Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

EUROBONDS E "EUROBUNDAS"...

O Povo costuma afirmar que "quem diz a verdade não merece castigo" e todos nós sabemos que os Bancos e todo o sistema financeiro  mundial estão "falidos".

Será que o cidadão comum que repete isto todos os dias - aqui e por essa Europa fora - também corre o risco de ser condenado e ir preso?

 

No que a Portugal diz respeito, não restam dúvidas sobre a "falência" do BdP, da CGD, do BCP, do BES, do BPI, do Santander e dos outros todos que me escapam e talvez a falha da promotora bancária referida na notícia, tenha residido apenas na referência a um único do imenso grupo de "falências".

 

É aliás por causa dessa falência, que países como a Grécia, a Irlanda, Portugal, Itália, Espanha - e não demorará muito, todos os restantes "euro jogadores" - estarão na mesma situação arrastados pelo "disparo" meteórico das suas dívidas soberanas.

 

E devo dizer que fico deveras baralhado por se continuar a chamar "divida soberana" ao calote de um País que já deixou há muito de ser soberano e que desde ontem vemos ser classificado como "lixo".

 

Não tardará muito, surgirá por aí uma qualquer "agência de notação de países" de vassoura em punho a varrer-nos para um qualquer caixote de lixo gigantesco a criar por uma nova "sociedade das nações", alegando preocupações de ordem ambiental.

 

Parece que se pensa a partir do próximo ano acabar com o feriado do 1º de Dezembro. Não será talvez o caso de pensar um pouco melhor sobre o assunto, para que não tenhamos mais tarde ou mais cedo de voltar a reactivá-lo?

 

Alguns alegados "profetas da desgraça" - na perspectiva daqueles que se sentem atingidos pela análise arrasadora que é feita à actual situação financeira mundial - andam há muito a colocar a  hipótese cada vez mais eminente e menos improvável de um "terceiro conflito mundial" e cada vez mais, me parece cada vez menos tola essa ideia...

 

As guerras começam sempre assim: De um lado, o poder financeiro selvagem ameaçado no cerne dos seus interesses e do outro, os políticos/bonecos de cordas, sem voz própria sem iniciativa própria, sem força autónoma que lhes possibilite qualquer tipo de movimento - portanto, completamente dependentes dos cordelinhos que os tais fazem mover.

 

No caso da Europa, respiram Euros doseados e ministrados através de uma complicada malha tubular que os liga à máquina financeira monstruosa que vai - por enquanto - mantendo em respiração assistida, esta "União" Europeia em estado terminal e "presa com arames".

 

Não sei portanto, como é que alguém que diz o óbvio, pode correr riscos de ser julgado e preso! 

 

Não sei aliás, como é que se pode (em Portugal) falar ainda em julgar alguém com base neste sistema de "justiça" onde não existe Justiça na verdadeira acepção da palavra! 

 

Não sei porque é que ainda nos baseamos no Euro - quiçá num futuro próximo, no Escudo, no Dracma, na Lira, na Peseta, no Marco, ou mesmo no Dólar... para o nosso sistema de trocas! 

 

Não sei porque não regressamos pura e simplesmente à troca directa das mercadorias produzidas por cada um, ou ao sal e certas especiarias, como já aconteceu no passado distante! 

 

Não sei porque é que alguns ainda arriscam ter dinheiro nos bancos, dinheiro que um dia, ainda que "fisicamente" não desapareça, não passará de material de museu com interesse meramente histórico! 

 

Não sei como é que ainda temos pachorra para assistir a maçadoras conferências sobre "os motivos da crise financeira mundial", para ouvir os políticos - todos os políticos - a emitirem opiniões sobre esses motivos e a proporem soluções à medida para os ultrapassar - à medida da sua própria mediocridade e portanto, perfeitamente condenadas ao fracasso: Uns falam em "Eurobonds" como remédio e logo outros se apressam a dizer o contrário. Todos coincidem na ausência de ideias válidas, na total ausência de vergonha, na desfaçatez com que falam nos interesses dos povos dos Países sobre os quais permitem que continue a pisar a "bota gigante" dos FMI's, BCE's e quejandos. Há no entanto um traço comum a todos eles:


As EUROBUNDAS que ostentam e que são alimentadas pela gordura do sistema - porque o mal não vem de "fora", o mal está no próprio sistema!

 

publicado às 10:32

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D