Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

LARGAMENTE... ATRASADO!

De tão aguardado que era, o acontecimento já deve ser do conhecimento da esmagadora maioria dos valonguenses.

Mesmo assim, a saída de cena de Fernando Melo bem que merecia ser assinalada com a 'pompa e circunstância' pelo menos equivalente à que que teve o acto de coroação do 'dinossauro excentíssimo' quando subiu ao trono para levar supostamente até ao fim a 'Vitória de Todos' - por sinal, a vitória mais pequenina de todas e mesmo assim e pela primeira vez, aquela que passará a ser também a mais curta de todas.

Se o assunto não fosse sério demais para ser glosado, diríamos que Fernando Melo se limitou a uma 'rapidinha', o que no caso concreto não deixa de ser notável, logo ele que sempre gostou dos prazeres mais prolongados que uma 'boa gestão' sempre lhe proporcionou, com preliminares e tudo.

É que isto de governar uma Câmara como a de Valongo quase 18 anos, nunca foi compatível com pressas e envolveu sempre muito 'namoro' - com investidores quase sempre esquivos, descrentes devido anteriores relações falhadas, ou simplesmente desconfiados quanto ao 'real dote' do contraente.

Mas não! Desta vez Melo cansou-se mesmo do prazer que sempre retirou do acto de governar Valongo.

Tem acontecido a muitos e até mesmo 'casamentos' mais duradoiros têm acabado em divórcio.

Mas há um pormenor - ou como diria um amigo meu que gosta de brincar com as palavras, um 'pormaior' - que me desagrada solenemente, nesta altura que deveria ser como já disse, de festejos e foguetório:

O facto de Fernando Melo abandonar a 'relação' sem acabar sequer de 'pagar a boda'!

Deixa ao sucessor um cofre cheio de teias de aranha e como adorno principal da sua secretária de trabalho, um daqueles espetos metálicos de ponta afiada, com uma pequena base para o manter na vertical, usado à boa maneira de antigamente para ir espetando os talões das dívidas a pagar.

Consta-se - que eu cá nunca o vi - que já tiveram que lhe aumentar mais de meio metro na altura inicial, tantos os calotes que ali 'jazem' espetados, à espera de melhores dias.

A ser verdade, qualquer dia vai parecer-se mais com a Torre Eiffel do que com 'registo físico' das dívidas de Fernando Melo!

A oposição chegou a ameaçá-lo por várias vezes, com queixas no Minisério Público por gestão danosa. Não o fez no tempo certo e agora que o homem está cansado e já não gosta de ser o que sempre foi ao longo dos tais 18 anos, lá terão de o  deixar ir embora, livre como um passarinho.

Temos a certeza que irá sair de sorriso nos lábios, 'usando a imaginação' para fingir que escuta aplausos, salmos e louvores e que os pingos da chuva que ainda vai caindo, são lágrimas de tristeza dos seus  'súbditos' - como se a maioria deles fosse capaz de as chorar, depois de 18 anos de uma difícil relação do género 'padrasto/enteado' de que nos falam as histórias sobre tiranias domésticas.

E daí quem sabe se no dia em que entregar a chave do 'palácio' não irá estar um dia ameno e solarengo e a chuva não resolverá fazer um intervalo para que ao menos essa parte das 'lágrimas' não contribua para lhe massajar o ego.

publicado às 17:47

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D