Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

NOVA CARTA REN DE VALONGO - A LEI E O SEU CONTRÁRIO... NUM MESMO DOCUMENTO!

 

Ainda e mais uma vez, o assunto "Nova Carta REN (Reserva Ecológica Nacional) para o Concelho de Valongo" - Portaria 260/2011 de 1 de Agosto...


Em Valongo, todos já sabíamos que esta nova Carta REN que aguardava publicação já no final do último mandato de Sócrates consubstancia e dá corpo a uma série de pretensões esconsas da respectiva Câmara, uma das campeãs nacionais da corrupção e da especulação imobiliária que a alimenta e visa - nas exclusões propostas e quase todas aceites pela CNREN/DGOTDU sob proposta da CCDR-N - satisfazer os pedidos de "várias famílias" a quem a Câmara deve há muito o cumprimento de promessas que foram ajudando a desbloquear relevantes contribuições financeiras destinadas a suportar ao longo de dezassete anos, as várias eleições do autarca mais, perdão, menos exigente em termos de cumprimento da Lei.


A novidade, se é que este termo pode ser usado, é que esta nova Carta REN representa a alteração radical - diríamos mesmo, autêntica pirueta - por parte da CCDR-N relativamente a um passado recente. Claro que nada na Lei impede os gestores e responsáveis pelos Organismos reguladores ligados ao desenvolvimento - e indirectamente, ao urbanismo, através da gestão dos processos de revisão dos Planos Directores Municipais - de darem as piruetas que muito bem lhes apetecer, desde que os seus "movimentos acrobáticos" não atinjam propositada ou inadvertidamente, zonas vitais de terceiros.


Pelos vistos, foi o que aconteceu com a CCDR-N: Atingiu os interesses legítimos de muitos valonguenses e gorou as expectativas que ela própria tinha alimentado relativamente à sua defesa, dado que até certo ponto chegou a liderar a luta contra o processo especulativo em curso numa vasta zona de Alfena, mas que de repente, vá-se lá saber porquê, resolveu "oferecer o dorso" e suportar a tomada de posição da CNREN/DGOTDU e do governo - ou melhor, da ministra do Ambiente, mas essa questão ficará para outra altura - para "darem à luz" desta forma antinatural, uma verdadeira aberração jurídica.


O longo Processo Administrativo que antecedeu a sua publicação e do qual me chegou às mãos, enviado pela CNREN/DGOTDU um CD-ROM, contém uma série de omissões embora nos tenha sido dito que ("é tudo que temos sobre o assunto" - CNREN/DGOTDU dixit), mas o mais estranho, é que a CCDR-N, sempre que instada a deixar consultar o processo que instruiu a fim de o compaginar com esta informação recebida, resiste, dificulta, no fundo tenta pelo cansaço, levar os interessados bisbilhoteiros alfenenses e valonguenses, a deixarem de mexer no assunto - "não fornecemos documentação a pedido. Se tiverem dúvidas, terão que as colocar por escrito, apresentar por essa mesma via um pedido de consulta e depois, aguardarem que vos seja marcada uma data para essa consulta ser feita aqui nas nossas instalações".


Portanto, temos pena do incómodo que sempre provocamos e que presentimos do outro lado (sobretudo da parte da Directora Regional, Drª Célia Ramos) - mas o assunto não pode simplesmente "morrer na praia!! Porque fede demasiado, incomoda demasiadas pessoas, e provoca revolta em muitas outras, não podendo nem devendo por isso deixar de ser escalpelizado até aos seus mais ínfimos detalhes. Por acção nuns casos e omissão em muitos outros, a CCDR-N conseguiu que a Portaria 260/2011 se tenha transformado numa autêntica aberração jurídica que não pode deixar de motivar da nossa parte todos os esforços no sentido de conseguir a sua reversão.


Neste momento, temos perfeitamente identificadas e ordenadas, as referidas acções e omissões, incluindo a sonegação de documentos relevantes e a indução activa de uma decisão que só vem favorecer os especuladores e tornar "legal" um famoso processo de enriquecimento ilícito liderado pelo Banco Santander, que corre os seus trâmites no Ministério Público e ao qual iremos juntar o nosso fundamentado contributo.


PS: Como é óbvio, escrever sobre um assunto destes e da forma como o faço, implicaria, por uma questão de cortesia, um prévio contacto com a Directora Regional da CCDR-N - a Drª. Célia Ramos.

É o que tenho andado a tentar há inúmeros dias, mas por azar meu seguramente, ou "está reunida com o Sr. Presidente, ou foi almoçar mais tarde e ainda não regressou, ou está reunida com o Organismo xpto", ou - o mais provável, mas seguramente não assumido e dificilmente comprovável - não está para me aturar...

Acho que faz mal - no seu próprio interesse, obviamente... 

publicado às 11:38

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D