Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

EUROBONDS E "EUROBUNDAS"...

O Povo costuma afirmar que "quem diz a verdade não merece castigo" e todos nós sabemos que os Bancos e todo o sistema financeiro  mundial estão "falidos".

Será que o cidadão comum que repete isto todos os dias - aqui e por essa Europa fora - também corre o risco de ser condenado e ir preso?

 

No que a Portugal diz respeito, não restam dúvidas sobre a "falência" do BdP, da CGD, do BCP, do BES, do BPI, do Santander e dos outros todos que me escapam e talvez a falha da promotora bancária referida na notícia, tenha residido apenas na referência a um único do imenso grupo de "falências".

 

É aliás por causa dessa falência, que países como a Grécia, a Irlanda, Portugal, Itália, Espanha - e não demorará muito, todos os restantes "euro jogadores" - estarão na mesma situação arrastados pelo "disparo" meteórico das suas dívidas soberanas.

 

E devo dizer que fico deveras baralhado por se continuar a chamar "divida soberana" ao calote de um País que já deixou há muito de ser soberano e que desde ontem vemos ser classificado como "lixo".

 

Não tardará muito, surgirá por aí uma qualquer "agência de notação de países" de vassoura em punho a varrer-nos para um qualquer caixote de lixo gigantesco a criar por uma nova "sociedade das nações", alegando preocupações de ordem ambiental.

 

Parece que se pensa a partir do próximo ano acabar com o feriado do 1º de Dezembro. Não será talvez o caso de pensar um pouco melhor sobre o assunto, para que não tenhamos mais tarde ou mais cedo de voltar a reactivá-lo?

 

Alguns alegados "profetas da desgraça" - na perspectiva daqueles que se sentem atingidos pela análise arrasadora que é feita à actual situação financeira mundial - andam há muito a colocar a  hipótese cada vez mais eminente e menos improvável de um "terceiro conflito mundial" e cada vez mais, me parece cada vez menos tola essa ideia...

 

As guerras começam sempre assim: De um lado, o poder financeiro selvagem ameaçado no cerne dos seus interesses e do outro, os políticos/bonecos de cordas, sem voz própria sem iniciativa própria, sem força autónoma que lhes possibilite qualquer tipo de movimento - portanto, completamente dependentes dos cordelinhos que os tais fazem mover.

 

No caso da Europa, respiram Euros doseados e ministrados através de uma complicada malha tubular que os liga à máquina financeira monstruosa que vai - por enquanto - mantendo em respiração assistida, esta "União" Europeia em estado terminal e "presa com arames".

 

Não sei portanto, como é que alguém que diz o óbvio, pode correr riscos de ser julgado e preso! 

 

Não sei aliás, como é que se pode (em Portugal) falar ainda em julgar alguém com base neste sistema de "justiça" onde não existe Justiça na verdadeira acepção da palavra! 

 

Não sei porque é que ainda nos baseamos no Euro - quiçá num futuro próximo, no Escudo, no Dracma, na Lira, na Peseta, no Marco, ou mesmo no Dólar... para o nosso sistema de trocas! 

 

Não sei porque não regressamos pura e simplesmente à troca directa das mercadorias produzidas por cada um, ou ao sal e certas especiarias, como já aconteceu no passado distante! 

 

Não sei porque é que alguns ainda arriscam ter dinheiro nos bancos, dinheiro que um dia, ainda que "fisicamente" não desapareça, não passará de material de museu com interesse meramente histórico! 

 

Não sei como é que ainda temos pachorra para assistir a maçadoras conferências sobre "os motivos da crise financeira mundial", para ouvir os políticos - todos os políticos - a emitirem opiniões sobre esses motivos e a proporem soluções à medida para os ultrapassar - à medida da sua própria mediocridade e portanto, perfeitamente condenadas ao fracasso: Uns falam em "Eurobonds" como remédio e logo outros se apressam a dizer o contrário. Todos coincidem na ausência de ideias válidas, na total ausência de vergonha, na desfaçatez com que falam nos interesses dos povos dos Países sobre os quais permitem que continue a pisar a "bota gigante" dos FMI's, BCE's e quejandos. Há no entanto um traço comum a todos eles:


As EUROBUNDAS que ostentam e que são alimentadas pela gordura do sistema - porque o mal não vem de "fora", o mal está no próprio sistema!

 

publicado às 10:32

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D