Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

QUE CHEGUE ABRIL...


 

Captura de ecrã 2018-04-25, às 14.21.17.png

 


QUE CHEGUE ABRIL – A VALONGO TAMBÉM...
 
Quando Abril chegar
E a coragem de mudar
Não faltar
Quando o Povo acordar
(Em Valongo também)
E Portugal amordaçado
Desnutrido e subjugado
Vilipendiado e roubado
Brandir corajoso o cajado
(Em Valongo também)
Quando a Liberdade sair à rua
E nem a ponte por fazer a obstrua
Quando a minha Liberdade for igual à tua
(Em Valongo também)
Quando esse dia chegar
Sem bombeiros ou polícia a saudar
Os prefeitos imperfeitos do lugar
Portugal amordaçado poderá cantar
E será finalmente Abril - em Valongo também
 
(Ao correr da pena, em 25 de Abril de 2018)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

publicado às 14:32

25 DE ABRIL SEMPRE! - APESAR DE TUDO...

Captura de ecrã 2018-04-25, às 09.27.39.png

 

- Ainda que o País político o viva com (muita) hipocrisia...

 

- Ainda que as razões pelas quais ele se fez - a maioria pelo menos - persistam quase imutáveis...

 

- Ainda que os cancros que corroem o País real persistam, resistindo às várias sessões de quimioterapia que têm sido tentadas - a corrupção, a incompetência, a falta de solidariedade para com os mais frágeis, as sucessivas alienações de soberania e a transferência dos nossos centros de decisão para fundos-abutre ou para as mãos sujas dos para-mafiosos funcionários públicos de Bruxelas...

 

- Ainda que na terra onde vivemos há mais de três décadas e na Câmara que fica para lá dos montes, as cerimónias oficiais com que se tenta fingir que se está com ele (?) sejam verdadeiramente deprimentes e 'vazias de actos concretos' - e colidam mesmo frontalmente, pelos lamentáveis posicionamentos do dia-a-dia de quem administra a coisa pública, com os nobres propósitos dos heróicos Capitães de Abril de 1974...

 

- Ainda que neste subúrbio às portas do Grande Burgo onde há muitos muitos séculos atrás houve nome Portugal, quem lamentavelmente o administra já se tenha há muito esquecido do real e concreto significado da expressão "fazer das tripas coração"...

 

- Ainda que neste Concelho de pechisbeque a Liberdade continue a não saír à rua - e quando o faz corra sempre o risco de ser assassinada -  e os detentores do poder persistam na ideia transformada em lamentável prática diária, de que Abril de 1974 foi apenas "aquela" singela Primavera sem exemplo que convém - para eles obviamente - não repetir e portanto, esvaziar tanto quanto possível de significado concreto e actualizado...

 

Ainda assim... (e parafraseando o grande Galileu)

 

O 25 de Abril move-se e no essencial, permanece vivo no coração do Povo!

 

25 de Abril sempre!

 

 

 

publicado às 09:28

ÓNUS (INVERTIDO) DA PROVA - NÃO MATAMOS A VELHINHA MAS NÃO CONSEGUIMOS PROVÁ-LO...

Captura de ecrã 2018-03-14, às 15.52.22.png

 

O título parece estranho mas explica-se rapidamente...

 

A Associação Al Henna levou a efeito na passada sexta-feira uma tertúlia sobre as origens de Alfena e onde se falou do muito trabalho que a nossa Associação tem realizado e do muito mais que temos pela frente -  para que o nosso Património histórico, cultural, patrimonial sejam preservados e transmitidos às novas gerações.

 

Para o efeito solicitamos à Câmara a cedência do anfiteatro do Centro Cultural.

Nada de estranho nem que não tenha já sido pedido e bem por outras organizações, independentemente das áreas ou interesses em que se movimentam...

 

A Câmara pediu-nos cópia dos Estatutos, último Relatório de Contas, declaração de inexistência de dívidas ao Fisco e... - muitos 'es' depois - também a 'prova de que não somos terroristas nem matamos nenhuma velhinha para lhe ficarmos com os brincos e o fio de ouro com medalhinha'...

 

Foi aqui que tudo se complicou para a Al Henna ao não conseguir cumprir esta última 'exigência': a única pessoa que poderia testemunhar a nosso favor era a dita 'velhinha'  e essa morreu entretanto - de morte natural, evidentemente...

Valeu-nos a Direcção do Agrupamento de Escolas de Alfena que nos cedeu o anfiteatro da Secundária de Alfena (no Lombelho)...

 

Mas Alfena tem (muitos, muitos) mais problemas causados pela inércia, pela incompetência, pela negligencia culposa ou mesmo pelo espírito persecutório do (alegado) 'pai da cidade de Alfena' - o presidente da Câmara - para com a nossa Cidade!

Talvez a principal - mas não única - razão (?) para essa inexplicável sanha persecutória resida no facto de o executivo da Junta de freguesia da nossa Cidade ser o único que escapou à configuração monocolor dos restantes executivos em modo "atentos, veneradores e obrigados" onde as exigências não existem - desde logo, porque 'a Câmara amiga se antecipa a fazer o que adivinha que os camaradas do Partido lhe vão pedir'.

 

E nos 'entretantos', Alfena fica-se (apenas) com as promessas:

 

. Uma Oficina do Brinquedo que não passa de um projecto pomposo e em bolandas;

. Um Espaço multiusos na chamada Quinta do Bandeirinha que se ficou por duas ou três visitas de pompa e circunstância ao local em momentos eleitorais; 

. Recuperação do antigo cinema do Centro Social e Paroquial de Alfena, um projecto lançado pomposamente em vésperas da última campanha eleitoral e jazendo numa qualquer gaveta nas catacumbas do 'arquivo morto' da Câmara;

. Construção do novo Centro de Saúde de Alfena à espera que se descubra 'a pedreira de onde haverá de sair a primeira pedra' da obra;

. Construção de passeios e medidas de mitigação do tráfego na N105 (rua 1.º de Maio) - em conjugação com as I.P.;

. Resolução da vergonhosa cobertura da rede de transportes públicos em Alfena - apesar de o presidente da Câmara integrar a actual estrutura de transportes do Porto;

. Recuperação do moinho do Cabo e respectivo canal, bem como melhoria dos actuais percursos pedonais, instalação de iluminação pública e algum equipamento urbano - conforme promessas eleitorais;

. Finalização da atribulada recuperação da Rua de S.Vicente em Cabeda e ponte do Reguengo;

. Cumprimento das promessas feitas de intervenção junto da BeWater para que - também nesta zona mas em muitas outras - a cobertura relativa à rede de saneamento básico seja executada e se deixem de mandar directamente para o rio Leça os efluentes urbanos;

. Etc., etc., etc.

 

Não matamos a velhinha mas é como se o tivéssemos feito dada a dimensão da 'pena informal' que a Câmara nos tem vindo a aplicar! 

_______________

PS:

Parece que - vi agora uma publicação de há poucos minutos na página da Junta - as obras do Centro de Saúde têm início a seguir à Páscoa - não é referido na notícia, mas quero acreditar que seja a Páscoa de 2018...

 

 

publicado às 15:03

VALONGO DO NOSSO DESENCANTO...

Dizem que o Poder Local Democrático foi uma das grandes conquistas do 25 de Abril de 1974 e dizem bem - digo eu e a esmagadora maioria dos portugueses!

Mas que há excepções, lá isso há.

 

 

E como em tudo na vida em que não há regra sem excepção Valongo é a lamentável excepção...

 

A última maioria absoluta dada pelos valonguenses ao PS, reforçando de forma significativa a anterior e tangencial maioria relativa, longe de assentar no reconhecimento dos méritos de José Manuel Ribeiro e da sua gestão, assentam no estado de absoluta desgraça em que caiu o PSD Nacional reforçado em Valongo pela absoluta nulidade de (quase) todos os seus candidatos em 2017.

Sobre a restante oposição nem vale a pena falar porque ao longo de 4 anos do mandato anterior andou a olhar para os respectivos umbigos e a favorecer - pela omissão pelo menos - o nepotismo, a arrogância, o 'amiguismo', a gestão orientada para a 'estratégia pessoal futura' do presidente.

Vozes críticas - a minha era uma delas - nunca foram especialmente acolhidos ou apoiados, nem na Câmara nem na Assembleia e os atentados à Liberdade, nomeadamente à Liberdade de expressão, de que o meu Julgamento por causa de ""difamar"" José Manuel Ribeiro foi o lamentável sinal (mais que) visível, não mereceram especial atenção ou apoio por parte dessa oposição.

 

(Uma excepção que seria injusto não destacar, foi a atitude do então vereador da CDU, Adriano Ribeiro, que sempre fez questão de me manifestar o seu apoio e assistiu a quase todas as sessões de julgamento).

 

Nem sequer na Assembleia Municipal, Órgão do Poder Deliberativo a que eu pertencia se levantaram vozes contra o abuso de poder do presidente do Órgão executivo - vozes significativas e consequentes pelo menos...

E até mesmo quando fui absolvido  e o presidente - por contraposição dos argumentos aduzidos - foi literalmente arrasado pelo Tribunal da Relação do Porto nem isso mereceu qualquer tomada de posição por parte dos meus pares.

 

Pois bem...

 

Hoje é dia de Assembleia Municipal - às 21 horas no Salão Nobre da Câmara

 

O seu presidente é o mesmo e a lamentável (e voluntária) abdicação relativamente às suas especiais e importantes prerrogativas como 'primeira figura' do Município persiste, na senda do anterior mandato, sem que isso pareça incomodar muito o conjunto dos restantes deputados municipais - logo veremos se tenho inteira razão...

 

- A Assembleia Municipal continua a não ter uma área própria e (devidamente) destacada no sítio do Município;

- Ao contrário da actualização dos eleitos para a Câmara em 2017 - com fotos 'bonitinhas' e tudo, no que toca à Assembleia Municipal - e mesmo assim lá muito escondidas - o que aparecem é a mensagem do presidente e a relação dos eleitos em 2013 (com o meu nome e 6.º lugar)...

 

Parafraseando alguém de cujo nome não me recordo, "quando abdicamos dos nossos Direitos, abdicamos igualmente dos nossos Deveres" e Dr. Abílio Vilas Boas Ribeiro, presidente da Assembleia Municipal de Valongo, como 'primeira figura' do Município nem uns nem outros estão disponíveis!

 

AMV_1.png

AMV_2.png

 

 

publicado às 10:16

A LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ E O 'DINHEIRO SUJO' RESULTANTE DA MESMA...

Captura de ecrã 2018-02-10, às 14.56.16.png

 

Lamento, mas é assim que eu penso...

Se alguém me ofende de forma suficientemente relevante e injustificada que um bom 'par de estalos' com testemunho público não consiga resolver - no sentido figurado do termo, porque já não me atrevo a dá-los no sentido literal - então recorrerei à Justiça. 

 

(No meu caso é - mesmo - uma hipótese meramente académica a que até agora nunca considerei necessário recorrer).

 

Litigar judicialmente e de forma (aparentemente) injustificada baseado no 'diz que disse' dos falsos amigos que, vá-se lá saber porquê adoram alimentar uma boa intriga sem antes explicar publicamente e de olhos nos olhos as razões porque o fazemos, é algo que nunca farei e só de  pensar no ditado "nunca digas dessa água nunca beberei" já sinto uma espécie de urticária.

 

Mas mais estranho ainda é 'alguém litigar judicialmente contra outro alguém' por causa de uma alegada 'difamação' - no fundo por esse 'outro alguém' usar um direito inalienável que é a Liberdade de expressão - e, bem ou mal para o caso não interessa, ganhar o litígio ficando em silêncio a fruir os resultados práticos e monetários dessa causa.

 

Admito que quem perde uma acção não fique com muita vontade de falar do assunto - não é assim, José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara de Valongo? - mas quem ganha um processo contra um 'difamador' deveria falar no mesmo - até porque, segundo a sua óptica, se 'fez justiça'!

 

(A não ser que o 'justiçado' se sinta tão mal, mas mesmo tão mal com a sua consciência  e com a total ausência de justificações para a litigância encetada que tenha vergonha de falar no assunto)... 

 

Para bom entendedor / a bon entendeur / to a good understanding / к хорошему пониманию...

publicado às 14:04

MINISTÉRIO PÚBLICO DE VALONGO - COM AS PRIORIDADES TROCADAS?

Captura de ecrã 2018-01-26, às 14.14.55.png

 

 

Pois é...

 

O Ministério Público - de Valongo, neste caso específico - tão célere e acolhedor em relação a outras litigâncias (de má-fé) perseguindo bloggers só porque ousam ter opinião e não abdicam de a partilhar e tão desmazelado e irresponsável em relação àquelas que deveriam ser (de facto) as suas verdadeiras prioridades: a acusação dos criminosos e a protecção às vítimas por eles ameaçadas.

 

Não sei - nem me interessa - se a procuradora é a mesma que por duas vezes me acusou de "difamar" Almerindo Carneiro (SEC) e José Manuel Ribeiro (presidente da Câmara de Valongo) em casos distintos mas em tudo semelhantes e acolheu os atentados contra a minha Liberdade de Expressão por eles protagonizados.

Mas sei isso sim que (mais) esta morte não pode ter sido em vão e que a (aparente) negligência da nossa Justiça aqui noticiada não fique (uma vez mais) impune!

 

publicado às 13:44

A (IN)JUSTIÇA EM PORTUGAL - AS INSOLVÊNCIAS E OS ADMINISTRADORES DAS MESMAS...

Captura de ecrã 2018-01-26, às 11.08.56.png

 

Tenho seguido com atenção a luta abnegada - e quase heróica nas actuais condições climatéricas do País - das trabalhadoras da antiga TRIUNPH...

 

Finalmente foi decretada a insolvência da empresa e na sequência da mesma as trabalhadoras podem requerer o subsídio de desemprego, indemnizações a que tenham direito e aceder desde já ao 'fundo de garantia salarial' da Segurança Social.

 

Podem ainda ficar mais descansadas em relação aos receios de desvio de património da TRIUNPH, receio esse que as obrigou aos enormes sacrifícios de que falei e que todos fomos acompanhando...

 

Mas será que podem mesmo?

 

Captura de ecrã 2018-01-26, às 11.11.45.png

 

Neste 'link' podem seguir uma situação muito semelhante ocorrida em 2013 com uma empresa de construção civil em Valongo - a SEC de Almerindo Carneiro - também ela alvo de um PER e posterior insolvência antecedido de muita luta por parte dos trabalhadores sem salários. 

Foi necessário muito trabalho e até um pesado processo judicial por "difamação" contra mim - por apoiar neste Blog os "espoliados da SEC" e denunciar os empresários desonestos e os roubos e desvios de património.

 

Caras trabalhadoras da TRIUNPH, não quero desanimar-vos mas o património da dita SEC apurado na sequência da insolvência - um valor próximo de meio milhão de euros - está há mais de 2 anos à guarda do Tribunal, com os trabalhadores a passarem necessidades - já esgotados os respectivos subsídios de desemprego - perante a passividade de uma Administradora de insolvência que até já nem atende os telefonemas dos elementos da Comissão de credores nomeada pelo Tribunal.

 

A nossa Justiça é o que é e os processos de insolvência são um nebuloso labirinto gerido por Juízes que envergonham o País e por uma classe parasitária de "administradores de insolvência" que se vão revezando uns aos outros - no caso da SEC já é a segunda que o Tribunal designa - para ir facturando honorários e fazerem tudo, menos aquilo para que supostamente foram designados.

 

Leiam o que escrevi e tomem medidas preventivas - antes que se vejam confrontadas com uma situação como a da ex-SEC!

 

 

publicado às 10:36

PELA CALADA DA NOITE...

Captura de ecrã 2017-12-27, às 22.55.01.png

 

É feio, mesmo muito feio, apregoarem aos quatro ventos que são os pilares da Democracia e depois comportarem-se como as famílias da máfia, fazendo acordos à porta fechada e pactos de sangue, colocando estrategicamente de lado falsos antagonismos com que se apresentam em público para enganar os mais ingénuos. Depois, em privado e como se fossem pilares gémeos, dividem em segredo os privilégios que o Povo conformado e sofredor lhes outorga com um sorriso conformado, de punho direito ou esquerdo erguido ou dedos em 'V' frenético -  'V' de vencido...

Negociaram a partilha equitativa do saque durante meses, "informalmente", "verbalmente" para não deixarem provas  da marosca e até as propostas foram dissimuladas e identificadas com números ou letras do alfabeto em vez de nomes ou siglas partidárias!

 

(À última hora, CDS e PAN tentaram uma gracinha votando contra, como se isso os ilibasse da tramóia que ajudaram a manter secreta durante meses).

 

Só existe portanto um caminho para pôr termo a esta vergonha: o veto do presidente dos afectos e das selfies patuscas, que deverá devolver o diploma aos malfeitores para que o corrijam - ou não...

 

Mas espera lá!

 

E se António Costa for (mesmo) um génio capaz de ter congeminado esta estratégia diabólica para provocar uma implosão controlada da geringonça que já começa a constrangê-lo visivelmente e que conduza a água ao seu moinho?

Realizava o velho sonho de uma maioria absoluta, sem amarras nem espartilhos, através de eleições antecipadas que, qual cajado da conhecida frase, mataria ainda outro coelho com a mesma pancada: resolveria os crónicos problemas financeiros com que o PS sempre se debate - há muitos "mecenas" à espera para injectarem muita energia na rede com direito a um retorno compensador ' - e ao mesmo tempo, porque esta lei iníqua tem efeitos retroactivos, anularia os milhões hipotecados em processos pendentes instaurados pelo fisco!

 

Como dizem nuestros hermanos, "Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay"...

 

(...)
No céu cinzento, sob o astro mudo Batendo as asas p'la noite calada Vêm em bandos com pés veludo Chupar o sangue fresco da manada
(...)
(Vampiros - Zeca Afonso)

 

 

publicado às 22:55

RARÍSSIMA É A CONCIÊNCIA TRANQUILA DE CERTOS GOVERNANTES...

Captura de ecrã 2017-12-14, às 21.13.15.png

 

Caro António Costa, você é um ingénuo - ou então não...

Em ambas as hipóteses e no que a esta situação diz respeito isso é mau, muito mau.

 

Você afirmou que mantém a confiança total e inabalável no ministro Vieira da Silva relativamente ao seu envolvimento no escândalo “Raríssimas” e isso eu e muitos outros portugueses já esperávamos. Você já nos habituou a defender os seus soldados até ao limite e isso abona mais em seu favor do que se fizesse o contrário.

 

Porém, manifestar essa confiança de forma (aparentemente) cega fechando (aparentemente) todas as portas por onde possa (eventualmente) iniciar uma retirada estratégica se (eventualmente) verificar que Vieira da Silva apesar de toda a sua protecção de flancos vier a 'jazer morto no chão perfurado pela chuva de balas desses miseráveis talibãs' que são os jornalistas e já nada mais poder fazer para o manter de pé e a respirar, isso é que já não me perece muito inteligente.

Para lhe ser sincero e sem o querer ofender, confesso-lhe até que me parece perfeitamente idiota...

 

É claro que os portugueses não confundem a Raríssimas com a gestão danosa da dona Paula nem colocam no mesmo nível a virtuosidade das despesas com os apoios às centenas de raríssimos que tudo merecem e os desmandos ‘pornográficos’ com os vestidos caríssimos da senhora, com as gambas caríssimas que que ela come com os amigos, com o seu ordenado caríssimo, o do seu amantíssimo 'esposo número um' e o do herdeiro da parada e muito menos com o custo da sua lua-de-mel no Brasil com o 'amantíssimo numero dois' - o seu ex-secretário de Estado.

 

Sei que o seu ministro Vieira é um dos seu pesos-pesados e ninguém duvida da sua capacidade como governante mas exactamente pelo seu peso no seio governo é que a sua eventual queda o pode arrastar a si também para o mesmo chão inglório - ou para o lodo, o que ainda é mais inglório.

 

-       O seu ministro afirma estar de consciência tranquila mas apesar disso permitiu que a dona Paula andasse a ‘vender’ a Raríssimas a uma congénere sueca como sendo uma "Fundação" e até o vimos a assinar um documento onde a palavra  Fundação era visível;

-       O seu ministro está de consciência tranquila mas foi vice-presidente da Assembleia-geral da Associação e aprovou as contas que agora manda investigar:

-       O seu ministro está de consciência tranquila mas foi à Suécia – diz que em voo diferente do da dona Paula mas com encontro marcado em chão firme seguramente – para fazer lobby ao lado dela a favor da tal “Fundação”;

-       O seu ministro diz estar de consciência tranquila mas tentou ajudar a dona Paula – ela pelo menos diz isso – a erguer a desejada “Fundação” para onde chegou a estar prevista uma transferência inicial de 250 mil euros e onde para ela tudo seria bem mais fácil, incluindo continuar a roubar os ‘raríssimos’, a defraudar os mecenas e o erário Público e a destruir o capital de confiança dos portugueses na solidariedade e no meritório trabalho de milhares de IPSS;

 

Tanta tranquilidade de consciência só pode dar mesmo para desconfiar e só você mesmo, caro António Costa, com a sua já proverbial bonomia para desvalorizar tudo isto e tentar passar à frente, fingindo não ver o que até os que não são doutores nem primeiros-ministros já viram há muito.

publicado às 20:35

AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ESTUPIDEZ HUMANA...

Captura de ecrã 2017-12-07, às 11.47.29.png

 

O contexto político que vivemos em Valongo é profundamente inspirador, nem sempre pelas melhores razões é verdade e também, nem sempre a inspiração resulta ou é incentivada pelos mais nobres motivos.

 

Valongo como Concelho e a forma como foi criado há 181 anos (e cuja comemoração foi comemorada ao longo de 1 ano e concluída há dias)  e quem o governa no tempo presente são eles próprios profundamente inspiradores.

 

(Por isso o artigo que se segue, pode - e deve - ser interpretado a gosto, lido nas entrelinhas e glosado até à exaustão. Motivos não faltarão seguramente para o fazer).

 

Publicado no espaço 'Opinião' do DN em 20 de Abril de 2013 pareceu-me profundamente adequado ao contexto e pode ser lido na versão integral AQUI embora por uma questão de facilidade tenha optado por copiar parte do mesmo directamente - com a devida vénia ao autor, o padre Anselmo Borges:

(Sublinhados e bold da minha responsabilidade)

__________

(...) "as leis fundamentais da estupidez humana" - é o título de um livrinho famoso, publicado há muitos anos, mas sempre actual. Apareceu em inglês, depois em italiano. Acabo de lê-lo em francês. O seu autor, Carlo M. Cipolla (1922-2000), historiador da economia, foi professor na Universidade de Berkeley e na Escola Normal Superior de Pisa.

Para estabelecer as leis fundamentais da estupidez, é preciso, primeiro, definir quem é o estúpido. Para isso, ajudará a comparação com outros tipos de gente. Diz o autor que, quando temos um indivíduo que faz algo que nos causa uma perda, mas lhe traz um ganho a ele, estamos a lidar com um bandido. Se alguém realiza uma acção que lhe causa uma perda a ele e um ganho a nós, temos um imbecil. Quando alguém age de tal maneira que todos os interessados são beneficiados, estamos em presença de uma pessoa inteligente. Ora, o nosso quotidiano está cheio de incidentes que nos fazem "perder dinheiro, e/ou tempo, e/ou energia, e/ou o nosso apetite, a nossa alegria e a nossa saúde", por causa de uma criatura ridícula que "nada tem a ganhar e que realmente nada ganha em causar-nos embaraços, dificuldades e mal". Ninguém percebe por que razão alguém procede assim. "Na verdade, não há explicação ou, melhor, há só uma explicação: o indivíduo em questão é estúpido."

Lá está a primeira lei: "Cada um subestima sempre inevitavelmente o número de indivíduos estúpidos que existem no mundo." Já a Bíblia constata: "Stultorum infinitus est numerus" (o seu número é infinito) - evidentemente, sendo o número das pessoas finito, trata-se de um exagero.

Os estúpidos estão em todos os grupos, pois "a probabilidade de tal indivíduo ser estúpido é independente de todas as outras características desse indivíduo": segunda lei. 

A terceira lei corresponde à própria definição do estúpido: "É estúpido aquele que desencadeia uma perda para outro indivíduo ou para um grupo de outros indivíduos, embora não tire ele mesmo nenhum benefício e eventualmente até inflija perdas a si próprio." A maioria dos estúpidos persevera na sua vontade de causar males e perdas aos outros, sem tirar daí nenhum proveito. Mas há aqueles que não só não tiram ganho como, desse modo, se prejudicam a si próprios: são atingidos pela "super-estupidez".

É desastroso associar-se aos estúpidos. A quarta lei diz: "Os não estúpidos subestimam sempre o poder destruidor dos estúpidos. Em concreto, os não estúpidos esquecem incessantemente que em todos os tempos, em todos os lugares e em todas as circunstâncias tratar com e/ou associar-se com gente estúpida se revela inevitavelmente um erro custoso." A situação é perigosa e temível, porque quem é racional e razoável tem dificuldade em imaginar e compreender comportamentos irracionais como os do estúpido. Schiller escreveu: "Contra a estupidez mesmo os deuses lutam em vão."

Como consequência, temos a quinta lei: "O indivíduo estúpido é o tipo de indivíduo mais perigoso." O corolário desta lei é: "O indivíduo estúpido é mais perigoso do que o bandido." De facto, se a sociedade fosse constituída por bandidos, apenas estagnaria: a economia limitar-se--ia a enormes transferências de riquezas e de bem-estar a favor dos que assim agem, mas de tal modo que, se todos os membros da sociedade agissem dessa maneira, a sociedade no seu conjunto e os indivíduos encontrar-se-iam numa "situação perfeitamente estável, excluindo toda a mudança". Porém, quando entram em jogo os estúpidos, tudo muda: uma vez que causam perdas aos outros, sem ganhos pessoais, "a sociedade no seu conjunto empobrece".

A capacidade devastadora do estúpido está ligada, evidentemente, à posição de poder que ocupa. "Entre os burocratas, os generais, os políticos e os chefes de Estado, é fácil encontrar exemplos impressionantes de indivíduos fundamentalmente estúpidos, cuja capacidade de prejudicar é ou se tornou muito mais temível devido à posição de poder que ocupam ou ocupavam. E também se não deve esquecer os altos dignitários da Igreja."

É assim o mundo.

 

publicado às 11:42

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D