Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

O PODER LOCAL QUE ENVERGONHA VALONGO...

20180427_211319.jpg

 

Ontem foi dia de Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de Valongo - em versão descentralizada em Alfena.

 

Alguns recortes - que permitem antecipar com bastante rigor o tipo de governação que teremos até 2021!

 

* Um Presidente de Assembleia capturado pelo Órgão executivo e com um relógio muito selectivo na contagem dos tempos, conforme o quadrante político respectivos oradores.

 

(O presidente da Câmara, esse tem sempre 'via verde' para as suas longas e redondas incursões discursivas)...

 

A origem de muitos dos problemas com que os valonguenses se debatem, ao contrário do que muitos possam pensar, não tem a ver com a incompetência, a arrogância ou a falta de aptidão do cidadão José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara de Valongo para o exercício do alto cargo que lhe foi atribuído pelos munícipes.

Por exagerado que isso possa parecer, é na total abdicação relativamente ao exercício dos deveres inerentes ao cargo de presidente do Órgão Deliberativo Assembleia Municipal por parte do cidadão Abílio Vilas Boas Ribeiro que essas razões assentam. 

 

* Um deputado socialista de Alfena - olá senhor Joaquim Moreira - que em vez de falar da lamentável prestação de contas da Câmara - o ponto para o qual se inscreveu - optou (!) por atacar o presidente da Junta da sua  Freguesia e o Parque Vale do Leça, achando muito bem a falta de cumprimento dos compromissos assumidos pelo presidente da Câmara - a Junta não tem, nem obrigação nem capacidade financeira para tal - de instalar algum equipamento, de recuperar o velho moinho do Cabo e o respectivo canal, de colocar iluminação - entre muitas outras coisas em falta.

Segundo o senhor Joaquim, isso seria "fazer filhos na mulher dos outros" (sic), logo, a Câmara faz muito bem em não fazer nada e ele bate palmas.

 

Ó senhor Joaquim, quando disse que vivia em Alfena há não sei quantos anos e que gostava muito da sua terra e blá-bá-blá, estava (mesmo) a mangar connosco não estava?

 

Por uma vez, o presidente da Assembleia esteve bem e tirou-lhe a palavra, porque não era esse o ponto em discussão. Meteu o 'rabo entre as pernas', sentou-se e prometeu inscrever-se na "altura certa" para dizer o que não conseguiu.

Esperemos que pense melhor e tenha vergonha na cara antes de voltar a envergonhar a "sua terra"...

 

* Falou-se de estacionamento e da VERGONHA a que assistimos em Valongo e Ermesinde, com a empresa concessionária a arrogar-se o papel de 'dona disto tudo' na caça desenfreada às multas - alguns minutos ,ou mesmo segundos, que se percam a atravessar a rua para ir trocar moedas no café em frente são suficientes para o ROUBO.

 

(Por acaso ninguém falou no estado de degradação absoluta e na falta de fiabilidade da esmagadora maioria dos parcómetros nem na obrigatoriedade da sua inspecção anual com  aposição do respectivo selo de garantia por parte do ISQ (Instituto de Soldadura e Qualidade) e que por si só já deveria ter obrigado a Câmara a ter actuado e a invocar isso a seu favor no (alegado) litígio judicial que a opõe à 'Parques VE').  

VER MAIS AQUI:

 

* Falou-se ainda na VERGONHA que foi a cerimónia do início de obras do novo Centro de Saúde de Alfena com a presença do secretário de Estado da Saúde, do presidente da ARS Norte e do presidente da Câmara e para a qual não tiveram o mínimo respeito pela Instituição Junta de Freguesia: não convidaram sequer o seu presidente para estar presente - convém lembrar que foi precisamente a Junta de Freguesia da altura que negociou com o dono do terreno a cedência do lote para o efeito!

 

(Só por mero acaso é que o Dr. Arnaldo Soares, quando se dirigia para a sede da Junta, percebendo movimento inusitado no local, de alguns fatos azuis, dos habituais carros pretos e das câmaras fotográficas dos jornalistas, optou por se chegar ao grupo.

 

Se isto não revolta os alfenenses, o que mais é que José Manuel Ribeiro terá de fazer para que isso aconteça?

 

* Falou-se de 'bexiguices' e configurações mais ou menos 'cor de rosa' do gabinete jurídico da Câmara e falou-se na contratação de mais um Jurista interno (talvez para dar um tratamento mais célere à cobrança das multas de estacionamento).

 

* Falou-se também da (lamentável) passagem pública de ligação da paralela à Rua 1.º de Maio à Praceta Almirante Pinheiro de Azevedo - sinalizada por um semáforo particular! - e dificultada por duas lombas excessivas e buracos com malha-sol à vista.

 

* Falou-se ainda da cedência do último lote municipal resultante de cedências no âmbito da urbanização de 1986 de Adão Inácio Lopes - neste mesmo local - para ser construída uma sede do Moto Clube de Alfena.

 

(Essa cedência foi votada (por unanimidade) em reunião de Câmara no mandato anterior e aprovada por maioria em Assembleia Municipal (com o meu voto de vencido) porque a Câmara sonegou à apreciação dos vereadores da oposição e dos deputado municipais, as reclamações fundamentadas entragues por mim e por um conjunto de moradores e que não aparece em nenhuma das fases do processo que instruiu as deliberações referidas).

 

Portanto...

 

O executivo actual e a Assembleia Municipal, ao tomarem conhecimento pormenorizado dos contornos deste processo ardiloso levado a cabo no mandato anterior, não podem - sob pena de incorrerem em crime - fazer outra coisa que não seja reverterem esta cedência e - para não frustrar as justas expectativas do Moto clube de Alfena - encontrarem um outro terreno onde a referida sede possa ser construída!

 

* Por último - no que me ocorre - falou-se nas obras de Cabeda e na vergonha e FALTA DE RESPEITO PARA COM ALFENA que as mesmas constituem.

 

(Parece que o concurso público lançado para a execução da obra ficou deserto - com excepção do empreiteiro em situação de pré falência e como agora é público e notório, não tinha nem tem a adequada capacidade técnica para a executar).

 

O presidente da Câmara, numa lamentável demonstração(?) de falsa humildade, assumiu "inteiras responsabilidades por tudo o que de errado aconteceu nesta obra".

Acrescentou ainda que "embora já tenha sido traído relativamente a outras previsões no que toca à reabertura do troço em obras, prevejo a conclusão até final do mês de maio

 

Haja paciência para tanta incompetência!

 

E foi mais ou menos isto - com um ou outro detalhe que me possa ter escapado - o que ontem se passou...

 

Como se passou da meia noite sem sequer ter cumprido metade da Ordem de Trabalhos, a sessão continuará na próxima quinta-feira, dia 3 de Maio, à mesma hora e no mesmo local.

 

 

publicado às 10:17

QUE CHEGUE ABRIL...


 

Captura de ecrã 2018-04-25, às 14.21.17.png

 


QUE CHEGUE ABRIL – A VALONGO TAMBÉM...
 
Quando Abril chegar
E a coragem de mudar
Não faltar
Quando o Povo acordar
(Em Valongo também)
E Portugal amordaçado
Desnutrido e subjugado
Vilipendiado e roubado
Brandir corajoso o cajado
(Em Valongo também)
Quando a Liberdade sair à rua
E nem a ponte por fazer a obstrua
Quando a minha Liberdade for igual à tua
(Em Valongo também)
Quando esse dia chegar
Sem bombeiros ou polícia a saudar
Os prefeitos imperfeitos do lugar
Portugal amordaçado poderá cantar
E será finalmente Abril - em Valongo também
 
(Ao correr da pena, em 25 de Abril de 2018)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

publicado às 14:32

25 DE ABRIL SEMPRE! - APESAR DE TUDO...

Captura de ecrã 2018-04-25, às 09.27.39.png

 

- Ainda que o País político o viva com (muita) hipocrisia...

 

- Ainda que as razões pelas quais ele se fez - a maioria pelo menos - persistam quase imutáveis...

 

- Ainda que os cancros que corroem o País real persistam, resistindo às várias sessões de quimioterapia que têm sido tentadas - a corrupção, a incompetência, a falta de solidariedade para com os mais frágeis, as sucessivas alienações de soberania e a transferência dos nossos centros de decisão para fundos-abutre ou para as mãos sujas dos para-mafiosos funcionários públicos de Bruxelas...

 

- Ainda que na terra onde vivemos há mais de três décadas e na Câmara que fica para lá dos montes, as cerimónias oficiais com que se tenta fingir que se está com ele (?) sejam verdadeiramente deprimentes e 'vazias de actos concretos' - e colidam mesmo frontalmente, pelos lamentáveis posicionamentos do dia-a-dia de quem administra a coisa pública, com os nobres propósitos dos heróicos Capitães de Abril de 1974...

 

- Ainda que neste subúrbio às portas do Grande Burgo onde há muitos muitos séculos atrás houve nome Portugal, quem lamentavelmente o administra já se tenha há muito esquecido do real e concreto significado da expressão "fazer das tripas coração"...

 

- Ainda que neste Concelho de pechisbeque a Liberdade continue a não saír à rua - e quando o faz corra sempre o risco de ser assassinada -  e os detentores do poder persistam na ideia transformada em lamentável prática diária, de que Abril de 1974 foi apenas "aquela" singela Primavera sem exemplo que convém - para eles obviamente - não repetir e portanto, esvaziar tanto quanto possível de significado concreto e actualizado...

 

Ainda assim... (e parafraseando o grande Galileu)

 

O 25 de Abril move-se e no essencial, permanece vivo no coração do Povo!

 

25 de Abril sempre!

 

 

 

publicado às 09:28

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D