Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA - O PERÍODO "PALHAULÍTICO"...

Conforme previsto, reuniu ontem a Assembleia de Freguesia de Alfena - o ÓRGÃO MAIOR da nossa Autarquia, apesar da sede de protagonismo do presidente do Executivo e das "concessões" que o presidente da Assembleia lhe faz.  Mais uma vez, foi "mais do mesmo", isto é, inexperiência, erros processuais, insegurança...

Claro que perito como é neste tipo de "habilidades" processuais - os Tribunais são a melhor escola para os "mafiosos" da política - o nosso granítico autarca só podia "brilhar"!

Em vez de reconhecer por exemplo que se está "marimbando" para a Lei, que comete irregularidades, que não respeita a Oposição, ele aproveitou por exemplo uma insignificante omissão na indicação de uma Lei na fundamentação do Requerimento da "Coragem de Mudar", sobre o Relatório do Estatuto da Oposição - que ele não entregou, que ele sabe que tinha de entregar, que ele conhece, porque a própria Câmara o entrega, que ele sabe que é um documento obrigatório por Lei (Artº 10º da Lei nº 24/98 e Artº 34º., nº. 6-i) da Lei nº. 169/99) e que mesmo que não soubesse, nem por isso está dispensado de cumprir - para fazer mais um pequeno número de circo, bem ao seu estilo habitual, aliás!

Claro que todos sabemos que o Dr. Palhau só consegue  "brilhar" porque alguém se apaga ou aceita ficar na penumbra. O Dr. Palhau só "brilha" porque no escuro qualquer minúsculo pirilampo consegue fazer um "vistaço"!

Mas o Dr. Palhau, apesar da falsa segurança que se esforça por aparentar, sabe que corre riscos: Primeiro corroborou a informação do presidente da Assembleia quando justificou a viagem do Dr. Arnaldo com os idosos do passeio sénior como tendo sido um "convidado especial" mas depois, "pensando melhor", veio já fora de tempo dizer que afinal, o convite foi "na qualidade de presidente do Executivo anterior". Ele sabe que o favorecimento de amigos usando dinheiros públicos, é crime! Ele sabe que esse convite - mesmo com a "fundamentação" que apresentou in extremis - deveria ter sido o resultado de uma deliberação em reunião de Junta e não foi...

Quanto às questões colocadas pelo Público... responde sempre não dizendo nada, ou melhor, dizendo (apenas) o que lhe convém!

Afinal, como ele já disse por inúmeras vezes, "a Lei sou eu"!

E talvez seja... Até à próxima deposição na melhor das hipóteses, porque o que ele merece mesmo, é enfrentar o cadafalso - politicamente falando obviamente, para sua tranquilidade!

Já agora, aqui ficam as questões que apresentei no ponto das intervenções do Público e que ele fez questão de responder não respondendo:


ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALFENA – 29 de Setembro de 2010

(Ponto destinado às intervenções do Público)

Uma gestão verdadeiramente transparente do Executivo da nossa Junta de Freguesia e o cumprimento da Lei sobre o direito dos cidadãos no acesso aos documentos da Administração, dispensar-me-ia de ter de formular a questão que se segue.

Mas como quase sempre acontece, as promessas de “fazer mais e melhor”  que quase todos assumem enquanto candidatos e muito poucos cumprem depois de serem eleitos, também em Alfena não passaram disso mesmo – de promessas!

Solicito por isso ao Sr. Presidente da Assembleia de Freguesia – informado que deve estar sobre todos os assuntos e projectos de relevante interesse para Alfena – a resposta para a seguinte questão:

 

1. PROJECTOS DE RELEVANTE INTERESSE PARA ALFENA

a) Tendo em conta os condicionamentos referidos de forma algo vaga na última Assembleia Municipal, qual é o projecto concreto que está neste momento “em cima da mesa” para o espaço destinado às “feiras temáticas”;

b)Sem querer entrar na questão relacionada com os  desenvolvimentos ocorridos na última reunião de Câmara sobre o assunto, gostaria que me indicasse algumas das empresas que já tenham manifestado interesse em se instalar na pretendida zona industrial de Alfena e qual é a capacidade construtiva, se é que conhece, que já está a ser negociada para alguns lotes, com a alegada garantia de aprovação da Câmara num prazo determinado;

c)Depois da moção sobre o assunto apresentada pelos UPA na última Assembleia, qual é a situação actualizada acerca da construção da nova Unidade de saúde Familiar de Alfena e que alternativas é que estão em cima da mesa relativamente a terrenos.

publicado às 10:31

ALFENA E A "FEBRE DO OURO"...

 

Não ficaria de bem comigo mesmo, se não tivesse levado à mais alta instância do nosso poder Municipal - a Assembleia Municipal do dia 27 (onde fomos privilegiados com a promessa do PS local de que iria propor na Assembleia da República a elevação de Alfena à categoria de Cidade) a questão da zona industrial de Alfena.

Uma terra onde a corrupção faz Lei, onde as regras são moldadas "à medida" do clientelismo que gravita em torno do poder local, onde se faz tábua rasa da hidrologia alterando ou encanando ribeiros e linhas de água, onde se altera a morfologia dos terrenos ou se secam "pulmões" ambientais para colocar no seu lugar especulação imobiliária, onde os negócios privados se cruzam da pior forma com o interesse público, não sendo uma Vila saudável, também não vai ser melhor só pelo simples facto de subir a Cidade...


Eis pois a questão colocada no ponto destinado às intervenções do Público:

" No pressuposto de que o nível de informação que esta Assembleia Municipal tenha vindo a receber da parte da Comissão de Acompanhamento da Revisão do PDM e do Executivo da Câmara, seja substancialmente diferente da que tem chegado ao cidadão comum – em total desrespeito aliás, pelo que a  Lei estabelece (Decreto-Lei nº. 46/2009 de 20 de Outubro) que no seu artº. 5º.  nº. 1,  determina que “todos os interessados têm o direito a ser informados sobre a elaboração, aprovação, acompanhamento, execução e avaliação dos instrumentos de gestão territorial (...)” e depois no nº. 3 do mesmo artº. que “as entidades responsáveis pela elaboração e registo dos instrumentos de gestão territorial devem criar e manter actualizado um sistema que assegure o exercício do direito à informação, designadamente através do recurso a meios informáticos” - gostaria de obter os seguintes esclarecimentos:

a) Se a pretendida zona industrial de Alfena e a plataforma logística da CHRONOPOST (em construção) cumprem ou não com os procedimentos e determinações legais - Decretos-Lei nºs. 327/90,  34/99, 55/2007 e ainda a Lei nº. 54/91 ?

(Devo aqui recordar, que esta questão já foi suscitada por um Vereador da oposição em reunião pública de Câmara).

b) No caso deste empreendimento vir algum dia a “ter pernas para andar” conforme pretendem os investidores do grupo Santander e os seus homens de negócios locais (hipótese que, de acordo com os últimos desenvolvimentos, parece estar um pouco mais longe de acontecer) e tratando-se de uma zona industrial, se foi ou não prevista alguma ETAR para aquela zona?

c) Porque nem todos os investimentos trazem valor acrescentado para as populações, quais as empresas que já manifestaram interesse na sua implantação nesta zona – ou será que por enquanto tudo não passa de investimentos imobiliários completamente abstractos? A Lei impõe que o projecto tenha de ser considerado de relevante interesse municipal para se enquadrar no regime de excepção e isso exige obviamente mais detalhes.

A concordância discordância com este ou quaisquer outros projectos do mesmo género, só pode ser suportada por uma opinião bem informada e definitivamente, não é esse o caso.

- Os investimentos são sempre bem vindos e quantos mais, melhor para nós - mas não de qualquer tipo ou a qualquer preço;

- A “baixa” da nossa Vila – Reguengo, 1º de Maio, S. Vicente (junto à Matriz), Várzea, etc. – têm já demasiados constrangimentos em termos de saneamento para comportar mais a enorme sobrecarga que representaria a ocupação daquela área;

- Ou será que mais uma vez se está a contar com o nosso Rio Leça para o seu papel de “ETAR” alternativa?"

 

publicado às 15:29

SERVIÇO PÚBLICO

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE 29 DE SETEMBRO

Pese embora o facto de nos apresentarem um "menu" pouco apelativo, não deixa de ser importante a presença dos alfenenses na Assembleia de amanhã. Isto porque, como se costuma dizer,  "há mais vida" para além da Ordem do dia e, quer o ponto "antes da ordem do dia" (destinado aos Deputados) que o ponto destinado às intervenções do Público (no final) às vezes trazem-nos boas e gratificantes surpresas...

A Ordem do dia é a seguinte:

 

publicado às 21:21

CARTAS NA MANGA...

Ontem foi um dia especial para Alfena!

Duma assentada tivemos a subida honra receber entre nós a mais alta instância do nosso poder Local - a Assembleia Municipal - que resolveu retomar a prática de reunir em cada ano em numa das cinco Freguesias do nosso Concelho e como "prémio" surpresa, mais um número circense do nosso Deputado da Nação (e do Município nos intervalos) o inimitável, o incontornável o impagável José Manuel Ribeiro...

Inegavelmente o Zé Manel é um verdadeiro artista e mais uma vez, não deixou os créditos por mãos alheias:

Primeiro, começou por dirigir a nossa imaginação para uma viagem virtual através dos tempos,  até às raízes históricas de Alfena e quando já estávamos quase todos a entrar em transe, eis que agita a cartola e faz sair, não um coelho como normalmente acontece nestas coisas de espectáculos circenses, mas uma moção no sentido de "iniciar o processo de elevação da Vila de Alfena à categoria de Cidade"!

E como não podia deixar de ser, "exigiu" para o incontornável voto unânime o pequenino complemento de uma aconchegante aclamação!

Portanto, se alguém estava à espera que o Zé Manel viesse para esta Assembleia com o seu característico (pelo menos e este nível autárquico) discurso incendiário e motivador de polémica como é seu costume, desiludiu-se e não teve outro remédio senão levantar a mão na altura do sim e anuir ao  tal suplemento aconchegante de umas sonoras palminhas. Fazer diferente não seria politicamente correcto, embora para os Alfenenses pouca diferença pudesse fazer: os títulos - mesmo admitindo que o proposto pelo Zé Manel, algum dia venha a ser realidade - não enchem barriga nem constroem passeios, nem resolvem constrangimentos mal cheirosos, nem transformam em rio digno desse nome a  "ETAR alternativa" que (ainda) é o nosso Leça.

Mas pronto, tal como existem pessoas para quem o título de Doutor lhes aconchega o ego, também há entre nós alguns autarcas e respectivos satélites que que não vão resistir à tentação de a partir de agora fazerem tudo para ajudar o Zé Manel na difícil tarefa de "levar a carta a Garcia"...

Mas não se fez apenas de óbvia e incontornável unanimidade esta nossa especial Assembleia Municipal.

Também se falou de criminosas negligências - piscina fechada e com caixas de saneamento destapadas à espera que crianças e adultos possam cair lá dentro, falta de passeios, limpeza negligente, falta de saneamento em muitos sítios, etc., etc. - e muitos mais etecéteras...

Falou-se ainda no mega projecto de especulação imobiliária da zona industrial de Alfena, onde o Grupo Santander e seus homens de negócio locais se propõem transformar em ouro as rochas que vão sobrando da também ela mega movimentação de terras que vai acontecendo no alto da Fonte que é de Prata - onde se fazem contratos de venda de lotes com a garantia de licenciamento por parte da Câmara no prazo de 270 dias dos respectivos projectos com a capacidade construtiva de 0,5!

Falou-se ainda na viagem promocional desta Assembleia, proporcionada pelo Dr. Palhau aos Deputados municipais, através do território da nossa Vila e onde nem tudo o que ele disse correspondia à verdade.

E falou-se ainda a propósito disto, de uma habilidade que se lhe desconhecia (ao Dr. Palhau) para fazer batota com "cartas escondidas na manga"!

Foi por tudo isto, uma boa Assembleia, bem guarnecida de alfenenses - que como seria de prever, não couberam na sala - e que constituiu também, uma óptima oportunidade, bem aproveitada por muitos para demonstrar, que o facto de termos uma mesa grande com o Executivo em destaque - menos o Presidente que como (quase) sempre acontece em iniciativas de fim de tarde com risco de entrar noite dentro, deve ter preferido ver as novelas da noite da TVI - não nos inibe da crítica frontal, da recusa da bajulação fácil ou da atitude "puxa-sacos" que alguns esperariam dos alfenenses.

publicado às 16:50

CARTAS NA MANGA...

 

Ontem foi um dia especial para Alfena!

 

Duma assentada tivemos a subida honra receber entre nós a mais alta instância do nosso poder Local - a Assembleia Municipal - que resolveu retomar a prática de reunir em cada ano numa das cinco Freguesias do nosso Concelho e como "prémio" surpresa, mais um número circense do nosso Deputado da Nação (e do Município nos intervalos) o inimitável, o incontornável o impagável José Manuel Ribeiro...

Inegavelmente o Zé Manel é um verdadeiro artista e mais uma vez, não deixou os créditos por mãos alheias:

Primeiro, começou por dirigir a nossa imaginação para uma viagem virtual através dos tempos,  até às raízes históricas de Alfena e quando já estávamos quase todos a entrar em transe, eis que agita a cartola e faz sair, não um coelho como normalmente acontece nestas coisas de espectáculos circenses, mas uma moção no sentido de "iniciar o processo de elevação da Vila de Alfena à categoria de Cidade"!

E como não podia deixar de ser, "exigiu" para o incontornável voto unânime o pequenino complemento de uma aconchegante aclamação!

Portanto, se alguém estava à espera que o Zé Manel viesse para esta Assembleia com o seu característico (pelo menos e este nível autárquico) discurso incendiário e motivador de polémica como é seu costume, desiludiu-se e não teve outro remédio senão levantar a mão na altura do sim e acnuir ao  tal suplemento aconchegante das palmas. Fazer diferente não seria politicamente correcto, embora para os Alfenenses pouca diferença pudesse fazer: os títulos - mesmo admitindo que o proposto pelo Zé Manel, algum dia venha a ser realidade - não enchem barriga nem constroem passeios, nem resolvem constrangimentos mal cheirosos, nem transformam em rio digno desse nome a  "ETAR alternativa" que (ainda) é o nosso Leça.

Mas pronto, tal como existem pessoas para quem o título de Doutor lhes aconchega o ego, também há entre nós alguns autarcas e respectivos satélites que que não vão resistir à tentação de a partir de agora fazerem tudo para ajudar o Zé Manel na difícil tarefa de "levar a carta a Garcia"...

Mas não se fez apenas de óbvia e incontornável unanimidade esta nossa especial Assembleia Municipal.

Também se falou de criminosas negligências - piscina fechada e com caixas de saneamento destapadas à espera que crianças e adultos possam cair lá dentro, falta de passeios, limpeza negligente, falta de saneamento em muitos sítios, etc., etc. - e muitos mais etecéteras...

Falou-se ainda no mega projecto de especulação imobiliária da zona industrial de Alfena, onde o Grupo Santander e seus homens de negócio locais se propõem transformar em ouro as rochas que vão sobrando da também ela mega movimentação de terras que vai acontecendo no alto da Fonte que é de Prata - onde se fazem contratos de venda de lotes com a garantia de licenciamento por parte da Câmara no prazo de 270 dias dos respectivos projectos com a capacidade construtiva de 0,5!

Falou-se ainda na viagem promocional desta Assembleia, proporcionada pelo Dr. Palhau aos Deputados municipais, através do território da nossa Vila e onde nem tudo o que ele disse correspondia à verdade.

E falou-se ainda a propósito disto, de uma habilidade que se lhe desconhecia (ao Dr. Palhau) para fazer batota com "cartas escondidas na manga"!

Foi por tudo isto, uma boa Assembleia, bem guarnecida de alfenenses - que como seria de prever, não couberam na sala - e que constituiu também, uma óptima oportunidade, bem aproveitada por muitos para demonstrar, que o facto de termos uma mesa grande com o Executivo em destaque - menos o Presidente que como (quase) sempre acontece em iniciativas de fim de tarde com risco de entrar noite dentro, deve ter preferido ver as novelas da noite da TVI - não nos inibe da crítica frontal, da recusa da bajulação fácil ou da atitude "puxa-sacos" que alguns esperariam dos alfenenses.

publicado às 16:50

SERVIÇO PÚBLICO - ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE VALONGO

Finalmente, parece que Alfena começa a estar no mapa...

Bem sei que por enquanto, foi só a Assembleia Municipal que resolveu brindar-nos com a sua presença na próxima segunda-feira, mas tem de se começar por algum lado...

Segue-se a Convocatória - e uma adenda de última hora...

Vai ser "quentinho" o ponto destinado às intervenções do público - que no caso da Assembleia Municipal, é logo no início.

 

 

 

 

 

 

publicado às 22:48

ALFENA - IRMÃOS DALTON FALHAM ASSALTO À "FONTE DA PRATA"

NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA: As forças da ordem (um "pelotão" misto de tropas da unidade local do PS e do Grupo Coragem de Mudar), enfrentaram hoje no campo de batalha da Avenida 5 de Outubro em Valongo com êxito, o grupo de assaltantes a soldo dos conhecidos irmãos Dalton de Alfena que mais uma vez - será que a última? - tentaram tomar de assalto o "alto da Fonte da Prata" nesta Vila do Concelho de Valongo.

Diz quem assistiu, porque a batalha não foi pública, que o grupo tinha apoio aéreo de uma espécie de nave espacial (ou OVNI), mas nem isso lhes valeu: Foram derrotados em toda a linha.

(Lembro algo que já escrevi sobre este mesmo assunto: AQUI e também AQUI).

Mais pormenores nas edições diárias de amanhã e também nos relatos resumidos das sessões da CMV - vulgo Actas.


Post-scriptum: a propósito, vale a pena recordar a "declaração de guerra" de uma das forças "beligerantes" e publicada pelo JN, exactamente no dia da contenda - ver recorte à esquerda...


E porque um Post-scriptum nunca vem só, aqui vão mais duas achegas - que provam também, que o facto de termos um inimigo comum não nos transforma automaticamente em amigos:


DECLARAÇÃO DE VOTO

Perante os pedidos de alteração do uso do solo para terrenos sitos no Município de Valongo, de 09.06.2010 e 17.09.2010, agregados num mesmo processo, com o nº (68) 2009/105, e considerando:

A inoportunidade das referidas pretensões numa altura em que está em fase de conclusão o processo de revisão do PDM de Valongo, cuja proposta, tanto quanto se sabe, não inclui qualquer alteração de uso do solo para aquela zona;

Que se mantém negativo o parecer da CCDR-N relativamente a um processo semelhante, para uma zona próxima, de alteração pontual do PDM (do uso do solo de REN para urbano), que em 2008 foi aprovado nesta Câmara, com 2 votos a favor e 7 abstenções, e cujo desfecho se mantém incerto;

  1. Que o processo em causa não traz qualquer parecer favorável, nem da comissão de acompanhamento da revisão do PDM, nem da equipa que está a proceder à alteração do PDM, nem do Departamento Municipal de Planeamento e Gestão Urbanística;
  2. Que também não acompanha o processo qualquer relatório onde estejam definidos os objectivos estratégicos para o concelho a prosseguir com a revisão do PDM, que é competência exclusiva da Câmara Municipal, nem qualquer fundamentação, seja de que natureza for, que possa justificar a excepção que é solicitada, como aliás propugna o douto parecer jurídico que acompanha e é parte integrante do supra-citado processo;
  3. Por outro lado, não há qualquer avaliação, ligeira que seja, dos impactos ambientais que poderiam decorrer da alteração do uso de solo que é solicitada, e os seus efeitos numa estrutura biofísica que integra o conjunto das áreas que, pelo valor e sensibilidade ecológicos ou pela exposição e susceptibilidade perante riscos naturais, são objecto de protecção especial, tal como estabelece o regime jurídico da REN, no art.º 2º nº 1 do Dec.-Lei nº 166/2008;
  4. Tratando-se de zona de produção florestal, de elevado risco de incêndio, falta, também, a devida informação sobre a ocorrência de incêndios florestais nos últimos 10 anos, para conformar a deliberação com o disposto no Decreto-Lei nº 327/90, de 22 de Outubro, cujo desrespeito, aliás, conduziria à nulidade da deliberação;
  5. Pelo atrás exposto não se vislumbra que razão ou razões assistiriam à Câmara para beneficiar alguns cidadãos em detrimento da restante comunidade, sem que se descortine que vantagens advirão daí para o Município, quando, simultaneamente, assiste impávida e serenamente à “morte lenta” da ZIC, nada fazendo – e podendo fazer – para evitar a especulação dos preços dos terrenos;
  6. Porque deliberações com o alcance da que ora está submetida à Câmara não devem ser “intuitu personae” mas devidamente alicerçadas numa estratégia que, diga-se em abono da verdade, nunca este executivo foi chamado a definir;

Os Vereadores eleitos pela CORAGEM DE MUDAR votam CONTRA o pedido de alteração do uso do solo para terrenos sitos no Município de Valongo, constante do processo, com o nº (68) 2009/105.

 

Valongo, 23 de Setembro de 2010

Os Vereadores eleitos pela CORAGEM DE MUDAR


Declaração Política

Os Vereadores eleitos da Coragem de Mudar, que hoje votaram contra a proposta de alteração pontual do PDM presente a reunião da Câmara Municipal de Valongo, fazendo-o unicamente baseados nos argumentos contidos na declaração de voto escrita que entregaram, não podem deixar passar em claro, quer a notícia hoje publicada no JN, da “autoria” do líder concelhio de PS, quer a declaração que o mesmo, na qualidade de líder do grupo parlamentar do PS na Assembleia Municipal de Valongo, proferiu sob a capa de declaração de voto na passada 2ª feira.

Em ambas as declarações, o líder do PS de Valongo, cuja necessidade de auto-promoção raia o descaramento e cuja honestidade política tarda em ser demonstrada, vem acusar o executivo – supomos, sem nenhuma certeza, que exclua os vereadores do PS – da prática de eventual “crime público”, que no seu comunicado de ontem ousa referir como “crimes de tentativa de corrupção, peculato e participação económica em negócio”, sendo que na declaração da passada 2ª feira, atribui à Coragem de Mudar a co-autoria dessa prática, cuja denúncia à PJ e ao Ministério Público o mesmo autor garante.

Ora, ou o Dr. José Manuel Ribeiro quer ser admitido como pessoa responsável e, então, deve já, sem qualquer hesitação, entregar as provas de que disponha às autoridades judiciárias competentes, sendo que a demora na denúncia o colocará sob a eventualidade de encobridor de tais crimes ou, como é certo, tal personagem não tem prova de coisa nenhuma e, neste caso, as suas afirmações constituem, elas próprias, a prova da prática do crime de difamação.

Face à posição de voto hoje assumida pelos Vereadores da Coragem de Mudar, restar-lhe-á, em nome da honestidade intelectual que lhe cabe demonstrar ser titular, um público pedido de desculpas, cuja boa oportunidade será a Assembleia Municipal que terá lugar na próxima 2ª feira, dia 27/9/2010.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 15:57

CP - UMA EMPRESA NO TOPO DO... ABISMO!

CP é a empresa pública com maior número de chefes por trabalhador

Um chefe para 16 trabalhadores. É este o rácio que se encontra na CP, a empresa pública portuguesa com mais cargos de comando: 196 chefes para 3.200 trabalhadores. Em média, cada responsável ganha 3.500 euros.

O Diário Económico fez as contas e avança que a CP gasta quase um milhão de euros por mês, em salários com estes chefes: 700 mil em remunerações propriamente ditas e cerca de 100 mil euros em despesas de representação (...)

A BOLA - hoje


 

Pois...

E como o sonho de qualquer "novo proletário" corrompido pelo capitalismo, é chegar a chefe, não tardará nada, este rácio estará perfeitamente ultrapassado - quiçá, um chefe por cada "trabalhador"!

Talvez seja exactamente isto o que se chama ter uma "empresa de topo"...

Já agora, também não considero muito justo destacarmos apenas este mau exemplo, uma vez que temos tantos e bem "melhores" maus exemplos por esse País fora a nível do Sector Público, dos Institutos Públicos, da Administração Central e Local - desde logo, o número de Deputados e respectiva produtividade, o número de Ministérios, Secretarias e respectivos assessores, o número de Câmaras Municipais, etc., etc.

Como já disse - acho que me estou a tornar algo repetitivo - talvez a (única) solução para o mal, passe por um novo 25 de Abril mas feito como deve ser, agora que até já temos as Pandur em vez das velhinhas Chaimite para conduzir o Sócrates - ou quem lá estiver na altura - de S.Bento até ao aeroporto!

publicado às 09:59

INFESTANTES...

 

O pretendente ao trono, quer acabar com a necessidade de invocar a "justa causa" para poder despedir - não será bem isto, mas anda lá próximo...

O outro, "aqui del-rei" que não, porque se trata de um princípio sagrado do Estado socialista que defende (!) e acabar com ele, só por cima do seu cadáver - se calhar, é por isso mesmo que ele já é há imenso tempo um putrefacto e nauseabundo "cadáver político"...

Como eu os percebo e às suas "guerrinhas de alecrim e manjerona", onde parece que cada um fala de coisas diferentes (pelo menos tentam fazer com que acreditemos nisso)!  Porém, se atentarmos melhor no que dizem e se nos abstairmos dos floreados ou figuras de retórica de que cada um usa e abusa, facilmente concluimos que bebem na mesma "cartilha" a inabalável fé no valor supremo e absoluto do capitalismo selvagem que nos conduziu a todos a este estado de pré-bancarrota que antecede a próxima chegada dos algozes do FMI que não tardarão aí para imporem a inevitável dieta de emagrecimento (!) às escanzeladas vítimas de sempre!

O candidato ao poleiro quer assegurar, que quando vier a ser primeiro ministro, estará em condições de garantir aos grandes grupos empresariais com que conta para alavancar a sua ascensão, que não terão mais nenhum impedimento no que toca à total mobilidade da força de trabalho.

Quanto ao actual titular, prefere continuar a fazer-nos crer que a proliferação dos vínculos precários e o sistemático recurso à contratação a termo onde os direitos são meros pró-forma, representa algum impedimento em relação ao despedimento sem a tal "justa causa" que diz defender!

Depois, falam em "estado social" versus "liberdade de escolha", como se à cada vez mais ampla classe dos desfavorecidos  deste País coubesse alguma liberdade na altura de mandar os filhos para a escola, ou de ter de recorrer ao hospital ou unidade de saúde em caso de doença ou acidente!

Se querem continuar com o teatrinho de má qualidade em que transformaram nos últimos meses o essencial das suas vidas isso é lá com eles, mas pretenderem que continuemos na plateia como meros figurantes a assistir ao espectáculo deprimente com que nos têm vindo a entreter, isso já é pedir demais!

Como diz o Povo, "para grandes males, grandes remédios" e se a praga de infestantes em que esta gente se transformou não pode ser debelada de outro modo, então só nos resta recorrer aos químicos habituais nestas circunstâncias...

publicado às 13:41

SEMANA DO CARAÇAS!

 

 

Foi o governo a inaugurar oficialmente com pompa e circunstância, "aquela coisa" vagamente parecida comum dirigível, mas para andar fundamentalmente debaixo de água - eu confesso que ainda cheguei a alimentar uma ténue esperança de que o "objecto" viesse com algum defeito de fabrico do género das Pandur do Exército e que nos permitisse devolvê-lo à procedência, evitando a tragédia que a factura vai representar para todos nós...

Mas não! Parece que chegou em ordem, para mal das gerações futuras e como um mal nunca vem só, não tarda nada, teremos aí mais um irmão para alegria dos nossos marinheiros de água doce - agora que até debaixo de água já vão ter direito a cabine de duche e a cama individual, em vez dos anteriores sistemas do "banho à preguiçoso" e da "cama quente" (Barracuda, Albacora...).

Já não serão portanto apenas os nossos filhos, mas também os filhos dos filhos dos filhos dos nossos filhos, a terem de fazer pela vida para pagar a monumental factura!

Foi ainda a constatação uma vez mais (com a história do acórdão do Processo Casa Pia) de que a nossa Justiça está longe de estar preparada para deixar de "abater árvores" passando a apresentar os seus documentos em "liguagem Microsoft" - sim, porque pela ajuda que lá foi dar um técnico da referida Organização, imagino que não se tratasse de nenhum programa da concorrência e muito menos, nenhum "open source" o causador de tão lamentáveis contratempos com o famigerado acórdão!

Depois, assistimos ao longo de várias sessões ("Prós e Contras", "Grande Entrevista" etc.,) ao trabalho de "reabilitação de imagem" de Carlos Cruz, feito a expensas do Povo - o Canal Público é pago por todos nós - e à revelia de todo o sentido do decoro e do bom senso.

Ficaram (muito) "mal na fotografia" José Alberto Carvalho e Judite de Sousa e ficou também mal (por omissão) a Igreja Católica por autorizar "processos de canonização" feitos à sua revelia, mas enfim, se a RTP resolveu escolher um "santo com pés de barro" para colocar no (seu) Altar, que é que nós podemos fazer - para além de continuarmos a acreditar vagamente no papel da ERC e do Provedor do Cliente?

Bem... e como as semanas más são sempre longas, houve ainda tempo para vivermos apaixonadamente (?) a "tragédia" - para o próprio - da demissão de Carlos Queiroz de seleccionador Nacional...

Como é evidente, perfilam-se já na corrida ao lugar deixado vago, cerca de 10 milhões de candidatos!

Por último e como uma espécie de cereja em cima do bolo - no "pior sentido" obviamente - veio a derrota do Benfica frente ao Guimarães - "nefasto" acontecimento que a Nação viveu (?) de forma intensa e apaixonada e que só encontraria paralelo - em termos de "tragédia" - na vitória do Porto frente ao Braga no último dia da semana - ontem portanto...

Semana do caraças!

publicado às 09:31

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D