Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - "VIOLADORES" COMPULSIVOS...

Não vão ser fáceis os tempos que se avizinham para os membros do executivo da nossa Câmara, habituados como estavam a gastar "à tripa forra", pagando promessas eleitorais, favorecendo correligionários e amigos, fazendo uma gestão selectiva dos projectos, de acordo com as "cores" dos principais beneficiados com a execução dos mesmos.

Até há algum tempo atrás, conseguiram ir empurrando a dívida para a frente com as respectivas barrigas, mas a partir do momento em que deixou de haver espaço para empurrar mais - porque à frente havia apenas abismo, então tiveram que "descer à terra" e começar a fazer como o cidadão comum em situações idênticas: procurar crédito e... "avalistas" para o conseguir.

O crédito até conseguiram encontrá-lo, já quanto aos "avalistas" a coisa foi bem mais difícil, porque ser "fiador" é coisa séria e não é qualquer um que em quaisquer condições, se dispõe a  aceitar dar uma "cobertura" desta dimensão.

Mas enfim, tanto negociaram, tanto "marralharam" para usar um termo muito popular entre os feirantes - que também os há entre eles - que finalmente conseguiram com um mínimo de compromissos e de garantias um "fiador" para o dito Plano de saneamento financeiro. Só que a "manta" vai ser pequena demais para cobrir tantos "corpos" a morrerem de frio e haverá seguramente muito boa gente (fornecedores, prestadores de serviços, empresas que vivem quase exclusivamente dos negócios que fazem com a Câmara) que vai ter de continuar a ficar com os pés - ou a cabeça - a descoberto.

25 milhões de euro parecem muito dinheiro, mas a seu tempo se verá, que será muito pouco para a dimensão do buraco - e mesmo assim, se dermos como adquirido que o Plano venha a merecer a aprovação do Tribunal de Contas!

Claro que com o avontade - é o termo mais inócuo que consigo - que caracteriza Fernando Melo, ele dirá: "vão ter de esperar mais algum tempo. Afinal, quando se candidatam a projectos, vocês já entram com uma margem a contar com os atrazos..." - ele afinal até já disse isso numa reunião de Câmara...

Mas voltando ao Tribunal de Contas, não auguram nada de bom para esta aprovação as últimas violações ao referido Plano - o desrespeito pelas reduções impostas na negociação aos valores dos protocolos com as Juntas de freguesia e a última, a tentativa de adjudicação da obra das "feiras temáticas em Alfena" no valor aproximado de meio milhão de euros, que ontem tentaram adjudicar na Reunião pública de Câmara, mas que se viram obrigados a retirar da Ordem do Dia, como escrevi no artigo anterior...

Isto só vem provar a justeza das reservas e as cautelas que a Coragem de Mudar exigia quanto ao clausulado de um eventual acordo que foi solicitada a negociar para aprovação do referido Plano.

 

publicado às 17:01

ALFENA DOS "FEIRANTES" ILUSTRES...

Não será difícil de imaginar o desconsolo do nosso Vereador financeiro e ex querido líder dos UPA - bem... quanto ao "ex" não tenho muitas certezas! - ao assistir ao inglório desfecho da adjudicação do negócio que da "Feira", que daria corpo à sua genuína faceta de feirante ilustre...

Ninguém contesta que Alfena mereça ter um espaço destinado à realização de eventos - por exemplo, as tais "feiras temáticas".

Ninguém estará contra a que se dê um destino útil a qualquer espaço degradado - e aquele está de facto profundamente degradado, mas precisamente por obra e graça daqueles que agora invocam esse estado para potenciar os seus argumentos.

Ninguém está contra a que os nossos autarcas desatem a "fazer filhos" - no sentido figurado do termo, obviamente - mas aquele "filho", ao que parece estavam a tentar fazê-lo em "mulher alheia".

A pressa com que o Vereador financeiro agendou a adjudicação da obra para a reunião pública de Câmara de ontem, colocou aos seus pares vários problemas:

Desde logo, pretendendo fazer passar a ideia de que o processo se enquadrava naquele outro referente à construção do "Centro Cívico de Alfena" - qualquer dia vai convencer-nos que o centro cívico de Alfena faz fronteira com o "centro cívico de Valongo"...

Depois, porque ainda o tal Plano de Saneamento Financeiro da Câmara não está publicado e já começa a ser violado por via de investimentos deste tipo que como o mesmo estabelece teriam que ser sempre alvo de profunda e cuidada reapreciação. Se a Câmara não tem dinheiro "para fazer cantar um cego", como é que se propõem gastar desta maneira leviana mais de quatrocentos mil Euros?

O agendamento deste assunto foi obviamente retirado, mas nada nos surpreende que, comprometido como está o nosso Vereador com os seus mais fieis apoiantes locais, sobretudo com aqueles que já se inscreveram "secretamente" para terem direito a uma "banquinha de frutas e legumes" ou outro produto similar, volte um dia destes à carga com o assunto.

Veremos entretanto, qual vai ser a reacção dos anteriores proprietários dos terrenos - sobrantes da construção do viaduto - os quais reivindicam naturalmente em Tribunal a reversão da posse dos mesmos.


 

Post-scriptum:

Intervenção da Coragem de Mudar impede violação do Plano de Saneamento Financeiro

Uma semana depois de aprovado, o Plano de Saneamento Financeiro (PSF) da Câmara de Valongo esteve prestes a ser violado pelo concubinato político PSD-PS instalado na autarquia. A Câmara propunha-se gastar cerca de meio milhão de euros na criação de uma feira semanal, em Alfena, por baixo de um viaduto. O PS fez uma intervenção em defesa dessa obra, não prevista no PSF, mas teve de recuar, depois da intervenção da vereadora Maria José Azevedo, na reunião do Executivo, realizada nesta manhã.

A autarca da Coragem de Mudar lembrou que se estava prestes a avançar para uma despesa não englobada no PSF aprovado pelo PSD e pelo PS, numa altura em que o plano e o consequente empréstimo de 25 milhões de euros “não tiveram ainda o visto do Tribunal de Contas. Fica claro que não há qualquer mudança de paradigma na gestão e nem sequer se respeita um período de nojo nesta matéria”, declarou a vereadora.

Perante a intervenção de Maria José Azevedo, o presidente da Câmara tentou rebaptizar o concurso, que era para a criação da feira, chamando-lhe centro cívico de Alfena. “É uma falta de respeito pela população alfenense, que merece um centro cívico, dar essa designação a um arranjo debaixo de uma ponte”, frisou a vereadora. O ponto acabou por ser retirado da ordem de trabalhos sem votação depois dos alertas da Coragem de Mudar.

Na reunião desta manhã foi aprovado o Relatório e Contas do exercício de 2010, que contou com o voto contra da Coragem de Mudar e com a abstenção complacente do PS. O documento deixa a nu a falsidade dos orçamentos empolados, apresentados pelo PSD e viabilizados pelo PS. Dos 90 milhões de euros previstos no Orçamento, só foram concretizados 41 milhões de receita. A despesa ascendeu aos 76 milhões As dívidas vão-se acumulando. “Daqui a dois anos, se o empréstimo de 25 milhões avançar, a Câmara terá encargos mensais, com dívidas e juros, superiores a 450 mil euros. Não sei se terá capacidade para honrar tais compromissos”, avisou Maria José Azevedo.

 

 

 

publicado às 17:41

SOCRÁTICO EPITÁFIO...

Sócrates finalmente "morreu" e essa morte anunciada deixa-me apesar de tudo, desolado - tão desolado que não sei sequer se terei força anímica para ir ao velório e participar na encomenda da sua alma...

E desde logo, porque duvido que a tivesse - ele que desde os seus tempos de "menino de oiro" tem seguido um percurso de verdadeiro desalmado.

Mas pronto, como diria Sebastião José de Carvalho e Melo, o que se impõe agora, é "enterrar os mortos e cuidar dos vivos". Portanto, apesar da preocupante rarefacção da nossa atmosfera, exige-se - exige-o o País - que continuemos a respirar. Mesmo que na "central técnica" de Bruxelas nos tentem cortar o "oxigénio" ou nos anunciem até a nossa própria morte, essa notícia é obviamente exagerada e não devemos (por enquanto) acreditar nela!

Os mortos não lutam e nós lutamos e continuaremos a fazê-lo no futuro!

Os mortos não sentem e nós somos filhos de boa gente!

Os mortos não mexem e nós sacudimos mais uma vez a pesada canga da cerviz - já nos magoava para além do razoável!

Os mortos estão... mortos e como diz o Povo, deles não há-de rezar a história.

Pensando bem, talvez Sócrates venha a constituir uma excepção à regra. Com uma ligeira diferença: em vez de "rezar" sobre a sua tumba a dita irá muito provavelmente mimoseá-lo com uma avalanche de impropérios...

publicado às 22:01

O "CONCUBINATO" DE VALONGO...

 

As "visitas da casa" - este espaço modesto e simples que um dia destes vou ter de remodelar tornando-o um pouco mais aprasível - merecem conhecer esta intervenção do nosso Vereador Dr. Pedro Panzina produzida hoje na reunião pública de Câmara.

Uma análise demolidora aos contornos do estado de "concubinato" a que hoje foi dada projecção pública, baseado numa combinação cromática tão tão "semelhante" ("rosa" e "laranja") que nunca poderia ser harmonioso


 

Estamos a assistir hoje a um dos episódios mais tristes de quantos têm marcado este mandato autárquico.

Esta ligação que hoje e aqui se torna evidente bem poderia ser, com toda a legitimidade, um acordo, uma coligação ou outro tipo de união com um fundo político ético e orientado por interesses atendíveis. Lá poder, podia. Mas não é. PS e PSD resolveram, verdadeiramente, viver em concubinato, resolveram amancebar-se.

Ausentando-se como se ausentou completamente de negociações no seio de executivo, com vista a uma solução para a grave situação financeira do Município, aparecendo à última hora, contrariando tudo o que antes tinha dito, o acto do PS de Valongo é uma concupiscência.

Não adianta proclamar que o superior interesse municipal pode ditar todas estas cambalhotas, toda esta acrobacia, a menos que se diga, também, que os artistas só agora acordaram para a realidade.

Há três vertentes muito negativas neste comportamento, que não podem passar em claro:

  1. Face a todas as declarações anteriormente proferidas (vejam-se as declarações políticas que constam das actas, que são publicas, e das declarações nos jornais), face à pressa com que o entendimento foi feito (é mentira que o PS esteja a negociar há dois meses, como se pode depreender da notícia de ontem – a primeira reunião, anunciada nos jornais, teve lugar na 2ª feira, dia 7 de Março), face à ausência, pelo menos visível, de contrapartidas compreensíveis e atendíveis (o que vem nos jornais, apesar de contrariarem o próprio plano de saneamento financeiro, são minudências), face a tudo isto, só há uma explicação possível: mais uma vez Valongo foi tratado como um ser incapaz e, não sendo capaz de resolver o que deveria ter sido resolvido pelas estruturas locais, foi acordado pelos directórios partidários.
  2. Os agentes políticos locais deram o pior dos exemplos em política. Não só porque se contradisseram. Aliás, desde o início do mandato, com estes protagonistas, o PS de Valongo não tem feito outra coisa que não seja encarregar-se a si próprio de desmentir num dia o que disse no dia anterior. Neste caso, sendo uma decisão que lhes foi superiormente imposta, destes intérpretes de uma vontade que não é a sua, seria de esperar que tomassem a única atitude de dignidade que se impunha: dizerem que não a tamanha afronta. Mas não, o que estão a fazer não é isso. Os próprios, porventura, admitirão que possam estar a prestar um bom serviço aos seus interesses ou aos interesses do seu partido. Mas a verdade é que estão a prestar um mau serviço ao concelho de Valongo e, sobretudo, em matéria de exemplo, estão a prestar um péssimo serviço à democracia e a vida política. Muitos vêm reclamando que é preciso mudar a classe política. Acreditamos que estes comportamentos acabam por justificar tais apelos. Cremos, porém, que o que é preciso, de facto, é que os políticos mudem de comportamentos. Esta foi, para os eleitos do PS, uma oportunidade perdida de contribuírem para essa mudança necessária e para dignificaram os seus mandatos.
  3. Um momento de crise como este, que poderia ser ocasião imperdível para arrumar definitivamente com a prática do passado, para impor mudanças de atitude, para aplicar novas regras de gestão, para criar um novo paradigma para a vida municipal, foi totalmente desprezado pelo PS, numa clara demonstração de que, afinal, se dúvidas houvesse a tal propósito, os vícios e os “tiques” da partidocracia estão bem presentes e bem vincados.

Há, porém alguns aspectos positivos a extrair neste momento:

  1. Sendo que o Município de Valongo precisa de um Plano de Saneamento Financeiro, embora em nossa opinião tal documento não seja, por si só, suficiente, ele aí está, dado de bandeja por quem achava que o tal Plano não só não era necessário como era uma má solução.
  2. Mantendo a concupiscência em que vive desde o início do mandato ao nível municipal, traduzida na partilha de lugares na Assembleia Municipal, e na viabilização, na Câmara e na Assembleia, de um plano de investimentos, um quadro de pessoal e um orçamento fraudulento em 2010, esvaziando a Câmara das suas competências, dando-as de mão beijada a quem todos os dias criticam, o PS demonstra uma inegável coerência com os outros concubinatos em que vive em Ermesinde e em Sobrado, fazendo prolongar este estado de coisas para o ano de 2011. Tal triste coerência de atitudes, não pode deixar referida.

Lemos exaustivamente as declarações do PS nos últimos meses, quer as proferidas pelos seus vereadores nas três últimas reuniões, quer os comunicados oficiais, como tal publicados na imprensa, designadamente a opinião de um Senhor Vereador do PS publicada num periódico do passado dia 5 de Março de 2011. Há nelas um vastíssimo conjunto de afirmações que merecem ser recordadas.

Há perguntas que, neste momento, em nome duma memória que deve ser mantida, mesmo sabendo que não serão respondidas, não podem deixar de ser feitas ao PS:

  1. Quais são, de facto, e em toda a sua extensão, os termos do acordo que permitiu viabilizar o Plano de Saneamento Financeiro e os documentos estruturantes para 2011?
  2. Esse acordo estender-se-á, tácita ou expressamente, para os orçamentos e demais documentos de 2012 e 2013?
  3. As dúvidas sobre a real situação financeira, ao abrigo da qual o PS reclamava uma auditoria, estão sanadas?
  4. Se sim, qual o montante real da dívida de Valongo?
  5. Está o PS contra a criação de uma empresa municipal para gestão dos equipamentos desportivos?
  6. Na medida em que se oculta o passado, este acordo significa uma co-responsabilização do PS com uma política de “Quem vier a seguir que feche a porta”?
  7. O PS ainda considera que a proposta que agora viabiliza é um duro golpe no desenvolvimento no Concelho?
  8. O PS garante que, com esta sua atitude, passará a haver transparência na gestão da Câmara?
  9. Se sim, por que meios?

10. O PS deixou de ter dúvidas sobre a capacidade financeira da Câmara de Valongo para liquidar, anualmente, 3,5 milhões de euros de juros e amortizações, para além das outras prestações de empréstimos contraídos ao longo dos anos?

11. Mesmo sem a reclamada auditoria, o PS já tem uma real dimensão do problema que designou de verdadeira ruptura financeira de Valongo?

12. O PS deixou de considerar que o Plano de Saneamento Financeiro, que agora viabiliza, mais não é do que o primeiro passo para branquear gestões ruinosas ao longo de vários mandatos?

13. Acha o PS que já não é preciso parar para pensar, depois do rotundo fracasso que representou o estilo de gestão com expressão nos últimos anos?

14. Ou o PS já pensou tudo, desde o dia 7 de Março até hoje, tendo feito o trabalho de casa e preparado, assim, a Câmara para os desafios do futuro?

15. Com esta viabilização do PS, o concelho passou a ter um Plano Estratégico?

16. Na opinião do PS, o empréstimo de 25 milhões de euros já não é apenas um suporte para os desvarios do passado?

17. O PS, viabilizando o empréstimo de 25 milhões de euros, passou a querer salvar a face de quem conduziu a Câmara a este atoleiro?

18. O PS acha que, entre outras contrapartidas negociais, as transferências para as Juntas e o relvado sintético em Ermesinde estão em linha de coerência com o que está previsto no Plano de Saneamento Financeiro?

 

Os valonguenses esperam uma resposta. De preferência, antes das eleições de 2013. O vosso silêncio será também uma resposta.

De uma coisa estamos hoje mais certos. A Coragem de Mudar é a verdadeira e única oposição em Valongo.

 

Pedro Panzina

 

publicado às 20:25

ALFENA DO NOSSO DESCONTENTAMENTO...

Já tive oportunidade de o dizer de viva voz ao seu Director, mas nunca é demais destacar o papel relevante, isento e atento à "coisa pública" local, desempenhado pelo Jornal "A Voz de Ermesinde"...

E esta opinião não tem obviamente nada a ver com o facto de hoje mesmo ter visto publicado mais um comentário meu a propósito da nossa terra:

publicado às 18:05

CÂMARA DE VALONGO - 25 "MEGA TONELADAS DE OXIGÉNIO"...

 

Finalmente a Câmara de Valongo, família & amigos, S.A. vai - a partir de hoje - poder respirar de alívio...

A atmosfera começava a ficar assustadoramente rarefeita e Fernando Melo, de acordo com algumas informações fidedignas, estaria a ser o mais afectado - talvez porque o seu cartão dourado tem "vida própria" e uma enorme "pegada ecológica". Precisava de arranjar com a máxima urgência 25 "mega toneladas de oxigénio" e - ufa! - conseguiu!

Na aflição e quando alguns já lhe auguravam uma espécie de "morte assistida" e sem sofrimento, eis que surgem do nada os homens da "bata cor da rosa" - foi desta cor que os amigos de Fernando Melo impuseram que os "paramédicos salvadores" se "vestissem" - que se disponibilizam para um resgate arriscado que conseguiram concluir com êxito (?) como hoje ficou demonstrado.

Claro que eles sabem que nós sabemos, que este salvamento não foi uma acção improvisada, voluntarista e genuína, nem sequer os até há uma semana atrás, improváveis heróis, estiveram sozinhos no salvamento: A intervenção foi preparada ao mínimo detalhe de forma conjunta, pelos supremos líderes distritais das "máquinas laranja e rosa", mas isso são pequenos detalhes. Para o caso, importa apenas destacar que Fernando Melo mais uma vez consegue sair ileso, não pela sua especial genica ou rapidez de reflexos, mas porque "quem tem amigos não costuma morrer na cadeia" - aliás, para sermos mais rigorosos, nem sequer chega a lá entrar...

Para os mais desatentos ou menos informados, todo este arrazoado serve para dizer, que hoje o Partido Socialista - que tem dito de Fernando Melo "o que Maomé não disse do toucinho"- viabilizou com a sua abstenção o Plano de saneamento financeiro da Câmara e o empréstimo de 25 milhões para que Melo continue como até aqui - ou dito de outra forma, para que tenha um final de mandato digno - digno dele, que não dos Valonguenses, digo eu!

 

publicado às 17:21

LIMPAR PORTUGAL, LIMPAR VALONGO - VAMOS COMEÇAR... ONTEM?

 

 

Todos a Valongo e em força! Amanhã às 10 horas na Câmara Municipal (e depois também, no próximo dia 22 na Assembleia Municipal) é dia de olharmos nos olhos aqueles que viraram gelatina nas mãos do "vice rei" de Gaia e do "jardineiro mor" que trata do "canteiro da rosa" na segunda cidade do País...

Valongo cheira a "matéria em decomposição"!

Valongo precisa de ser arejada!

Venha de lá essa brigada da "higiene urbana"!


 

publicado às 23:54

VALONGO - "QUERIDOS INIMIGOS"...

É tão previsível o líder do "partido da rosa" de Valongo...

Ao seu estilo, cá está ele, em vésperas da "troca de alianças" com Fernando Melo, que ocorrerá amanhã a partir das 10 horas no salão nobre da Câmara e para o qual estamos todos convidados - é uma reunião pública...

Com este Plano de saneamento financeiro ou qualquer outro, o que verdadeiramente importa aos Valonguenses saber, é se vão de uma vez por todas assistir à retirada das mordomias a Fernando Melo, se vão ver devolvidas à Câmara todas as competências que esta lhe delegou a seguir às eleições,com o voto do PS, se vão ou não ter conhecimento da evolução do cumprimento do Plano, se vão finalmente assistir a uma mudança de paradigma para Valongo, se vão ou não continuar a aceitar sem voto na matéria, fazer parte do anedotário nacional a propósito da corrupção que resulta dos "ajustes directos"...

Estas preocupações estiveram sempre presentes no decorrer da negociação que o Executivo tentou com a Coragem de Mudar que incluía ainda "à cabeça" a exigência de que Fernando Melo reconhecesse publicamente a sua responsabilidade directa pelo estado em que se encontram as nossas finanças municipais.

Esta última exigência, terá sido o verdadeiro óbice ao possível acordo com a oposição verdadeiramente consequente - a Coragem de Mudar: Fernando Melo nunca soube o verdadeiro significado da autocrítica...

Restava recorrer ao "tabuleiro nº 2" - sim porque apesar de relativamente limitados, os nossos vereadores executivos ainda conseguem dominar dois tabuleiros em simultâneo - e "fechar o negócio" com aqueles que não exigiam a "exposição pública" do culpado - aqui não coloquei "aspas"...

O futuro começa amanhã e prolongar-se-á por 12 longos e penosos anos de sacrifícios que ninguém nos pode garantir - com os termos em que o actual acordo está redigido - que valham de facto a pena.

Valerá talvez a pena - digo eu - relembrarmos através do recorte que se segue, a intervenção produzida pelo Vereador Afonso Lobão, aquando da primeira apresentação do Plano e cuja versão integral pode ser lida AQUI:


 

(...)

Não queremos ficar co-responsáveis por uma situação grave para a qual não contribuímos e orientada por uma estratégia do tipo” Quem vier a seguir que feche a porta”. Não!

Por isso não daremos o nosso aval a este plano que mais não é que um mero expediente para contrair mais um empréstimo, já que esta Câmara está impedida de o fazer por ter atingido o limite do endividamento liquido e continuarmos a ver o nosso concelho sem uma estratégia coerente para o seu desenvolvimento, ao mesmo tempo que diminui a qualidade de vida dos nossos concidadãos.

Não podemos e não devemos hipotecar o futuro e, esta proposta, nos termos em que está formulada, será um duro golpe no desenvolvimento do concelho.

Afonso Lobão

Vereador do PS


PS: Acabo de receber na minha caixa de correio esta informação, cuja fonte me vou considerar no direito de não referir e que diz tudo sobre a podridão da política:

"O mais caricato é que o PS vai viabilizar pela abstenção. Assim o PSD conseguiu o acordo mais barato, mas em vez de 6 votos a favor só vai ter 4, em 9 - os da CM são contra, os do PS abstêm-se. Não tenho a certeza que chegue para o Tribunal de Contas. Consta de fonte credenciada que a viabilização pelo PS foi negociada entre o Marco António e o Renato Sampaio - essas duas grandes figuras da democracia!!! - à revelia do Melo e dos restantes, PSD's e PS'. Quanto não vale, de facto, ser livre!!!

 

 

 


 

 

 

publicado às 17:18

ALFENA NÃO ESTÁ SÓ - INFELIZMENTE...

O Povo costuma dizer que "pimenta no... rabinho dos outros, é refresco"...

Pois então, cá vai "refresco" para os nossos dinâmicos autarcas alfenenses - para que não entrem em depressão pensando que são os únicos a serem "perseguidos" pela PJ.

No caso concreto de Canedo, parece que os envolvidos não terão conseguido estancar a tempo o "derrame" - até porque havia armas ilegais envolvidas - e os pormenores sobre as buscas acabaram por ser conhecidos quase em tempo real.

Já no que toca a Alfena e dada a composição do executivo, esse "derrame" foi contido a tempo e a situação tem estado a ser razoavelmente controlada, para que a população continue a acreditar que tudo não passou de uma denúncia infundada relacionada com um "alegado" protocolo de uma carrinha.

Portanto e como a PJ não pode falar sobre o assunto, essa é a "verdade" oficial. Até ao dia em que tudo será conhecido.


 

publicado às 00:49

CAMARA DE VALONO - MAIS UM "REMAKE"...

Após sucessivos adiamentos - pelos motivos que já todos suspeitávamos e que pela ordem de trabalhos seguinte, vemos confirmados - terá lugar na próxima quinta feira no local e hora habituais, a reunião pública da Câmara de Valongo.

Confesso aqui perante todos, que apesar de já não me surpreender com quase nada do que venha desta gente que lidera actualmente o "partido da rosa" de Valongo sinto a subir em mim uma curiosa sensação de "ansiedade", uma curiosidade insanável, enfim, aquele estranho nervosismo que costuma anteceder os grandes acontecimentos - e um "casamento" é apesar de tudo e ainda, um grande acontecimento - para ver como os nubentes se vão apresentar em público... 

Pensando melhor, talvez não se justifique tanto nervosismo: afinal, vamos assistir apenas a mais um remake da "realização de 2010".

Mesmo assim, vai ser curioso ouvirmos na próxima quinta feira, as explicações que Afonso Lobão - e José Manuel Ribeiro no próximo dia 22 na também adiada sessão da Assembleia Municipal - avançarão para a "cambalhota"...

Uma coisa é certa, os nossos Vereadores executivos podem ter todos os defeitos possíveis e imaginários, podem ser destituídos de todas as capacidades possíveis e imaginárias que se exigem a autarcas que administram um Município com a dimensão e a importância do nosso, mas uma "qualidade" inegável eles possuem: São óptimos negociadores.

Graças a eles - sobretudo aos dois lideres do "processo de negociações" com o PS - foi possível branquear a responsabilidade de Fernando Melo em relação à situação ruinosa das finanças do nosso Município, foi possível encontrar uma saída "menos dolorosa" relativamente às exigências da Coragem de Mudar, foi até possível - espanto dos espantos - manter no documento anexo ao estudo, a responsabilização de José Sócrates pela actual crise de Valongo e acima de tudo, foi possível preservar - como veremos - quase intocáveis, todas as mordomias de que beneficia Fernando Melo!


REUNIÃO DE 2011.03.17

AGENDA DE TRABALHOS

 

1.     PERÍODO DE ANTES DA ORDEM DO DIA

1.1 - Intervenção dos Membros da Câmara.

 

2.     PERÍODO DA ORDEM DO DIA

2.1 - Resumo Diário da Tesouraria;

2.2 – Aprovação das actas de 30.12.2010, 13.01.2011, 14.01.2011 e 03.02.2011.

 

3.     DIVERSOS

3.1 - Estudo e Plano de Saneamento Financeiro do Município de Valongo;

3.2 - Aprovação da contratação de empréstimos de longo prazo para Saneamento Financeiro Municipal, até ao montante de 25.000.000,00€  Aprovação das cláusulas contratuais;

3.3 - Grandes Opções do Plano, Orçamento e Mapa de Pessoal, para o ano 2011;

3.4 – Ratificação do despacho do Exm.º Senhor Presidente da Câmara, sobre renovação do contrato de prestação de serviços, em regime de avença, do Advogado do Município, Senhor Dr. Bolota Belchior.

 

4.     OBRAS E SERVIÇOS MUNICIPAIS

4.1 - Cemitério de Luriz (1ª Fase) – Campo. Delegação de competências na Junta de Freguesia de Campo. Aprovação de protocolo;

4.2 – Delegação de competências nas Juntas de Freguesia de:

Alfena, Campo, Sobrado e Valongo para limpeza de valetas, bermas e caminhos, colocação e manutenção da sinalização toponímica, conservação e calcetamento das ruas e passeios.

Ermesinde para limpeza de valetas, bermas e caminhos, colocação e manutenção da sinalização toponímica, conservação e reparação do mercado de Ermesinde.

 

5.     EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO

5.1 - Concurso de Concepção – Ideias para a Requalificação do Mercado de Ermesinde e Zona Envolvente – Decisão de selecção e atribuição de prémios de consagração. (Processo nº 91/2009/7).

 

Valongo, 14 de Março de 2011

 

O Presidente da Câmara,

 

_______________________________________

(Dr. Fernando Horácio Moreira Pereira de Melo)

 

 

 

publicado às 12:47

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D