Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A "DOENÇA PROLONGADA" DE VALONGO...

Hoje segui com interesse o programa da TVI 24 conduzido por Judite de Sousa.

Os Professores Medina Carreira e Paulo Morais eram os convidados de "Olhos nos Olhos" - um excelente programa, que na TVI afinal há mais vida para além da "casa dos segredos".

Pena ter sido no Canal por cabo, porque em termos de impacto não é a mesma coisa que ser transmitido no canal generalista.

Falaram sobre corrupção, enriquecimento ilícito, financiamentos dos Partidos, enfim, falaram sobre o estado de "doença prolongada" em que este País vive e onde já ninguém tem a certeza de que nem com a violenta "quimioterapia" que lhe vem sendo aplicada pela Troika ele consiga reverter o mal.

Porque será que a certa altura do programa, ao ouvi-los desfilar exemplos, fazer diagnósticos, apontar soluções me pareceu que se estavam a referir a Valongo?

É que tudo o que disseram todos os podres que referiram me lembraram aqueles "modelos à escala" com que os engenheiros, projectistas e técnicos diversos, costumam trabalhar para prepararem a construção de uma barragem, de uma ponte, de uma ETAR - são os exemplos que me ocorreram assim de repente...

Valongo é seguramente neste exemplo, a última fase experimental do referido "modelo à escala" de um País de advogados corruptos, de juízes corruptos, de magistrados corruptos, de empresários corruptos e de políticos originários deste caldo fétido em que todos se movimentam e que portanto, não podiam fugir à regra - um País que infelizmente é o nosso.

Mas ouve um curioso exemplo citado por Paulo Morais que encaixa na perfeição na corrupção que todos sabemos que impera em Valongo na área do Urbanismo:

"Um cidadão vai a um stand de automóveis compra um carro usado, trata da documentação, paga-o e começa a circular com ele. Um dia, numa operação STOP, a polícia descobre que afinal o carro havia sido roubado, e os documentos falsificados para a venda. O que acontece, é que é imediatamente apreendido, para posterior devolução ao seu legítimo proprietário".

O que o Professor Paulo Morais quiz dizer com este exemplo, é que se uma obra é feita subvertendo a Lei (no caso das Câmaras o PDM), se um empreendimento que deveria ter uma determinada área construtiva e tem o dobro ou o triplo, se um edifício (por exemplo o Hospital Privado de Alfena) deveria ter um determinado número de pisos e se descobre que afinal tem mais um ou dois, isso trata-se de um roubo face aos direitos dos restantes cidadãos. Portanto, o que deveria acontecer, seria a aplicação pura e simples do princípio seguido para o carro: demolição - total ou parcial - ou em casos extremos, expropriação.

Mas isso seria num País ou num Município a sério - o que infelizmente, nem é o caso dos portugueses nem dos valonguenses em particular. 

publicado às 22:57

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D