Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

INVERTEBRADOS

Desde que me conheço, que não sinto especial predilecção por invertebrados...

Não é que não sejam bichinhos respeitáveis como todos os outros - até porque ao entrarem connosco na Arca de Noé, adquiriram o direito a co-habitarem este planeta e merecem todo o nosso respeito - mas porque, como homo erectus , me causa alguma impressão vê-los do alto dos meus 174 cm , na horizontal e sobretudo a rastejar...

Não sei porquê, mas fico sempre com a sensação de que me vão morder o calcanhar - que como todos sabem pelo exemplo de Aquiles, é  o nosso principal ponto fraco...

Mas entre eles - os invertebrados - há uma subespécie pela qual sinto especial aversão: a dos invertebrados da politica - que também os há na posição erecta (e às vezes eréctil...) embora poucos...

E como  os topo à distância - não tivesse eu estado há uns anos atrás, quase a integrar o grupo!  Tive a sorte de sentir a tempo a espinha dorsal a amolecer  e tomei rapidamente o antídoto!

Dizem-nos hoje, que o produto que nos vendem, é cor de rosa ou encarnado - e nós que não somos daltónicos estamos mesmo a ver que é cor de laranja,,,  Mas se entretanto, por qualquer inesperada vassourada eleitoral se vêm obrigados a mudar de ramo, com a mesma convicção de ontem, nos tentam vender o produto inverso...

São normalmente bichinhos  pequenos mas com um aparelho digestivo muito desenvolvido relativamente às outras espécies, o que os obriga a consumir grandes quantidades de impostos.

Dormem pouco durante a noite mas  recuperam ràpidamente durante o dia, sobretudo no decorrer de sessões solenes, ou durante as intermináveis discussões públicas em que se envolvem. Para isso inventaram uma espécie de estratagema curioso mas eficaz: -dão a palavra a um deles enquanto os restantes desligam e aproveitam para um cochilo ...

Por outro lado e  inversamente ao que seria expectável relativamente ao seu tamanho, precisam de viver em grandes palácios, o que também acarreta grandes despesas.

Por último,  parece estar quase provado que alguns deles (não todos felizmente...) comem mesmo criancinhas, ao contrário dos comunistas de antigamente, que o faziam apenas no sentido figurado!

Por todas estas razões, estes são de entre todos os bichinhos, aqueles que mais abomino e me esforço por evitar...

publicado às 10:18

A MAGIA MATINAL

Esta semana tenho-me levantado cedo...

Finalmente rendi-me à magia de um começo de dia bem mais matinal do que vinha sendo hábito nos últimos tempos...

Convencido que estava de que o privilégio de estar aposentado consistia fundamentalmente em dispor do meu tempo ainda que da forma mais errada possível - demasiada parceria com a minha mesa de trabalho e respectivo computador que me  acompanhavam noite adentro (demasiado adentro, convenhamos...)  o que inevitavelmente resultava num despertar já muito próximo do meio da manhã - resolvi abdicar de uma vez por todas deste "privilégio" e começar a viver como uma grande parte dos seres que habitam este Planeta, isto é, de manhãzinha !

Para os que ainda persistam no mesmo erro que eu vinha cometendo, digo-lhes que vale a pena mudar: os sons são diferentes, a luminosidade do ar tem outra magia, o próprio canto dos pássaros tem outra sonoridade...

Por outro lado, as pessoas com quem nos cruzamos num início de manhã, parecem-nos ter um objectivo concreto a atingir e por isso não deambulam, caminham e se param para tomar um café, não ocupam uma mesa, preferem o balcão...

E depois, há os cheiros que pairam no ar, a leve humidade que transita da noite que findou, a brisa que brinca com as copas das árvores e com os cabelos das mulheres - umas e outras aceitam-na sem qualquer hostilidade e como uma carícia ainda não contaminada pela labuta do dia que vai começar...

É esta magia e este especial  encanto que eu recomendo vivamente a todos os sedentários - assim tenham hipótese de optar!

publicado às 14:19

A RETOMA

Finalmente a retoma!

Quando pensávamos que iríamos ter pela frente mais um dia como todos os outros, isto é, mais um degrau a descer, na imensa e sinuosa escada que temos vindo a percorrer... BANG !  Somos atingidos, no bom sentido, por uma espécie de explosão em cadeia provocada pela voz profissional do locutor de serviço no canal de rádio que temos sintonizado e que nos lê as primeiras notícias da manhã:


 

 " ... Ao contrário daquilo que eram as últimas previsões do Banco de Portugal e do próprio Governo, o défice previsto para este ano, foi corrigido em baixa de forma verdadeiramente surpreendente, prevendo-se que possa ficar abaixo dos 3%..."


 

  "... Segundo o Instituto de Emprego e contrariando a tendência dos últimos meses, os números do desemprego no último mês, registaram uma baixa recorde relativamente aos meses homólogos dos últimos 2 anos, prevendo-se que possam continuar ainda a descer um pouco mais..."


 

  "... De acordo com  um porta-voz do Ministério das Finanças, a melhoria significativa do estado das contas públicas, deverá permitir ainda antes do Verão, proceder a uma correcção para baixo nos principais impostos, prevendo-se que o IVA possa ficar um ponto abaixo do praticado na vizinha Espanha..."


 

 

  "... Fonte do Ministério da Economia, garantiu-nos estar em fase de conclusão a assinatura de um protocolo com 3 consórcios internacionais na área dos têxteis, que dará origem à formação de   10 grandes empresas - 4 no Norte, 3 no Centro e outras tantas no Sul - as quais  possibilitarão a criação de um total de postos de trabalho superior a 10 mil..."


 

 Não queríamos acreditar. Como é que não demos por nada?  Como é que o Governo conseguiu esconder tudo isto para o anunciar de uma assentada e de forma tão surpreendente ? - sim porque um conjunto de coisas  como as que acabamos de ouvir, não acontecem da noite para o dia, têm de estar já em preparação há algum tempo! E os jornalistas, sempre tão atentos a tudo, como é que se deixaram apanhar assim de surpresa?

Estavamos  ainda a tentar "digerir" toda esta torrente de notícias, enquanto o locutor já no final  do espaço informativo desbobinava as previsões do  tempo - "bom em todo o País..."- quando fomos atingidos por um som estridente, irritante, avassalador - alarme da casa,  do carro?

NÃO!!! - Era apenas o despertador a acordar-nos para um dia péssimo como todos os outros!...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 18:05

"Predadores" e PREDADORES...

Hoje tive de salvar um passarinho indefeso (dos nascidos já esta Primavera e que mal sabia ainda voar) que me entrou inadvertidamente casa adentro.

Não fora a minha pronta intervenção e teria sido seguramente estraçalhado por dois "predadores" furiosos - as minhas cadelas de estimação LARA e TUCHA .

Com alguma dificuldade e muita persistência, lá o consegui agarrar e colocar perto da mãe que chamava aflitivamente num arbusto próximo.

Este inocente episódio da vida real, por uma estranha associação de ideias, fez-me pensar noutros  PREDADORES, estes sim bem mais perigosos, porque muitas vezes sub-reptícios e dissimulados,  que procuram as suas vítimas entre os mais frágeis e inexperientes, para alcançar os seus objectivos ignóbeis - comportamentos pedófilos, exploração sexual de crianças, pornografia infantil e outras monstruosidades semelhantes...

Pela repulsa que provocam, quase me fazem desejar ver restaurada a pena capital - de preferência  a guilhotina - para punir os seus actos, não apenas pelo mal irreparável que causam às suas vítimas, mas também pela profunda deterioração que têm vindo a provocar nos últimos anos, na qualidade do relacionamento entre crianças e adultos - inclusivé no seio das próprias famílias.

Qual é o pai que não sente acender-se no seu subconsciente uma luzinha de alarme, ao ver um relacionamento mais próximo entre um filho seu e um adulto, ainda que conhecido e em princípio isento de suspeita...

Qual é o adulto que perante um inocente gesto de carinho um pouco mais expressivo de uma criança, não adopta quase inadvertidamente uma atitude de autodefesa?

Qual o professor que actualmente se sentirá à vontade para exteriorizar como antigamente, um gesto mais carinhoso com um aluno seu?

À custa  de tanto tentarmos defender as nossas crianças dos inúmeros e reais perigos que as ameaçam, fomos obrigados a transformá-las em seres assustadiços, desconfiados e cada vez mais infelizes - à nossa própria imagem aliás...

Por todas estas razões, sinto-me sempre bem comigo próprio, quando posso contribuir para  retirar uma possível vítima das garras de um qualquer PREDADOR - ainda que no caso concreto do dia de hoje, a vítima fosse apenas um pequenino pássaro e os "predadores", as minhas cadelas de estimação LARA e TUCHA (que por isentas de culpa, não merecem, como é óbvio, a pena capital).

publicado às 19:03

LIBERTEM AS AVES!...

Cientistas de todo o mundo, POR FAVOR!!! apliquem-se a sério e a tempo inteiro no vosso trabalho! Deixem de dormir, deixem de fazer sexo com as vossas mulheres (ou os vossos homens) - juro que não há segundas intenções nesta última observação... - deixem-se de fazer batota com os vossos computadores, perdendo horas inúteis a ver filmes pornográficos ou sites eróticos, deixem-se de gastar energias a fazer assédio sexual aos vossos (as) colegas e dediquem todo o vosso esforço e saber - que espero seja bastante... - para inventar a VACINA que todos aguardamos ansiosamente.

Quando não, corremos sérios riscos de um dia nos vermos todos (junto com as aves ainda saudáveis) dentro de uma enorme jaula para nos protegermos de um qualquer vírus ou doença, só porque os que mandam assim decidiram. 

Claro que eles (os que mandam), estarão superprotegidos a bordo de uma esterilizada e super confortável estação espacial que vocês entretanto (e nos vossos muitos momentos inúteis) tenham inventado!

E daí ao campo das ideias, vai apenas um passo...

Se  os que mandam acharem que o melhor para nós é sermos protegidos das ideias nefastas de pessoas que pensam de forma diferente da  deles (o que por decreto pode facilmente ser equiparado a doença) fácil se torna adivinhar o que nos pode acontecer...

Julgo até, que esta última medida já foi adoptada algumas vezes, embora sem êxito significativo, mas não estamos livres de a coisa pegar mesmo...

Por isso meus senhores, POR FAVOR, INVENTEM A VACINA E LIBERTEM AS AVES!!!

publicado às 11:33

MARINA (UM PORTO DE ABRIGO)

Chamava-se Marina e foi no mar límpido e azul dos seus olhos que eu aportei e me acolhi naquele Abril de 1976.

A princípio, tivemos um sério problema de comunicação - o russo está quase tão distante do português quanto a distância em quilómetros que separa os dois Países - depois descobrimos uma plataforma mínima para nos entendermos: algo entre o castelhano (que ela arranhava e eu entendia) e uma adaptação muito livre da linguagem gestual (que os dois procurávamos entender).

(Também, com tantas zonas tácteis e erógenas, onde a comunicação funcionava perfeitamente, para que é que precisávamos da língua como meio de comunicação?)

Ela trabalhava numa empresa estatal de confecções (naquele tempo lá, era tudo estatal ou cooperativo...) e eu, aperfeiçoava os meus conhecimentos políticos no Instituto Superior de Marxismo-Leninismo de Moscovo.

Vivemos a mil à hora os meses que decorreram entre Abril/de todas as alegrias e Setembro/da tristeza mais profunda (o mês do meu REGRESSO)

No aeroporto e antes do embarque, comunicamo-nos uma última vez, com o mar azul dos seus olhos prestes a transbordar, e o aperto da minha garganta a tornar-se cada vez mais forte.

Ofereceu-me um emblema da Konsomol (a Juventude Comunista da então URSS) que eu ainda guardo...

(Foi um fim previsível: sabíamos desde o início quais eram as regras...)

publicado às 22:06

BATISMO DE FOGO (OU "A PRIMEIRA VEZ")

Em cenário de guerra, batismo de fogo é isso mesmo: a primeira vez em frente do inimigo, o primeiro contacto com o fogo real (desta vez a sério e não em ambiente simulado de treino).

Numa estranha analogia convencionou-se designar da mesma forma, aquele momento especial da nossa juventude, embora neste caso, não se possa nem deva considerar o outro lado como inimigo...

Na primeira situação, os que se iniciam depois de terminada  a  recruta, têm idades semelhantes. Já na segunda, o caso muda de figura, pois o período de recruta não se rege por padrões rígidos e é sempre condicionado por factores de natureza subjectiva bem diferentes do ambiente cronometrado e pré-programado do quartel.

No meu caso, a recruta foi um pouco além dos padrões normais para a época - durou o equivalente a 17 longos ciclos de translação da Terra!...

Vou-me socorrer da ajuda de uma pequena fábula para tentar explicar os motivos de tal desfasamento:

Era uma vez um pequeno reino, onde só havia frondosas árvores carregadas de variados frutos e uns estranhos seres voadores, que de ramo em ramo - e de fruto em fruto - executavam uma curiosa e estranha coreografia: tocavam, acariciavam, beijavam, arriscando por vezez uma inconsequente dentada. Repetiam-se sem parar em ciclos monótonos e arreliantes e sem sinais de mudança.

De quando em vez porém, uns quantos mais afoitos destacavam-se do grupo e assumiam um comportamento mais avançado e activo: fruto apetecível  virava fruto comestível!

Curiosamente, tal mudança de comportamento parecia ocorrer, independentemente do estado de desenvolvivento dos estranhos seres: havia uns clara e indiscutivelmente mais precoces, enquanto que outros repetiam digamos que indefinidamente, este ciclo vicioso até à exaustão, sem qualquer sinal de mudança...

Igualmente estranho, era o que se passava com os frutos:  Havia-os  de diferentes tamanhos e estados de maturação, acontecendo por vezes que alguns de maior tamanho, se apresentavam com aspecto insípido e pouco interessante e cuja aparencia por si própria parecia afastar eventuais interessados, enquanto outros, nitidamente menos desenvolvidos, aprentavam um aspecto verdadeiramente apelativo, capaz de se transformar no polo de atracção de vários interessados...

Foi neste sensível e complicado ecossistema feito de estranhos e contraditórios compromissos, executadas que foram 17 longas voltas da Terra em torno do Sol, (e passando agora da fábula para a realidade) que ocorreu o meu Baptismo de Fogo - o meu bigbang ...

Em jeito de   conclusão,direi que  o Baptismo  de  fogo, sendo um  acontecimento  marcante, não tem necessariamente de constituir uma referência positiva do percurso (às vezes até se passa o inverso...). Faz parte no entanto de um ritual de iniciação que tem que ser cumprido: é o primeiro degrau de uma escada - temos que o subir, para chegarmos aos seguintes.

 

publicado às 22:09

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D