Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A "OVELHA DOLLY"...

É hoje já um lugar comum dizer-se que qualquer empresário de sucesso no ramo industrial, tem de conseguir que o seu produto responda a necessidades objectivas dos consumidores alvo - não necessidades induzidas por estratégias agressivas de marketing, porque são regra geral efémeras - mas necessidades devidamente avaliadas e de preferência com um horizonte de preferência duradouro, dado que na indústria, ao contrário de outros ramos dos negócios, qualquer mudança no tipo de produto a produzir implica custos fixos e tempo de adaptação, que têm de ser ser incorporados no custo final e que como é óbvio, serão tanto menores, quanto maiores forem as "séries".

Esta é uma das estratégias da indústria para incorporar os custos fixos no produto.

A outra (uma das outras) de que quero falar hoje, é a chamada "estratégia do cuco", a contrafacção que rouba o trabalho alheio, não investindo por isso em custos prévios (investigação e desenvolvimento, por exemplo) poupa o mais possível na qualidade, "esquece" os direitos sociais dos seus colaboradores, para no fim, obter às vezes maior percentagem de lucro do que os produtores genuínos.

Os exemplos mais conhecidos, chegam-nos da China, com verdadeiros atentados aos direitos da propriedade Industrial e com os governantes do mundo civilizado a assistirem - e a "assobiarem para o ar" - para não hostilizarem o "gigante".

Podemos encontrar um caso concreto no "universo" dos telemóveis:

Quem é que ainda não ouviu falar desse ícone tecnológico da Nokia - o N97? "Carradas" de funcionalidades, lindo de morrer, capacidades inesgotáveis no mundo da multimédia, mas (e existe sempre um "mas") carote para a esmagadora maioria dos potenciais interessados.

Pois bem, os chineses aí estão com a "solução" para este último problema! Atenção por isso aos mais incautos, pois um dia destes estão a comprar o "gato" em vez da "lebre" - sim, porque na maioria dos casos nem sequer vos irão dizer tratar-se de um clone - muito semelhante (apenas) no visual, mas a léguas em termos de capacidades e tecnologia.

As imagens falam por elas mesmas:

 

O Genuíno:

 

O "Clone":

 


 

 

publicado às 12:19

"PAIXÕES"...

O futuro do País está na escola, nas novas gerações, na forma como elas estão (ou não) a ser preparadas para construir esse mesmo futuro.

A escola é (devia ser) um viveiro gigante destinado a preparar as novas "espécies" destinadas a reflorestar a Nação - na política, na Justiça, nos serviços, nas empresas, na plena cidadania - pondo cobro ao preocupante avanço das infestantes que ao longo destes últimos anos, quase se transformaram em espécies dominantes, com o impacto negativo que todos podemos constar na respiração do País e na boa oxigenação do seu sangue.

Mas será que o pretendido viveiro está a funcionar nas devidas condições?

Antes de mais e apesar da apregoada autonomia das escolas, quem é que (de facto) controla o viveiro? Quem é que decide sobre o tipo de floresta a implantar e providencia os fertilizantes a utilizar? Quem é que estabelece as boas práticas no sentido de que as plantas juvenis não saiam do viveiro já contaminadas pelas doenças das espécies que vão substituir? A resposta a estas perguntas é por demais óbvia: "boys, girls & companhia"...

Os últimos exemplos que têm vindo a público - bullyng, consumo de drogas, indisciplina no espaço escolar, comportamentos anti-sociais -  são apenas a parte mais visível do enorme problema em que se transformou esse viveiro

A Escola é (por enquanto) e apesar do inegável empenho da esmagadora maioria dos seus agentes no terreno, o espelho do que se passa na política, nas empresas no aparelho de Estado: Uma selva em potência, onde a gente de boa vontade vai a todo o custo plantando, semeando, renovando - um dia de cada vez - tentando fazer da fraqueza força para ir ganhando algum terreno ao caos...

E o que mais choca, é saber que os actuais viveiristas até são os herdeiros daqueles outros para quem esta frente de trabalho alegadamente constituía uma paixão... 

Como nas outras paixões, também esta exigiria maior empenho dos intervenientes activos, sendo que o desinteresse do "fogoso" amante fez esfriar - quase extinguir - o fogo inicial, deixando a amada no estado em que se encontra.

Ou partem para uma urgente e reparadora "terapia conjugal", ou a relação deixa mesmo de ter futuro - para mal de todos nós!

 

 

 

publicado às 02:35

OS "INDEPENDENTES" DE ALFENA...

O nosso Presidente tem vindo inegavelmente a fazer um esforço de assertividade com os seus fregueses que vão às reuniões públicas da Junta de Freguesia...

Não soubéssemos nós o cordão umbilical que o mantém ligado ao seu antecessor agora emigrado em Vallis Longus e até seríamos levados a pensar que o Dr. Rogério Palhau é mesmo um independente na presidência da nossa Junta. Mas não! Trata-se de pura "ilusão de óptica" da parte de quem o ouviu criticar e lançar àpartes sobre a actuação da nossa Câmara. Eu estive nesta última (como habitualmente tenho feito aliás) e gostei de ouvir, mas fiquei-me por aí, porque vai ter de se aplicar mais para me convencer da tal "independência"...

É que esta não se prova apenas com palavras bonitas, pontuadas com uma ou outra crítica aparentemente acutilante àcerca do estado lastimoso a que desceu a qualidade do trabalho da nossa Câmara, nomeadamente no que tem a ver com a continuidade de procedimentos que só potenciam ainda mais a ideia da maioria dos Valonguenses àcerca do nível de corrupção que continua a transparecer para o exterior sobre o nosso  "aparelho" Municipal.

A independência prova-se com acções concretas!

Apenas um exemplo para demonstrar como é frágil a encenação:

Questionado sobre o autêntico atentado em curso junto ao nó da A 41 na Senhora do Amparo, onde decorrem terraplanagens ilegais e "clandestinas" numa área equivalente a 58 campos de futebol - alegadamente para instalar a Chronopost (!) - o Dr. Rogério disse mais ou menos isto:

"Não tenho qualquer informação privilegiada sobre a obra. O que eu sei é o mesmo que toda a gente sabe: oficialmente a terraplanagem destina-se à mudança da Chronopost. Agora eu uso óculos mas não sou cego..."

Em primeiro lugar, a qualquer Alfenense custará a acreditar que dado o relacionamento existente entre ele e o Dr. Arnaldo e tendo em conta a própria transmissão de poder feita de forma quase dinástica no seio do projecto Unidos por Alfena, os dois não tenham nunca conversado sobre o que ali se passa.

Depois, mesmo que que lhe pudéssemos conceder a presunção de inocência - e porque além do mais, como ele próprio disse, não é cegoentão já devia estar aí, na rua junto com os seus fregueses a exigir ser informado sobre as maldades que se cozinham nas suas costas, mandando às malvas a classificação daquela área como REN e passando por cima daquela que foi a posição da CCDRN sobre o mega projecto participado pelo grupo Santander e tão acarinhado pelo nosso "saudoso" Dr. Arnaldo e o seu representante local o empresário Camilo Moreira (mandatário de campanha do Dr. Palhau).

Posto isto, há ainda alguém que acredite na "independência" do nosso Presidente?

Bem me queria parecer...

 

publicado às 01:37

"NOVELAS" - A PALAVRA AOS AMIGOS...

Ora bem...

Às vezes, outros escrevem aquilo que, mais vírgula menos vírgula, poderia muito bem ter sido escrito por nós.

Foi o que sucedeu com o texto que se segue, do amigo Ricardo Ribeiro e que tomo a liberdade de reproduzir. Espero que não se importe...


"Mesmo não sendo espectador habitual de novelas, tenho acompanhado com muito interesse esta última novela da TVI. Sei reconhecer que a novela tem, como é costume, demasiados episódios, que a história se arrasta durante meses sem que a narrativa progrida verdadeiramente, que o vilão está envolvido numa quantidade tão grande de falcatruas que tornam o enredo inverosímil. Mas é, apesar de tudo, uma novela bastante peculiar. Será que o Governo esteve envolvido no negócio da compra da TVI? É esta a questão que tem apaixonado os portugueses à hora do jantar. É natural que, tendo em conta as suas audiências, as novelas passem a ser exibidas cada vez mais cedo, e esta costuma ser transmitida no horário mais nobre de todos: o horário do telejornal. 

Sobre os protagonistas, é forçoso dizer-se que o primeiro-ministro faz um papelão. Ainda ninguém percebeu se ele estava a mentir quando disse desconhecer o negócio, o que é bem revelador do seu talento para a representação. O seu irmão gémeo, Pedro Silva Pereira, também tem estado muito bem. Não se trata de um enredo clássico de gémeo bom e gémeo mau: estes gémeos são exactamente iguais no temperamento, ambos irascíveis e maquiavélicos. Às vezes, só é possível distingui-los pela cor das gravatas. 

Como acontece em todas as novelas, há alturas em que o interesse do público é maior, outras em que é menor. Mas, na última semana de exibição, as audiências dispararam para os valores mais altos de sempre. O problema desta novela da TVI é que é quase impossível prever quando será a última semana, ou até se virá a haver uma última semana. Normalmente, este tipo de novelas dura indefinidamente, até que o aparecimento de uma nova novela faz com que se deixe de falar nelas. 

Concentremo-nos então, no presente, altura em que, aparentemente, a história vai conhecer novos desenvolvimentos. A oposição prepara-se para propor uma comissão de inquérito parlamentar. O objectivo é descobrir se o primeiro-ministro mentiu ao Parlamento chamando o primeiro-ministro ao Parlamento. Suponho que haverá comissões de inquérito posteriores, para averiguar se o primeiro-ministro mentiu ao Parlamento sobre ter mentido ao Parlamento. E assim sucessivamente. As comissões de inquérito, constituindo embora um recurso narrativo pouco original, costumam redundar e espectáculos divertidos. Funcionam como uma espécie de comic relief da acção principal. Normalmente, toda a gente está lá a rir. Há dias, pelo que foi dito, andava por uma dessas comissões um palhaço. Prevejo uma subida nas audiências."

 

publicado às 15:27

"BOCAS" - SOBRE JOSÉ SÓCRATES...

Vive “com o Credo na boca” desde que em ocasiões e situações diversas do seu percurso político, jornalistas bisbilhoteiros  o apanharam  “com a boca na botija” e, como dizem os brasileiros, “botaram a boca no trombone...

Agora anda permanentemente “nas bocas do mundo”  - sempre pelos piores motivos obviamente...

Passa na rua e as pessoas mandam-lhe “bocas” e embora os amigos lhe digam para não se preocupar, porque é tudo da boca para fora”, a verdade é que agora sempre que tem de enfrentar de improviso os holofotes da comunicação social, às vezes foge-lhe a boca para a verdade e diz o que não quer...

Talvez tenha sido por isso que, apesar de todas as sondagens antes das últimas eleições - mesmo aquelas feitas à boca das urnas”, o resultado final foi aquele que se viu: magro e frustrante para quem como ele, andou a encher a boca com a absoluta necessidade de uma maioria absoluta para governar o País em tempos de crise.

“Pela boca morre o peixe”  e negada que foi pelo Povo soberano a satisfação desse seu desejo, vê-se agora confrontado com a necessidade de tentar dar a volta ao texto fazendo crer que afinal, a oposição também pode ter um papel na governação da coisa pública. Qual (papel) é que ainda não deu para ver muito bem, dado que ou o nosso primeiro – porque é naturalmente dele que falamos – é surdo e o “diálogo” é o correspondente a esse seu estado, ou então ainda não lhe deu ainda início e tem estado apenas a fazer exercícios de aquecimento.

Mas mesmo que acreditemos que vai mesmo começar a dialogar, é bom que não alimentemos muitas expectativas: o homem quando abre a boca, ou entra mosca ou sai asneira”  e assim sendo, não se adivinham "diálogos" muito frutuosos nestas circunstâncias...

E como não poderia deixar de ser, termino com uma "pescadinha de rabo na boca" dizendo apenas "cala-te boca" relativamente àquilo que ainda poderia ser dito sobre a personagem e sobre os seus telhados de vidro ou rabos de palha - antes que o homem do lápis azul se irrite e me tire o pio (da boca)

publicado às 13:47

ALFENA - "CONSTRANGIMENTOS" MAL-CHEIROSOS NO SÍTIO DO COSTUME...



A preocupação de gerar receitas a todo o custo, acompanhada da pressão dos "amigos" do negócio imobiliário e da falta de acompanhamento e fiscalização no andamento das obras (e eventualmente outras razões ainda mais criticáveis) têm conduzido à proliferação de focos problemáticos em muitos pontos do nosso Concelho. Alfena não podia fugir à regra...

Este de que falo hoje mais uma vez, dá "sinal de vida" de vez em quando, com os inevitáveis incómodos para todos aqueles que com ele têm de conviver - moradores, automobilistas, utentes dos transportes públicos que na paragem em frente são atingidos pelos "odores" e às vezes pelo "chuveiro" originado pela circulação dos carros sobre o "problema" - e situa-se na Rua 1º. de Maio junto à Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro.

É óbvio que quem tentou"meter o Rossio na Rua da Betesga"  - fazer desaguar numa conduta dimensionada há muitos anos atrás os "fluidos e problemas correlativos" de toda aquela urbanização "emblemática" - é que deveria morar na zona ou ter de utilizar a paragem dos STCP já referida, porque é óbvio que até um leigo teria sido capaz de antecipar o que está agora a acontecer...

publicado às 12:11

APENAS UM DIA?

8 de Março: "Dia Internacional da mulher"...

Elas merecem muito mais do que um simples destaque a "negrito" no calendário - elas merecem o próprio calendário: por serem tão pacientes connosco, por terem aceite durante tantos anos, que nós éramos "os maiores", os donos da casa, enquanto elas se limitavam a ser (apenas) "donas de casa". Por tratarem dos filhos, da roupa, do resto da família enquanto nós trabalhávamos(!) - mas então o que elas faziam durante o seu longo dia de "donas de casa" não era trabalho?

Felizmente, para elas - e para nós também, porque a forma como aparecíamos na "fotografia" não nos favorecia nada - as coisas têm vindo a mudar. Não com a celeridade que elas merecem, é verdade, como podemos constatar pelos exemplos que temos aqui mais próximos:


Câmara de Valongo

Executivo PSD/PP:          4 Vereadores (1 senhora)

PS:                        3    "       (1 senhora)

Coragem de Mudar:          2    "       (1 senhora)

Assembleia Municipal de Valongo

PSD/PP:                   10 Deputados  (3 senhoras)

PS:                        9    "       (4 senhoras)

Coragem de Mudar:          6    "       (2 senhoras)

CDU:                       1    "        -

BE:                        1    "        - 

Junta de Freguesia de Alfena

Executivo:                 5 membros    (1 senhora)

Assembleia de Freguesia:  13 Deputados  (5 senhoras)

 

Como se pode ver, o problema desta Sociedade (machista discriminatória desrespeitadora de Direitos - escritos ou naturais) em que vivemos, nem sequer é específico de uma qualquer força política ou grupo - é mesmo transversal à própria Sociedade!

Por isso, nada de dias de "qualquer coisa" (neste caso, da mulher...) e que todos os dias possam ser dias da "não discriminação" em que possamos dar VIVAS! (à mulher, à criança, à árvore, à Terra...)sem nos sentirmos dispensados de os repetir no dia seguinte!


 

publicado às 12:21

"SERVIÇO PÚBLICO" Nº. 10 - ALFENA E AS TAXAS...

Para que não aconteça no futuro o mesmo abuso que se tem verificado com as actuais taxas, convido todos os alfenenses a consultarem os projectos de Regulamento postos agora à discussão pública - Avisos 4454 e 4455/2010 publicados no DR nº 42-2ª. série, de 2 de Março - por um período de 30 dias a contar da referida data de publicação e que são os seguintes:

 

- Projecto de Regulamento de taxas e licenças

- Projecto de Regulamento de utilização do miniautocarro

 

Como seria de esperar, já dá para ver - pelo menos em relação a algumas das rubricas do projecto referente às taxas - que mais do que prestar um serviço à comunidade, o que se tem em vista é criar mais uma forma de gerar receitas (veja-se as várias taxas do cemitério, os atestados, fotocópias e outros documentos...).


Post-Scriptum: Relembro a reunião pública da próxima quarta-feira - 21,30 horas



 

publicado às 17:33

ALFENA E A "ZONA UNDUSTRIAL II" ESCONDIDA COM... RABO DE FORA!

Hoje a reunião pública da Câmara foi curta (em assuntos agendados) mas conclusiva relativamente àquilo que já todos adivinhávamos: a "transferência mais polémica e mais cara" (em termos políticos) até hoje feita pelo PSD local vai continuar a (tentar) provar que constitui um "bom investimento" para o Dr. Fernando Melo. Mas como costuma dizer o Povo, "com amigos assim, quem é que precisa de inimigos?"

Refiro-me obviamente ao Dr. Arnaldo Soares, que continua a ficar mal na "fotografia" individual e a estragar o enquadramento da "fotografia de grupo" dos seus pares.

Falou na queda da grua na escola do Barreiro sem entrar muito no pormenor (e na eventual negligência do empreiteiro)...

Falou nos constrangimentos causados pelo tempo em relação aos arranjos finais nas obras de algumas escolas (onde as crianças têm de ir para o recreio à vez por falta de espaço e condições) mas omitiu o facto de tudo ter sido feito a correr para inaugurações formais antes das eleições e depois ter ficado tudo parado - mesmo antes da chuva começar a complicar...

Por outro lado, já não falou nada em relação a outro dos assuntos "quentes" abordados pelos eleitos da Coragem de Mudar - a "Zona Industrial com rabo de fora" que avança a todo o gás junto ao nó da A 41 (Senhora do Amparo).

Essa "despesa" passou-a ao Dr. João Paulo Baltasar, que tentou "editar a fotografia" referente ao corpo do delito, fazendo passar a ideia de que o que ali está neste momento em curso - cerca de 58 hectares de terraplanagens(!) com várias máquinas pesadas envolvidas na movimentação dos terrenos, sem qualquer anúncio de licenciamento da obra e apenas com painéis publicitários dos empreiteiros, "se destina (nas palavras do Dr. João Paulo) a uma obra licenciada para a transferência das instalações da CHRONOPOST"...

58 ha para a CHONOPOST? Grande expansão no mundo dos negócios desta empresa, em tempos de crise! E se fosse apenas isso, porque não foi afixado o anúncio do licenciamento?

É óbvio, que os contornos deste malcheiroso empreendimento têm que ser rigorosamente escrutinados e não é o silêncio táctico do Dr. Arnaldo que nos fará esquecer a intervenção que, quer ele, quer os restantantes "tentáculos" - Grupo Santander e Gabinete Camilo Moreira - tiveram e continuam a ter neste atentado ambiental em curso.

Os eleitos da Coragem de Mudar pediram à Câmara todos os elementos referentes à Obra "licenciada". Vamos pois aguardar que isso aconteça e seguramente descobriremos que existirá algo mais gordo  enterrado além do "rabo".

Ninguém está contra o desenvolvimento da nossa terra. Só que isso não pode ser feito a qualquer custo e muito menos, à margem da Lei!





publicado às 13:33

ALFENA - "SERVIÇO PÚBLICO" - 9

Como já se vem tornando um hábito - provavelmente devido ao avolumar do trabalho dos nossos eleitos e que todos podemos constatar(?) - foi adiada a reunião pública do executivo da nossa Junta, que deveria ter lugar amanhã. Assim caros alfenenses, coloquem lá na vossa agenda o seguinte apontamento:

REUNIÃO PÚBLICA do Executivo da Junta de Freguesia de

Alfena:

10-03-2010 às 21,30 horas

 

publicado às 10:43

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D