Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

24 DE ABRIL ASSINALADO HOJE NA CÂMARA DE VALONGO...

 

Clip áudio da Sessão:

 

Não, não se trata de um lapso inadvertido no título deste post...

 

Uma vez mais e à margem do Regimento e da Lei, o presidente da Assembleia Municipal de Valongo resolveu discriminar negativamente o seu único deputado independente, impedindo-o de usar da palavra na sessão solene marcada para hoje.

Ao fazê-lo, transformou - ele e o poder que apoia, obviamente - esta que seria uma Sessão solene de comemoração do 25 de Abril, numa espécie de celebração saudosista do 24 de Abril de má memória, onde até deu para o presidente da Câmara falar do seu 'pedegree' - ou da falta dele...

 

Assumiu a prepotência de forma solitária - a sua decisão não foi submetida ao Órgão a que preside - e fê-lo apenas e uma vez mais, para dar cobertura à perseguição miserável que me é movida pelo presidente da Câmara.

 

Como eu disse em 'off' mas em voz suficientemente alta para que todos ouvissem, nesta cerimónia 'não disse a letra com a careta', por isso e depois de vincar bem o meu protesto -  'incidente' no dizer do presidente - retirei-me da sala, permanecendo no átrio até ao fim da cerimónia.

_____________________________________________________

 

Este era o texto que preparei e que fui impedido de ler:

 

 

Captura de ecrã 2016-04-24, às 17.29.24.png

Dia da Liberdade, hoje e em todos os amanhãs que tivermos...

 

Da liberdade para escolhermos entre todas, a forma de sermos livres que mais nos agrade, de transpormos para o exterior de nós o que já não precisa de ser íntimo, seja através música, da pintura da escrita e de tantas mil formas de partilharmos a nossa ânsia de sermos livres de corpo e pensamento inteiros.

 

Da liberdade de caminharmos sem grilhetas, sejam elas à maneira antiga e que nos tolhem fisicamente o passo ou as grilhetas dos tempos modernos, aquelas que nos colocam no editor de texto do nosso computador a imaginária cruz em azul-sinistro da proibição de exteriorizarmos pensamentos que incomodem os que mandam, mesmo que os que mandam o façam de forma iníqua.

 

Da liberdade de recusarmos ser escravos-assalariados ainda que o salário possa ir muito para além da malga de sopa e do naco da pão de outros tempos e mesmo que ele possa dar acesso à forma mais sofisticada de rolar no alcatrão ou ao direito de nos sentarmos na cadeira mais próxima de quem manda e a opinar sobre o aprimoramento da arte de escravizar sem dor os da nossa espécie.

 

Da liberdade de tornarmos público através da fala, da escrita ou da língua gestual, que o rei vai nu quer isso corresponda ao padrão de verdade mais em voga ou não, porque a verdade não é uma coisa física nem a sua interpretação pode ser feita em contextos que a possam condicionar.

 

Dia da Liberdade é hoje, um hoje que queremos que se repita em todos os amanhãs, em cada dia de todos os anos da vida que nos resta e daquela que sobre para os que nos renderem na sua preservação.

 

Valongo, 25 de Abril de 2016

Celestino Neves – deputado municipal independente

 

publicado às 13:42

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D