Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO DA NOSSA DECEPÇÃO...

Atrasada ingloriamente por uma hora por causa do jogo da nossa Selecção, lá teve lugar a anunciada Assembleia Municipal.

Desta vez, no ponto reservado ao público - que no caso da Assembleia Municipal é logo no início - não houve como me impedirem de formular a incómoda questão que o novo presidente me recusou numa reunião pública de a Câmara: O facto de esta e ele próprio conviverem - pelos vistos muito bem - com a situação do director do Departamento de Urbanismo, o arquitecto Vítor Sá ter sido condenado a uma pena superior a três anos de prisão (em recurso) por corrupção passiva no âmbito das suas funções.

Pior do que isso, foi terem-lhe sido delegadas competências pelo novo presidente, já depois da sentença da primeira instância ter sido proferida.

Ora bem... Cada qual sente o 'aperto da bota' à sua maneira e o Dr. João Paulo - que na Assembleia de hoje (ontem) estava muito irónico - pelos vistos 'comprou' a dita já com um ou dois números acima para não lhe sentir 'aperto' nenhum.

 

Adiante!


Como a Ordem do Dia fazia prever e aconteceu de facto, foi uma sessão sem história e como quase sempre acontece nas sessões sem história, o mais relevante aconteceu à margem da agenda.

Foram levantadas questões relacionadas com obras de remodelação no 'gabinete presidencial' que gerando supostamente despesa ou tratando-se de 'doações' deveriam sempre ir a reunião de Câmara para serem 'aceites',  e foram dadas respostas evasivas e incompletas, que explicaram pouco ou quase nada - por exemplo, como é que o CEO do gabinete de arquitectura mais conhecido a norte do rio Douro, nomeadamente em Alfena, aparece na Câmara com uma série de materiais que fez questão - respondendo a uma pergunta de um dos membros da equipa que o acompanhava - de anunciar em voz suficientemente audível, que 'eram para o gabinete do presidente'.


A dúvida é razoável e tem razão quem a coloca.  Foram doados? Mas então, teriam de ir à mesma a reunião de Câmara. Foram pagos através da 'vaquinha' que o presidente referiu - dividindo os custos das remodelações entre ele, o novo vereador e a vice presidente? Mas se foi assim, deverá existir pelo menos uma guia de transporte dos mesmos - ou será que o Sr. Camilo Moreira correu o risco de ser interceptado no caminho por uma patrulha da GNR e ter de pagar uma pesada multa vendo ainda a viatura apreendida?


Depois, falou-se de nomeações para a chamada 'macroestrutura' da Câmara, a tal que vai emagrecer até ao verão. Só se for através daquelas 'dietas malucas' porque no verão já nós estamos e como se constata, continua a engordar. Refiro-me concretamente, à escolha da nova figura do assessor do presidente - um jovem engenheiro da sua comissão política concelhia e porta-voz da mesma, a exercer funções numa empresa privada, mas que transita para a função pública trazendo consigo o seguramente enorme saber acumulado e de experiência feito - que pelos vistos, só o presidente tem o direito de conhecer.


Para 'ajudar à festa', o presidente da Assembleia, permitiu que se descambasse para uma situação idêntica àquela a que já estamos habituados aqui por Alfena, que é a do presidente de Câmara entrar num jogo de palavras pouco edificante, comparando currículos - o do seu assessor com o do líder da bancada do PS - numa toada irónica a que não tem direito, pois os membros do executivo estão ali (apenas) para responder a questões, quando tal lhes é pedido, mas nunca numa posição de sobranceria, de chicana política e de ironia inconveniente em relação aos membros do Órgão deliberativo.

Nas Assembleias - Municipal e de Freguesia - Órgãos constituídos (apenas) pelos deputados eleitos e pela Mesa, quem dirige os trabalhos é o seu presidente, a quem compete dar a palavra - aos deputados ou aos membros do executivo - e nenhum deles a toma sem que aquele lha conceda, sendo que no caso dos membros do executivo, não lhes cabe de forma alguma o direito de assumirem a postura que ontem assumiu o seu presidente.

Não foi bonito o que se passou, como também não o foi o facto de alguns deputados da maioria terem afinado pelo 'diapasão' do Dr. João Paulo, na dita ironia inconveniente.


Como foram feitos desafios para que o presidente dissesse quanto vai custar à Câmara a nomeação do seu assessor e para que publicasse uma nota curricular do mesmo, eu vou tentar poupar-lhe a segunda parte - o resumo curricular público que coloco a seguir.


Fica portanto a faltar a questãozinha dos números, mas essa julgo que respeitará os parâmetros legais. Mesmo assim, representará mais uma dificuldade acrescida para os 'duodécimos pequeninos'com que a Câmara por enquanto vai navegando.


 

 

 

 

publicado às 02:11

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D