nem isso mereceu qualquer tomada de posição por parte dos meus pares.

 

Pois bem...

 

Hoje é dia de Assembleia Municipal - às 21 horas no Salão Nobre da Câmara

 

O seu presidente é o mesmo e a lamentável (e voluntária) abdicação relativamente às suas especiais e importantes prerrogativas como 'primeira figura' do Município persiste, na senda do anterior mandato, sem que isso pareça incomodar muito o conjunto dos restantes deputados municipais - logo veremos se tenho inteira razão...

 

- A Assembleia Municipal continua a não ter uma área própria e (devidamente) destacada no sítio do Município;

- Ao contrário da actualização dos eleitos para a Câmara em 2017 - com fotos 'bonitinhas' e tudo, no que toca à Assembleia Municipal - e mesmo assim lá muito escondidas - o que aparecem é a mensagem do presidente e a relação dos eleitos em 2013 (com o meu nome e 6.º lugar)...

 

Parafraseando alguém de cujo nome não me recordo, "quando abdicamos dos nossos Direitos, abdicamos igualmente dos nossos Deveres" e Dr. Abílio Vilas Boas Ribeiro, presidente da Assembleia Municipal de Valongo, como 'primeira figura' do Município nem uns nem outros estão disponíveis!

 

AMV_1.png

AMV_2.png

 

 

publicado às 10:16

A LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ E O 'DINHEIRO SUJO' RESULTANTE DA MESMA...

Captura de ecrã 2018-02-10, às 14.56.16.png

 

Lamento, mas é assim que eu penso...

Se alguém me ofende de forma suficientemente relevante e injustificada que um bom 'par de estalos' com testemunho público não consiga resolver - no sentido figurado do termo, porque já não me atrevo a dá-los no sentido literal - então recorrerei à Justiça. 

 

(No meu caso é - mesmo - uma hipótese meramente académica a que até agora nunca considerei necessário recorrer).

 

Litigar judicialmente e de forma (aparentemente) injustificada baseado no 'diz que disse' dos falsos amigos que, vá-se lá saber porquê adoram alimentar uma boa intriga sem antes explicar publicamente e de olhos nos olhos as razões porque o fazemos, é algo que nunca farei e só de  pensar no ditado "nunca digas dessa água nunca beberei" já sinto uma espécie de urticária.

 

Mas mais estranho ainda é 'alguém litigar judicialmente contra outro alguém' por causa de uma alegada 'difamação' - no fundo por esse 'outro alguém' usar um direito inalienável que é a Liberdade de expressão - e, bem ou mal para o caso não interessa, ganhar o litígio ficando em silêncio a fruir os resultados práticos e monetários dessa causa.

 

Admito que quem perde uma acção não fique com muita vontade de falar do assunto - não é assim, José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara de Valongo? - mas quem ganha um processo contra um 'difamador' deveria falar no mesmo - até porque, segundo a sua óptica, se 'fez justiça'!

 

(A não ser que o 'justiçado' se sinta tão mal, mas mesmo tão mal com a sua consciência  e com a total ausência de justificações para a litigância encetada que tenha vergonha de falar no assunto)... 

 

Para bom entendedor / a bon entendeur / to a good understanding / к хорошему пониманию...

publicado às 14:04

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D