Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - "O BONECO E O VENTRÍLOQUO"...

A propósito do artigo de opinião - mas desde quando é que o "boneco do ventríloquo" tem opinião? - assinado(não sabemos em rigor, se também escrito) pelo Director do Correio do Dono, perdão, Correio do Douro - assunto sobre o qual já aqui escrevi - chegou-me às mãos esta pérola de resposta do meu caro amigo José Manuel Pereira.

Quando os amigos dizem tudo o que deve ser dito, porquê acrescentar mais alguma coisa?

Talvez apenas reforçar o conselho ao cidadão-Director Óscar Queirós:

Venha até junto dos antigos donos das bouças agora "coladas" umas às outras e transformadas num "modelo à escala" do deserto do Saara.

Venha e será recebido de braços abertos pelos "contribuintes lícitos para um enriquecimento ilícito" - ou que pelo menos, permanece na imensa sombra onde a designação faz todo o sentido.

Venha daí e talvez possa até dar-se o caso de algum deles lhe oferecer uma bebida - com copo e tudo!

Venha de mente aberta e já agora, traga o "dono" consigo, porque quem oferece um copo oferece a garrafa, ou até mesmo o barril!

Ora então, cá vai o texto do Zé Manel:


 

"CORAGEM DE OPINAR 

Caro Sr. Diretor Óscar Queirós

 

A edição do Correio do Douro de 12 de Novembro último, dá, no seu artigo de Opinião, triunfal destaque à sua Coragem de Estragar. Uma virtude divinamente reconhecida quando, independentes como o meu caro, correm desesperadamente para o teclado e martirizam as teclas com (pro)fundas verdades terrenas. Parabéns. É dos nossos!

 

Na habitual pausa do sudoku, li o seu artigo, fiz as palavras cruzadas e quando dei por mim, lá estava eu ao pé de um multibanco a sacar o extracto bancário. Com largo sorriso de quem não sabe de onde vem dinheiro que sempre tem, disse cá para mim: Dinheiro em Novembro, Natal em Dezembro.

 

Voltei ao artigo e apesar das semi-mentiras que o mesmo verdadeiramente refere, fiquei baralhadamente estarrecido com a argumentação sem fundamentação que o seu referido desabafo escrito apresenta. Numa simbiose de Editorial/Opinião, - ora Óscar Queirós, ora Diretor, ora Jornalista, ora cidadão, ora opinador – apresenta-nos a custo zero, um milagroso ato de contrição sobre o que é a mentira, a falta de ética e deontologia jornalística: mostra desconhecimento do processo, leal subserviência a uma desinformação contra-informativa, rápida necessidade de, à falta de melhor jornalismo, manter o Correio ligado à máquina. Enfim, interesses que não interessam.

 

Evitando sempre falar em nomes (não vá, por distração, dizer a verdade) recorre ao genérico do infinitivo pessoal para mandar uns bitaites, verdadeiro frete a quem se presta a trabalhar à peça e por encomenda – tipo Information Just in Time. Semeia afirmações despropositadas, marimba-se nos interesses da isenção e objetividade, clama ao céu o inferno da fogueira que pretende acalentar sempre em nome dos bons negócios (não utilizei a expressão negociata para não gastar mais toner). 

 

Defende “corajosamente” – com unhas e dentes – todo o processo ocorrido, sempre considerado transparente, legítimo, honesto, cândido, desejável, legal e necessário. Entende que os meios (financeiros) justificam os fins. Logo que todos fiquem a ganhar, nada mau. Sendo assim, e mal agradecidos que somos “que podemos nós apontar ao negócio?”. 

 

Malditos tipos da Coragem de Mudar, essa gente, verdadeiros boateiros que está apostada a por a dezoito anos de concubinato e a “fortuna colossal” que mui incomoda o nosso opinante. Não vá os investidores fugirem e o investimento que tanta falta faz a Valongo e às suas gentes – quais gentes? – se transfiram para outras bandas dispostas a abrir os braços, “porque é demasiado importante o que têm para oferecer”. 

 

Os meus parabéns. Procurou prestar um excelente serviço. Sem estragar a sua coragem, tente abordar os referidos proprietários e questione-os, num mero trabalho jornalístico, com que força abrirão os braços à sua indignação. Aí, creio, vão recebê-lo de braços abertos, em nome da “boa-fé” e da “fortuna colossal”. Vai sentir-se aconchegado junto daqueles cuja reputação se encontra abalada por gente honesta.

 

José Manuel Pereira 

Um Corajoso da Coragem de Mudar" 


 

PS: Por uma questão de respeito pelos "direitos de autor" meu caro Zé Manel, mantive a tua excelente prosa na "versão acordo ortográfico". Mas só por se tratar da tua pessoa, que acordo ortográfico (em princípio) aqui não entra!

publicado às 20:49

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D