Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA - A DERROTA DOS CUCOS EUSÉBIOS...

Quando há  23 anos vim morar para Alfena, a nossa aldeia era simplesmente isso, uma aldeia onde os carros de bois ainda circulavam pelas principais vias de comunicação – incluindo a minha rua - os campos que ainda existiam eram lavrados e cultivados, a Nacional 105, no troço que atravessa o nosso burgo, agora designado por Rua 1º de Maio, ainda era em paralelepípedo e na Primavera - pasme-se! ainda ouvíamos o cuco cantar nos arvoredos das margens do Leça.

Depois, veio o progresso, plantaram cimento e alcatrão nos campos, venderam os bois e os carros para comprarem outros carros – com quatro rodas e puxados por cavalos virtuais - substituíram o chiar dos eixos das rodas dos primeiros pelo relinchar (roncar) da força motriz dos segundos.

Com todas estas alterações, os cucos – e também as águias, os corvos (ou gralhas), as poupas, os gaios e outras espécies  - que ao longo de décadas conviviam pacificamente com o normal bulício da aldeia, foram recuando, recuando, fugindo da diferente e mais barulhenta vida semiurbana da freguesia, depois vila e agora cidade a crescer, onde os decibéis passaram a ser diferentes,  mais elevados e a incomodar muito mais.

Quando demos por isso, já não os tínhamos por cá nem aos seus cantares, aos seus grasnares, ou simplesmente aos seus voos exploratórios sobre o território na busca de subsistência ou na escolha dos melhores locais para a nidificação anual.

(Bem... há que abrir aqui um parênteses em relação a um dos mencionados: o cuco, porque quanto a esse como todos sabemos, nunca perdeu tempo com essas preocupações do alojamento da prole, dado o seu hábito de sempre, de pôr um ovo no ninho de outra espécie (rouxinol por exemplo) comendo um dos existentes, para que a dona do ninho não desse pela troca, garantindo assim a continuidade da espécie. À custa do trabalho alheio).

O último registo que temos sobre a presença desta engraçada, preguiçosa e socialmente irresponsável ave canora por estas bandas, foi quando um exemplar de uma subespécie, chamada Eusébios - não confundir com o exemplar macho com o mesmo nome (no singular) de uma lontra do Oceanário de Lisboa - que tentou pôr o dito ovo no ninho de uma espécie autóctone designada por “Bandeirinha”, numa Quinta com o mesmo nome que integra o património relevante do nosso burgo.

No caso em apreço, o cuco Eusébios chegou a terras de Alfena às cavalitas de um OVNI, com uma escolta composta por um Pinto e mais um ou dois exemplares de conhecidas espécies voadoras locais. 

Não cantava – pelo menos que se desse por isso – mas garante quem com ele e restante bando se cruzou, que trinavam em uníssono, emitindo uma estranha melodia de efeitos hipnóticos, induzindo nas vítimas que marcavam para parasitar, uma estranha predisposição para colaborar com eles, pondo o ninho à sua disposição e tudo o mais que eles resolvessem pedir.

Portanto, o dito cuco – e restantes – chegaram, trinaram melodicamente,  durante vários dias, até convencerem os “Bandeirinhas”, a abdicarem da sua opção quanto à pretendida remodelação do ninho de acordo com os respectivos gostos pessoais e aceitarem as regras impostas pela “entidade reguladora da construção de ninhos em espaço municipal”, um organismo sediado numa casa grande de Vallis Longus, gerida por homens inteligentes e especialistas na construção de ninhos especiais - uma designação pomposa para uma ideia de um dos voadores do bando que possui um “gabinete local de arquitectura e construção de ninhos”, muito conhecido no burgo – nem sempre pelos melhores motivos.

O pior, foi quando os “Bandeirinhas” acordaram do estado de hipnose e descobriram que além dos ninhos novos – e diferentes -  seria acrescentada ao projecto da Quinta, uma espécie de rotativa de impressão de euros, os quais transitariam directamente e  segundo um engenhoso sistema de condutas, para os bolsos, perdão, para os papos dos elementos do bando, passando provocatoriamente ao lado dos bicos dos donos do ninho original.

Foi o fim de um sonho – para os pássaros parasitas – e em contrapartida, o acordar de um pesadelo para a espécie autóctone dos “Bandeirinhas” que graças à ajuda de outras aves amigas da região, conseguiram correr de Alfena com o cuco da subespécie Eusébios, com o Pinto e restantes voadores do bando, bem como com a Objecto Voador não Identificado em que se faziam deslocar, o qual teve de levantar voo a alta velocidade rumo ao enclave de Vallis Longus.

Mas para que ninguém fique com a ideia (errada) de que terá existido aqui uma espécie de nexo de causalidade, entre o estardalhaço provocado pela expulsão do cuco Eusébios e respectiva escolta e o desaparecimento dos restantes cucos cujo canto tanto nos alegrava na Primavera, isso não corresponde à verdade, pois o cultivo do cimento e do alcatrão, o roncar dos cavalos virtuais puxando os bólides de quatro rodas, já vinha de trás e já há muito que eles tinham optado por recuar estrategicamente mais para o interior em busca de maior tranquilidade e de mais abundante e frondoso arvoredo.  

 

publicado às 22:35

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D