Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

HÍBRIDOS ALFENENSES...

Ainda um pouco na linha do que escrevi no post anterior, mais concretamente sobre alguns constrangimentos com que o professor/vereador/futuro candidato autárquico se debaterá actualmente, aconselho apesar de tudo os alfenenses  - se me é permitida a presunção -  a começarem a preparar-se desde já para as habituais piruetas a que o nosso mestre-escola já nos habituou.

Todos estaremos recordados, que foi dele e do seu delfim da altura no pico máximo do projecto(?) UpA, um alfenense que nos surpreendeu então, vindo do lado político que vinha, com a sua adesão contranatura a uma verdadeira mistificação de políticos travestidos de independentes - e que com isso, só se prejudicou, só viu decrescer a margem de retorno do seu negócio - a célebre frase "nós somos independentes, nós orgulhamo-nos de correr com as bandeiras dos partidos das nossas acções de campanha".

A vida dá de facto muitas voltas, mas não foram precisas assim tantas para começarmos a constatar que das palavras aos actos, a distância se tornou abissal!

De (mal) travestidos - o verdadeiro travesti bem ou mal conseguida a transformação nunca tem o logro como objectivo primeiro - rapidamente passaram para a categoria de produto contrafeito, onde os partidos há pouco diabolizados, deixaram de ser a razão de todos os males - até foi possível negociarem com as cúpulas de um deles a amputação (ou poda fora de tempo) do seu ramo alfenense para garantirem sem surpresas a actual e absoluta maioria - e algum tempo decorrido, independentes só ficaram em relação aos compromissos assumidos com a defesa dos interesses dos alfenenses.

A célebre frase do então número dois do dr. Arnaldo Soares, está neste momento "encaixilhada" com o verso voltado para a frente, no gabinete - será que ele tem um? - do líder do PSD de Alfena, suscitando com toda a razão a inevitável pergunta de quem dá de caras com o quadro branco: "o que faz ali aquele caixilho sem nada?".

Claro que não fora a preciosa colaboração desse líder - o "independente" Sérgio Pinto - como braço direito do Dr. Arnaldo Soares, nesta fase em que ele, face aos demasiado rígidos horários de mestre-escola não conseguiria gerir o lume brando em que já vai cozinhando a sua mais que certa candidatura, e tudo ficaria bem mais difícil - porque, como já disse no post anterior, 2013 é já amanhã...

Agora o que vai ser bonito de se ver, é a forma como o líder laranja(?) vai conseguir gerir a embrulhada em que se meteu:

Qual Pedro renegando Cristo três vezes, também ele renegou a t-shirt laranja umas quantas - por toda a Alfena e arredores, se ouviu o inconfundível cantar do galo - agora usa-a no seu dia a dia.

Qual carrasco da idade média, ele ajudou a manejar a guilhotina que decapitou alguns dos seus mais destacados e citrinos pares - agora - diz ele - gere consensos.

Por isso, acreditar que tenha genica bastante para aquele golpe de rins que lhe permita manter a dúbia situação de continuar a "vender o cítrico sumo" e ao mesmo tempo percorrer o burgo promovendo a conhecida "banha da cobra" - que como todos sabem, é uma marca registada do Vereador apeado Dr. Arnaldo - é que já é exigir demais da nossa imaginação!

E depois, ficam-nos as dúvidas relevantes: Arnaldo Soares (ainda) é independente? Arnaldo Soares foi alguma vez independente? Sérgio Pinto (ainda) é social-democrata? Sérgio Pinto foi alguma vez social-democrata?

Em tempo de veículos híbridos, acreditamos que também no que toca a políticos da dimensão dos que referimos, um e outro possam ser um pouco das duas coisas, isto é, nem uma coisa nem outra, ou seja, igualmente híbridos...

 

publicado às 22:38

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D