Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - CORTEM O CORDÃO UMBILICAL E "DESLIGUEM A MÁQUINA"!

Volta de novo a falar-se na redução do número de autarquias, agora com uma premência maior, devido à "governação" da Troika - sim, que para aqueles que ainda andam distraídos, quem nos governa de facto, embora não de direito,  é sobretudo esta espécie de "governo sombra" que foneticamente até nos devia remeter para um acontecimento histórico de tipo positivo...

Ora bem...

Eu concordo e sei que existem por esse País real fora muitos autarcas a concordar também - embora no caso de alguns, apenas se o processo não lhes bater à porta.

Já sei - ou quase tenho a certeza -  de que vai ser isso que vai ocorrer:

Que vão começar pelo argumento da "dimensão, da falta de escala, da impossibilidade de assegurar uma qualidade minima de seviços aos cidadãos" e por aí adiante...

Tudo argumentos politicamente correctos - que mesmo assim não evitarão resistências e nalguns casos, a eclosão de pequenas "guerras civis" - mas o que é facto, é que se a ideia for mesmo a de potenciar sinergias, de reduzir custos, de melhorar a qualidade dos serviços que se prestam aos munícipes ou aos fregueses, então terá necessariamente que se juntar a estes argumentos um outro, eventualmente mais relevante: o da corrupção, o dos níveis de incumprimento de parâmetros de seriedade mínima por parte de alguns autarcas, a questão dos níveis de endividamento e sobretudo, das razões que conduziram em muitos casos, ao descalabro, à percentagem de "ajustes directos" no que se refere ao número global de projectos, a "saúde financeira" das empresas municipais - uma espécie de "esperteza saloia" de algumas autarquias cuja finalidade única, foi a de contornar as limitações legais ao já referido nível de  endividamento.

E pronto.

Dito tudo isto, começam aqui já a surgir alguns contornos de vários "retratos robot" que nos remetem para s"suspeitos" bem conhecidos: Valongo, Lisboa, Almada e outros e que curiosamente contrariam a tal "lógica" - ou argumento da dimensão.

Mas também é verdade, que se alguns dos autarcas de serviço quiserem, ainda terão tempo de inverter a situação e credibilizar as instituições que gerem ou ajudam a gerir, e aí sim, podíamos centrar-nos unicamente na tal componente da dimensão e do número de eleitores.

E porque será que o caso que me ocorre logo em primeiro lugar, é o de Valongo?

Há valonguenses que se interrogam como é que é possível, que pessoas inteligentes e com voz, se deixem apagar voluntariamente, permitindo que a situação do nosso Município "apodreça" cada vez mais?

Vão perdoar-me a comparação algo tétrica que vou fazer, mas é quase como se num parto em que a mãe não consegue sobreviver, os médicos decidissem manter o cadáver "ligado à máquina" sem cortar o cordão umbilical ao bebé. Como é que este conseguiria sobreviver nestas condições?

Claro que em Valongo - e nas outras onde situações semelhantes ocorrem - a decisão é bem mais "fácil" de tomar, pois de um e do outro lado do "cordão umbilical" estão adultos já capazes de manusear a tesoura evitando males maiores - para os "bebés", obviamente...

publicado às 21:04

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D