Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

FUMAR MATA! FUMA AO PÉ DOS TEUS INIMIGOS...

Pois é... parece que os nossos políticos chegaram à conclusão que já morreu gente que chegue em Portugal, sem necessidade e que é preciso parar com o genocídio - não, não estou a falar dos acidentes de automóvel nem dos acidentes de trabalho...

Refiro-me ao acontecimento verdadeiramente histórico, consubstanciado no acto de - após algumas horas de discursos cruzados dos nossos políticos do costume no lugar do costume -  parir quase sem dor a tão esperada Lei anti-tabaco !

Bem sei que por ter nascido com defeitos graves (há quem diga que não tem  pernas para andar e que tem os sinais vitais extremamente débeis...)  a mesma permanece na incubadora, para tentar corrigir os ditos defeitos - vamos ver se consegue sobreviver!

Seria suposto, que não sendo eu fumador, devesse estar a exultar de alegria com o evento:

Finalmente, vamos entrar num café e sentir o cheiro do dito - que deixará de ser mascarado pela imensa nuvem cinzenta que que nos tolda a visão (e a respiração!)

Nos restaurantes, vamos sentir aquela mistura agradável de aromas com origem na cozinha e não nas pontas incandescentes dos nossos vizinhos - uma imagem que nos lembra vagamente um rastilho a consumir-se até à explosão final...

No trabalho, vamos deliciar-nos com o perfume incrível do(a) nosso(a) colega em vez de sufocarmos com a nuvem cinzenta que sai da sua boca!

Mas por estranho que pareça, sinto-me invadido por um estranho e indefinido receio:

Que irá acontecer com as tabaqueiras, que verão inevitavelmente prejudicada a sua inegável colaboração no controlo demográfico - se já há pessoas a mais e comida a menos, com menos fumadores a coisa vai piorar seguramente...

Claro que no que se refere aos lucros, o problema pode resolver-se com a simples reconversão do processo produtivo, passando as mesmas a produzir, em vez daqueles rolinhos mortíferos de tabaco, os conhecidos cigarrinhos de chocolate, acondicionados  em embalagens idênticas às dos primeiros!  Só teriam que mandar retirar das mesmas, aquele aterrador aviso de que o conteúdo pode provocar a morte...

Mas... e quanto ao imposto que os mortíferos pagam pela medida grande e os doces e inócuos pagarão de forma mais modesta?!

Cheira-me que vou ter que desembolsar mais algum no IVA ou no IRS, para poder ter o prazer assistir ao sofrimento daqueles a quem vai ser retirado o direito a morrer de forma lenta mas inexorável conforme era seu desejo...

publicado às 23:16

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D