Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A "DOENÇA PROLONGADA" DE VALONGO...

Hoje segui com interesse o programa da TVI 24 conduzido por Judite de Sousa.

Os Professores Medina Carreira e Paulo Morais eram os convidados de "Olhos nos Olhos" - um excelente programa, que na TVI afinal há mais vida para além da "casa dos segredos".

Pena ter sido no Canal por cabo, porque em termos de impacto não é a mesma coisa que ser transmitido no canal generalista.

Falaram sobre corrupção, enriquecimento ilícito, financiamentos dos Partidos, enfim, falaram sobre o estado de "doença prolongada" em que este País vive e onde já ninguém tem a certeza de que nem com a violenta "quimioterapia" que lhe vem sendo aplicada pela Troika ele consiga reverter o mal.

Porque será que a certa altura do programa, ao ouvi-los desfilar exemplos, fazer diagnósticos, apontar soluções me pareceu que se estavam a referir a Valongo?

É que tudo o que disseram todos os podres que referiram me lembraram aqueles "modelos à escala" com que os engenheiros, projectistas e técnicos diversos, costumam trabalhar para prepararem a construção de uma barragem, de uma ponte, de uma ETAR - são os exemplos que me ocorreram assim de repente...

Valongo é seguramente neste exemplo, a última fase experimental do referido "modelo à escala" de um País de advogados corruptos, de juízes corruptos, de magistrados corruptos, de empresários corruptos e de políticos originários deste caldo fétido em que todos se movimentam e que portanto, não podiam fugir à regra - um País que infelizmente é o nosso.

Mas ouve um curioso exemplo citado por Paulo Morais que encaixa na perfeição na corrupção que todos sabemos que impera em Valongo na área do Urbanismo:

"Um cidadão vai a um stand de automóveis compra um carro usado, trata da documentação, paga-o e começa a circular com ele. Um dia, numa operação STOP, a polícia descobre que afinal o carro havia sido roubado, e os documentos falsificados para a venda. O que acontece, é que é imediatamente apreendido, para posterior devolução ao seu legítimo proprietário".

O que o Professor Paulo Morais quiz dizer com este exemplo, é que se uma obra é feita subvertendo a Lei (no caso das Câmaras o PDM), se um empreendimento que deveria ter uma determinada área construtiva e tem o dobro ou o triplo, se um edifício (por exemplo o Hospital Privado de Alfena) deveria ter um determinado número de pisos e se descobre que afinal tem mais um ou dois, isso trata-se de um roubo face aos direitos dos restantes cidadãos. Portanto, o que deveria acontecer, seria a aplicação pura e simples do princípio seguido para o carro: demolição - total ou parcial - ou em casos extremos, expropriação.

Mas isso seria num País ou num Município a sério - o que infelizmente, nem é o caso dos portugueses nem dos valonguenses em particular. 

publicado às 22:57

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D