Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

"RECARGA" POR INDUÇÃO...

 

Li algures, que já tinham inventado um carregador que funciona por indução electromagnética e que dispensa portanto, as ligações físicas – por enquanto, apenas para telemóveis.

Percebo o esforço que tem vindo a ser feito, visando pôr um pouco de ordem e de normalização nesta selva em que nem sequer ao nível de cada marca se conseguiu resolver o problema da diversidade de modelos – quase tantos quantos os dos respectivos telemóveis.

Estranha associação de ideias remete-me para os processos de "acoplamento" na vertente humana e que pode assumir também, múltiplas formas e diferentes modelos...

Claro que neste caso, existe desde logo uma diferença substancial: Os “emissores” são ao mesmo tempo “receptores” e o carregamento é bidirecional, sendo cada um dos elementos uma espécie de “moto-contínuo” pela metade, isto é, a energia “perpétua” que vai gerando, serve apenas o outro, que por sua vez no-la devolve ao mesmo nível.

Sempre que um dos lados se torna deficitário, o outro tenta reforçar o nível de emissão por forma a aumentar na mesma medida o retorno, sendo que em muitos casos em que esse deficit não consegue ser superado, se tentam “ligações múltiplas” com vista à reposição do nível de auto satisfação, as  quais regra geral – nas sociedades evoluídas pelo menos – são penalizadas socialmente.

Acresce ainda o facto de neste caso o sistema ainda funcionar da forma tradicional,  isto é, com ligações físicas, sempre mais expostas ao risco de colapso ou danificação severa. Talvez por isso mesmo, a importância que adquirem os avanços noticiados na área dos telemóveis.

Será que a “recarga” obtida (apenas) pelo interface visual ou táctil virá num futuro mais ou menos próximo a ser suficiente para a reposição dos níveis de auto satisfação humana?

Uma análise simplista dir-nos-ia imediatamente que não, mas a verdade é que os emissores/receptores da nova geração humana têm vindo a evoluir (ou involuir?) de forma tão rápida, que não me admiraria nada que um dia destes, o simples contacto online através de uma qualquer rede social, Messenger,  Skype ou outro, venha a garantir a recarga necessária.

publicado às 13:24

PJ INTERROMPE PROCESSO DE "FOSSILIZAÇÃO" EM ALFENA...

Ainda a propósito da notícia do JN acerca das buscas da PJ na Junta de freguesia de Alfena, chegou a altura - assentada já um pouco a "poeira" que então se levantou - de repescar o título da mesma:

Pelo prestígio do próprio Jornal, do qual além do mais me confesso leitor mais ou menos fiel, nunca me passou sequer pela cabeça, que pudesse existir da parte do JN algum interesse em minimizar o impacto da referida notícia - diria até que antes pelo contrário - mas o que é facto é que esse efeito existiu objectivamente e pior do que isso, beneficiou os presumíveis responsáveis pelas eventuais ilegalidades que são alvo da investigação noticiada.

Como já tive oportunidade de dizer, apesar de algumas situações surrealistas a que por vezes assistimos, envolvendo a nossa Justiça, não é minimamente crível que um Juiz pudesse sequer aceitar discutir - quanto mais autorizar - uma busca daquele género, envolvendo o encerramento de uma autarquia com a suspensão do atendimento público, a recolha para análise posterior, de diverso equipamento informático e vários dossiers, (apenas) para aceder a um insignificante "protocolo sobre cedência de uma carrinha"contido em duas páginas A4 mal cheias!

Mas pior que isso - e aqui o meu JN não fica tão bem na fotografia, como um leitor fiel gostaria que ficasse - é que a referida notícia foi redigida até à meia noite do mesmo dia das buscas e da recolha dos computadores e informação diversa que duraram até ao final da tarde e não tendo a PJ promovido nenhuma conferência de imprensa no final - até porque o "material" recolhido não podia ainda ter sido nem sequer sumariamente, analisado - o título carece de rigor e de consistência, deficiências a que o próprio corpo da notícia dá sequência e aprofunda mesmo.

É óbvio, que se o meu JN quiser investigar melhor este assunto - como aliás, no seu próprio interesse se impõe que faça - descobrirá que neste caso aparentemente banal e alegadamente empolado por uma oposição complicativa, verificará que excepcionalmente, "a montanha não terá parido um rato": No mínimo, terá ocorrido um "desabamento" controlado, na sequência do qual, terão ficado expostos alguns "esqueletos" que foram levados para posterior e mais aprofundada análise.

Parece no entanto existir por aí (no nosso burgo e não só) quem não goste muito do termo "esqueletos no armário". Segundo eles, a frase em si mesma induzirá logo à partida a ideia da prática de um qualquer crime...

Ora bem... A esses, lamento muito se os surpreendo, mas é nesse mesmo sentido que eu a aplico: A prática reiterada de vários crimes, com contornos e dimensões diversas, os quais merecem ser convenientemente investigados e punidos.

Por isso e pese embora a "absolvição em primeira instância" da Junta de freguesia de Alfena - por parte do JN - segue-se inevitavelmente o "recurso" para a "Justiça de Direito" - antes que os "esqueletos" virem fósseis...

publicado às 17:25

PORTUGUESES! TODOS À "PRAÇA TAHIR" EM LISBOA, EM FORÇA!

Às vezes interrogo-me sobre o que é que fará falta às Forças Armadas de Portugal para tomarem de novo o poder, decretarem o "estado de sítio", deterem todos os governantes até ao nível de secretário de Estado e colocarem os restantes em prisão domiciliária até ao seu julgamento sumário em condições a definir, suspendendo a Constituição e convocando de imediato e para a data mais próxima possível, eleições para uma nova Assembleia com poderes Constituintes...

Afinal, perdemos a soberania - não para um qualquer Estado invasor, mas para o grande capital especulativo internacional - temos a maioria do Povo a viver abaixo do limiar da pobreza, temos uma Justiça que funciona mal e que nunca condena aqueles que fazem parte do circulo do poder, que protege e absolve os criminosos e condena os polícias e agentes das forças da ordem, temos um sistema político que deixou de ter em conta o País real e que mandou às malvas os interesses do seu Povo passando a representar (apenas) os dos grandes grupos económicos e financeiros e os dos "boys" por eles indicados para a maioria das instâncias de poder... Afinal, já não temos quase nada daquilo que há muitos anos atrás se considerava o "cimento" capaz de manter unido um qualquer País!

Ah! E para que não se corra o risco de "virar o disco e tocar o mesmo", o actual esquema eleitoral deverá ser completamente reformulado, acabando-se com o monopólio dos partidos políticos, abolindo-se - não reduzindo, mas abolindo mesmo - o financiamento desses mesmos partidos e também das candidaturas, mesmo que "independentes", para outros orgãos de poder, reduzindo-se ao mesmo tempo o número de circulos eleitorais e estabelecendo de uma vez por todas a possibilidade dos circulos uninominais, para além de limitar a metade - ou talvez menos um pouco - o número de Deputados.

Os novos Constituintes deverão ainda ser previamente direccionados para um certo número de parâmetros fundamentais, dos quais não poderão nunca sair, com destaque para os seguintes ligados especificamente ao Poder Local:

- Abolição de todas as Câmaras Municipais;

- Criação de um número de Regiões administrativas que correspondam o mais fielmente possível, aos interesses específicos das pessoas que nelas vivam;

- Redução do número de Juntas de freguesia para dois terços das actuais, reforçando por outro lado os seus poderes e a sua capacidade de decisão a nível dos respectivos Órgãos Regionais;

E se para que os militares se decidam a avançar, fizer falta - claro que faz falta! - a ajuda do Povo, podemos começar a preparar desde já a nossa "Praça Tahir", algures em Lisboa e o "nosso lado da barricada" - sim, porque todos sabemos que estes, tal como todos os governantes corruptos que existem por esse mundo fora, também terão os seus apoios, os seus "polícias à paisana" a fingir de Povo, os sabotadores, os infiltrados...

publicado às 13:40

"LIMPAR ALFENA"...

Afinal ao que parece, a visita da PJ a Alfena não passou de uma das muitas acções em curso da conhecida campanha "Limpar Portugal"!

Segundo nos informaram, esta demorada e robusta - para a nossa modesta dimensão - operação de busca, vem na sequência de idênticas acções de que ouvimos falar todos os dias - SMAS de Almada, Câmaras Municipais de Vila Real, Carregal do Sal, Ourém, Setúbal, Odemira, Maia, etc., bem como de várias Juntas de freguesia e outros Organismos ligados ao poder Local.

Será portanto, uma acção de cariz meramente ambiental - que a nossa PJ também tem o dever cívico de ajudar nesta área...

Há porém entre nós muito boa gente - aquela que por sistema está sempre propensa a retirar ilações menos inócuas, sobretudo quando são os nossos autarcas locais a serem o alvo das atenções da nossa Justiça - que acha que este raid assentou num modelo à escala das famosas operações "Mãos Limpas" de Itália.

Por mim, como "não alinhado" opto por uma "terceira via": embora ambas as hipóteses avançadas comportem uma razoável componente "higiosanitária" com a qual me identifico eu acho que se tratou da primeira fase daquela operação especial anunciada numa Reunião pública de Junta - "Limpar Alfena"- e que por razões que se desconhecem, nunca mais avançou.

Ora este tipo de incumprimentos, além de ser lamentável, pode também indiciar coisas mais graves - "será que não limpam, com medo do que pode ficar a descoberto?" - e vai daí a PJ optou pela antecipação, numa eventual triagem preventiva antes que os donos da casa começassem para aí a incinerar indiscriminadamente o lixo da casinha de bonecas.

Esta á obviamente uma opinião que não assenta em nenhuma base científica e só mesmo as explicações que a seu tempo vão ser dadas pelo Ministério Público permitirão saber o que verdadeiramente esteve em causa nesta visita - apesar da "não incriminação" da nossa Junta "decretada" pelo JN, a nível da Justiça as coisas passam-se apesar de tudo, de forma bastante mais rigorosa!

publicado às 13:25

VALONGO - "OPERAÇÃO MÃOS LIMPAS"

Sabemos que o executivo da Câmara anda atarefado às voltas com a reformulação do "plano de saneamento financeiro" que a oposição chumbou recentemente.

Sabemos que as condições postas por uma parte dessa mesma Oposição para  sequer equacionar a aprovação de uma qualquer versão revista e corrigida deste plano, são difíceis, implicam compromissos também difíceis de tomar e sobretudo, implicam que o "pai do monstro" se chegue à frente e diga o que tem de ser dito: "estamos numa situação de descalabro financeiro e a responsabilidade pela mesma,  é inteiramente minha".

Por alguns ecos que nos chegam do "interior do reduto", os estrategas estão como dizia o outro, "a trabalhar 24 horas por dia e às vezes também à noite" e a darem o seu melhor para "dourar a pílula" que tudo indica, se preparam para engolir...

Faz por isso todo o sentido que nos questionemos relativamente ao que será melhor para os Valonguenses: Se a aprovação da tal "versão amarga" do referido plano - admitamos até que com a quase totalidade das condições impostas pela Coragem de Mudar - ou se pelo contrário, conhecendo nós como conhecemos Fernando Melo, perito em contornar todas as possíveis e imaginárias diminuições de poder que lhe venham a ser impostas, não seria preferível romper definitivamente com esta indefinição de "nem o pai morre nem a gente almoça" e criar as condições para a entrada do "FMI" (as Finanças) previsto na Lei das Finanças Locais...

É que se assim não for, é seguro que de uma forma ou de outra, iremos continuar a assistir ao autêntico festim que conduziu à actual crise, porventura com mais cautela, menos exposição e algumas manobras tácticas de ocultação: O uso e o abuso dos cartões de crédito, da atribuição de "viatura de serviço" a todos os "boys and girls" e "afilhados", execução de obras de fachada condicionadas pelos momentos eleitorais, continuação do recurso sistemático aos contratos por ajuste directo...

Além do mais, é muito mau presságio para o futuro de qualquer "plano de saneamento financeiro" constatarmos que o nosso "mais dilecto de todos os Vereadores" já anda no terreno - no terreno empresarial, obviamente - a dar o referido Plano como adquirido e a ganhar alguns credores da Câmara para abdicarem "solidariamente" de uma "pequena percentagem" dos seus créditos a qual alegadamente serviria para custear algumas "operações de desbloqueio" (?)


PS: Ah! E tal como há pouco mais de um ano atrás o anúncio da sua "morte" foi obviamente excessivo, também a sua auto-promoção (junto das "forças vivas") como "futuro presidente de Câmara" o é...

 

publicado às 21:04

ALFENA - "GATO ESCONDIDO COM RABO DE FORA"...

Bem... Agora que a "poeira" já assentou, talvez vá sendo tempo de o nosso presidente de Junta vir a terreiro explicar (minimamente) o que se passou de facto com a operação de buscas da PJ.

Isto, porque o que até aqui tem sido avançado pelo Executivo, se destina (apenas) a convencer meninos do ensino básico e não a alfenenses adultos e com direito a voto.

Senão vejamos:

Como é que estes alfenenses adultos vão poder acreditar que 6 (seis) polícias tenham vindo passar quase um dia na sede da Junta de freguesia, mandando encerrar o atendimento público, tenham vasculhado tudo com a ajuda de dois especialistas em informática, tenham levado consigo computadores e vários arquivos em papel e outros documentos,  trabalho este que teve de ser previamente autorizado por um Juiz e tudo isto, à procura de um simples "protocolo de cedência de uma carrinha" - protocolo aliás, que não corresponde à "verdade dos factos" como a seu tempo se comprovará - composto por duas folhas A4?

É evidente que - tal como escrevi no post anterior - existiam muitos mais "esqueletos no armário" quando a PJ ali chegou e o melhor que o nosso presidente tem a fazer, é dizer desde já o que tem de ser dito, sendo que muitas das situações até não o envolverão directamente, ou então passará a ser conivente no encobrimento das mesmas.

Há uma coisa que tanto ele como os "especialistas" da Junta deveriam saber: Um computador é sempre um "ser" muito traiçoeiro e quando pensamos que o temos dominado, mudo e calado no que toca às relações que com ele vamos tendo ao longo dos tempos, eis que de repente aparece um especialista qualquer, com um ar lunático em que ninguém acredita, que sem grande esforço aparente, acaba por descobrir uma qualquer "peúga com chulé" ou outra peça mais íntima esquecida por ali que nos deixa com aquele ar comprometido e sem graça.

Repito a mesma frase que já citei no post anterior: "nós sabemos que ele (presidente) sabe que nós sabemos" mais do que aquilo que tem vindo a público!

publicado às 14:26

ALFENA - MAIS "ESQUELETOS NO ARMÁRIO"...

Os comentários que tenho vindo a receber neste modesto espaço - muitos deles pelo menos - suplantam muitas vezes a importância do conteúdo dos meus artigos e quando assim é, acho que o espaço que lhes está reservado torna-se demasiado exíguo e discreto para que fiquem confinados ao mesmo.

É o caso do texto que se segue, deixado pelo meu querido amigo Sr. Silva Pereira, exactamente na zona dos "comentários" mas que eu decidi - espero que não se importe - "puxar" cá para cima.

Como podem ver, é uma abordagem lúcida e detalhada - quase "radiográfica" - relativamente ao "pequeno caso" do protocolo da carrinha ao serviço da Junta e sobre o qual, segundo a versão do presidente do executivo, incidiu a busca da Polícia Judiciária ontem efectuada.

Parafraseando uma frase engraçada, "nós sabemos que ele sabe que nós sabemos" que havia mais - muitos mais - "esqueletos nos armários" da Junta.

E também sabemos, que apesar dos "ratos" continuarem por ali - por cima das mesas e a funcionar - terão sido seguramente detectados alguns "gatos escondidos com o rabo de fora"...


Então aqui vai o texto:

 

"Independentemente da bondade do acto subjacente a este protocolo, a sua efectivação levanta-me algumas dúvidas, a saber:

1. O protocolo é celebrado entre a «Freguesia de Alfena» e o Sr. A.P.G., a primeira “representada pelo seu Presidente, Sr. Arnaldo Pinto Soares”.
Ora, que se saiba, o Sr. Arnaldo Pinto Soares não era, nem nunca foi, Presidente da Freguesia, mas sim Presidente da Junta da Freguesia, o que não é exactamente a mesma coisa. Pode parecer uma esquisitice mas não é tal, porque, não existe a primeira figura e as competências da segunda constam da Lei.

Ora, no conjunto destas competências, próprias ou delegadas, não encontrei a possibilidade de celebrar protocolos com particulares.

2. Sucede, também, que o Sr. A.P.G., à época, não era um simples particular, antes era Vogal da Junta, conforme consta do site (ver em Junta»Executivo»Anteriores»Eleição Intercalar).

Assim, constata-se que o Presidente da Junta de Freguesia, em representação da Freguesia, não tendo competências para o fazer, celebrou um protocolo com um Vogal da sua própria Junta. Por sua vez, a Junta, onde se incluía o Vogal referido, terá (digo terá, por ausência de elementos de análise) delegado no seu Presidente a possibilidade de celebrar esse protocolo, decidindo em causa própria. Enfim, uma trapalhada de todo o tamanho.

3. Obviamente não é por acaso que a Lei não considera a possibilidade de realização deste tipo de acordos e, muito menos, entre membros do mesmo Executivo.

3. Todavia, este tipo de procedimento é frequente nas autarquias em que a Assembleia de Freguesia não exerce a sua função de vigilância, convencendo-se o Executivo e, sobretudo, o respectivo Presidente, de que tudo lhes é possível.

4. A solução deste e doutros casos semelhantes passa pela transparência das decisões. Devia o Executivo ter levado, para autorização, à Assembleia de Freguesia, o projecto do Protocolo, evitando decidir em causa própria. A transparência do acto abonaria, inequivocamente, a bondade da oferta.

5. Deixo, ainda, uma pergunta: teria o Sr. Presidente, ao menos na sua Informação Escrita, referido este protocolo?

 

publicado às 22:35

ALFENA - "CÉU LIMPO E VENTO FRACO DO QUADRANTE SUL"...

Claro que está tudo dentro da Lei, que o protocolo é regular - já agora, qual é o artigo da Lei em que se refere que as Juntas podem celebrar este tipo de protocolos com privados? - que as despesas da carrinha estão a ser pagas pela Junta apenas desde Abril de 2009...

Claro que a "visita" da PJ tem apenas a ver com o facto de esta não ter ontem mais nada para investigar e ter resolvido vir até Alfena passar umas horitas e conversar sobre transparência na gestão autárquica...

Mas claro que também sabemos, que este tipo de comentários por parte de todos os visados por investigações da Polícia, têm o "valor facial" que têm!

E seguramente que a muito breve prazo, saberemos tudo o resto que por agora, nem o JN, nem a Polícia e muito menos ainda os nossos dinâmicos autarcas podem dizer...

Mas já agora, aquilo que eu acho que merece ser destacado nesta notícia do JN, é o título da mesma - "Buscas em Alfena não incriminam Junta"!

Meu caro Nuno Silva, eu sei que não podia escrever mais do que aquilo que escreveu e aquilo que escreveu, obteve-o da única fonte de informação disponível - o actual Presidente da Junta, Dr. Rogério Palhau - mas daí a "extrair" a mesma conclusão, que ele por razões óbvias extraiu...

É que como todos sabemos, no final de uma busca deste tipo, a PJ não dá uma "conferência de imprensa" a dizer se encontrou ou não, provas de algum crime!


 

PS: Ah! Já me ia esquecendo de referir a deliciosa citação do Dr. Rogério Palhau - " (...) eventuais contrapartidas para o morador que cedeu a carrinha(...)".

É que o morador em questão, é um dos cinco membros do actual Executivo da Junta!

publicado às 10:57

TIC-TAC...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tic-tac-tic-tac...

Pum (ou traque)

E um baque!

Do pelintra de fraque

A ter um piripaque

À porta do bricabraque

Chilique ou achaque

Mal soube do Xeque-mate

E do fim do empate

Reanimem o disparate

Levem-no com a claque

No eco smart

(ou  eco Cadillac)

À porta de embarque

Antes que o País de araque

Fique todo a Prozac

Tic-tac-tic-tac

Pum (ou traque)

Último baque!

 

(Tudo isto fará mais sentido no dia em que a “moção de censura” a Sócrates for finalmente aprovada - presume-se que ainda este século...)

publicado às 14:53

PJ FAZ BUSCAS NA JUNTA DE FREGUESIA DE ALFENA...

 

A Junta de Freguesia de Alfena está neste momento a ser alvo de buscas por parte da PJ.

Chegaram, identificaram-se e pediram para fazer sair alguns fregueses que estavam a ser atendidos e fechar as portas.

Do exterior, consegue-se ver a roda viva, com os computadores a serem pesquisados, pastas e arquivos a serem retirados dos armários...

Como "não há fumo sem fogo" e uma busca destas pressupõe já muito trabalho de rectaguarda por parte da Polícia, aguardemos.


 

PS-1: Parece que a coisa é grave...

Nem deixaram os funcionários ( e presumo que também os autarcas) irem almoçar a casa!

A meio da tarde, abriram ao público, mas as buscas continuavam...


 

PS-2:

Comentário possível: Para um simples protocolo celebrado com um particular - e a Junta pode celebrar este tipo de "protocolos"? E podendo, levou o mesmo à Assembleia de Freguesia? - mas dizia eu, para um simples protocolo, a visita demorou bastante...

Será que a PJ procurava o original e não o "facsimil" que me foi entregue há tempos? Ou será que não existe mesmo "original" e o tal do "facsimil" é mesmo um "original" inventado?

Ufa! Com tantas interrogações, acho que já me perdi...

Ou me engano muito, ou ainda ouviremos falar muito sobre esta "visita"...

Pena é que Alfena comece a ser conhecida (apenas) pelos piores motivos!

publicado às 11:17

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D