Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

DEMOCRACIA DOENTE...

Anda por aí muita gente escandalizada - eu diria mesmo, muito preocupada - com as declarações de Otelo Saraiva de Carvalho acerca de um hipotético "golpe de Estado". Vamos por partes:


Otelo fala demais e regra geral, fora de tempo e eu também me incluo no número daqueles que pensam que o homem não fecha bem e que, como costuma dizer o Povo a propósito de comportamentos idênticos, devemos "dar-lhe um desconto".

 

Mas há uma parte do que ele diz, que é, digamos assim, "repescada" por Vasco Lourenço - que já agora, aproveito para dizer, que foi meu Comandante de Companhia nas Caldas da Rainha, no curso de sargentos milicianos da 1ª incorporação de 1969 - admite essa intervenção em caso de ameaça à Democracia.

 

Para ele e para muita gente na qual eu próprio me incluo, ainda não é esse o caso, mas não demoraremos muito a chegar ao inevitável "ponto de ignição" se não travarmos primeiro e não invertermos a seguir, a nossa perigosa progressão nesta quase suicida "rota de colisão".

 

Não se percebe pois o nervosismo dos muitos "democratas de ocasião", para quem a democracia é (apenas) uma forma de roubar ou prejudicar os outros sem serem incomodados pela polícia ou pelos tribunais, isto é, uma "democracia" à sua medida que usando e subvertendo as regras da genuína, retomada pelo Povo português em Abril, lhes dá o seu "toque pessoal", transformando-a nestas novas formas de assaltar, de roubar de discriminar, tudo em nome dos mais "elevados interesses" da Nação.

 

Não acho que as coisas se devam resolver à paulada, com disparos de obuses, com assaltos ao Parlamento ou ao Palácio de Belém, mas quando os centros de poder se transformam em "antros de corrupção", em exibições festivas de convivência e promiscuidade quase obscena entre interesses supostamente legítimos e outros que deveriam ser combatidos em vez de acarinhados - como temos assistido por exemplo nos últimos dias, por parte do supremo magistrado da Nação em relação aos Bancos - ele que é de facto um mau exemplo do que deve ser a frugalidade dos políticos em tempos de crise (veja-se a comitiva de que se fez acompanhar na sua última visita aos Açores) - então estou com Vasco Lourenço: por enquanto, a Democracia está apenas doente, portanto, ainda a tempo de ser tratada pela "medicina geral" - o Povo. Mas se a "medicação não resultar, então impõe-se, quer isso nos agrade quer não e com todos os custos que implica, uma ida ao "bloco", para extirpar o mal pela raiz.

 

E na situação actual de "meios", só a Instituição militar dispõe de um "bloco operatório" à altura da situação!

publicado às 11:10

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D