Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A "RATIFICAÇÃO" DE ALFENA - VENHA DE LÁ AGORA ESSA RECTIFICAÇÃO...

Ponto um: Volto ainda e mais uma vez ao tema do momento (mas que seguramente nos vai acompanhar por muito mais "momentos" no futuro próximo) - a questão dos limites territoriais de Alfena - para dizer uma coisa que me anda aqui "atravessada" desde a última reunião pública do Executivo da Junta em que a questão dos mapas foi discutida:

Estavamos nós quase no final da discussão, quando fomos surpreendidos(?) pela aterragem inusitada da conhecida personagem, vinda da galáxia mais próxima - o Atlético Cube Alfenense, onde tinha pelos vistos acabado de "brilhar" no comício em que os seus amigos transformaram a tomada de posse dos novos Corpos gerentes do Clube...

Não que como alfenense não pudesse ali estar, mas atendendo à iniludível responsabilidade que tem de lhe ser assacada em todo este processo, é preciso ter muita "cara de pau" como dizem os brasileiros, para fazer aquela incursão e sobretudo, para botar faladura - como o fez - em relação ao assunto que nos preocupa! Ele que, ainda que continue a negá-lo, tem mais responsabilidades do que se possa pensar relativamente ao mesmo.

Mesmo assim ousou falar, dando-se mesmo ao desplante de afrontar alguns dos presentes num registo que não lhe cai bem, que não tem mesmo o direito (moral) de assumir, tendo em conta a opção que fez, quando rumou de armas e bagagens em direcção ao "eldorado" de Valongo, onde as oportunidades para quem não faça da ética uma questão essencial, são seguramente maiores do que nesta pequena Vila em que temos o prazer de viver.


Ponto dois: Aliás e ainda em relação à criticável personagem idêntica crítica no que se refere à Assembleia de Freguesia do dia 14 - a da "Rectificação que virou Ratificação" - onde o Executivo da Junta, para além do aparente "tiro no pé" a que nos fez assistir da tribuna, mais não fez do que transformar-se em parte no problema , em vez de ser parte na solução como todos esperávamos que fosse !

Também nesta Assembleia o nosso migrador autarca fez uma aterragem discreta para assistir no meio dos alfenenses à cena triste com que os continuadores do seu "independente" projecto resolveram brindar-nos.

Igualmente aqui, tal como na Reunião da Junta, não se coibiu de nos afrontar com a sua presença, fingindo que não tem nada a ver com o assunto, que apesar de andar pela Câmara desde as eleições a conviver com todos os dossiers e a conversar com todos os que vão cozinhando os problemas com que nos vamos debatendo, que não sabia de nada sobre limites, que a revisão do PDM nunca lhe passou pela frente, e que se calhar o coordenador do projecto de revisão é que resolveu num qualquer dia em que acordou mal disposto, sonegar sem mais aquela, um terço do território de Alfena!


Ponto três: O português é - na óptica dos estrangeiros - uma língua complicada... Claro que eu, tal como a maioria dos portugueses que fizeram a escolariadade obrigatória, não concordo inteiramente. Mas aqueles que mesmo assim continuem a ter algumas dificuldades, podem sempre lançar mão das novas oportunidades, recorrer à formação de adultos, investir mais na leitura, ou optar pelo regresso aos livros escolares, enfim, tantas e tantas as formas que existem de se reconciliarem com a sua língua mãe que me dispenso de as enumerar todas.

Para além do facto de poderem também recorrer à ajuda desinteressada dos muitos e bons professores que temos a sorte de poder encontrar aqui por Alfena .

(Apenas uma pequena ressalva: Nem sempre o título de professor garante o bom domínio da língua. Que o digam os professores que integram os Órgãos da nossa autarquia alfenense e que não conseguiram aperceber-se em tempo útil da incómoda e incontornável diferença entre "rectificação" e "ratificação" e que gerou aquele momento anedótico da Assembleia de Freguesia a que já me referi).

publicado às 17:06

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D