Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO E OS NEGÓCIOS 'SOLIDÁRIOS'...

Captura de ecrã 2019-12-19, às 18.49.23.png

Quem acha que fazer formação profissional em regime pós-laboral ou para desempregados -  com pagamento de uma bolsa de formação e um subsídio de refeição - é um acto de solidariedade levante a mão...

 

Até podia ser mas como diz o outro, "o diabo está nos detalhes"...

 

Formação profissional como parte integrante de uma função profissional mais alargada dos formandos e formadores seguramente não é um exercício de solidariedade e por maioria de razão, também não o é quando é feita em exclusivo e é paga por alguém - seja pelos próprios formandos, seja quando é financiada por qualquer programa europeu, seja ainda quando é promovida por qualquer outra entidade.

 

Ora bem... vou tentar abordar um assunto incómodo relacionado - mais uma vez - com o 'subúrbio' e que envolve formação financiada por fundos europeus, tentando ser o menos desagradável possível - eu próprio tenho o CAP de formador, já ganhei dinheiro fazendo formação pós-laboral e não considero que tenha cometido algum crime com isso...

 

A Plataforma Solidária de Alfena é uma estrutura vocacionada com o exercício prático da solidariedade nas suas mais variadas vertentes que foi instalada inicialmente por três entidades: Câmara Municipal de Valongo, Junta de Freguesia de Alfena e AVA - Associação Viver Alfena.

Por razões que para o caso pouco interessam - ou talvez até interesssem pelas piores razões - a AVA desvinculou-se do projecto, o qual passou desde então a ser 'tocado a duas mãos',

 

Ora bem...

 

A então presidente da AVA foi eleita para a Câmara na lista do actual presidente e talvez as 'tais razões' que levaram à tal ruptura tenham sido a principal razão para que tenha decidido transferir todas a valências asseguradas pela Câmara para salas alugadas ao Centro Social e Paroquial de Alfena.

Até aqui tudo bem - ou nada de mal pelo menos: a Câmara tem dinheiro para pagar rendas e com esse pagamento também ajuda a grande e prestimosa IPSS ligada à paróquia.

E  por acréscimo, com a libertação de espaço na Plataforma, ajuda a outra parceira, a Junta de Freguesia, a desenvolver ainda mais as actividades que já assegura.

 

Raciocínio errado!

 

A verdade é que a Câmara - a Dr.ª Manuela Duarte - não libertou sala nenhuma e exigiu até com prazo marcado para tal, que a parceira Junta de Freguesia que entretanto ali já desenvolvia as suas actividades a desocupasse.

 

E para quê - perguntam os valonguenses, os alfenenses em particular . E perguntam muito bem, até porque a resposta é simples de dar - de aceitar talvez nem tanto...

 

A tal sala foi cedida a uma empresa de formação para fazer formação financiada e com isso ganhar dinheiro, de forma legal seguramente, mas utilizando um equipamento público que não foi concebido para esse fim.

E não se pense que o erro reside apenas no facto dessa cedência ser, ao que parece, gratuita. Mesmo que tivesse qualquer contrapartida financeira seria igualmente errada pois a Plataforma Solidária de Alfena, tal como o próprio nome indica, destina-se a desenvolver e assegurar o funcionamento de projectos solidários.

 

Porque o presidente da Câmara é sempre responsável pelos erros eventualmente cometidos pelos seus vereadores - ainda que por vezes possa alegar que eles são cometidos no exercício das respectivas competências delegadas e possa nem sempre ter conhecimento pormenorizado dos mesmos - deixo aqui ao meu mais ilustre e assíduo leitor Dr. José Manuel Ribeiro - boa noite senhor presidente - o alerta para este caso que aparentemente pode configurar várias hipóteses possíveis de irregularidades e/ou crime.

A tal empresa que ali tem desenvolvido as tais acções de formação financiada e tem já mais algumas programadas para o início de 2020 é a Tecla.

 

A Tecla é como quem diz...

 

A Tecla foi dissolvida e liquidada em Outubro de 2016 e quem herdou e actualmente desenvolve a respectiva carteira de actividades de formação - trabalhando sob a marca Tecla - é a Factopolis.

 

Não sou especialista nestas 'engenharias' envolvedo falências de empresas com abertura de outras sob a mesma marca. Talvez isso seja perfeitamente legal - até porque a tal Tecla (Factopolis) faz formação certificada e nem é bem isso que está aqui em causa.

O que conta de facto e é para isso que chamo a sua atenção, é que a sua vereadora com o pelouro da Acção Social usou um equipamento público para ajudar uma empresa privada a ganhar dinheiro e, por acréscimo, tentou acertar umas pequenas 'contas' pessoais com o presidente da Junta de Freguesia de Alfena.

Em tese até posso admitir que em determinado momento ela pudesse ter razões para se sentir zangada com alguma atitude tomada pelo seu anterior parceiro - quando ela era presidente da AVA - mas nem o cargo que actualmente exerce nem o equipamento público gerido pela Câmara e pela Junta de Freguesia podem funcionar como arma de arremesso ou para promover qualquer estratégia de ajuste de contas pessoais.

 

 

 

publicado às 16:28

O URBANISMO É QUE ESTÁ A DAR! - TRAFICANTES DE DROGA, MUDEM DE RAMO...

 

Captura de ecrã 2019-12-04, às 15.00.11.png

Urbanismo

O urbanismo é «a forma mais encapotada e sub-reptícia de transferir bens públicos para a mão de privados», tem dito Morais. Em junho de 2011, por exemplo, critica as “vigarices” na área do urbanismo praticadas por muitos municípios, acusando-os de “valorizar terrenos à ordem dos 2.000% sem qualquer dificuldade”, apenas para beneficiar um determinado “predador imobiliário”.

“Este tipo de máfia só existe em dois tipos de negócios em Portugal: no urbanismo e no tráfico de droga”, frisou, criticando a “promiscuidade absoluta entre Estado e privados”. “A margem de lucro do urbanismo em Portugal só é equivalente à do tráfico de droga”, diz.

(Paulo Morais in Observador, 09 Abril 2015)

__________________________________________

* “ Como é possível fingir que está tudo bem quando se sabe que o presidente socialista chamou a si a tarefa de consolidar, de forma inexplicável, o maior processo de corrupção de que há memória em Valongo?";

* “O actual presidente socialista, ao contrário do que prometeu que iria fazer, não acabou com a corrupção que ‘dizem existir na Câmara de Valongo’. Em vez disso aprimorou-a, protegeu os seus agentes mais conhecidos e rapidamente assumiu como sua a estratégia de um jogo que já estava a ser jogado e que ele optou por não interromper - em equipa que ganha (e como ganha) não se mexe”...

(in publicações deste Blogue constantes do processo de difamação interposto pela Câmara Municipal e pelo seu presidente contra mim) 

___________________________________

Mantive esta opinião ao longo de todo o 'julgamento do século' e mantenho-a até agora, com toda a ênfase e a mesma convicção!

 

Em Valongo a corrupção existe e persiste e é no sentido de conseguir a atenção da Justiça para essa realidade que vai o requerimento de abertura de instrução do processo do "garimpo" de Alfena - um Processo que nunca deveria ter sido arquivado pelo Ministério Público ao fim de 8 anos de investigação!

 

O almoço solidário e de trabalho do próximo dia 14 no Estação Grill de Alfena contará, estou certo, com muitos amigos disponíveis para ajudar neste combate.

 

Terei o grato prazer de contar entre eles com a presença de Paulo Morais e João Paulo Batalha (da TIAC)...

 

Em Valongo e ao contrário do que o ocupante da cadeira do poder municipal vai apregoando através da máquina da propaganda com a ajuda dos incondicionais batedores de palmas de sempre, a corrupção persiste e floresce, ou seja, nada mudou.

 

Perceberam bem: nada mudou ou se mudou não foi para melhor!

 

Tomando Valongo como (mau) exemplo, apetece perguntar aos estúpidos traficantes de droga que continuam a arriscar a sua liberdade e às vezes a própria vida porque é que não fecham o 'estaminé' e se estabelecem neste novo ramo de negócio igualmente rentável e com muito menos riscos...

 

publicado às 14:07

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D