Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - TERRA ONDE O SILÊNCIO (LEIA-SE "LEI DA ROLHA") É DE OURO...

Daqui a escassas horas, terá início uma reunião pública da Câmara de Valongo.

Trata-se de um gesto caracteristicamente reactivo à conferência de imprensa dada pela Oposição na passada sexta feira e na mesma sala, para protestar contra a escassez cada vez mais notória das ditas reuniões de Câmara e sobretudo contra a irregularidade com que são convocadas - dando toda a ideia de que aquilo que é pretendido com esta estratégia, é "desabituar" os valonguenses de participarem nas mesmas.

A de amanhã, tem tudo para ser o que parece: simples "cumprimento de calendário". Basta olhar com atenção para a respectiva Ordem de Trabalhos.

No entanto, apesar da aparente folga de tempo deixada pelos assuntos agendados, apesar da situação financeira de falência que a Câmara vive justificar um esforço de abertura acrescido em relação aos cidadãos, os nossos "Vereadores que trabalham" ainda conseguem entreter-se com "guerrinhas de alecrim e manjerona" como é o caso de recusar um pedido de intervenção do Público,  (1) com base no "clausulado" que fazia parte do plano de saneamento financeiro e onde se previa que todas as reuniões passariam a ser públicas, com intervenção do público apenas na primeira 

Ocorrem no entanto duas situações que colidem com esta visão redutora:

Primeira: como a oposição bem disse na tal conferência que causou estupefacção ao nosso vice presidente, a média está muito aquém do que se encontra regulamentado. Logo, há um deficit para com o público.

Segunda: A tal deliberação da Assembleia Municipal que o vice presidente invoca - sim porque foi dele que partiu a limitação do direito de intervenção - não está em vigor, dado que todo o processo se encontra no Tribunal de Contas. Tanto assim é, que a Câmara estava obrigada a uma série de procedimentos, que por esta mesma razão não está a cumprir.

Portanto, nesta altura de crise grave e de incertezas várias, os valonguenses continuam a ter que contar (apenas) com uma Câmara, que além de falida por via do deficit financeiro, está - continua a estar - profundamente mergulhada no (infelizmente) habitual deficit democrático.

Talvez comecemos a perceber porque é que há cada vez mais gente a "comprar" a ideia de Passos Coelho de proceder a uma redução drástica no número de autarquias, empresas municipais, vereadores e quadros dirigentes do poder local.

Amanhã ficaremos a saber se ainda resta um pingo de sensatez aos quatro "Vereadores que trabalham", não impedindo mas antes estimulando os contributos do Público, deixando-se de invocar "regras" que de tão rebuscadas que são, transformá-las em lei não lembraria nem ao diabo.


(1) Por acaso - só por acaso - o pedido de intervenção é meu. Só tomei conhecimento da convocatória da reunião ontem e por isso e pelas restantes razões invocadas, mantenho o pedido. Veremos até onde é capaz de ir a prepotência - se é que a minha análise está correcta.

Uma coisa eu garanto para tranquilizar os intranquilos Vereadores e o funcionário do apoio áudio da Câmara que não tem culpa nenhuma do que se passa: não vou "tomar de assalto" o microfone...

publicado às 22:35

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D