Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

CÂMARA DE VALONGO - INCÓMODOS "RANKINGS"...

Começo por uma declaração não habitual:

Quando se fala em corrupção na Câmara de Valongo, não estamos a falar de toda a gente honesta que lá trabalha, nem sequer mesmo, de todos os vereadores - anteriores e em exercício - que por muito estranho que isso possa parecer, acredito que entre eles tenha havido e haja ainda alguns que que não se tenham deixado nem se deixem seduzir pelo brilho efémero do vil metal.

Pena é que tantos casos que continuam a vir a público e que colocam a nossa Câmara num Ranking tão desprestigiante e tão marcadamente negativo, acabem depois, numa tendência muito portuguesa, por espalhar salpicos que de forma menos justa, atingem a todos por igual. É pena - para os que se dão ao cuidado de manter as mão em "condições higiénicamente aceitáveis" e também para os valonguenses em geral, que por onde vão passando, vão ouvindo muitas vezes aquilo de que não gostam, sobre a terra onde vivem.

Esta introdução vem a propósito da notícia do JN de hoje e que talvez só surpreenda as gentes de Valongo, pelo único facto de os visados terem chegado à barra do Tribunal - eventualmente porque agora existe um maior cuidado com o transporte dos processos e este não "conseguiu" extraviar-se de forma muito conveniente...

Estamos fartos de nos debatermos com dois pesos e duas medidas por parte de quem lida na nossa Câmara com a área do Urbanismo e não somos daqueles que levam isso à conta unicamente da possibilidade que qualquer ser humano tem de poder errar.

Na nossa Câmara, normalmente o que parece é e na área referida, há muitos anos que nos "parece que é" potencialmente corrupta.

A história - negativa - dos últimos anos de gestão da autarquia de Valongo ainda está por fazer, talvez porque Fernando Melo ainda não tenha escolhido o seu biógrafo oficial.

Claro que podemos sempre partir para uma biografia "não autorizada" - dele e de outros ilustres que por ali têm passado.

Já agora e em jeito de nota final, estará para breve um outro caso envolvendo floristas, um vereador e facturas falsas de flores  - estas últimas, não sei se falsas também, se verdadeiras.

Disse que era a nota final, mas ocorre-me aqui a informação ontem prestada pelo nosso autarca local/homem de leis na reunião pública da Junta de Alfena a propósito do adiamento da inauguração do Hospital Privado de Alfena - estava prevista para 7 de Novembro e foi adiada para inicio de Janeiro, "porque ainda faltam algumas licenças e o grupo Trofa não quer correr riscos abrindo sem as mesmas" (!)

Não era este Hospital que tinha um piso a mais? Alguém sabe dizer com base em que habilidade legal é que o problema foi resolvido?

É que com tantos adiamentos e tantas dúvidas sobre o futuro daquele "mega empreendimento", a classificação de projecto PIM desde há muito que deixou de fazer sentido e neste caso, se algo não correu conforme a Lei, não estaremos seguramente a falar de  relógios ...

E agora sim, o recorte do JN de hoje:

publicado às 16:23

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D