Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO DO COSTUME - TERRA DE 'PÂNTANOS EM ZONA DE ENCOSTA'...

Take 1: - A 'AMAMENTAÇÃO'

 

Valongo ontem teve a sessão ordinária de Abril da sua Assembleia Municipal AQUI anunciada.

Aprovaram-se os documentos que a lei determina que sejam submetidos a este Órgão, uns por maioria, outros por unanimidade, mas entre tanta discussão árida relativamente às "contas consolidadas" de 2011 houve ainda lugar para a entrada do humor:

Rogério Palhau, presidente de Junta de Alfena e deputado por inerência, que ultimamente tem andado muito crítico - melhor assim ou melhor na subserviência anterior? Resposta óbvia! - para dizer que olhando para as contas apresentadas, parece que nas escolas de agora o resultado que se aprende para a soma de 'dois mais dois' já não é o que era.

Dada a provecta idade do presidente/ausente - que novidade! - da autarquia falida, o resultado da tal soma (ainda) deveria ser igual ao de antigamente. Porém, devido à sua permanente ausência em serviço o que o força a deixar a Câmara entregue a gente mais jovem, o resultado é o tal 'erro' que Rogério Palhau fez questão de registar.

Depois foi José Manuel Ribeiro, da bancada do Partido Socialista e bem ao seu estilo, a resolver ontem falar 'mesmo para a cadeira vazia' do presidente e não para o seu substituto natural e habitual, presente na mesa, João Paulo Baltazar. Foi um bom momento de humor, apesar de alguns - que novidade! - não terem gostado.

Não reparei se a cadeira vazia tinha algum dispositivo de videoconferência ligado, mas se tinha, o titular já deveria estar a repousar, porque não se pressentiu nenhuma resposta.

Claro que as críticas feitas por José Manuel Ribeiro, não ficaram sem a resposta do vice presidente e habitual presidente em exercício, que não se fez rogado e começou a 'traduzir' para todos - público incluído - as 'respostas' da vazia cadeira.

Também não consegui confirmar se tinha colocado na 'vice presidencial orelha' algum auricular com ligação bluetooth ao espaldar do presidencial e vazio assento...

Foram aprovadas todas as contas - incluindo as do SMAES que só existe virtualmente - com mais ou menos votos, cuja contagem não me dei ao trabalho de contabilizar, mas que fazem jus àquela recente frase de um dos membros da oposição na Câmara e que eu vou citar de memória:

"O documento que nos é presente,está correctamente elaborado e reflete a verdade dos resultados. Deveria por isso merecer o nosso voto favorável. Mas como os resultados que reflete são péssimos e merecem o nosso voto contra, optamos pela mediana das duas posições possíveis e abstemo-nos'.

Um verdadeiro tratado de assertividade oposicionista, que me faz pensar naquela sentença de condenação à morte, que o advogado de defesa do condenado comentou assim:

"Não vou recorrer porque embora tenha conseguido demonstrar que o meu constituinte não cometeu nenhum dos crimes de que foi acusado, o acórdão do Tribunal está tão bem redigido, com o libelo acusatório tão bem estruturado, as vírgulas todas no sítio certo, os parágrafos numa sequência lógica e fluida, ausência total de gralhas ou erros ortográficos, que não consigo pôr em causa tão excelente trabalho. Por isso 'abstenho-me' do recurso".

Valonguenses e condenado, devem ficar muito sensibilizados com estas apreciações qualitativas da forma em vez do conteúdo!

É claro que o episódio do advogado de defesa é ficção, mas a 'amamentação' que continua a ser prodigalizada a Fernando Melo não é!


Take 2:  JERÓNIMO MARTINS - VAMOS LÁ COM CALMA!

 

Já estamos habituados a ver por aí os 'bois na posição errada em relação ao carro, isto é, atrás do mesmo'.

Também já estamos habituados a ver as entidades públicas que têm por missão velar pelo cumprimento da legalidade, fazerem muitas vezes o contrário - por acção ou omissão - mas sempre com idênticos resultados.

É o que aparentemente, a CCDR-N está a fazer com o processso de excepção pontual ao PDM, para a possível instalação da Jerónimo Martins em Alfena e que acaba de aprovar - zona do 'aeroporto internacional de Alfena'.

No primeiro documento abaixo, a CCDR-N dá conta dessa aprovação e alerta para a imposição estabelecida na Portaria 260/2011 onde é referido que a nova Carta REN de Valongo só produz efeitos após a publicação do novo PDM, sendo que até lá vigora a Carta REN anterior, mas informa que já solicitou à tutela a alteração do ponto 3 da referida Portaria (onde esta limitação se encontra vertida)!

Como anda diligente a Drª Célia Ramos e como se substitui aos interessados no pedido à tutela!

Talvez porque se fossem eles a solicitá-lo, dariam mais nas vistas, fazendo vir ao de cima aquele manancial de notícias sobre especulação imobiliária e o enriquecimento ilícito. Aquela zona já está desde há muito - e à margem da lei - preparada para receber as obras e se fossem os 'favorecidos' a solicitar a retirada da medida cautelar do ponto 3 da Portaria 260/2011, talvez fizessem ainda recordar que todos aqueles terrenos foram percorridos por incêndios e estão por isso ao abrigo de medidas de protecção.

Vamos lá pois devagar e a 'bater a bolinha baixo que o guarda redes é anão'!

Antes ainda vão ter de nos dar conta do relatório das visitas do SEPNA da GNR ao local, das eventuais contraordenações aplicadas e de tudo o que resultou da apreciação de todas as denúncias efectuadas - algumas já nas mãos do Ministério público!

 

 

publicado às 10:55

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D