Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

COMECEM A TRABALHAR, PORRA! ALFENA MERECE...

 


Não! Não vou voltar à questão da "paternidade"da nossa querida cidade, bem esclarecido que ficou (eu acho) esse assunto numa das minhas publicações anteriores - apesar de ter havido alguém que parece ter entendido que eu estaria a defender a extinção daquele avezinha simpática que é o cuco e cujo canto se ouve cada vez menos por estes lados...

Nada disso! Apenas não estou de acordo com o seu método para dar continuidade espécie, à custa do trabalho dos outros e nada mais...

A verdade é que a nossa cidade, qual donzela, mudou de estado civil, mas ao contrário das donzelas de antigamente que quando casavam tinham direito a levar dote, a nossa continua na mesma, com o mesmo enxoval, na casa de sempre, dentro das fronteiras de sempre - corrijo - naquelas que alguém de forma ainda não totalmente esclarecida lhe impôs há uns anos atrás.

E apesar do quase apelo às armas feito naquela famosa Assembleia de Freguesia, em que nos diziam ser urgente uma tomada de posição, não se vislumbram por enquanto, quaisquer resultados práticos.

E também, ao contrário das ditas donzelas de antigamente, para quem a mudança de estado civil significava uma espécie de libertação de uma tutela quase sempre demasiado controladora, a nossa querida cidade continua com os maus gestores de sempre, que mesmo sem usarem aquele minúsculo bigodinho sob o nariz daquele compatriota de Angela Merkel que deixou de importunar o mundo em 1945, se baseiam em métodos às vezes demasiado semelhantes para tentarem afastar da coisa pública aqueles que no seu dizer "só estorvam"...

Claro que neste caso, "estorvar" é tentar escrutinar, questionar, exercer o direito de oposição ou de simples cidadania.

"Estorvar" é ter projectos diferentes ou o simples condão de conseguir ver - e dizê-lo bem alto - que "o Rei vai nu", o que nas suas mentes formatadas para uma época de má memória que em Portugal, já ficou para trás há quase 40 anos,  é uma espécie de crime de lesa Pátria!

E não vão ser as entrevistas conseguidas aqui ou ali, dizendo que Alfena precisa disto e daquilo, de mais este ou aquele mega investimento (leia-se negociata especulativa), de mais - de muito mais - empregos do que aqueles que foram prometidos e  continuam em standby, que vão alterar o marasmo e a estagnação que se vive na nossa cidade...

Do que a nossa cidade precisa mesmo, é de gente que fale menos e faça mais, de gente que saiba separar o interesse público do privado - ainda que não seja crime nenhum ganhar dinheiro fazendo negócios - sobretudo, se estes não beliscarem a legalidade, a transparência e as boas práticas da gestão da coisa pública.

Do que Alfena precisa,  é que os UpA comecem a cumprir o seu programa eleitoral!

(Mas isso já ela precisava enquanto era uma simples e singela vila, para passar a ser uma simples e singela cidade).

E o melhor é começarem já, não vá alguém lembrar-se de lhes fazer - pelo menos a alguns - o mesmo que aos Governadores Civis...

 

publicado às 22:32

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D