Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

"MICRO PERCURSOS" MATINAIS - UMA FORMA DIFERENTE DE RECARREGAR BATERIAS......

Seja porque hoje o dia se apresenta "com cara de poucos amigos" e a contradizer o calendário, seja por qualquer outra razão que me escapa, não recebi nenhum pedido do género "vamos dar uma volta, ver o mar, ouvir as ondas, sentir a brisa salgada no rosto, cansarmo-nos quanto baste num qualquer percurso pedestre?"  - dos muitos que (felizmente) já existem ao longo de extensos segmentos da nossa orla marítima de norte a sul do País...

É verdade que grande parte das Câmaras têm esbanjado uma fatia significativa dos seus orçamentos a realizar obras de fachada, a construir rotundas a seguir a outras rotundas, a erigir estátuas e outros monumentos de homenagem póstuma a quem por mais que se tente, não se consegue descortinar merecimento bastante para justificar tal esbanjamento de dinheiros públicos.

É verdade, mas também se pode constatar que algumas ao mesmo tempo - ou apenas - têm feito obras válidas e úteis. E nestas, incluem-se sem margem para dúvidas, os muitos quilómetros de requalificação da nossa orla costeira.

Mas voltemos atrás...

Hoje na ausência das tais solicitações do costume nesta altura do ano, apeteceu-me aproveitar a manhã, fresca por sinal, para passear os olhos e percorrer - são apenas umas escassas dezenas de passos -  o meu micro quintal com mais atenção, ver na laranjeira solitária as laranjas que ainda restam da produção anterior, dividindo os ramos com as que estão a crescer.

Decidi com base em recomendações dos anos anteriores, que tenho que atacar - como eu detesto ter de reconhecer a inevitabilidade do uso de certos químicos! - uma praga que está a provocar "sofrimento" à árvore e aos próprios frutos em desenvolvimento.

Depois dediquei alguma da minha atenção à tangerineira e ao limoeiro...

Aqui, não detectei nada de preocupante e por isso, cumprimentei-os e passei à frente - ao pé de maracujá que me vai prodigalizando já há algum tempo e a um ritmo aceitável os seus frutos saborosos e muito disputados cá em casa.

De caminho, olhei de relance para as poucas dezenas de couves galegas que me possibilitarão lá mais para o final de Outono e durante o inverno uns quantos caldos verdes ou mesmo umas vulgares sopas à boa maneira portuguesa com o indispensável naco de presunto - estas devidamente espaçadas no tempo mais por força deste último componente que pelo efeito das inofensivas e saborosas leguminosas.

Subi ao terraço sobre a garagem onde a dona e senhora do espaço aéreo é uma videira de uvas "americanas". Sento-me por breves momentos no banco de jardim - aqui perfeitamente deslocado em termos estéticos, mas prodigalizando descanso equivalente - inspiro a plenos pulmões o cheiro característico dos frutos sobre a minha cabeça. Hoje não me apetece "correr riscos" na habitual - e também desigual - disputa com as centenas de abelhas que todos os anos se acham com direitos iguais aos meus a desfrutar dos mesmos.

Confesso que ontem lhes preguei uma pequena "rasteira": quando já era quase noite escura e elas já se haviam acolhido ao seio do respectivo enxame, fiz uma breve incursão e colhi a quantidade suficiente para dois dias de consumo moderado - temos também aqui, no caso das uvas "americanas" de as consumir com a necessária moderação.

Terraço, sombra, brisa fresca vinda de norte, obrigaram-me abandonar a posição estratégica e a rumar desta vez ao micro jardim - cá em casa, os espaços exteriores - quintal e jardim - são ambos do tipo micro (a classificação é da minha inteira responsabilidade).

Mesmo assim e apesar da referida característica micro, os cerca de 40 metros quadrados de relva, ainda conseguem acolher - para além de duas japoneiras médias, um pé de  estrelícias, uma sica e mais um ou dois arbustos ornamentais - a minha preferida do momento: uma oliveira centenária, este ano, excepcionalmente carregada de frutos, os quais em devido tempo e utilizando o mesmo processo que me foi transmitido por quem já partiu, não sem antes me ter ensinado, entre tantas e tantas outras coisas úteis, a "técnica caseira de curtir azeitonas", me vão possibilitar pela primeira vez desde há muitos anos, executar a operação a uma escala relevante - o ano passado, a "experiência" confinou-se a cerca de duas dúzias de frutos (!) tantos os que, por razões que me escapam, ela pôs à minha disposição....

E pronto, neste vagaroso deambular dei por mim com carga suficiente nas baterias, para transformar em texto o resultado das minhas observações e - respondendo ao apelo subliminar da "mensagem odorífera" inconfundível que me chegava dos lados da cozinha (desta vez vou-me antecipar ao chamamento da "patroa") - dei por findo o percurso, não sem antes e involuntariamente,  ter feito a comparação entre o resultado do mesmo e aquele que teria obtido no mesmo espaço de tempo, esparramado em dois metros quadrados de toalha, disputados com os vizinhos do lado num qualquer areal à beira mar ou à beira rio...

 

 

publicado às 11:39

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D