Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ARGUIDO...

Finalmente, tive a minha "primeira vez"!

Qualquer ser humano em idade adulta, mesmo que não o demonstre explicitamente, sente sempre alguma frustração por, neste País de arguidos por tudo e por nada - uns por roubarem apenas uma lata de salsichas, outros por roubarem a própria fábrica das mesmas (sendo que só os primeiros costumam ter razões para temer uma condenação de facto) - não ter uma vez que seja, sido convidado com todo o formalismo que o estatuto de arguido sempre nos confere, a comparecer perante o Ministério Público.

Confesso-o hoje pela primeira vez, era uma espécie de trauma que me fazia sentir de alguma forma, um ser inferior...

Tive hoje o anúncio de que afinal me vai ser concedida essa subida honra. E digo honra obviamente, porque não tendo na minha história de vida nenhum acto de que me possa envergonhar, não tendo a pesar-me na consciência nenhum crime - nem sequer de ter tentado alguma vez enganar o Ministério Público ou dificultar-lhe o seu trabalho, com a finalidade de me eximir a eventuais responsabilidades - só posso assumir uma postura de colaboração total comparecendo perante o mesmo conforme intimação hoje recebida - na qualidade de arguido e que reproduzo abaixo.

Presumo - como já referi anteriormente, não roubei a tal lata das salsichas e muito menos a fábrica das mesmas - que o assunto tenha a ver com uma inusitada acusação que me foi feita por Fernando Melo, presidente do executivo da autarquia de Valongo, numa das últimas reuniões públicas deste Órgão: "vou colocar-lhe um processo judicial por me ter chamado vigarista na última reunião de Câmara".

Passando por alto sobre a pequena imprecisão de que na tal reunião anterior não tinha havido intervenção do Público - detalhe que se releva, porque o senhor afinal já não vai para novo - nem na que ele referiu nem em nenhuma outra eu teria o atrevimento de lhe atribuir de forma tão explícita uma acusação que não pudesse provar - e mesmo assim, não sei se o faria naquele contexto.

As vigarices, quando se conhecem e podem ser provadas, participam-se... exactamente ao Ministério Público!

Por isso requeri - ver também documento abaixo - no dia 8 de Março de 2012, no Gabinete do Munícipe, os elementos essenciais que comprovam que sua excelência teve uma momentânea e natural confusão (talvez alguém de fora lha tenha induzido sem lhe explicar todos os pormenores)  e nada mais que isso.

Curiosamente - e isto é um verdadeiro exemplo da falta de respeito que sua excelência tem para com a maioria dos munícipes e para comigo de forma especial - recebi primeiro a Notificação do MP, do que os elementos solicitados à autarquia e que me permitirão dirigir-me ao meu advogado na posse de todos os detalhes imprescindíveis à preparação da minha audição como arguido!

publicado às 14:34

2 comentários

  • Imagem de perfil

    cneves 26.03.2012

    Pois é meu caro... deve ser por aí - pela falta de "respeito".
    Mas eu vou invocar em minha defesa um problema de coluna e de joelhos que me impedem de curvar a cerviz e fazer genuflexões...
    Um abraço
    CN
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D