Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A CREDIBILIDADE DO PAÍS E OS "DISCURSOS REDONDOS"...

 

Não existe nada pior, nada mais demolidor em termos da destruição das sinergias de que um país - qualquer país - carece para navegar e em muitos casos apenas manter-se à tona neste mar agitado em que o capitalismo selvagem transformou este mundo em que vivemos (ou sobrevivemos) do que a falta de confiança.

Desde logo, a confiança dos seus cidadãos, depois a dos seus parceiros num contexto mais restrito ou regional, aqueles a quem podemos comparar - tomando o cidadão comum como exemplo - aos vizinhos do lado ou ao corpo de bombeiros mais próximo...

E a confiança não é um bem móvel nem imóvel que esteja disponível no mercado. A confiança merece-se ou não, face aos comportamentos evidenciados por aqueles que necessitam de a invocar perante alguém.

Não depende da nossa apresentação num determinado momento - como aquele cidadão que quando comparece  numa entrevista de emprego, vai sempre muito mais "produzido" e aperaltado do que o costuma fazer no seu dia a dia - mas abarca normalmente um período de "registos" bem mais abrangente e alargado.

A confiança de um país, mesmo que territorialmente pequenino como é o caso de Portugal, não depende de nenhuma qualquer apresentação em power point por mais bem elaborada e bem conseguida que o tenha sido pelos inúmeros assessores pagos a peso dos euros que não temos, não depende de nenhum discurso, por mais palavroso que o seja, não depende sequer de nenhum esforço pessoal "lider de serviço" no momento, no sentido de aperfeiçoar o nível do seu "inglês técnico" - técnico ou não -  para se fazer entender, porque não é por aí,  por se expressarem melhor ou pior na língua usada pela maioria daqueles a quem procuram convencer, ou por recorrerem simplesmente a um tradutor fiável como assessor, que o seu problema se resolve.

Mais importante do que tudo isso, é o respectivo "curriculum" - virtual mas nem por isso menos relevante - que os acompanha e o "registo fotográfico" que os precede - os deles e por arrastamento, os do seu país.

Quem foi que disse que os "serviços de inteligência" só serviam para tratar de assuntos relacionados com a segurança dos respectivos países ou de natureza estratégica mais global?

Será que Sócrates algum dia acreditou que a figura patética em que se transformou nos últimos anos era apenas do "conhecimento restrito" dos cerca de dez milhões de portugueses?

Será que Passos Coelho - a viver teoricamente o chamado período de "estado de graça" - acredita que os discursos redondos que produz, alguns num inglês já bem menos "técnico" que o do seu antecessor, vão ser os elementos determinantes para convencer os seus parceiros internacionais?

Será que Paulo Portas ainda acredita que os lideres mundiais perdem tempo a ver filmes do "rato Mickey"?

Portanto, a confiança (ou no sentido que eu pretendo atribuir ao termo, a credibilidade) ao contrário da ideia que alguns nos tentam "vender" não é um conceito abstracto, flutuante e subjectivo e muito menos uma qualidade "de curto prazo". Pelo contrário!

Uma parte significativa dos itens que a suportam baseia-se em grande medida, no "ADN" dos lideres - políticos, financeiros, homens de negócios, gente com capacidade de decisão nos países que necessitam de a invocar - mas estes  têm de demonstar que a merecem.

E lamentavelmente, neste período difícil que Portugal vive e em que tanto precisa de a conquistar, isso não tem acontecido e o nível e a fiabilidade das "credenciais" que continuamos a apresentar não mudou muito.

Falta apenas dizer - e por ter ficado para o final, nem por isso deixa de ser menos relevante - que os interlocutores com quem temos de interagir, são, muitos deles também, feitos da mesma massa de má qualidade e  transportam no seu "ADN" o mesmo tipo de deficiências que caracterizam os nossos lideres, o que torna inevitavelmente o prognóstico ainda muito mais reservado...


PS: Mas já agora e a propósito do tema desenvolvido - confiança (ou credibilidade) - situemo-nos apenas no espaço confinado do pequeno rectângulo em que nos movemos e onde apesar das contingências difíceis e dos "propósitos" (impostos por uma Troika vinda de "terras estranhas") de alterar radicalmente certos (maus) hábitos, de acabar com certas mordomias, de preencher ministérios, secretarias de estado, gabinetes, departamentos e lugares equiparados, com gente competente em prejuízo do carreirismo ou da fidelidade canina de alguns boys and girls em relação aos chefes - chefes sim, que agora o governo é bicéfalo (embora com uma das cabeças um pouco menos desenvolvida) - cito também apenas apenas dois, para ser abrangente, maus exemplos que induzem sinais que vão no sentido inverso àquele que nos disseram e continuam a dizer pretender seguir:

O homem do "queijo limiano" - Daniel Campelo -  e o "vice-rei" de Gaia e presidente de algumas empresas municipais - Marco António Costa, figura sobejamente conhecida dos valonguenses  e nem sempre pelos melhores motivos (começando desde logo, pelas estruturas locais do próprio PSD, alfenenses em particular).

Se estão no governo por causa da componente "competência", então é caso para dizer - e como me custa fazê-lo! - que não temos de que nos queixar da Moody's, quando somos nós a pormo-nos a jeito junto ao caixote do lixo...

 

publicado às 08:41

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D