Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A VIDA VALE A PENA!

Nesta altura, discute-se na Assembleia da República um projecto de lei - ou melhor, vários, que na politica, todos gostam de "apresentar trabalho", nem que seja apenas para escrever o mesmo texto do adversário político ao qual retiram uma vírgula aqui, acrescentam um ponto ali, quando não se ficam apenas pela simples formatação do texto...

Refiro-me ao chamado "testamento vital" - ao qual espero a sociedade dê a devida relevância.

Nada que tenha a ver por enquanto, com uma outra questão mais profunda - e porventura muito mais polémica - que é a da eutanásia e sobre a qual já muito se tem escrito, dito e debatido.

Valerá a pena talvez, passarmos os olhos muito por alto sobre a aridez dos textos agora em discussão, mas mais do que isso, aquilo sobre o qual vale de facto a pena reflectir, é o que a sociedade tem feito, faz ou pode fazer, para que a qualidade de vida dos seus cidadãos - nos diversos escalões etários, os quais como é óbvio, implicam uma atenção também diferenciada -  se mantenha com um nível de dignidade compatível com as exigências de um País que se pretende solidário.

Tenho um entendimento muito pessoal sobre a vida - eventualmente partilhado por muitas outras pessoas - e que se resume a umas quantas condicionantes sem as quais, ela (a vida) deixará de fazer grande sentido:

 

- Enquanto conseguirmos sorrir, não com aquela espécie de esgar ou sorriso de plástico dos políticos em campanha eleitoral ou dando entrevistas, mas com um sorriso espontâneo, amigável, empático, a vida vale a pena.

 

- Enquanto sentirmos que mesmo nos nossos momentos mais adversos, temos amigos à volta que exigem que vivamos, que mais do que isso, nos dizem que a nossa ausência lhes causará profundo sofrimento e que no caminho que nos falta percorrer, eles estarão sempre ao nosso lado, a vida vale a pena.

 

- Enquanto os "homens sábios" que estudam, fabricam, prescrevem e ministram os medicamentos ou executam os actos cirúgicos ou as ajudas técnicas de que em determinado momento, de forma temporária ou definitiva possamos passar a ter de estar dependentes nos garantirem que isso não apagará , nem o nosso sorriso nem o daqueles que nos rodeiam, a vida vale a pena.

 

- E a vida vale ainda a pena, enquanto sentirmos prazer em escutar o marulhar das ondas do mar, enquanto o canto das aves não nos for indiferente, enquanto à beira mar nos alegrarmos perante a magia de um por de sol, enquanto a surpresa de sermos apanhados por uma inesperada chuva de verão não constituir motivo de incómodo, mas antes pelo contrário nos divertir e der prazer.

E tudo isto, independentemente de estarmos apoiados nas nossas próprias pernas, numa cadeira de rodas ou suportados por um qualquer outro tipo de ajuda técnica.


PS: Tinha este pequeno texto já semiacabado, quando o destino fez com que me cruzasse com uma querida amiga num local onde costumamos deslocar-nos sobretudo quando temos alguma dúvida sobre o estado da nossa saúde, mas onde também podemos ir por simples rotina para as "revisões periódicas".

No meu caso foi este último motivo que ali me levou, sendo o primeiro a causa da deslocação da minha amiga.

Tal como ela, também eu já tive necessidade de esclarecer dúvidas relevantes e agir em conformidade - com determinação e sem medo - em situação não exactamente igual, mas de gravidade também relevante e neste momento felizmente, vivo já apenas a fase das consultas de rotina.

No caso dela, nem sequer existe ainda uma certeza, mas mesmo que existisse, ela tem pelo menos uma enorme vantagem sobre mim e sobre os milhares de outros cidadãos que se vêm de repente confrontados com certezas de idêntica gravidade: a juventude, que é sempre um factor de enorme relevância perante as situações de doença.

 

 

publicado às 12:19

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D