Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

OS "NÃO CRIMES" DE SÓCRATES...

Que "alívio" Francisco Assis! Assim fica tudo muito mais fácil para você! Assegurar a defesa do chefe, depois do "amigo" Pinto Monteiro ter declarado Urbi et Orbi que Sócrates não é suspeito de nenhum crime vai ser canja!

(E antes que me esqueça, chamo a atenção para as "aspas" que pelo sim pelo não, não vá o diabo tecê-las, coloquei na palavra amigo)

Mas voltemos ao assunto:

Sócrates (que por acaso e azar nosso, é o primeiro-ministro de Portugal) e o seu amigo  (sem "aspas") Armando Vara, não estavam (quando gastaram horas ao telemóvel)  a combinar, pelos vistos, nenhum crime. Quando muito, podem ter trocado algumas graçolas (como eu próprio o fiz algumas vezes) sobre a quantidade de "botox" do rosto da Manuela Moura Guedes, sobre a incómoda e ocasional gaguez ou as aflitivas reticências do Vasco Pulido Valente, ou ainda sobre a péssima qualidade daquele "Jornal das Sextas" da TVI...

Eu próprio detestava aquele Jornal (Oh! como detestava!) mas nunca me ocorreu furar os pneus do carro da Manela ou do Vasquinho quando se dirigiam para o edifício para preparar a emissão nem cortar o fornecimento da Luz à TVI "em cima das oito" nas noites de Sexta, ou coisa semelhante!

Podiam ainda  ter falado - nas tais horas de conversa -  em ajudar o "amigo Joaquim". Podiam... - se o se os senhores da Polícia e do MP o asseguram... - mas se o fizeram,  isso tinha apenas a ver com umas "dicas" ao "amigo Joaquim" para um melhor desempenho à frente do Grupo Controlinveste  e ainda sobre a calendarização dos jogos de futebol na Sport TV para o ano 2009 e algumas sugestões inócuas em termos de conteúdos "cor de rosa" do JN e DN e outras empresas do "amigo Joaquim"...

E eu também acredito no Pai Natal!

Portanto, Sócrates não cometeu nenhum crime. E no entanto...

Ocorre-me recontar aquela "parábola" do casal de namorados a quem os pais da moçoila faziam uma "marcação cerrada" para evitar surpresas desagradáveis:

Apesar de nunca a perderem de vista, apesar de o namoro estar delimitado ao hall da casa, permanentemente ao alcance do olhar da mãe que na sala aproveitava para bordar uns "naperons" sempre com "um olho no burro e outro no cigano", apesar de tudo isso, a rapariga apareceu grávida!

"Como é que foi, como não foi, deve ser engano, não pode ser!" a verdade é que era mesmo... verdade!

Ainda no consultório médico onde a mãe a tinha levado para saber "a razão daqueles estranhos enjoos matinais" e depois de muito "espremida" a rapariga lá admitiu que na penumbra do hall da casa, o rapazola conseguiu "dar uma volta pelas redondezas" mas sem nunca ter franqueado a "portada"...

-"Ai! Senhor Doutor! Será que pode ter sido desta maneira?"

Pelos vistos pôde!

Acredita Vexa. Senhor primeiro-ministro, que o rapazola foi obrigado a casar com a moçoila, não lhe valendo de nada a desculpa esfarrapada da intacta "virgindade" da mesma?

 

 

publicado às 10:25

VALONGO - O "CLUSTER" DE ALFENA...

 

(Sá de Miranda, Obras Completas, II, p.92.)


 

E como Sá de Miranda se mantém actual (neste contexto Alfenense)!

Alfena cresceu - dizem que até demais em alcatrão e cimento mas não só... Cresceu também em cidadania, em exigência democrática, em participação directa das populações. 

Isso é bom mas incomoda  alguns "clusters" que por aqui se instalaram e foram engordando como cogumelos: É que tal como acontece com estes (os cogumelos) há uma subespécie não "comestível" e venenosa - letal mesmo - que não convive muito bem com o aumento da sindicância  e com o desenvolvimento do nível de conhecimento das populações acerca dos seus malefícios.

Perante as dificuldades crescentes para uma expansão dos seus projectos de poder pessoal consentânea com o tamanho da sua ambição, o nosso dilecto Vereador tinha de tentar alargar os horizontes e a área de influência do "cluster" da Arquitectura e da especulação imobiliária, reforçando a sua implantação num espaço privilegiado de "ajustes directos" como é o da Câmara.

Número 4 foi o melhor que conseguiu, numa difícil negociação travada em duas frentes, em que a moeda de troca foram os votos conseguidos nas intercalares de Janeiro, quase sem concorrência. Parece modesto. Parece, mas representa a entrada nos muros da cidadela e os restantes inquilinos que se cuidem, que este "cavalo de Tróia" não está ali para fazer de peão.

Foi para o interior do "palácio da 5 de Outubro" na expectativa de vir a ser o escolhido quando o "rei" tiver de abdicar e não abrirá mão (facilmente)  desse sonho!

 

Quanto mais água mais sede

E  o Leça além de "pequeno"

Para a sede de quem bebe

Tem vigilância no terreno

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 10:50

CÂMARA DE VALONGO - A "EXCELÊNCIA AUTÁRQUICA" NO... AJUSTE DIRECTO!

Para quem goste de ver a sua terra a subir ao "pódio"  e não seja muito exigente quanto ao tipo de Ranking em que ela é ganhadora, aconselha-se uma visita ao Portal da Transparência onde é possível ver o nome de Valongo (da nossa Câmara Municipal) em merecido destaque Nacional no que se refere a ajustes directos!

É "reconfortante" verificar como Fernando Melo - apesar da provecta idade, sabe dar um exemplo de "modernidade" pondo de lado as burocracias legais dos Concursos Públicos, que só empatam o negócio e optou definitivamente pelo sistema expedito - único capaz de agilizar a actividade Camarária - de ajustar directamente com os fornecedores. As empresas amigas agradecem, porque desta forma, impede-se a entrada de "patos bravos" no sistema, através da filtragem dos já referidos Concursos.

Uma análise minimamente atenta - como a que eu procurei fazer - ao Site referido e ao extenso rol que diz respeito à nossa Câmara - e agora falando muito a sério! -  deixa-me envergonhado em relação à minha Terra e aos homens que os Valonguenses (a "minoria absoluta" dos Valonguenses) colocou à frente dos destinos do nosso Município!

Curioso é mais uma vez como eu estou, para ver quais vão ser as futuras práticas, face à minoria de Fernando Melo!

 

publicado às 21:08

ALFENA - O VEREADOR DA "RAMPA DOURADA" E "A MULHER DE CÉSAR"...

Diz-se que "Frei Tomás"  (entre nós também conhecido por Vereador da "rampa dourada" ) pregou durante muito tempo, aparentando profunda convicção, contra as mordomias de certos Vereadores e contra a utilização em proveito próprio ou para fins que não os da sua função Autárquica, de bens, pessoal e serviços da Câmara.

Diz-se...

Mas tal como se aconselhava a fazer com Frei Tomás (o original) também no caso do nosso promissor Autarca Alfenense não devemos seguir à risca "o que ele faz"!

Vem isto a propósito do episódio presenciado por alguns Alfenenses um destes dias - habitual ao que dizem, em época pré-eleitoral:

O "núcleo duro" dos novos Unidos reunido no Plaza, num "café de trabalho" com o ilustre Vereador - só que desta vez com uma "ligeira nuance": Mercê do seu novo estatuto, a deslocação para o tal "café de trabalho" fez-se na viatura de serviço da Câmara, tendo o motorista ficado estacionado em frente com o motor a trabalhar!

Problemas com o motor de arranque ou será a explicação bem mais simples? -  Um Vereador, mesmo quando toma um café e cavaqueia alegremente com os amigos de sempre, está a (mesmo assim) trabalhar, sendo que no caso do motorista, trabalho mesmo, é apenas aquele que se faz a conduzir ou então, a aguardar o chefe, ao volante da viatura de serviço...

Caso para dizer, que até com "a mulher de César" ficaria a perder: Afinal ela apenas "não parecia"...


P.S.: Pode parecer que que não tem nada a ver, mas sugiro aos mais curiosos (desde que também pacientes) uma visita ao Portal da Transparência para verem como prosperam os negócios privados na Câmara Municipal de Valongo. Terei sido só eu a detectar no extenso rol de ajustes directos um leve aroma a "Face Oculta II"?

publicado às 13:29

"VALONGO, S.A." - FERNANDO MELO E "A MULHER DE CÉSAR"...

Não sei se Fernando Melo é um (bom ou mau) exemplo para alguém, nem me aventuro por terrenos onde a  sua honestidade (como pessoa ou como autarca) seja a "unidade de medida" para o catalogar.

Concedo mesmo de barato, que até prova em contrário ele possa continuar a ser um verdadeiro exemplo em termos de "Excelência Autárquica 2004" - como aliás faz questão de exibir em todos os documentos oficiais da Câmara.

Só que Fernando Melo tem - como a "mulher de César" também tinha - um "problemazinho", um "pequeno detalhe" mas que faz toda a diferença: Sendo o que diz ser, aparenta  o que diz não ser, isto é, aparenta exactamente o que os outros dizem que ele é...

Depois, o contexto em que se movimenta - contexto que ele próprio criou ou influenciou - só podia conduzir-nos, mesmo que não quiséssemos, à apreciação (obviamente subjectiva) que a maioria dos munícipes faz sobre ele.

Sejamos claros: Se Fernando Melo administrasse uma empresa familiar e gerisse um Orçamento privado como há tantas no nosso País, teria todo o direito  a empregar todos os membros do seu agregado familiar, a conceder-lhes todas as "mordomias", a dar-lhes toda a primazia na ascensão nas respectivas carreiras. Mas Fernando Melo não é Presidente do Conselho de Administração da "Melo, noras & sobrinhos, S.A". Fernando Melo é o Presidente da Câmara Municipal de Valongo, detentor de um cargo Público e gere um Orçamento que resulta do dinheiro de todos nós!

Daí o cuidado (ou maior cuidado) que deveria pôr na imagem que faz passar para quem o vê "do lado de fora".

Curioso, é como eu estou neste momento em que a maioria absoluta "já era", para ver como alguma "oposição" vai enfrentar o problema do compadrio e da corrupção que (dizem) mina os alicerces do nosso  "edifício Municipal"...

publicado às 18:33

CÂMARA DE VALONGO (AINDA) É A QUINTA DE FERNANDO MELO?

Como estava anunciado nos locais habituais através de edital, teria lugar hoje pelas 10 horas uma Reunião Pública da Câmara. 

No seguimento do compromisso que assumi comigo próprio de me obrigar a um maior envolvimento nas questões da minha terra, lá compareci 5 minutos antes como é de bom tom, abdicando do "café das 10" da praxe por manifesta falta de tempo (julgava eu...).

Sacrifício desnecessário, dado que ao bom e velho estilo do Dr. Fernando Melo - que pelos vistos ainda não interiorizou a "mensagem dos números" que o Povo lhe endereçou no passado dia 11 de Outubro a reunião foi adiada - sem nenhuma explicação, nem sequer de circunstância, género "por motivo de força maior" ou outra. O vigilante da Portaria remeteu-me para um edital com data de anteontem mas seguramente afixado apenas ontem, onde o referido adiamento para o próximo dia 27 de Novembro às 10 horas é anunciado.

Lá estarei pois de amanhã a oito dias, com um pedido de intervenção no período reservado ao Público.

Aliás, tenho uma certa curiosidade em saber qual é o ponto de vista de "uma certa oposição" em relação ao Regimento e à mordaça que representa para os Munícipes, independentemente de se reconhecer como necessária ao bom funcionamento destas reuniões a existência de regras. Só que não Regras destas:

"1. Cada período de intervenção do Público tem a duração máxima de 15 minutos e só poderão intervir, no máximo 3 pessoas (5 minutos cada).

2.  Em cada intervenção só poderá ser tratada uma única questão (...).

3. Os cidadãos interessados em intervir para solicitar esclarecimentos terão de fazer a sua inscrição, por escrito, até 5 dias úteis antes do dia da reunião, no Gabinete de Apoio ao Presidente (...)

(...)"

Um prémio a quem conseguir vislumbrar aqui algum resquício de abertura às pessoas e ao Povo concreto do nosso Concelho.

Perante esta autêntica "lei da rolha" para travar ou dificultar a colocação de questões incómodas e de difícil ou impossível resposta por parte dos ilustres autarcas, "tem a palavra a Oposição" e que cada um assuma a sua responsabilidade!

publicado às 10:35

ALFENA E VALONGO - PROMISCUIDADES E OUTRAS INDIGNIDADES...

Depois da Queixa apresentada à ERC algures no mês de Outubro, relativamente à clara violação da Lei por parte do Jornal Correio do Douro que em cima - literalmente - das Eleições promoveu escandalosamente as Candidaturas patrocinadas por Fernando Melo, com destaque, no caso de Alfena,  para a Lista do Dr. Palhau, a ERC andou a "digerir" o assunto este tempo todo e "respondeu-me" ontem por Correio Registado com Aviso de Recepção, "que não se considera competente para apreciar o assunto, o qual na sua óptica, é do âmbito da CNE".

Tanto tempo para uma "não resposta", só confirma a regra que se aplica quase sem excepção, a todas as Entidades Reguladoras: Deficiente funcionamento e falta de respeito pelos reais direitos dos cidadãos, uma vez que neste caso concreto, a ERC em vez  de perder tempo a enviar-me a "não resposta", o que deveria ter feito (dado não se sentir competente) era remeter ela mesmo o assunto directamente para a CNE.

Porque "não sou de me ficar" quando tenho razão, lá remeti todo o processo hoje mesmo para a CNE e vou ficar a aguardar desta vez, uma resposta sem "aspas".


Post-scriptum: Para que se perceba um pouco melhor esta promiscuidade entre certos autarcas e os interesses instalados e de que meios se valem uns e outros para atingir os respectivos fins, aqui vai esta curiosa transcrição de uma "homenagem":

 

Câmara de Valongo homenageia fundador do Correio do Douro PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

O nome de Fernando Queirós, jornalista de Valongo, fundador do jornal Correio do Douro e colaborador do Jornal de Notícias, vai passar a fazer parte da toponímia do concelho de Valongo.


Conforme aprovado pela Câmara Municipal de Valongo, Fernando Queirós dará nome a uma rua da freguesia de Sobrado, precisamente na zona onde este habitava. A placa da rua será descerrada domingo, 13 de Setembro, pelas 15h00, numa cerimónia presidida pelo presidente da Câmara Municipal de Valongo, Fernando Melo. A inclusão do nome de Fernando Queirós na toponímia do concelho de Valongo é uma homenagem da Câmara Municipal de Valongo a este filho da terra e ao serviço que prestou na divulgação do concelho na Comunicação Social.

PORTALVALONGO.NET - 11 Setembro


Cópia da Exposição à CNE:

 

 

 

A

CNE – Comissão Nacional de Eleições

 

Exmos. Senhores,

Apresentei à ERC em data posterior próxima do Acto Eleitoral Autárquico, uma Queixa contra o Jornal “Correio do Douro” – Edição de 9 de Outubro de 2009, por considerar existir nessa publicação uma violação flagrante não apenas dos princípios éticos, mas também do principio da equidade relativamente a todas as candidaturas locais – que é o âmbito a que a Reclamação diz respeito.

E remeti o assunto ERC, por me parecer na altura que seria a Entidade competente – ver cópia anexa.

Acontece que esta Entidade entendeu ser o assunto do âmbito da CNE, mas apenas ontem me informou desse facto através de Correio Registado c/AR.

Porque independentemente do tempo passado - facto a que sou inteiramente alheio - considero  que se justifica a apreciação da queixa -  agora por parte da CNE, venho por este meio remeter-vos para devida análise, o assunto em questão.

 

Elementos complementares sobre a Queixa:

CORREIO DO DOURO,  administracao@correiododouro.pt

Nº Registo na ERC: 125216

Fundamentos da Queixa: Publicação com data de 9 de Outubro, foi distribuída a partir deste dia e ainda nos dias subsequentes – incluindo o dia das eleições, onde estava disponível e era oferecida aos clientes de alguns Cafés locais.

Promovia em exclusivo uma das Candidaturas à Câmara de Valongo e outra, apoiada pela mesma força politica, candidata à Freguesia de Alfena e dedicava praticamente todo o conteúdo a esta promoção.

 

Anexos: Queixa à ERC e  resposta desta Entidade

 

publicado às 16:24

SOARES (AINDA) É FIXE?

 

"ETICA REPUBLICANA"

JN- 17 NOV

MárioSoares considera que tudo o que tem vindo a público relacionado com a investigação criminal do caso "Face Oculta" não passa, enquanto questão política, de um "problema comezinho".

Tenho por aí um dicionário de sinónimos e, por via das dúvidas (as palavras têm ultimamente o péssimo hábito mudar de sentido de um dia para o outro), fui ver se "comezinho" continuaria ainda a significar o mesmo. Pelos vistos, continua: significa "banal", "corriqueiro", "trivial", "usual", "vulgar". É difícil, pois, não estar de acordo com Mário Soares. Um assunto que envolva, como o presente caso, corrupção, tráfico de influências, manipulação de concursos públicos envolvendo trocas de dinheiro e de favores entre gestores de nomeação política e empresários "amigos", e até alegações, sustentadas no despacho de um juiz, de crime de atentado ao Estado de Direito, tornou-se de facto hoje, em Portugal, coisa politicamente "comezinha", "trivial" e "vulgar". Custa a crer é que alguém como Mário Soares, que tão repetidamente convoca a "ética republicana", reconheça isso sem o mínimo sobressalto ético ou republicano.


Espantados e incrédulos, assistirmos às incursões do "avozinho" - talvez de touca, pantufas e chinelinhas calçadas e na frente da lareira por causa da descida das temperaturas - nas questões da política real e mal cheirosa - o que é o mesmo que dizer, nas traquinices e tropelias dos "netos da rosa e do punho fechado" lá para os lados de S.Bento.

Mas das duas uma: ou o dicionário do "avozinho" não é igual ao que agora se usa ou então quem sabe, está a ficar che-ché e já não diz coisa com coisa.

Sim, porque considerar "um problema comezinho" este terramoto que há tempo demais vai abalando os alicerces da Nação, onde cada réplica é quase sempre tão violenta como o abalo anterior e assim sucessivamente, não abona muito acerca da sanidade mental da "figura".

Casos como "Processo Cova da Beira", "Freeport", "Operação Furacão", "Face Oculta", bem como todas aquelas negociatas sem concurso do género dos "contentores de Alcântara" e outros,  só passarão a ser comezinhos, quando todos os portugueses chegarem ao mesmo estado de degradação de valores morais dos dirigentes socialistas e da "clique" que nos governa.

Felizmente, o País ainda tem reservas morais e antídotos para estancarem o mal e um dia destes quem sabe, possamos escutar numa qualquer estação de Rádio madrugada dentro a senha que dará o sinal  a uns quantos filhos do Povo fardados, para que iniciam uma limpeza desta vez mais eficiente que aquela que foi feita há 35 anos atrás, em que excessivos "pruridos democráticos" permitiram que alguns "infiltrados" varressem para debaixo do tapete os germes que deram origem à monumental contaminação de que agora somos vítimas.

Quanto ao "avozinho", atendendo à idade, deve evitar-se a todo o custo o recurso ao internamento compulsivo - desde que os seus desvarios se limitem apenas às "palavras loucas". Claro que eventuais "medidas cautelares" deverão ser decididas, se entretanto começar a "partir coisas"

 

publicado às 23:40

"SE PODÍAMOS VIVER SEM SÓCRATES?"

(...)  Em causa está a alegada utilização, pelos presidentes da Refer e da CP, dos cartões de crédito das empresas para pagar um almoço de homenagem à ex-secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, em finais de Outubro, e que contou com a presença de pelo menos 50 gestores públicos. Ontem, Heitor de Sousa, deputado do Bloco de Esquerda, questionou o Governo sobre a utilização de cartões de crédito da CP e da Refer para financiar um almoço de homenagem à ex-secretária de Estado. Não estando em causa a "legitimidade de promover encontros de natureza privada", o BE afirma "estranhar" que o "custeio do referido almoço tenha ficado a cargo de três empresas públicas". Ao DN, Ana Paula Vitorino - que no referido almoço terá sido presenteada com um colar no valor de dois mil euros, rateados entre os gestores - recusou "fazer comentários"(...).


(...)A última declaração de rendimentos entregue por José Penedos no Tribunal Constitucional data de 1999, quando este era deputado  do PS no Parlamento. Como presidente da REN, nunca declarou nada àquele  órgão. Os juristas dividem-se sobre o dever ou não de o fazer. O gestor,  um dos arguidos no processo 'Face Oculta', é hoje ouvido no DIAP de Aveiro(...).


(...)Manuel Godinho mantém com o fisco um longo braço de ferro e um historial de conflitos, amenizado por alegadas "ajudas", segundo os investigadores. No total, mais de um milhão de euros de dívidas certificadas em IVA e IRS estão, neste momento, pot saldar. À O2, uma empresa de tratamentos de resíduos, cujo presidente é o empresário das sucatas, o fisco reclama pelo menos 900 mil euros, após visitas de inspectores do fisco em 2008 e já no corrente ano (Março), tal como o DN já noticiou. Outros 200 mil euros de dívidas - em IVA e em IRC, o imposto sobre os lucros - terão sido "apagados" do sistema fiscal, com alegadas ajudas de Mário Pinho, o director de Finanças de São João da Madeira.(...).


(...)Maria Adelaide de Carvalho Monteiro, a mãe do primeiro-ministro José Sócrates, comprou o apartamento na Rua Braamcamp, em Lisboa, a uma sociedade off-shore com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, apurou o Correio da Manhã. Em Novembro de 1998, nove meses depois de José Sócrates se ter mudado para o terceiro andar do prédio Heron Castilho, a mãe do primeiro-ministro adquiria o quarto piso, letra E, com um valor tributável de 44 923 000 escudos – cerca de 224 mil euros –, sem recurso a qualquer empréstimo bancário e auferindo um rendimento anual declarado nas Finanças que foi inferior a 250 euros (50 contos)(...).


(...)Marcelo Rebelo de Sousa comentou ontem a questão da compra da casa de José Sócrates, que terá sido feita por um preço inferior ao valor de outros apartamentos do mesmo prédio, classificando o primeiro-ministro como “chico esperto”(...).


(...)O apartamento de José Sócrates em Lisboa, segundo consta da escritura notarial, foi adquirido pelo preço de 47 mil contos (235 mil euros). Dois anos antes desta venda, um apartamento idêntico no mesmo prédio (o 3º E) foi comprado por um emigrante português que estava isento do imposto de sisa por 70.200 contos (351 mil euros), ou seja, mais 50 por cento do que o valor declarado por Sócrates(...).


Quando se tenta fazer uma pesquisa na Net sobre corrupção, deparamos sempre com esta constatação incontornável: Ou Sócrates, ou alguém próximo dele -  ou então,  algum destacado dirigente do PS ("Partido de Sócrates") -  fazem o pleno das notícias!

Claro que sendo a "face oculta" o assunto do dia, o nosso primeiro-ministro não podia fugir à regra e como verdadeiro líder, lá está ele "em todas", fazendo literalmente a agenda dos jornalistas.

É caso para perguntar: "Se podíamos viver sem Sócrates? Claro que podíamos, mas não era a mesma coisa!"

 

publicado às 11:34

A BATER NA CEGUINHA...

Andamos há  imenso tempo a "bater na ceguinha" - ou para ser mais preciso, na "senhora de olhos vendados" - mas tenho a vaga sensação de que esbanjamos energias ingloriamente por duas ordens de razão a saber:

Primeira: Como acontece noutros contextos, também aqui me parece que à "ceguinha"  em questão faltavam umas convenientes "aspas": 

É que pelo comportamento que tem demonstrado de forma por vezes demasiado explícita e até ostensiva, tudo indica que se tratará de uma falsa cega igual a muitas outras que por aí circulam, sendo que neste caso, o logro em que nos tenta induzir, assume contornos de maior gravidade.

Segunda: Mesmo conseguíssemos acertar-lhe com um ou outro "tabefe" - é que a mesma é tão esquiva, que isso nem sempre se torna fácil - estaríamos a bater na "pessoa" errada: Em quem os "tabefes" seriam de facto bem aplicados, era naqueles que desempenham um papel idêntico ao daquela espécie asquerosa de exploradores das mulheres da chamada "vida fácil" .

Esses sim, são os que "no fim do dia" levam para casa (leia-se conta bancária ou conta-corrente dos respectivos e escuros negócios) a parte de leão daquilo que a "ceguinha" pelo simples facto de fingir que o é, permite gerar na chamada economia paralela, ou pior do que isso, que seja sacado directamente dos bolsos dos incautos e dos mais fracos.

Vamos pois deixar-nos desta espécie de "apanhada" a tentar agarrar a dita e virar as baterias contra os verdadeiros culpados, cujos nomes andam por aí nas bocas do mundo e nas folhas de pagamento dos "criadores de polvos" deste País.

publicado às 18:17

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D