Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

OS DÉFICITS DE VALONGO - INCLUINDO O DÉFICIT DEMOCRÁTICO...

Os mais pessimistas - e não preciso descer ao nível dos "eurocépticos"- acham que esta crise que a Europa enfrenta, já é muito mais do que um mau momento provocado pelo desabar do dominó especulativo dos mercados mundiais e que pode mesmo ser o princípio do fim do "grande projecto Europeu" a ter que se começar a encarar.

Porque as grandes crises devem ser sempre analisadas pelos grandes especialistas na matéria - e eu não sou seguramente um deles - queria falar hoje de uma outra crise, bem mais pequena à escala do País e muito mais ainda, no contesto da grande crise da Europa: A CRISE financeira da nossa Câmara de que ouvimos hoje falar na reunião pública mensal e relativamente à qual, os nossos autarcas fingem que não deram por nada, continuando a "assobiar para o ar".

A Câmara líder nos ajustes directos tem uma dívida global superior a 120% da sua receita anual e uma dívida a fornecedores, também superior a 50% dessa mesma receita e se nem estes números conseguem preocupar o Dr. Fernando Melo - a ele já muito poucas coisas o arrancam da doce modorra a que se remete mesmo nas ocasiões menos adequadas - pelo menos deveriam conseguir fazer acender luzinhas de alerta nos seus dilectos vereadores da actual maioria.

De acordo com a Lei, se a actual maioria que governa Valongo fosse constituída por pessoas verdadeiramente preocupadas, responsáveis e cumpridoras da legalidade Democrática, neste momento devíamos  estar já a assistir à elaboração com carácter de urgência de um plano de reequilíbrio financeiro, mas parece que não é esse o centro do trabalho dos ocupantes da "casa maior". Em alturas como esta, por mais estranho que isso possa parecer, eles ainda encontram Orçamento para admitir mais alguns "boys" - hoje ouvimos falar num concurso que está a decorrer para um "especialista" em relações internacionais! Nem mais...

Eu disse que já nem os números negros da situação financeira da Câmara arrancam o nosso Presidente à sua doce modorra. Mas há uma forma de o acordar e fazer saltar da cadeira - como naqueles velhos e áureos tempos do desestabilizador Vereador Madeira - e isso acontece, quando um qualquer munícipe intervem no ponto destinado ao público e resolve ser mais incómodo que a "medida" - a "medida" do Dr. Fernando Melo, obviamente.

Foi só uma munícipe de Ermesinde ter insistido "demasiado" no assunto incómodo que ali a levou para assistimos ao milagroso rejuvenescimento do nosso Presidente dos seus mandatos "absolutamente maioritários" a levantar-se e a dizer "eu não lhe dou a palavra. A reunião acabou" . E acabou mesmo!

Verdadeiramente lamentável o total desrespeito por todos os munícipes presentes nos lugares do Público - e não apenas pela dita munícipe a quem foi cortada de forma abrupta a palavra.

É claro que no dia em que o Dr. Melo deixar de contar com alguma cumplicidade tácita de uma parte da "oposição", este tipo de comportamentos deixarão de ser possíveis!

publicado às 23:00

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D