Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - OS QUILOLITROS DA NOSSA DESGRAÇA...

Já não há dúvidas: esta Câmara (de Valongo) está literalmente no estertor final!

 

Sem dinheiro para fazer cantar um cego, tem-no entanto para despejar o lago do Parque Urbano de Ermesinde para que esteja 'mais bonito' no próximo domingo para a festa da TVI 'Somos Portugal'!

 

(No sábado passado, para a apresentação dos candidatos do Partido Socialista - MUDAR VALONGO - com a presença do futuro primeiro ministro de Portugal, o espaço esteve cheio de valonguenses tão dignos como aqueles que lá estarão no próximo domingo e o espaço serviu).

 

E como se já não bastasse toda a logística envolvida - com recurso nomeadamente aos Bombeiros - na operação de esvaziamento e limpeza do lodo resultante de toda a negligência e abandono anteriores, eis a 'cereja no topo do bolo':


O enchimento daquele reservatório imenso é feito com água da rede!

 

João Paulo Baltazar, o presidente/candidadto - ou candidato/presidente - já perdeu a noção do decoro. Desesperado que está com a ameaça de ver o seu reduto tomado pela força dos votos dos valonguenses, fartos até à ponta dos cabelos de verem o seu Concelho a ficar cada vez mais para trás em comparação com os Concelhos vizinhos, já não hesita perante nenhum exagero: vale tudo e a qualquer preço!


A figura de Fernando Melo, o seu consumo compulsivo de sucessivas unidades de Barca Velha, a sua forma peculiar - peculiar é apenas um eufemismo - de gerir os negócios da Câmara, alimentaram muitos 'mitos urbanos' e induziram muita ingénua ilusão de que indo-se embora, tudo mudaria - para melhor, obvimente.

 

Nada de mais enganador!

 

Nos últimos anos, já era João Paulo Baltazar quem puxava os cordelinhos e por isso é que a transição foi tão pacífica e serena.

O actual candidato do PSD/PPM a um novo mandato não passa de um Fernando Melo mais jovem em que a principal - se calhar única - diferença é o seu estado sóbrio, o que convenhamos, é pouco, embora nos fique ligeiramente mais barato.

publicado às 11:02

UNIDOS por ALFENA - EXPLORAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL...

 

A propósito deste post decidi - sem grande esforço devo dizê-lo - 'dar a mão à palmatória' e fazer o esclarecimento que se segue:

 

Ponto um:

Julgo que já toda a gente que me conhece sabe que eu tenho um grande respeito pela família, pelas crianças em particular e nunca me passaria sequer pela cabeça a ideia de fazer um comentário ofensivo para quem quer que fosse, muito menos em relação às crianças aqui usadas como arma de arremesso - e não o foram por mim.

No título do post, a expressão "pornografia" infantil, embora estejam lá as "aspas" bem visíveis, alguns dos correligionários de Arnaldo Soares, daqueles que só costumam 'ler as gordas' ter-se-ão sentido ofendidos com esta figura de estilo, de gosto duvidoso, devo dizê-lo e sobre isso, já chamei à atenção do autor, isto é... eu próprio.

 

Ponto dois:

A pornografia infantil sem "aspas", é um crime abjecto - penso que ao menos aqui estaremos todos de acordo - em que os criminosos são os adultos que vivem do negócio ou o alimentam e as crianças são as vítimas.

Ora na 'coreografia arnaldina' no mais puro estilo 'pioneiros' da ex-URSS, ocorrida no Domingo passado, não havia nem criminosos nem vítimas, havendo isso sim um claríssimo abuso da posição de adultos - pais, encarregados de educação ou quem quer que fossem - em relação à utilização das crianças ainda muito longe de atingirem a idade de poderem votar, para fazerem propaganda política em que só os grandes estavam interessados.

 

Ponto três:

Às "virgens ofendidas" - coloquei "aspas" para o caso de nem serem virgens nem ofendidas - eu direi em resumo o seguinte:

 

Alínea a) Escolhi no post em questão um péssimo título do qual peço desculpa a TODOS os meus leitores e não apenas aos 'arnaldinos desfilantes'.

 

Alínea b) Relativamente ao texto não altero nem uma vírgula do que escrevi.

 

Alinea c) Sou um homem livre que depois de muito desafiado resolveu aderir de alma e coração a um projecto de MUDANÇA para Valongo. Fi-lo sem reservas mentais de espécie alguma e o futuro presidente da Câmara de Valongo quando me convidou também sabia que seria assim a nossa 'relação aberta': nenhum dos dois condiciona o outro relativamente a questões que não tenham a ver com o projecto de MUDANÇA e com a campanha. 

É no mínimo de péssimo gosto e indiciador de uma cultura democrática de qualidade pouco recomendável, endossar a alguém que não ao autor qualquer crítica sobre este ou qualquer outro assunto que aqui venha a ser publicado relativamente ao 'estranho projecto' dos Unidos por Alfena.

 

Alinea d) Se fosse agora, em vez do título que já assumi ser de gosto duvidoso, eu teria escolhido talvez este:

UNIDOS por ALFENA - EXPLORAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL


Penso que assim ninguém se sentiria ofendido, pois não existiriam "aspas" que corressem o risco de passar despercebidas, nem seria uma figura de estilo.

 

 

publicado às 00:25

SEC - VOLTEM MÁQUINAS E VIATURAS, ESTAIS PERDOADAS!

Como aliás já previa, aqui estou mais uma vez para falar da SEC - Sociedade de Empreitadas e Construções, SA de Almerindo Carneiro, uma empresa socialmente irresponsável e à margem da Lei que durante anos orbitou no círculo da florescente corrupção de Fernando Melo & herdeiro, SA na Câmara de Valongo.

 

Artur Carneiro, actual timoneiro de um barco ancorado num processo de insolvência a decorrer no Tribunal de Comércio de Lisboa - para onde transferiu ardilosamente a sede da empresa - continua na senda do pai, a dar-se de forma privilegiada com o detentor do poder na Câmara, a movimentar-se no campo associativo, fazendo um apelo à gratidão relativamente a algum mecenato oportunista dos últimos anos e utilizando tudo isso em proveito próprio, para mais facilmente disfarçar o comportamento irresponsável e desrespeitador da legalidade vigente que se traduziu há pouco tempo no despedimento de um grupo numeroso de trabalhadores.

A estes, andou durante algum tempo a esquivar-se em relação ao que pretendia fazer e até usou de forma miserável a colaboração de alguns para o ajudarem a desbloquear pagamentos de obras executadas numa Câmara, alegadamente para lhes pagar salários e subsídios em falta, para no fim de tudo os deixar do lado de fora da porta, com uma mão à frente e outra atrás.

 

Mesmo tendo recebido pagamentos da Câmara de Valongo relativos ao PAEL, alguns dos quais e tanto quanto julgamos saber, feitos em cheque e sem passarem pelo administrador (amigo) da falência, uma vez que o PER (Processo Especial de Revitalização) já estava a decorrer, os trabalhadores foram sempre esquecidos.

 

Falei num post anterior (AQUI) em máquinas com asas que tinham partido para destino incerto e sem guia de marcha - voltem suas mazinhas, porque estais perdoadas! - e hoje vou referir-me ao parque das viaturas pessoais ou de transporte, que tanto quanto se sabe, terão mudado de dono - pelo menos teoricamente - talvez da mesma forma que alguns donos mudaram de estado civil...

 

Até por causa deste péssimo exemplo dado por uma empresa que pertenceu ao grupo das 'privativas' de Fernando Melo, temos que mudar o paradigma vigente há quase 20 anos numa das Câmaras mais corruptas do grande Porto.

Não fosse a corrupção vigente na Câmara de Valongo - e provavelmente em menor grau noutras também - e este tipo de situações não teria ocorreria com tanta frequência.

 

Por causa de todas as SEC do nosso Concelho e de outros problemas igualmente graves, no próximo dia 29 de Setembro temos de MUDAR VALONGO!


As viaturas dos senhores - entre outras...

 

publicado às 16:28

UNIDOS por ALFENA - 'PORNOGRAFIA' INFANTIL

 

Ronda a 'pornografia' política o alinhamento da campanha eleitoral de Arnaldo Soares em Alfena!

 

Senão vejamos:

 

Ponto um:


É no mínimo de péssimo gosto e eticamente reprovável que tenha escolhido a música dos Deolinda Movimento Perpétuo Associativo, que fez o enquadramento da campanha da Coragem de Mudar em 2009, para animar as suas incursões aqui pelas ruas de Alfena.

Não é inocente essa escolha, sabemo-lo bem e não podemos por isso mesmo, deixar de a criticar veementemente!

 

Ponto dois:


As crianças são o futuro. Por elas nós somos capazes dos maiores sacrifícios e em tempo de contar até os pedaços de pão que se põem na mesa, elas estão sempre incluídas mesmo que alguém tenha de ficar de fora.

Por elas acordamos cedo todos os dias para trabalhar, por elas deitamo-nos tarde e a más horas para que na medida do possível não lhes falte o essencial.


Mas se as crianças nos merecem tudo isto e muito mais, deveriam também merecer mais respeito do que aquele que eu presenciei hoje de manhã no desfile pelas ruas de Alfena e que me fez lembrar as formaturas e a 'ordem unida' que antecediam as aulas do período Salazarista, para cantar o hino da mocidade portuguesa ou fazer a continência à bandeira.


É uma  atitude profundamente condenável para com os nossos júniores - ainda que possa ter sido validada pelos pais - a ideia desta coreografia 'Arnaldina' que hoje presenciei. As crianças não votam e não votando, tudo que tenha a ver com a 'caça ao voto' devia estar-lhes vedado. São novos demais para caçar e novos demais também, para esta pose quase 'pornográfica' entre a ilegalidade e o crime!

 

Porém, o receio de que os alfenenses não se tenham ainda esquecido do comportamento miserável e eticamente reprovável de Arnaldo Soares em 2009, faz com que os ideólogos da campanha se esqueçam de todos os limites da decência. Eles temem que se perceba cedo demais que Arnaldo Soares não representa qualquer mais-valia para Alfena!

 

Durão Barroso fez em relação ao País uma coisa parecida quando rumou a Bruxelas, mas como se deu bem e ficou por lá, a maioria dos portugueses já se terá esquecido. O vereador falhado abandonou no entanto promessas e projectos que tinha em mãos, para tratar da sua vidinha 'lá em cima' em Valongo e deu-se mal.

 

Isso faz toda a diferença!

 

O seu regresso 'sem armas e sem bagagem' à condição mais humilde de cacique local é deprimente demais para poder passar despercebido. A tentativa patética para apelar à gratidão de alguns beneficiados com rendimentos mínimos de caracterização mais que duvidosa ou de alguns destinatários de favores diversos enquanto esteve na mó de cima, não vai seguramente ter o retorno suficiente em número das cruzinhas que almeja alcançar! 

 

 

 

publicado às 19:50

VALONGO - A 'PÍLULA DO DIA SEGUINTE'...

 

À esquina do burgo ou na esconsa viela mal iluminada - daquelas que resultaram do admiravelmente idiota plano de poupança energética genialmente gizado  por geniais mentes brilhantes que se alimentam da escuridão que semeiam à sua volta - sorridente na tela pintada com as cores do nosso dinheiro, ei-lo, o herdeiro!

 

O seu plastificado sorriso agride-nos em cada rotunda e segue-nos invasivo até à primeira saída como que a dizer-nos ameaçador que a omnipresença é afinal possível desde que se possa pagar.

 

E ele pode.

 

Dele pode depender - e quase sempre depende - a noite menos carregada na decisão cirúrgica do liga desliga da sombra que a preenche enquanto a penumbra mais ou menos difusa dos reguladores de fluxo ainda em fase de promessa não dá à luz alguma tranquilidade para quem não tendo já medo do escuro tem no entanto algum fundado receio em relação aos imaginados e às vezes reais perigos que dele podem emergir.

 

Mais brilhante que a difusa noite com que nos brinda e pedindo meças ao sol que complementa o seu real nome, ele prenche a tela onde o plantaram os criativos, coloniza-a extravasa a sua área, ofusca os sorrisos  dos parceiros com quem reparte os metros quadrados (ou rectangulares) do outdoor da nossa dor.

 

E o somatório de todos os rectângulos marca todo um percurso minado, onde só caminha incólome quem for portador do salvo-conduto que desagua no saco azul que pagará todas as bifanas que vais deglutindo e todas as francesinhas que vai mordiscando.

 

O prometido parto múltiplo com que foi iludindo a esperança de muitos, acabará em desoladora ninhada de promessas nadas-mortas em 30 de Setembro, por acção da pílula do dia seguinte.

 

Até lá no entanto, ele continuará a alimentar-se do receio que vai espalhando entre os que escraviza nos seus direitos mais inalienáveis, rejubilando com o medo que vai semeando entre os que dependem de uma assinatura sua, ou aqueles para quem um cheque por ele emitido pode fazer a diferença entre uma vida desgraçada ou uma vida um pouco menos desgraçada.

 

Ele é o candidato da continuidade que não desejamos que continue!

 

Ele será o carrasco de uma imaginada vitória de todos aqueles que o coroaram!

 

Em 30 de Setembro ele entrará na sarjeta da história do nosso Concelho e desaguará irremediavelmente e de forma inglória na ETAR onde costumamos vazar as nossas vergonhas!

publicado às 22:42

VALONGO/ALFENA - DIGO-TE QUEM ÉS SE ME DISSERES QUEM TE ACOMPANHA...

Pesei demoradamente aquilo que vou escrever a seguir e quero desde já dizer, que a natural tendência de alguns, para fazerem uma leitura simplista que tenda a valorizar apenas o óbvio em desfavor do implícito, pecará naturalmente por defeito.

 

Não me move nenhuma questão de princípio contra os projectos independentes - o dos dos Unidos por Alfena é apenas mais um entre os vários que por aí abundam - tendo aliás eu próprio apoiado em 2009 um projecto desse tipo, depois de em 2005 ter embarcado em parte do primeiro 'percurso' de Arnaldo Soares.

 

O principal problema, é que embora em altares diferentes, existem inegáveis semelhanças entre os dois 'santos' a que os projectos serviram de veículo - e que no caso dos UpA ainda serve.

As diferenças de 'culto' que em ambos podemos constatar e o facto de os respectivos percursos se terem feito  de forma inversa, são questões de pormenor que apenas sublinham as suas semelhanças no pior.

O de Arnaldo Soares já era mau mesmo antes de resolver fazer o upgrade camarário, tendo agora retomado a configuração anterior a esse evento.

O de Maria José Azevedo, era também mau (sem que o adivinhássemos) e acabou pior, agora alapado no lupanar espúrio onde medram todas as corrupções, onde se cozinham os negócios que nos envergonham e de onde sairiam - se os valonguenses deixassem em 29 de Setembro - os lugares de recompensa que todos nós já adivinhamos, mas que ela evidentemente nega!

 

Alfena e Valongo, exigem um corte radical com o percurso de desgraça dos últimos anos, onde por omissão dolosa ou simplesmente negligente, fomos promovendo - ou ajudando a promover - a estagnação.

Esse projecto só pode passar por MUDAR VALONGO (e Alfena também) e nessa MUDANÇA, Arnaldo Soares estará sempre a mais.

 

Mas ao nível das opções políticas, entre uma boa e uma má opção, costuma existir às vezes uma terceira via às vezes também ela solução...

 

Lamentavelmente, em Alfena isso não acontece, porque embora seja justo destacar em relação aos protagonistas individualmente considerados, as enormes diferenças entre os integrantes dos dois projectos, a verdade é que estes ou não mudam nada ou mudam muito pouco e tentar vender a ideia de que é possível ter 'sol na eira e chuva no nabal', isto é, que é possível termos em Alfena mais desenvolvimento, menos compadrio, menos negócios escuros, menos corrupção e depois manter tudo isso em Valongo, não passa de uma enorme falácia.

 

Reconhecer que existem razões para todas as críticas que se fazem em relação aos quase 20 anos de desgraça na governação da nossa Câmara e depois andar a promover a 'venda da imagem' de quem integrado na equipa da desgraça ou liderando-a nos últimos, apelidando-o alto e bom som de 'nosso presidente' em todas as acções de campanha, aceitando-o festivamente como emplastro e não tentando, ainda que tenuemente fosse, destacar alguma eventual diferença, não pode contar sequer com o benefício da dúvida por parte dos alfenenses.


Apoiar - ainda que de forma envergonhada - João Paulo Baltazar, Maria Trindade ou Hélio Rebelo para a Câmara de Valongo, só pode merecer a rejeição de quem quer que tudo seja diferente no futuro!

 

Por muito que me custe dizê-lo - porque Guilherme Roque é diferente de Arnaldo Soares e sou amigo dele e de muitos dos seus apoiantes - o ditado 'diz-me com quem andas dir-te-ei quem és' aplica-se aos dois - por razões seguramente diferentes, mas igualmente relevantes.

Em Alfena, como em Valongo também, a solução passa por interromper um ciclo!

 

MUDAR VALONGO (e Alfena também) é a única solução e mudar só pode ter um significado

 

Aqui o português ainda é o que era, sem acordo ortográfico que lhe deturpe o sentido...

 

 

 

 

publicado às 17:10

Pág. 3/3

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D