Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA - DEMOCRACIA PARTICIPATIVA...

 

O "Serviço Público" deste Blog alerta para a aproximação do final da Consulta Pública a que se referem os dois anúncios da nossa Junta, que se seguem, bem como as críticas relativamente ao primeiro link (Projecto de Regulamento de Taxas e Licenças) que hoje mesmo enviei via e-mail para a Junta de Freguesia.

(Nota: Chega aos respectivos links a partir da barra de menus do topo da página da Junta na Internet)


"Em cumprimento da deliberação toada em reunião extraordinária de executivo, realizada a 22 de Fevereiro de 2010, torna-se público, para discussão pública, nos termos do artigo 118º do CPA, o Projecto de Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças da Freguesia de Alfena, a qual decorrerá durante 30 dias a contar da data de publicação do aviso nº 4455/2010 no Diário da República (2º Série), publicado no dia 2 de Março de 2010.


"Em cumprimento da deliberação tomada em reunião extaordinária de executivo, realizada a 22 de Fevereiro de 2010, torna-se público, para discussão pública, nos termos do 118º do CPA, o Projecto de Regulamento de Utilização do Mini-autocarro da Freguesia de Alfena, a qual decorrerá durante 30 dias a contar da data de publicação do aviso nº 4454/2010 na 2ª Série do Diário da República, publicado no dia 02 de Março de 2010.


"Indo de encontro aos objectivos pretendidos pelo Legislador com o período de consulta pública deste tipo de documentos - criticar de forma construtiva os documentos em apreciação no sentido de ajudar a melhorar e/ou corrigir a sua versão final, ocorrem-me desde já os seguintes comentários sobre o Projecto de Regulamento de Taxas e Licenças em apreço:

As taxas (e licenças) quaisquer que elas sejam, têm - devem ter - numa Junta de Freguesia um carácter diferente daquele que têm por exemplo numa Câmara Municipal:
Na Junta de Freguesia, ao contrário do Município, não pode surgir nunca  "à cabeça" a pretensão de gerar receitas, dado o tipo de serviços prestados.
Também não se vislumbra qualquer lógica em pretender equipará-las a "taxas moderadoras" como as do SNS, por exemplo. Moderar o quê e para quê?
A ida do cidadão à Sede da Junta para obter um Atestado muitas vezes exigido por outro Órgão de Poder, ou a para obter uma "Licença" de canídeos ou gatídeos, que mais não é do que uma "declaração" de que os ditos cumprem todas as exigências profiláticas em vigor?
Ou ainda - e este seria o caso que mais se aproximaria do tal conceito de "taxa moderadora" - pedir uma fotocópia de uma Acta das sessões da Assembleia de Freguesia ou das reuniões do Executivo, as quais deveriam estar - como acontece na maior parte das Autarquias deste País com a dimensão e os meios da nossa - publicadas na página da Junta na Internet?
Atendendo ao atrás exposto, considero pois o seguinte:
- Em todos os serviços de carácter meramente administrativo actualmente disponibilizados pela Junta ou quaisquer outros do mesmo tipo que se venha a considerar necessário prestar, deve ser exigida ao cidadão que os solicita, apenas uma comparticipação que corresponda (no máximo) à componente dos consumíveis envolvidos - papel, agrafos, tinta da impressora ou o tóner da fotocopiadora se for o caso - mas nunca, ao tempo despendido na tarefa. à energia consumida ou coisas do género. Os meios materiais e humanos, fazem parte do Serviço Público e não devem entrar neste tipo de "contabilidade  de merceeiro".
- Nos outros serviços - aqueles que envolvam por exemplo a deslocação de funcionários, equipamento ou viaturas para assegurar um serviço que também possa eventualmente ser prestado por particulares  - o cálculo já pode ser feito por aproximação ao seu custo real, sem no entanto deixar nunca de se ter em conta que os meios utilizados continuam a ser públicos.
- Há no entanto "taxas" que não têm razão de ser, como por exemplo a que se cria para arranjos tumulares após inumações ou exumações, com o único argumento de que isso visa evitar que o coveiro da Junta receba "por baixo da mesa" por um trabalho feito no seu horário normal. Fraco argumento este que é invocado, para justificar a criação de uma nova taxa...
Arranjos tumulares, colocação de adornos ou trabalhos equiparados, devem ser da responsabilidade dos interessados que deverão para o efeito, contratar os serviços de profissionais específicos no mercado – sendo que em nenhum caso, tais serviços se podem fazer sem o conhecimento e a autorização da Autarquia. Quanto ao trabalho do Coveiro, o seu enquadramento hierárquico deve permitir corrigir eventuais abusos neste campo.
Assim, e à luz do atrás invocado, justifica-se:
1. Uma completa reformulação da fundamentação económica das taxas previstas no actual Regulamento, enquadrando-a nos princípios enumerados;
2- Terminado o período de consulta pública, e após a aprovação em sede de Executivo, o mesmo Regulamento deverá ser presente (como julgo que seja intenção fazer) em sede de Assembleia de Freguesia para aprovação final"

publicado às 23:52

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D