Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

AS "ASPAS" DA DEMOCRACIA - Take 2

Recebi hoje um comentário de blogueoliveiramartins a um dos meus post - As "ASPAS" DA DEMOCRACIA - publicado aqui e também aqui.

Ora bem... vamos lá esclarecer algumas dúvidas:

Eu critico - às vezes apetece-me mesmo zurzir - esta "democracia" que aceita ser controlada por "democratas" como Sócrates, Jaime Gama, Paulo Pedroso, Ferro Rodrigues e outros, que por cá andam, já andaram, ou pensam ainda andar e que deixam sempre atrás de si um odor tão intenso de "Freeport", "Cova da Beira" "Pedofilia" que os topamos à distância! (Antes que me esqueça, quero aqui deixar bem destacado o necessário "Disclaimer": não os acuso de nada porque não tenho provas que me permitam fazê-lo e mesmo que acusasse, seriam sempre inocentes até prova em contrário, com a respectiva condenação e trânsito em julgado, blá, blá, blá...) 

Critico ainda, alargando os horizontes para lá do "rectângulo",  a "democracia" da nossa velha aliada Inglaterra, onde os "democratas" que a governam, usam os dinheiros públicos para comprar sofás de massagens, alugar filmes pornográficos, comprar aparelhagens sofisticadas de home cinema.

Critico também os  "democratas" como Sílvio Berlusconi de Itália, que arrebanha todas as modelos bonitinhas que consegue, para a sua lista de candidatura ao Parlamento Europeu, ainda que no que toca a "cérebro", a maior parte delas o possua tão minúsculo como o dele próprio.

Mas quando critico tudo isto e muito mais,  o que eu pretendo é mais Democracia, nunca o regresso a um passado de má memória - nem a novos Salazares, Marcelos ou quejandos, nem tampouco o retomar de ideias sobre a restauração do Império ou outras patacoadas neocolonialistas que não interessam "nem ao menino Jesus".

É que eu, que tenho 61 anos, fiz a guerra colonial e por isso posso falar do que foi com conhecimento de causa!

Em 27 de Julho de 1970, ia eu a bordo do velhinho paquete Niassa em pleno alto mar como furriel miliciano,  a caminho de Moçambique, quando a Rádio Conacri deu em primeira mão a morte do ditador.

Juro que não ouve consternação a bordo!

Chegados à guerra - Provincia de Cabo Delgado - tive oportunidade de conhecer por dentro, ao longo dos 28 meses que aí permaneci, o que era o colonialismo português.

Dou apenas em rápidas pinceladas, dois pequenos exemplos:

1.  O Nunes, famoso caçador de elefantes, com a ajuda do seu "exército" de caçadores armados com as mais modernas armas de caça levava a cabo uma autêntica razia nas manadas de elefentes, para lhes extrair as presas e as centenas de toneladas de marfim que representavam e que anualmente exportava para as brancas e civilizadas metrópoles que lhas pagavam a peso de ouro.

Porque a Frelimo o ameaçava - não por nenhuma preocupação especial com os bichos que ele dizimava, mas pelo roubo que levava a cabo - havia sempre um pelotão das várias companhias estacionadas na zona, que rotativamente lhe assegurava a protecção - com todo o conforto possível e todas as "mordomias" diga-se, desde um confortável acampamento com água quente, cerveja refrigerada, carne fresca em abundância entre outras!

2.  Nas localidades onde existia população civil, destacava-se a sinistra figura do Administrador, com o seu grupo de "cipaios" - espécie de milícia local arregimentada e mantida fiel e controlada, à custa de um salário miserável e algumas benesses e com a qual levava a cabo autênticas tropelias entre a pobre população indefesa.

Como é sabido, naquele tempo prosperavam em Moçambique algumas grandes companhias de exploração do algodão, as quais, sobretudo na altura da colheita, necessitavam de uma grande quantidade de mão de obra - barata se possível, mas se fosse "escrava" melhor ainda.

Como homem de mão das grandes companhias, o Administrador tinha uma forma habilidosa e suigéneris de conseguir o número de braços que lhe pediam: Fazia publicar uma espécie de "Edital" em que dava um período de tempo - suficientemente curto para não poder ser cumprido - para que os donos das palhotas procedessem à sua cobertura com capim novo.

Findo o prazo, mandava os "Cipaios" prender os incumpridores e aplicava-lhes uma multa, que por não poderem pagar, ele transformava em dias de trabalho gratuito (escravo) na colheita do algodão.

Portanto, meu caro amigo Oliveira Martins, eu não gosto de Ditaduras - sobretudo das que não têm "aspas" quase pelas mesmas razões porque não gosto das "democracias" a fingir!

Mas agradeço a sua visita e apesar de não concordar com parte do conteúdo dos seus post, gosto da maneira como escreve e partilho do seu ponto de vista "poético" em relação à figura ridículo/patética do padre Melícias ...

 

publicado às 12:34

UNÂNIME IMBECILIDADE...

A Lei do financiamento dos Partidos ainda nem sequer foi promulgada pelo Presidente da República e já foi alterada pelos Deputados...

A curiosidade desta vez reside no facto da imbecilidade que costuma afectar de forma pendular uma ou outra fracção do hemiciclo, conforme se encontre ou não na posse da maioria de decisão, ter afectado - por unanimidade - todos os ilustres representantes do Povo (?)

Decidiram então os eméritos detentores do poder legislativo, proceder a uma alteração de pormenor à imbecil (porque da imbecilidade oriunda)  Lei aprovada (alteração feita em sede de Comissão) no sentido de permitir aos Partidos guardar o dinheiro "sobrante" das campanhas eleitorais - aos Partidos, que não às Candidaturas Independentes de grupos de cidadãos! 

Claro que já se levantam as vozes dos Constitucionalistas a suscitar a questão da inconstitucionalidade da alteração feita: Uma Lei já submetida à votação final global e à espera da respectiva promulgação, é alterada em sede de Comissão e não acontece nada?

Esperemos então para ver se o Professor Aníbal vai privilegiar desta vez  a cooperação Institucional, ou vai exercer como lhe compete o seu excepcional (muito excepcional mesmo) poder de veto...

publicado às 12:06

PRESIDENCIAIS BOÇALIDADES...

A gente já está mais ou menos habituada àqueles sketches supostamente cómicos de Sua Excelência mas mesmo assim, às vezes ainda nos consegue surpreender... Foi o caso de ontem no decurso da sua Visita à Turquia, naquela sua tirada sobre as compras da Dª. Maria...

Já os jornalistas que habitualmente o acompanham nestas visitas, esses nunca nos surpreendem: Sempre tão cáusticos com os políticos, comportam-se nestas viagens presidenciais, como aqueles figurantes dos programas de entretenimento das Televisões, contratados a 10 Euros por sessão para soltarem gargalhadas e baterem palmas. Contrapartida tácita pela honra de integrarem a Comitiva?

Vem isto a propósito daquela "piadola" do Professor  à boa e boçal maneira portuguesa, no decurso de um briefing com a Imprensa:

"A minha mulher, que está sempre a pensar nos netos, foi comprar umas lembranças enquanto eu vim trabalhar. Não lhe dei o cartão de crédito, mas sim Euros - penso que aqui aceitam Euros..."

Claro que todos sabemos que existem ainda muitos lares portugueses, onde as Marias para irem às compras, têm de pedir aos Maneis o dinheirito para os legumes e para as hortaliças. Só que neste caso, até porque falava para as televisões, bem podia Sua Excelência ter poupado a Dª. Maria ao vexame...

Registamos ainda aquela curiosa separação que Sua Excelência fez entre o seu trabalho (uma Conferência qualquer) e as compras da Dª. Maria... E nós que pensávamos que os programas paralelos preparados para as Primeiras Damas neste tipo de visitas, também constituíam trabalho!

 

publicado às 10:21

TODOS DIFERENTES, TODOS IGUAIS...

Comecei a avistar ao longe o "bendito" painel e uma alegria inefável inundou o meu coração: Finalmente a possibilidade de uma verdadeira - porque bem informada - opção na altura de atestar.

Mas... que diabo...opção?

Furioso com a (aparente) mistificação, resolvi sair na primeira área de serviço e informar-me acerca da situação insólita. A simpática funcionária que me atendeu remeteu-me para uma informação escrita que me estendeu com ar apressado - que já tinha na fila meia dúzia de clientes para pagar...

Já que ali estava, aproveitei para uma pequena pausa e entre um café e um queque - que um dia não são dias - li o seguinte:

" A CNCPC - Confederação Nacional da Concertação dos Preços dos Combustíveis, reunida na sua Sede Nacional sita na Plataforma Continental de Extracção do Beato para analisar as questões relacionadas com a determinação legal de afixar nas auto-estradas painéis electrónicos informativos, com os preços dos combustíveis nas três áreas de serviço mais próximas e tendo em conta que ficar sem combustível na auto-estrada, representa para qualquer veículo um factor agravado de risco, quer para o mesmo, quer para veículos terceiros e considerando por outro lado que, a verificarem-se diferenças de preços nas referidas áreas - como parece que era desejado pelo Legislador - esse factor de risco seria inevitavelmente agravado com todas as consequências inerentes, em resultado de arriscadas decisões de adiar o abastecimento até à área de preço mais baixo delibera:.

a) Manter numa primeira fase em todas as áreas concessionadas abrangidas por esta Confederação e que representam 99,999% do total das áreas de serviço, preços iguais em todos os painéis. 

b) Numa segunda fase e tão breve quanto possível, com vistas a dar uma ideia de concorrência, que tem sempre efeitos psicológicos benéficos sobre o consumidor, os signatários implementarão um sistema de rotatividade mensal de preços variados a apresentar nos respectivos painéis.

Beato, Lisboa, 31 de Fevereiro de 2009

etc.,etc."

Fiquei pois completamente esclarecido e já aconchegado com o cafezinho, o queque e este miminho de preocupação social das Petrolíferas, lá regressei ao asfalto para o resto do percurso.

Ainda bem que vivemos nesta bela "República das Bananas"!


PS: A situação descrita no texto é (por enquanto) pura ficção. Quanto à fotografia, essa é bem real e deve encher de orgulho aqueles que legislaram sobre o assunto...

publicado às 10:26

REPÚBLICA DAS BANANAS...

Sócrates ainda não se demitiu?

E Pinto Monteiro?

E Lopes da Mota?

O quê? Está tudo na mesma?

Pois está... Tinha-me esquecido que Portugal, estando embora na União Europeia integra também de pleno direito a "Confederação Independente das Repúblicas das Bananas" - cujos membros como todos sabemos, adoptam regras de conduta muito próprias!

 

publicado às 13:34

DEMOCRACIA DIRECTA...

A actual “solução” democrática com base na estrutura corrupta e viciada dos Partidos políticos tal como os conhecemos actualmente, parece ter-se esgotado irremediavelmente, enredada na própria teia tecida pela sua inépcia.

Começam afazer-se ouvir cada vez mais, as vozes dos que reclamam a Democracia Directa. E nem sequer é preciso alargarmo-nos em grandes explanações sobre os princípios básicos que devem orientar a mesma: Tão somente directa e ponto final.
Não adianta pois, continuarmos à procura de “diferenças significativas” a nível da estrutura dos actuais Partidos, que nos permitam validar na nossa própria mente o adiamento da necessária – e à muito justificada – “acção declarativa” de falência do modelo existente. Elas (as tais diferenças) pura e simplesmente não existem, pese embora pontuais e ínfimos pormenores  de sentido contrário… Basta atentarmos por exemplo, na concordância de posições quando o que está em causa são os respectivos privilégios e as mordomias  - financiamento dos Partidos, faltas dos Deputados, etc.
Chega pois de Status quo: Seleccionar,Delete!
publicado às 13:22

"FATO" POR MEDIDA...

É tamanho o estado de degradação da nossa vida social, tão baixo o nosso nível de auto estima  que daí resulta - ao constatarmos a corrupção que anda à solta por aí, o aumento preocupante da criminalidade violenta e do sentimento de insegurança,  o enriquecimento ilícito, a fuga ao Fisco - que às vezes temos a tendência para culpar a Justiça por tudo isto: Os juízes apressam-se nos Processos envolvendo “peixe miúdo”, mas arrastam até à “exaustão final" aqueles onde os visados são “caça grossa”, “tubarões” e outros “ões”.

É uma análise demasiado simplista, um erro em que muitos incluindo eu próprio, por vezes caímos – porque os Juízes trabalham com as “ferramentas” que outros lhes preparam.
E esses “outros” sim, são os verdadeiros culpados pelo estado calamitoso a que chegamos - a classe actualmente mais desacreditada na Sociedade, aquela que em qualquer sondagem digna desse nome, fica “abaixo de cão” (sem ofensa para o nobre animal que muito prezo) na opinião da esmagadora maioria dos interrogados – a classe dos POLÍTICOS!
(Claro que como em todas as classes, há honrosas excepções, mas essas só confirmam a regra).
São eles, que na maioria das vezes, arvorando-se em especialistas "disto, daquilo e daqueloutro” se aventuram “além da chinela” parindo Leis que às vezes logo no primeiro teste se verifica não passarem de autênticos abortos. Têm Universidades – Públicas e Privadas - especialistas eméritos nas mais variadas áreas do Direito a quem podiam encomendar o trabalho especializado, reservando para si próprios unicamente a decisão política sobre o assunto, mas não! Preferem ser eles próprios a fazê-lo e como é óbvio, só podia sair burrice (na maioria dos casos).
Mas por mais estranho que isto possa parecer, esta ainda é a parte menos grave – parirem Leis imbecis, pela simples razão de eles próprios o serem.
Pior, bem pior mesmo, é quando eles se esmeram mais no trabalho (às vezes conseguem fazê-lo), quais artistas de “alta costura” e se abalançam na confecção do "fato por medida" – da sua medida e na dos mais dilectos amigos.
Aí sim, o problema complica-se, porque deixam tantos bolsos falsos no "fato" que o mais certo é os processos arrastarem-se de artimanha em artimanha (às vezes chamam-lhe “Código de Processo...”) até que ocorra inevitavelmente  a “santa prescrição” antes que qualquer Juiz, por maior vontade que tenha de ser justo, possa fazer alguma coisa em  contrário. Claro que esta “arte” de contornar a Justiça, por exigir uma enorme disponibilidade de meios humanos e financeiros, só está ao alcance dos poderosos, razão pela qual, são  os criminosos “rafeiros” a verem os seus processos a passarem à frente de todos os outros…
publicado às 23:39

O "EUROJUSTO"...

Lopes da Mota, o “pressionador”, vai ser alvo de um processo disciplinar.

Fica no entanto a pairar nas nossas mentes esta “gigantesca” dúvida: Lopes da Mota pressionou a pedido de quem?
Sim, que não sendo ele “parte interessada” relativamente ao efeito das pressões – não é ele que está a ser acusado de corrupção – alguém lhe pediu para o fazer.
O ministro Alberto Costa, obviamente nega, Sócrates - como habitualmente - também, pelo que só resta pôr a “corda no pescoço” ao homem do EUROJUST e conduzi-lo ao “cadafalso”. Sem um queixume do “condenado”, como compete a um verdadeiro “pau-mandado” que sabendo “ao que ia”, não tem porque se queixar.
Tudo simples, tudo dentro do expectável, tudo “Eurojusto”…
publicado às 17:19

ESTUDANTE SOFRE!

Trabalho de equipa é mesmo assim! Pareceu-me no entanto que alguns dos elementos se sentiram mais seguros "com os pés em terra"...Vertigens? Isso cura-se (lol)

Parabéns: À minha sobrinha linda, Claudita e através dela, a toda a equipa de Design Gráfico (e ao Prof Cláudio Ferreira e ao IPCA)  "Ganda malucos"! (lol)

publicado às 15:06

VAZIO INTERIOR...

Há dias assim - às vezes dias de mais, quando não todos os dias - em que nos sentimos "cheios" de solidão "ensurdecidos" por silêncios,  "acompanhados" apenas por dolorosas ausências - sentidas, pressentidas mas nunca preenchidas...

Escrevi sobre isto de forma diferente, em TERRA MOLHADA

publicado às 13:31

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D