Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ARGUIDO...

Finalmente, tive a minha "primeira vez"!

Qualquer ser humano em idade adulta, mesmo que não o demonstre explicitamente, sente sempre alguma frustração por, neste País de arguidos por tudo e por nada - uns por roubarem apenas uma lata de salsichas, outros por roubarem a própria fábrica das mesmas (sendo que só os primeiros costumam ter razões para temer uma condenação de facto) - não ter uma vez que seja, sido convidado com todo o formalismo que o estatuto de arguido sempre nos confere, a comparecer perante o Ministério Público.

Confesso-o hoje pela primeira vez, era uma espécie de trauma que me fazia sentir de alguma forma, um ser inferior...

Tive hoje o anúncio de que afinal me vai ser concedida essa subida honra. E digo honra obviamente, porque não tendo na minha história de vida nenhum acto de que me possa envergonhar, não tendo a pesar-me na consciência nenhum crime - nem sequer de ter tentado alguma vez enganar o Ministério Público ou dificultar-lhe o seu trabalho, com a finalidade de me eximir a eventuais responsabilidades - só posso assumir uma postura de colaboração total comparecendo perante o mesmo conforme intimação hoje recebida - na qualidade de arguido e que reproduzo abaixo.

Presumo - como já referi anteriormente, não roubei a tal lata das salsichas e muito menos a fábrica das mesmas - que o assunto tenha a ver com uma inusitada acusação que me foi feita por Fernando Melo, presidente do executivo da autarquia de Valongo, numa das últimas reuniões públicas deste Órgão: "vou colocar-lhe um processo judicial por me ter chamado vigarista na última reunião de Câmara".

Passando por alto sobre a pequena imprecisão de que na tal reunião anterior não tinha havido intervenção do Público - detalhe que se releva, porque o senhor afinal já não vai para novo - nem na que ele referiu nem em nenhuma outra eu teria o atrevimento de lhe atribuir de forma tão explícita uma acusação que não pudesse provar - e mesmo assim, não sei se o faria naquele contexto.

As vigarices, quando se conhecem e podem ser provadas, participam-se... exactamente ao Ministério Público!

Por isso requeri - ver também documento abaixo - no dia 8 de Março de 2012, no Gabinete do Munícipe, os elementos essenciais que comprovam que sua excelência teve uma momentânea e natural confusão (talvez alguém de fora lha tenha induzido sem lhe explicar todos os pormenores)  e nada mais que isso.

Curiosamente - e isto é um verdadeiro exemplo da falta de respeito que sua excelência tem para com a maioria dos munícipes e para comigo de forma especial - recebi primeiro a Notificação do MP, do que os elementos solicitados à autarquia e que me permitirão dirigir-me ao meu advogado na posse de todos os detalhes imprescindíveis à preparação da minha audição como arguido!

publicado às 14:34

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D