Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

CÂMARA DE VALONGO - UMA "FORMATAÇÃO" MINIMALISTA DO PODER LOCAL...

 

 

Hoje foi dia de reunião pública de Câmara.

Em versão minimalista, em primeiro lugar, porque não tinha na Ordem do Dia nenhum ponto destinado à intervenção do Público:

O Regimento não foi (ainda) alterado - por culpa ou omissão de toda a oposição, não podemos deixar de o dizer - e continua portanto a imperar a "lei da rolha", esquema ardilosamente montado, para impedir o cidadão comum de ir para ali colocar questões incómodas e eventualmente perturbar a rotineira pacatez do intenso trabalho diário dos nossos diligentes autarcas, agora ainda por cima, com a agravante resultante do acordo para a viabilização do Plano de Saneamento Financeiro, de haver duas reuniões por mês, sendo que para o êxito deste "esquema", contribuem:

a) Não publicação no sítio da Câmara na Internet - ao contrário do que sucede com a Assembleia Municipal - nem o Edital da reunião, nem a respectiva ordem de trabalhos;

b) Apenas na primeira reunião - ainda um dia me vou atrever a perguntar onde é que isso vem escrito no tal acordo - podem ser formuladas questões por parte do Público:

c) As mesmas, devem ser apresentadas por escrito na Câmara, com uma antecedência mínima de 5 dias úteis.

Contribui ainda para este esquema maquiavélico de se fingir abertura e transparência, quando se é mais fechado e opaco que um muro de betão, o facto de, mesmo que a resposta não o seja, isto é, mesmo que se responda a uma pergunta sobre "alhos" falando de "bugalhos", o cidadão já não possa abrir o "bico"!

Antigamente - e como eu recordo bem esse período de prepotência não disfarçada - quem o tentasse, era logo rodeado por capangas, sempre presentes nas reuniões de Câmara.  Hoje já "evoluímos" um pouco: em vez de capangas temos assessores que já não interagem com o Público, sendo que essa pequena dificuldade é ultrapassada de  duas maneiras possíveis, a saber:

Primeira: Se a reunião for conduzida pelo líder mais idoso, este levanta-se, vai-se embora e deixa o cidadão que decida insistir na clarificação da questão, a falar sozinho:

Segunda: Quando não é este a presidir aos trabalhos mas o seu Vice, a táctica diverge ligeiramente "a reunião está encerrada" - e depois, vem "democraticamente" acabar a conversa com o cidadão em causa, cá atrás e em "off", o que convenhamos, para além da tentativa perfeitamente patética de aparentar uma abertura inexistente,  visa unicamente pôr fim ao incómodo aprofundamento público da questão colocada e não respondida, ou respondida de forma incorrecta.

Mas voltando à reunião de hoje em versão minimalista, houve tempo apesar de tudo, para se falar de obras clandestinas à margem da A41 - sentido Paços de Ferreira Alfena, logo a seguir à Metalização de Alfena - (um muro em pedra e um desaterro concluídos entre uma visita da fiscalização "que não conseguiu identificar o dono da obra" e as démarches para descobrir a senhora (parece que é uma dona) a quem deveria ser endereçado o embargo).

Tudo ao "ralenti" e de forma muito conveniente, para que as máquinas não tivessem de se ir embora sem deixar o local já desaterrado e liberto dos pinheiros e eucaliptos ali existentes há algum tempo atrás. Foram entregues pelos Vereadores da Coragem de Mudar, novaas fotografias que confrontadas com as anteriormente apresentadas, confirmam o que acabo de dizer. Seguir-se-ão agora, como é uso em Valongo, as "negociações e os acertos do costume".

De passagem falou-se também de corrupção, a propósito - eu disse a propósito? - do julgamento que tem estado a decorrer envolvendo o Chefe de Departamento do Urbanismo, arquitecto Vítor Sá e de um outro arquitecto do mesmo Departamento:

A Coragem de Mudar fez questão de questionar a Câmara, sobre "se se sentia confortável com a situação de manter em funções plenas os dois técnicos, sem ter no mínimo procedido a um processo de averiguações interno, isto por um lado e se o técnico em causa não admitiu em algum momento suspender as suas funções até o assunto ser esclarecido em termos de Justiça"

Que não, começou por dizer Fernando Melo, porque logo na primeira audiência, começou a ficar claro não haver nada de consistente naquilo que fazia parte da acusação do Ministério Público (?).

Que a Câmara optou por não dar início a nenhum processoo interno, acrescentou o Vice, primeiro, porque considera de facto inconsistente a acusação de que é alvo o referido arquitecto e depois, porque se o fizesse, estaria a dar um sinal errado para o exterior, valorizando a acusação do Ministério Público".

Acrescentou ainda, que de facto, o arquitecto Vítor Sá, logo no início do processo, colocou o lugar à disposição, mas a Câmara não aceitou.

A Coragem de Mudar apresentou ainda uma proposta que foi aprovada por unanimidade, no sentido de os vários Departamentos apresentarem no prazo de 60 dias um projecto para a revitalização do centro de Valongo, dando mais vida ao comércio local, retomando algumas actividades ou dando-lhes uma dinâmica diferente, retirando eventualmente o trânsito de algumas zonas centrais, equacionando mesmo a deslocação da feira para uma zona mais nobre.

Falou-se ainda - neste caso, falou o Vice - do comunicado da Junta de Freguesia de Alfena acusando a Câmara, de ter cedido as instalações da Casa da Juventude a uma Instituição de Ermesinde, acusação descabida e injusta, sobretudo porque a decisão foi tomada há cerca de um ano por unanimidade.

"Iremos rebater essa acusação e aquilo que esperamos do presidente da Junta de Alfena faça, é que se retrate relativamente a este assunto"...

Acontece - digo eu - que o nosso Vice, talvez por ter a seu lado o "Vereador com asas", que como sabemos é "pai biológico" do projecto alfenense e amigo do peito do autor do panfleto publicado na página da Junta, se esqueceu de referir que ele acusa ainda a Câmara de andar a "roubar" os alfenenses entre outras (curiosas) acusações.

E não é pelo estratagema das "aspas" que a acusação de roubo deixa de ter relevância!

Seguir-se-ão seguramente curiosos desenvolvimentos sobre esta estranha zanga de "comadres". 

 

publicado às 16:37

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D