Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

WALL-E (num cinema "perto de mim...)

http://www.disney.pt/Filmes/Wall-E/index_pt.html

Vivemos num País (num mundo) completamente louco:

Desde logo, porque governado (o País e o mundo) por loucos cuja principal actividade parece limitar-se a infernizar o dia a dia dos “outros”, tarefa em que se aplicam pode dizer-se, a tempo inteiro pois mesmo quando vão de férias (com o dinheiro dos “outros”) mesmo nessa altura, vão seguramente aproveitar os momentos de “merecido” repouso para se possível, sofisticar ainda mais os métodos que lhes permitam eternizar-se na patriótica tarefa de continuarem a governar, a governar-se e a desgovernar o dinheiro e a vida dos “outros”!... Eventualmente com uma ou outra mediática sessão de jogging pelo meio, ou uma “enfadonha” estadia  a bordo de algum luxuoso iate, a convite de um qualquer atento e agradecido multimilionário (vá-se lá saber porquê...) que obviamente se esmerará na qualidade do serviço! 
E depois, regressam: retemperados, bronzeados, com as maquiavélicas baterias bem recarregadas e só não partem para formas mais extremas de governação – quiçá regressando ao eficaz método da grilheta e do chicote – porque com o crescimento demográfico e a consequente alteração dos métodos de produção, isso seria quase impossível:  Implicaria a existência de autênticos exércitos de capatazes, complexos industriais sufisticados para o fabrico de chicotes e siderurgias inteiras só para produzir o ferro das grilhetas…
Provavelmente há alguns séculos atrás ( há poucos anos atrás) muitos acreditaram ( nós acreditamos) que apesar da extensão dos danos, apesar da destruição galopante do habitat, apesar dos “sinais vitais” da espécie humana serem cada vez mais débeis, ainda seria possível reverter o processo...
Parece que afinal, lamentavelmente todos nos enganamos e o único com alguma hipótese de êxito, vai ser também o único sobrevivente – e porque não o precursor de um novo ciclo – o WALL-E!

Entre a realidade e a ficção e uma vez mais, parece distar apenas o “tal”pequeno passo – o do pequeno e irreverente WALL-E!

Que ele ao menos consiga limpar toda a porcaria antes que o novo Big-Bang inicie tudo de novo...    

publicado às 22:34

DIA SIM, DIA NÃO...

É... hoje sem qualquer razão plausível ou motivo palpável, estou em baixo - tradução livre: em "DIA NÃO"!

Não porque o mundo esteja assim "tão pior" do que já estava ontem e em muitos outros dias que ficaram para trás - e seguramente estará em muitos mais que terei pela frente!

(Eu acabei de dizer que terei muitos dias pela frente? Mas alguém pode prever isso e sobretudo, que sejam "muitos"?)

Há amigos por aí, flutuando no espaço intergalactico da Net - há que eu sei! - mas não me apetece fazer-lhes "psst"...

Há alguns outros, a quem gostaria de fazer "psst-psst", mas sei que não lhes apetecerá falar comigo e vão seguramente fingir que não ouviram...

Coisas da vida, que é feita por vezes de encontros e desencontros e hoje comigo, é só desencontros...

Como eu adorava ir lá fora, olhar o céu, ver as estrelas e não as nuvens carregadas que as ocultam e que nesta altura do ano, não era suposto estarem no céu (ou em mim?)

E se entre as miríades de estrelas (que eu deveria ver, mas não consigo) estivessem mais duas, constituídas pelo brilho inconfundível de dois inconfundíveis olhos, então... provavelmente, seguramente, definitivamente, este meu dia (mesmo sendo já noite...) virava "DIA SIM"! 

 

 

 

publicado às 21:26

A MENTIRA DAS NOSSAS "VERDADES"...

Mentira versus verdade – ou a absoluta necessidade de contextualizar definições...

São apenas duas palavras de conteúdo cada vez mais variável e flutuante e significado cada vez mais indefinido nos tempos que correm…
É suposto servirmo-nos delas para dar crédito ou descrédito ao que se diz sobre uma determinada coisa situação ou pessoa, mas a vida ensinou-nos desde há muito a contextualizá-las e a deixar de lhes atribuir esses significados absolutos e imutáveis!
Aquilo em que nunca acreditamos, mas em que acreditamos que todos vão acreditar – e se formos convincentes o suficiente, provavelmente o conseguiremos… - é mentira e é verdade!
E quando as posições se invertem – quando os “outros” nos tomam o  lugar e nós passamos a ser os “outros” - novamente teremos “a verdade da mentira” ou vice-versa!
Aquilo que há muitos meses atrás (terão sido anos? O tempo passa tão depressa…) me segredavas ao ouvido e em que era suposto eu acreditar (de que não era suposto ou sequer admissível eu duvidar) foi verdade para mim durante todo este tempo, mas será que o era (que ainda o era) para ti já nessa altura?
E o que eu em retribuição te respondia por palavras ou gestos de carinho (e de que igualmente não era suposto tu duvidares…) seria de facto (ou ainda) verdade?
E seria verdade, quando respondias ao meu “acreditas?” com o “sim!” mais doce que eu alguma vez ouvi?
Ou será que as nossas mútuas verdades foram nesse contexto, mútuas mentiras?
Neste mundo em constante mutação, há paisagens que mudam pessoas que mudam e há verdades/mentiras que nunca o foram ou então deixaram/deixarão de o ser!
publicado às 15:18

MUNDO DE MERDA!

 São tempos de dúvida (e de revolta) estes em que me movo: algemado, manietado, amarrado à pendular ditadura dos analógicos ponteiros ou da digital precisão dos números de um qualquer, inevitável e omnipresente relógio…

Indica-me a sua alegada infalibilidade, que é tempo de viver o descanso, de dormir, de me libertar da realidade que me pretende bem acordado para que eu não possa alegar que não reparei nela! Porque não sinto então a força a motivação e a vontade para obedecer e teimosamente insisto nesta vigília noite dentro - mesmo quando não encontro nessa realidade, razões apelativas para esta resistência?
Há razões que a razão desconhece para que eu prefira estar acordado a maior parte possível das vinte e quatro horas disponíveis, quando o mais salutar seria provavelmente tentar hibernar e regressar daqui a um par de séculos a ver se isto entretanto melhorava! Porém não o faço - não posso (hibernar...) e nem sequer tento perceber porque não o tento
E porque o tempo de vigília é talvez demasiado – quase sempre superior ao daqueles que gravitam à minha volta - sobram evidentemente minutos, que somados resultam em  horas mais que suficientes para me questionar sobre o contexto em que me insiro:
Descubro por exemplo, que gosto de viver num País onde apesar de tudo, consigo dizer no meio da rua e em voz alta (se me apetecer) que os actuais governantes, os anteriores e quase de certeza os próximos são, foram e serão seguramente uma merda, sem correr riscos de ser preso! Quando muito haverá uma data de pessoas a chamar-me maluco (ou pelo menos a pensar que o sou…)
Descubro ainda, que gosto de viver num País onde posso se me der na real gana questionar em público a sanidade mental dos nossos governantes, quando decidem sobre a vida de todos nós, melhor dizendo, sobre a maneira como nos lixam a mesma e ainda por cima se auto-convencem que nos convenceram em relação aos benefícios que advirão para todos do facto de eles estoirarem os milhões de milhões de Euros previstos para a construção do TGV, do novo aeroporto de Alcochete, da nova ponte sobre o Tejo e de mais uns quantos “elefantes brancos”!  Adoro poder gritar “cambada de anormais!” sem ter a polícia à perna...
Mas depois, descubro também  – sou induzido a isso pelas notícias que vão pingando do canal noticioso da TV a que me esqueço sempre calar o bico enquanto leio ou navego na parte útil da Net – que afinal, nesta espécie de balanço entre o deve e o haver, a parte esquizofrénica, criminosa, assassina, mafiosa dos donos do mundo, dos novos senhores da guerra, incluindo muitos que nos são próximos (histórica e linguisticamente falando) se vai alargando cada vez mais e que o número daqueles que não sendo propriamente criminosos na verdadeira acepção do termo  (e estes, territorialmente bem próximos) também aumenta e aumentando, nos rouba também  uma parte cada vez maior do quinhão que não lhes pertence de todo.
E descubro ainda (porque o som continua a pingar da TV) e  porque os media seleccionam sempre essa parte das notícias para os “títulos dos jornais que iremos ter nas bancas de  amanhã” que alguém matou alguém – em Portugal ou no mundo – sem motivos conhecidos ou aparentes, mas apenas porque lhe apeteceu…
Descubro (ouço) que em Portugal ou no mundo, alguém espancou, violou ou matou (ou as três maldades juntas) uma criança, sem qualquer razão – que neste caso nunca pode existir uma razão! – só porque era dia de praticar o mal…
E é aqui que geralmente me rendo à repetitiva insistência do relógio: Se não posso mudar o mundo, se não posso substituir as sinistras figuras que o governam, se por último não posso hibernar, ao menos vou tentar umas cinco ou seis horas de alheamento!  
publicado às 18:39

AMIGOS - UM BEM A PRESERVAR!

Os nossos inimigos - quando os temos - são verdadeiramente dignos da nossa admiração!

Eles agridem-nos, ferem-nos, mutilam-nos, podem mesmo matar-nos (na parte física de nós). Mas por mais que isso possa frustrar os seus maquiavélicos propósitos, esse é o tipo de agressão que menos nos dói!

Quando os conhecemos, a sua maldade nunca nos desilude, nunca nos criam falsas expectativas, são exactamente aquilo que esperamos deles: o pior possível!

Agora o ataque mais brutal, mais doloroso, aquele que nos magoa mesmo, sem deixar marcas visíveis nem cicatrizes no nosso corpo, que quase nos mata por dentro de forma quase sempre imperceptível a terceiros e por isso mesmo nos impede de receber ajuda, que nos colhe verdadeiramente de surpresa sem nos conceder a mínima hipótese de reacção defensiva, é o que parte  dos nossos amigos - porque com estes, ao contrário dos primeiros, nós nunca estamos na defensiva...

E às vezes são tão profundos os danos, que nem vale a pena equacionar qualquer possibilidade de cura. Resta-nos nesses casos (que felizmente não são todos) o recurso a alguns cuidados paliativos que nos possam aliviar o sofrimento.

Alguém  de quem não recordo o nome, disse um dia mais ou menos o seguinte: " Fazer um verdadeiro amigo pode levar anos, mas para o perder, bastarão apenas alguns segundos!"

 

 

.

 

publicado às 14:12

OS "OLIMPICOS" - PRIMEIRA MEDALHA!

Política - 06-08-2008 
José Sócrates vai receber medalha de ouro da cidade de Faro


 

José Sócrates vai receber a medalha de ouro da cidade de Faro, mas o líder do PSD de Faro, Justino Ramos defende que Sócrates não merece.

A decisão de atribuir o galardão foi da autarquia socialista, que considera a criação do curso de Medicina na Universidade do Algarve um bom motivo para a atribuição da medalha de ouro. Ainda assim, Justino Ramos não concorda e diz que o Primeiro-Ministro não fez o suficiente para merecer o principal galardão de Faro.

A proposta da Câmara, de atribuição da medalha de ouro ao primeiro-ministro, não teve o voto dos sociais-democratas de Faro. José Sócrates recebe a medalha de ouro de Faro das mãos do autarca José Apolinário numa cerimónia marcada para o dia 7 de Setembro.

(Rádio Clube Português 06-08-2008)


Mas claro que O Justino tem razão! É óbvio que o nosso Primeiro não foi o primeiro - por isso não merece!

Onde é que já se viu alguém correr de fato e gravata - e ainda por cima ganhar a medalha de ouro?

Só se correu sozinho - ou então os restantes eram coxos!

(Imagino que quem vai pagar as favas vai ser algum assessor, por se ter esquecido do fato de treino...)


PS: A imagem anterior (José Sócrates no seu melhor), tinha sido"roubada" juntamente com a notícia, do site da Radio Clube Portugues - que pelos vistos não considerou "politicamente correcto" que eu a usasse... Optei portanto por "roubar" esta ao "colega" bloguista Zédalmeida do blog Pitecos: http://pitecos.blogs.sapo.pt a quem agradeço desde já...

publicado às 22:59

UMA MENTIRA TANTAS VEZES REPETIDA... PASSARÁ A SER VERDADE?

 

" Computadores de cem dólares para criança pobres
sábado, 21 de outubro de 2006

 

Vagner Bastos

Será lançado em 2007 um computador portátil que, a princípio, custará pouco mais de US$100, equipado com uma tela que terá sistema de adaptação aos ambientes claro e escuro, com possibilidade de interligar-se a outras máquinas e que possuirá um dispositivo para alimentação através de energia humana. As máquinas deverão ser compradas pelos Governos Federais para distribuição entre crianças de escolas públicas dos países.

O projeto do computador popular, que está sendo implementado pelo Michigan Institute of Technology (MIT), dos EUA, tem como mentor principal Nicholas Negromonte, fundador do laboratório de mídia do MIT e que está à frente da instituição sem fins lucrativos
laptop.org/" target=_blank>One laptop per child, em português, um laptop por criança, que tem por finalidade principal levar educação para crianças de países de terceiro mundo, fazendo sua verdadeira inclusão digital, através de computadores portáteis de baixo custo.

De acordo com entrevista concedida ao Estadão no ano passado e colocada no ar pelo
softwarelivre.org, Negroponte disse que ninguém pensa em lápis comunitários, pois cada criança tem o seu. O lápis na educação é uma ferramenta barata o suficiente, de forma que todos possam ter acesso, sendo usada ao mesmo tempo para trabalhar e brincar, fazendo, conseqüentemente, a criança pensar. Para ele, um computador pode servir para as mesmas coisas, mas de uma forma muito mais poderosa. O pesquisador afirma ainda que uma criança “ser dona” de um computador, como é de uma bola ou uma boneca, é extremamente importante, pois a maquininha será tratada com amor e carinho.

A Quanta Computer, de Taiwan, que já produz computadores portáteis para a Dell, HP e IBM, foi escolhida como fabricante, para que se possa garantir o baixo preço. De acordo com o
Terra, o laptop pode ser dobrado em mais posições do que os notebooks normais, podendo ser usado no colo ou transportado como uma lancheira. A alça é o cabo de força, e em locais onde não haja eletricidade, o laptop poderá ser carregado manualmente, através de uma manivela. A máquina ainda terá um revestimento emborrachado para ser ultra resistente a impactos.

O computador terá sistema operacional baseado nos softwares livres, processador de 500 Mb de
memória flash, portas USB e tecnologia wi-fi, para acesso sem fio à Internet.

Brasil, Nigéria, Tailândia, Egito e China, deverão ser os primeiros países beneficiados com a nova tecnologia alternativa "

 


 

Notícia do Portugal Diário (IOL): “Foi anunciado como o primeiro computador português, mas não é bem assim. O Magalhães é originalmente o Classmate PC, produto concebido pela Intel no sector dos NetBooks, que surge em reacção ao OLPC XO-1, que foi idealizado por Nicholas Negroponte.

Será, no fundo, um computador montado em Portugal, mais propriamente pela empresa JP Sá Couto, em Matosinhos. Tirando o nome, o logótipo e a capa exterior, tudo o resto é idêntico ao produto que a Intel tem estado a vender em várias partes do mundo desde 2006. Aliás, esta é já a segunda versão do produto.

Este computador ultraportátil já está à venda em vários países, inclusivamente o Brasil, mas nem sempre é conhecido pelo mesmo nome. A ideia não é portuguesa, mas irá dar postos de trabalho na montagem dos componentes. Também permitirá manter bem viva a acção das empresas de comunicações, que irão fazer mais alguns milhares de contratos de acesso a Internet. São 500 mil portáteis disponíveis para as crianças dos seis aos dez anos. Um agrado para os mais novos, que com certeza também satisfará os pais.

Na Indonésia o «Magalhães» é conhecido pelo nome de «Anoa», na Índia é o Mileap-X series, na Itália é o Jumpc e o no Brasil é conhecido por Mobo Kids. O Governo do Vietname percebeu o sucesso da oferta e já o colocou nas escolas a preço reduzido. Uma ideia agora adoptada por José Sócrates.”

É caso para perguntar: a eficiência do Marketing à volta do lançamento deste computador, que “vendeu” a ideia ao público de estarmos perante o 1º computador ultraportátil português, foi portuguesa? Ou também foi importada à Intel?


Pois é...

Que tínhamos um Governo capaz de nos prometer o paraíso só para nos convencer a ir à boda (e depois sair à sorrelfa e  obrigar-nos a pagar a factura do restaurante...) isso já sabíamos!

Que tínhamos um Governo que nos diz que o limiar de pobreza  se situa nos 400€ mensais e depois  permite que um trabalhador que descontou 41 anos para a Segurança Social e se reformou aos 57 anos na sequência de um desemprego de longa duração, receba uma reforma de 292€ (é apenas um exemplo que eu conheço pessoalmente, de entre milhares que existem por esse País fora...) também já sabíamos!

Agora que esse Governo se alie aos promotores de uma mentira como a que os dois textos acima permitem constatar - no caso concreto aos organizadores da mediática operação de marketing a que a segunda "notícia" se refere e em que seguramente foi gasto muito do dinheiro dos portugueses na ajuda da sua promoção... isso já é um pouco demais!

Não vai ser seguramente à custa de repetir a mentira de  que vamos ter o primeiro computador social de baixo custo e muito menos de que vai ser totalmente fabricado em Portugal, que isso vai passar a ser verdade!

 


 

AFINAL HAVIA OUTRO... também portugues

 (A publicidade é por conta da casa...)

 

 

 Tsunami Moover T10
 
O mais novo modelo da TSUNAMI é o primeiro portátil nacional a integrar a nova  tecnologia de processador  Intel Atom N270.

As linhas modernas e as características técnicas deste Moover T10 não deixam adivinhar o preço deste equipamento direccionado para um novo segmento de mercado: os Netbooks, uma agradável surpresa para quem procura tecnologia, mobilidade e design a baixo custo.

 A TSUNAMI alargou a linha Moover com a introdução do sedutor e ultra portátil T10 no mercado nacional. Prático e muito elegante, tem no preço uma agradável surpresa. Por apenas 399 euros, o consumidor pode desfrutar de um moderno notebook, por dentro… e por fora.
 Monitorizado por um processador Intel Atom N270 a 1.6GHz, o mais recente modelo da linha Moover é o primeiro portátil nacional a utilizar esta versão, uma lufada de ar fresco para os que procuram aparelhos completos, a preços competitivos.
 Leve e elegante, traz consigo o Windows XP Home como sistema operativo, trabalha com um disco de 80GB e 1GB DDR2 em memória.
   Com dimensões de 260x180x19-31,5mm e 1kg, o TSUNAMI Moover T10 apresenta um display de 10” WSVGA de 1024x600 de resolução. A placa gráfica e o chipset escolhidos para este modelo foram, respectivamente, a Intel UMA Share System Memory e o Intel 945CMS + ICH7M.
 O TSUNAMI Moover T10 vem equipado com uma webcam de 1.3 M pixel e Wireless 802.11bg, três portas USB, ligação Ethernet, um Card-Reader 4 em 1 e uma saída de vídeo.
 Disponível a partir da segunda semana de Agosto 2008.  PVP: 399€ IVA incluído.

21-07-2008
00:00

 

 

publicado às 11:17

SER JOVEM É SER DIFERENTE (DE PREFERÊNCIA, MELHOR...)

 

Adoro os jovens - a sua irreverência, o seu inconformismo, a sua "fuga" às convenções...

Devo até confessar que adoro a ignorância que quase todos demonstram (às vezes com ostensivo orgulho...) relativamente à maior parte da actualidade política -quer à que vai ocorrendo por esse mundo fora, quer à que se refere a este nosso rectangular cantinho - e que os seus promotores ou actores (quase sempre os próprios políticos) consideram invariavelmente, muito relevante...

Apesar da minha provecta idade, fica  aqui publicamente expresso que me sinto bem mais próximo deles (dos jovens...) do que de muitos velhos às vezes bem mais novos do que eu!

Mas com toda esta proximidade - ou apesar dela - eu não sou de forma alguma acrítico relativamente à forma como os nossos jovens se posicionam na vida!

- Desgosta-me constatar o alheamento da maioria deles (estarei a ser exagerado?) em relação às grandes Causas sociais.

- Desgosta-me ver demasiados deles e demasiadas vezes (estarei a ser exagerado?) demasiado envolvidos neste consumismo exacerbado - e pior que isso - abstraindo-se, fingindo não querer ver como os grandes promotores deste consumo quase irracional e selvagem, estão a destruir o nosso planeta à custa de práticas de produção e comercialização irresponsáveis e verdadeiramente predadoras...

- Desgosta-me ver que muitos deles (estarei a ser exagerado?) se preocupam mais em ver a marca da etiqueta dos ténis, da t-shirt, do top ou do biquíni que querem comprar, do que o país onde foram produzidos (quantas vezes à força de trabalho escravo ou próximo disso, pela quase ausência de direitos dos respectivos trabalhadores...

- Desgosta-me ver tantos deles, demasiados mesmo (estarei a ser exagerado?) esquecerem-se da existência de fome no mundo e de que há organizações como a AMI, UNICEF e outras, que dão tudo e quase precisam fazer milagres com o pouco que têm e que muito poucos (sempre poucos por mais que sejam...) lhes vai fazendo chegar...

Em duas penadas, vou colocar o seguinte cenário ficcionado - só podia mesmo ser ficção:

Uma loja de vestuário multimarcas, por exemplo Zara e Roskof (passe a publicidade á primeira, porque a segunda não existe...) com produtos idênticos (e preços obviamente pouco idênticos).

Na mesma loja, em espaço gentilmente cedido pela respectiva gerência um pequeno balcão da AMI, UNICEF ou outra qualquer solidariamente empenhadas em ajudar o próximo, com a finalidade de recolher contribuições nesse sentido.

Pergunta de retórica (a resposta todos a adivinham): 

- Quantos jovens optariam pelo escaparate da Roskof para escolher o casaco ou o top, entregando a diferença de preço relativamente ao mesmo produto do escaparate da Zara, no tal balcãozinho solidário?

Gosto tanto dos jovens, de me sentir igual a eles, mas obviamente faço excepções e relativamente a este exemplo ficcionado, orgulho-me de ser diferente!

 

publicado às 11:38

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D