Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

PINGO DOCE - A MENTIRA DE UM SLOGAN...

Hoje era para ter sido um dia de Liberdade.

Liberdade de ser livre para gritar Liberdade - como o fizeram pela primeira vez os heróis de Chicago em 1886.

Mas a liberdade de gritar Liberdade, hoje colidiu com a ignomínia de um apátrida a quem sobrando cash-flow e faltando dignidade, resolveu fazer o que sempre fizeram os seus concorrentes e contradizer o 'recado' dos publicitários que ele paga a peso de ouro:

Hoje fez promoções!

Afinal, no Pingo Doce os preços já não são baixos de Janeiro a Janeiro, isto é, o ano inteiro, porque esse princípio hoje virou miserável excepção, oportunismo rasteiro,  ilegal dumping, indescritível violência psicológica sobre os seus trabalhadores - aqueles mesmos a quem diz prodigalizar direitos e condições de trabalho superiores aos que são assegurados por todos os seus concorrentes.

Pura mistificação!

Hoje colocou em risco a segurança de milhares de consumidores, obrigando em muitos casos à intervenção da polícia para assegurar a ordem pública - que em maré de crise, há cidadãos capazes de se matarem por um desconto de 50% num cabaz, onde provavelmente metade das coisas nem precisariam de comprar.

Alexandre Soares dos Santos, um dos patrões mais ricos do ramo da distribuição alimentar, ex português, candidato recusado à cidadania holandesa, ex cidadão do mundo - portanto um vulgar mercenário apátrida, ou melhor, cidadão da 'pátria' do dinheiro, que é exactamente em lado nenhum e em todo o lado onde ele possa ser arrecadado a qualquer custo - hoje foi igual a si próprio, isto é, idêntico ao que sempre negou ser, isto é ainda, um sósia dos concorrentes - Belmiro de Azevedo e outros que tais.

Alexandre Soares dos Santos hoje ficou (ainda) mais rico. De duas maneiras:

Explorando os seus trabalhadores ao sonegar-lhes um dos feriados de maior significado para quem trabalha, mas também, despejando as prateleiras de produtos que demorariam algumas semanas a serem vendidos e desfazendo-se de outros que ao ritmo normal de vendas, poderiam correr o risco de passar dos prazos de validade.

Abriu no entanto um precedente perigoso e desacreditou-se a ele próprio e ao famoso slogan!

No Pingo Doce, afinal os preços baixos passarão a ser (apenas) no 1º de Maio - enquanto o deixarmos andar por aí fingindo que é português!

Este é o Grupo que tanto impressionou os autarcas valonguenses convidados há algum tempo atrás para uma acção de charme, vulgo  'lavagem' à parte que fica sob a superfície capilar.

Aos 'ilustres' visitantes, alguém em representação do homem sem Pátria, mostrou o mundo de abundância aos pés de todos e proferiu as palavras que segundo rezam os textos bíblicos, o demo terá dito a Jesus: "tudo isto te darei, se me adorares".

Ao contrário do Messias, parece que eles gostaram tanto do que viram que adoraram mesmo.

Este é o Grupo que quer instalar-se em Alfena - ao lado da Chronopost - na zona mais conhecida por 'aeroporto internacional de Alfena' e para a qual a CCDR-N já deu a sua autorização - por enquanto condicionada.

 

publicado às 01:09

AS INDESEJÁVEIS 'ESPECIFICIDADES' DE ALFENA...

Ontem foi dia de Assembleia de Freguesia.

Como sempre, mandou quem manda habitualmente e não o Órgão deliberativo nem sequer o seu Presidente.

Não adianta existir um Regimento, não adianta existirem procedimentos legais sobre a condução dos trabalhos neste tipo de sessões:

O executivo 'quer pode e manda' nas 12 reuniões públicas mensais e fá-lo igualmente nas 4 sessões ordinárias da Assembleia - como se em 'terreno próprio' estivesse.

Sem entrarmos em cansativos detalhes da Ordem do Dia de ontem, não podemos no entanto deixar passar sem o necessário e negativo destaque este surreal episódio a propósito de uma declaração de voto dos deputados da Coragem de Mudar em que se referiram às contas e à '1ªRevisão Orçamental' apresentada.

Sem pedir pemissão da palavra ao Presidente da Assembleia - que aliás em termos regimentais e legais nunca lha poderia conceder - o Presidente do executivo quase 'saltou' para o meio do palco iniciando um truculento discurso de 'defesa da honra'!

Defesa da honra a propósito de uma declaração de voto?

Não nos consta que Sócrates a tenha pedido depois de ter sido derrotado nas últimas eleições e de ter sido e continuar a ser acusado de 'gestão danosa' do País!

Não temos infelizmente um Presidente de Assembleia de Freguesia capaz de fazer uso das suas competências e de 'conduzir' ao lugar que lhe cabe por direito neste tipo de sessões,  quem se concede a si próprio o 'direito' de cometer este tipo de atropelos à Lei.

Sabemos que não se 'omite' por mal, mas apenas porque o seu perfil conciliador o inibe de colocar os 'galões' que o identificam como primeira figura do poder na Freguesia, mas o resultado é o mesmo que seria, se o fizesse com maldosa intenção.

E nem fazia falta aquela 'defesa da honra', pois mais à frente, numa intervenção da Coragem de Mudar  - ponto 7 da Ordem do Dia - o assunto da '1ª Revisão Orçamental' haveria de ser retomado e aqui sim, o Presidente da Junta teve oportunidade de intervir de forma regular e em termos regimentais sobre o assunto que tanto o tinha irritado - só que já tinha dito tudo (?) a destempo, na irregular intervenção anterior.

Agora vou explicar  de forma sucinta, o porquê das 'aspas'  quando me refiro '1ª Revisão Orçamental':

Não se tratou - ao contrário da ideia que o Presidente do executivo nos tentou 'vender' - de integrar (apenas) o saldo da gerência anterior, porque se assim fosse, eu não colocaria 'aspas' nem se justificaria reclamar por não termos sido consultados previamente sobre o que de facto é um  Orçamento Rectificativo!

Já agora, tanta preocupação com a 'honra ofendida' e não chegou nem o tempo nem o discurso do nosso homem de leis para explicar a inclusão de duas novas rubricas - 'abono para falhas', no valor de € 1 900,00 e ainda, 'isenção de horário', no valor de € 1 120,00.

Será para de forma sub-reptícia compensar os roubos feitos pelo governo aos subsídios dos funcionário públicos?

Só estamos a levantar hipóteses 'académicas' e não a afirmá-lo, mas que há algo estranho nestas duas novas rubricas...

É que roubados todos temos sido, mas nem todos encontram depois, 'medidas á medida' para os compensar.

Se isto não é um Orçamento rectificativo, a gente vai ali e já volta...

 

publicado às 13:39

VIVA O 1º DE MAIO!

Neste dia, homenageiam-se as lutadoras e os lutadores que em 1886 ns ruas de Chicago iniciaram a conquista das 8 horas de trabalho.

Mas o verdadeiro significado desta homenagem só começou a ganhar pleno sentido nos anos seguintes, quando alastrou ao mundo inteiro e se transformou em dia/símbolo de emancipação, de luta por direitos como 'contrapartida' aos deveres - que até aí só  esses contavam para os patrões que apenas lhes retribuíam o estritamente necessário à reposição da sua capacidade física para trabalhar e pouco mais.

Em Portugal, embora nunca tenha deixado de ser assinalado com mais ou menos correrias à frente da polícia de Salazar, só nos foi plenamente 'devolvido' naquele dia a todos os títulos memorável de 1974, ainda e naturalmente imbuído do espírito libertador do vigésimo quinto dia de Abril do mesmo ano.

Continuou anos fora a ser assinalado, num misto de alegria-luta-revolta até ao dia que hoje assinalamos, em que a alegria de tão contida quase virou apenas revolta total e completa - por termos um governo de 'ladrões' que já não se dão ao trabalho de nos pedirem um acréscimo temporário do nosso esforço para ajudarmos a retirar o País do atoleiro em que eles o meteram.

Já não se contentam com um pequeno - sempre grande para quem possui tão pouco - desconto no modesto salário/contrapartida pelo trabalho prestado.

Retiram-no todo de uma vez só, empurrando os espoliados para a fila do desemprego, sem direitos, sem lhes devolverem a parte acumulada através dos descontos que foram fazendo ao longo da sua carreira de trabalho, para constituírem aquilo que até não há muito tempo atrás se designava por 'fundo de desemprego', mas que no fundo não passa de um seguro como qualquer outro dos muitos que existem por aí, com clausulados (garantias) específicos - para a casa, para o carro, para a saúde...

Só que aqui, a 'Seguradora' é um governo de gente desonesta, que tem uma prorrogativa especial que faz toda a diferença e que as seguradoras não têm: poder mexer à vontade e quando lhes apetece, no 'clausulado' roubando abertamente direitos adquiridos, sem nenhum 'instituto de seguros' que proteja os segurados.

Em Portugal este ano e neste dia, será seguramente sinalizada por todos os que hão-de sair à rua, a trafulhice, o roubo, o 'assalto à mão desarmada', de forma insidiosa e não autorizada - mão enfiada no nosso bolso já magro de conteúdo - e neste caso, de forma 'equitativamente' criminosa, em relação aos que trabalham e aqueles muitos que já trabalharam e a quem foi roubada - não encontro termo mais adequado - parte ou a totalidade do seu 'seguro' de reforma - no corte dos subsídios de férias e Natal, que não verão na 'melhor' das hipóteses, restituídos antes de 2018!

Viva pois este 1º de Maio de luta e de revolta, apesar da tentativa que os grandes grupos de distribuição PINGO DOCE E CONTINENTE - por enquanto os que se conhecem - com a conivência do 'seu' governo e das entidades fiscalizadoras que dele dependem, de 'retirar' das ruas o número máximo de contestatários, agora já não através do recurso à força policial, mas através da imposição de trabalharem neste dia tão especial, ameaçando-os com a marcação de faltas injustificadas e mesmo com processos disciplinares.

Vergonha é o que os governantes deste País deviam sentir neste dia e por isso, é seguro que não veremos nenhum deles envolvido em actos públicos nem a mostrar-se por aí de forma indecorosa - quase pornográfica - aos portugueses revoltados.



publicado às 10:22

Pág. 5/5

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D