Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO DO NOSSO DESCONTENTAMENTO - O 'ERRO DE CASTING' PERSISTE...

 Nota prévia:

 

Captura de ecrã 2018-08-04, às 15.40.32.png

 

Depois da retumbante derrota em toda a linha do 'Polvo (geneticamente modificado) de Valongo' na batalha (quase) da minha vida e que ficará conhecida como "O Julgamento do Século", eu tinha prometido que iria conceder a mim próprio um tempo de 'relax' para fruir em pleno e de forma mais ou menos prolongada o sabor agridoce da imensa vitória que não me envolveu apenas a mim, mas também a muitos amigos sem a ajuda dos quais o resultado teria sido evidentemente bem diferente...

 

Porém...

 

Valongo - o Concelho e não o vasto território de imensas belezas naturais e algum Património natural e edificado que nos orgulha - é um perfeito 'case study' de sucessivos erros, de acumulação de asneiras, de decisões que nada têm a ver com a defesa dos interesses das populações da região e que ao longo dos anos persistem e se têm mesmo agravado em comparação  - desde logo - com aquela que já foi a 'progenitora' da maior parte do nosso território: Maia (Terras do Lidador ou Terras da Maia)

Se quiséssemos simplificar - e não queremos mesmo fazê-lo - poderíamos dizer que talvez a assimetria advenha das potencialidades do território maiato propriamente dito, com uma maior proximidade ao litoral e ao turismo que sempre o prefere, da sua maior vizinhança com a Grande e Invicta Cidade.

 

Não é no entanto esse o nosso problema!

 

Valongo, este lamentável Concelho nasceu torto e tarde ou nunca se endireitará, porque tem a má sorte de (quase) sempre ter sido governado por gente medíocre.

 

Reportemo-nos apenas ao pós-25 de Abril de 1974:

 

* A Maia teve o privilégio de contar com esse 'monstro' do Poder Local, Vieira de Carvalho e logo a seguir com Bragança Fernandes e o actual, Domingos da Silva Tiago.

 

* Em Valongo contentamo-nos com João Moreira Dias, Fernando Melo, João Paul Baltazar e o que agora temos - para nossa desgraça, José Manuel Ribeiro.

 

* Na Maia, as Instituições e o tecido associativo recebem apoios assinaláveis, as empresas são atraídas pela qualidade das infraestruturas colocadas à disposição dos investidores e cuida-se do território como se deve cuidar de um investimento que quanto melhor preservado for mais investimento conseguirá atrair.

 

* Em Valongo é a desgraça total, o desleixo completo a falta de respeito para com um território bonito, pleno de belezas naturais mas ao abandono e cuja preservação estará sempre, na ordem das prioridades, a seguir a qualquer concerto do Quim Barreiros, da Xana Toc-Toc ou de uma qualquer e deficitária edição da Expoval.

 

* Na Maia não se contratam pseudo-escritores para divagarem sobre a história das Terras do Lidador. Quem escreve sobre a Maia - e muitos o fazem - fá-lo por conta própria e por causa do imenso acervo sobre o qual pode discorrer.

 

* Em Valongo, até para resumir 180 anos de memórias da elevação a Concelho - um resumo mal compilado, ficcionado, deturpado e que mais se assemelha a um volumoso panfleto para vender 'banha da cobra' a turistas ocasionais com pouco tempo para investigarem pormenores perdidos no tempo sobre um território ao qual dedicarão um ou dois dias de atenção antes de seguir viagem rumo à Grande Cidade ou ao vasto litoral mais a sul - tem de se arranjar um avençado e pagar-lhe a peso de ouro.

 

(Sobre o dito livro/panfleo e sobre Alfena por exemplo, existem no mesmo verdadeiras anedotas que um dia destes tentarei com algumas ajudas externas desmontar, tais como o famoso (!)  "Pilar de S. Lázaro" ou a leprozaria que se teria localizado na margem direita do nosso Rio Leça (!).

 

Valongo é um território bonito e as suas gentes não merecem ser governadas assim!

 

(Ou talvez mereçam se persistirem - se todos persistirmos  - em curvar a cerviz perante o nepotismo, a negligência, a corrupção, o privilégio dos 'boys' no acesso aos lugares próximos do trono do actual monarca reinante).

 

Nota final:

 

Por tudo isto e muito mais é que o propósito que tinha de me conceder um tempo de lazer e fruição das muitas coisas boas que me têm andado escapar continua a assemelhar-se à ponte da letra da música dos Jáfumega: "...uma miragem p'ra outra margem" - mas qual margem?...

 

 

publicado às 13:37

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D