Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

SOMAR PARA (MELHOR) AJUDAR...

Apesar de algo longo, acho que há uma parte do meu post anterior que merece um pouco mais de desenvolvimento: aquela em que abordo a componente do trabalho autárquico relacionada com os apoios sociais às populações.

Dizia-me o amigo Sr. Silva Pereira há pouco, no comentário que me deixou ao referido post:

 

"(...) O poder político foi sempre invejoso da acção social que, geralmente de modo espontâneo, surgia nas comunidades e que é, actualmente, representada pela actividade das IPSS, as novas Misericórdias, pelo menos ao nível da freguesia.
E isto porque a sua legitimidade apenas deriva do voto e não do serviço desinteressado. Os apoios, neste campo, que se foram estendendo a outras áreas - associações de caracter cultural, recreativo e desportivo - transformaram o poder político numa espécie de "agência de eventos" - veja-se, a propósito, os sítios da Junta e da Câmara, de onde a política está arredada ou, no mínimo, bem escamoteada, ou, ainda, de acesso condicionado. Isto é exactamente o oposto do que deve ser o poder Local.
Mudança urgente, precisa-se, pelo menos de atitude, tanto mais que é o escasso dinheiro de todos que está em jogo. (...)"

 

Infelizmente, desde há muito que todos nós convivemos com esta triste - e ridícula também - realidade que se traduz numa espécie de disputa entre aqueles que dispondo de diferentes tipos e níveis de meios - autarquias locais que utilizam meios próprios reservados nos respectivos Orçamentos e também, mas em menor parte alguma ajuda benévola que vão conseguindo captar, ou de Instituições de solidariedade há muito implantadas no terreno e genericamente designadas por IPSS, que se suportam em grande parte nas ajudas de carácter benévolo que vão recebendo das populações mais solidárias por um lado e em protocolos estabelecidos com a Segurança Social por outro e que dessa forma lhes reconhece maior capacidade na optimização dos recursos com base num conhecimento mais próximo das realidades locais o que à partida representa sempre "ganhos de escala" significativos.

 

Em Alfena, vimos desde há muito a denunciar a política da caridadezinha praticada pela respectiva Junta - denúncia a que a Câmara também não escapa - porque sabemos quais os verdadeiros (e nem sempre suficientemente escondidos) objectivos de quem a pratica e quais os resultados que espera vir a obter como "retorno".

 

Aqueles a quem estas críticas são dirigidas, armam-se quase sempre em "vitimas" e pior do que isso, utilizam invariavelmente as verdadeiras vítimas como "armas de arremesso" contra quem lhes critica a forma de prestar apoio.

 

É uma reacção normal e esperada de quem mais não faz do que defender pequenos feudos que em períodos eleitorais lhes hão-de garantir ganhos significativos em termos de votos. Quem reage assim, sabe que a parte das ajudas que gere, vindas ou do erário público ou de apoios institucionais que consegue arrebatar àquele que deveria ser o bolo geral, não é de forma alguma desinteressada, não representa em termos de escala o mesmo ganho que representaria se fosse disponibilizada através das IPSS - no nosso caso concreto o Centro Social e Paroquial de Alfena - essas sim verdadeiras especialistas e também verdadeiramente distanciadas da parte menos nobre da política.


Por cá, chegamos ao ponto da disputa mesquinha entre Câmara e Junta, neste caso concreto, na área da dinamização cultural - e não importa aqui sequer saber quem tem mais ou menos razão - por causa da gestão de uma Escola Senior e de uma Academia Senior que parece que concorrem entre si!

 

Entretanto, continuam a ser investidos meios materiais e humanos que são sempre escassos, nestas pequenas "quintinhas", em vez de os utilizar para celebrar ou reforçar protocolos com quem sabe fazer melhor, porque o faz há imenso tempo,  na nossa terra.

 

Entretanto, continuamos a assistir à estranha miscelânea entre o papel desempenhado por uma Associação criada no âmbito da Junta, mas agora tem caracter privado, a quem foi atribuído recentemente o estatuto de IPSS - a AVA - e o pelouro social da Junta, os dois e concerteza por mero acaso, sob a responsabilidade da mesma pessoa que faz parte do executivo.

 

Entretanto, sempre que alguém pergunta sobre o tipo de protocolos estabelecidos nesta frente de trabalho e sobre o respectivo acompanhamento e nível de execussão dos mesmos, é olhado com desagrado, como se sindicar a utilização correcta dos meios destinados às ajudas sociais, fosse uma espécie de "defesa da sua extinção"!

 

Que tal e já que a AVA existe e tem até ao momento ao que nos dizem, desempenhado um papel meritório, especializar-se verdadeiramente no tipo de ajuda que quer e deseja prestar: deixar os apoios domiciliários e a ajuda alimentar, seja na forma de géneros seja na forma de refeições confeccionadas, para quem já o faz e bem, reforçando-lhe o nivel das ajudas, devidamente protocoladas - o CSPA - ponderando em contrapartida, o aproveitamento de todas as sinergias, na criação, na formação e na dinamização de um banco de voluntários divididos por especialidades, ajuda que às vezes representa um verdadeiro e significativo apoio para quem dele necessita e não dispõe de capacidade financeira para recorrer ao mesmo em termos de mercado de trabalho - electricistas, picheleiros, carpinteiros, serralheiros, pintores, etc. - a exemplo do que já vem sendo feito noutras autarquias?

 

Sendo a ajuda sempre escassa face ao agravamento das necessidades, ninguém tem o direito de dividir todos têm o dever de somar!

 

 

publicado às 22:39

2 comentários

  • Imagem de perfil

    cneves 15.12.2011

    Caro amigo A. da Vicência,
    Não podia estar mais de acordo com o seu comentário. Tudo o que seja criar "equiparadas" a empresas municipais - neste caso, para a prática da caridadezinha - tem sido uma das habilidades do nosso poder local e tem de ser denunciado como puro xico-espertismo " para angariar votos.
    Aqui em Alfena, temos um único senão em relação à AVA , que é o facto de às cavalitas da Câmara que lhe cedeu uma parcela de terreno público, para através da constituição de "património próprio" adquirir o estatuto de IPSS, o que já aconteceu. Portanto, a AVA existe, mas não pode andar nesta "mistura" com a caridadezinha da Junta, tem que ter um plano de acção concreto e não pode andar a concorrer, ainda por cima com ajudas e "protocolos preferenciais" da Junta, com uma Instituição como o CSPA ! Isto sim, tem de ser denunciado, apesar das "boas informações" que no chegam sobre a actividade da AVA . Os tempos não são favoráveis a duplicações de tarefas sociais - sobretudo, quando uma parte de quem as assegura não é totalmente desinteressado!
    Um abraço
    CN
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D