Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

'PLANANDO' SOBRE UM TEMA POLÉMICO...

Há quem entenda o casamento como um 'contrato de exclusividade' em cujo clausulado deve estar sempre incluído o amor.


Ora bem... sendo em princípio um contrato voluntariamente assumido pelas duas partes, até faria sentido que assim fosse, mas também nada obsta a que possa não o ser, sobretudo na sua vertente católica, que o considera irrevogável - 'até que a morte nos separe'!


Como primeira discordância de fundo, um contrato firmado de forma honesta, nunca deve excluir uma cláusula de rescisão e depois, não pode incluir clausulado cujo cumprimento não dependa da vontade de qualquer das partes.


Como segunda discordância - ainda de fundo - o termo amor é tão subjectivo, que fazer depender dele a genuinidade do contrato (casamento) assumido pelas partes, é manifestamente uma violência psicológica inconcebível, face a penalização social que aqueles que eventualmente se atrevam - ainda e uma vez mais na sua vertente religiosa - a quebrar uma das 'cláusulas' (a perenidade) sempre sofrem.


Chegamos pois a um ponto em que se impõe que coloquemos as seguintes questões:

Se as duas partes, atentos os superiores interesses de terceiros (nomeadamente os filhos) concluírem que a parte 'exequível' do contrato é compatível com uma relação de companheirismo, de cumplicidade, de entreajuda na resolução dos problemas comuns, sem constrangimento de nenhuma delas, sem colidir com a sua liberdade individual, porquê atrbuir tanta importância à inexistência de uma cláusula introduzida abusivamente - o amor no sentido que a sociedade atribui ao termo quando aplicado no contexto de um casal?


Podem ou devem as duas partes conviver com o facto de uma delas ou mesmo ambas, em determinado ponto do seu percurso de vida comum poder ou poderem vir a envolver-se sentimentalmente com uma terceira sem que isso implique necessariamente uma ruptura na sua relação? A minha resposta é claramente sim.


Ouvimos muitas vezes referências a vários tipos de amor. Ouvimos até dizer que se pode amar - na vertente mais comum do termo - mais do que uma pessoa ao mesmo tempo e que isso pode nem sempre colidir com uma relação saudável a nível do casal. Talvez tudo isso seja verdade. Inclino-me mesmo mais no sentido de que o seja mesmo, mas na base de tudo, acho que o cimento da relação de um casal é uma mistura de vários componentes e não apenas de um, porque se fosse apenas o amor em regime de exclusividade a manter o casamento, então, com tudo o que de negativo isso representa, quando ele descamba para o tipo excessivo, possessivo, doentio - embora (ainda) amor - obrigará a que se tenha de introduzir uma qualquer 'cláusula travão que possa  evitar os  inúmeros excessos, a muita violência e mesmo as muitas perdas de vidas de que vamos tendo notícia.


Por mim, acho que amor - no contexto em que escrevo - é uma questão íntima, pessoal, não passível de regulamentação e que deve estar sempre fora de qualquer contrato específico - ainda que esse contrato possa ser o contrato de todos os os contratos: o Casamento.

Quer-me parecer que se assim fosse, se deixássemos - muitas vezes de forma hipócrita - de valorizar detalhes irrelevantes, teríamos seguramente mais casamentos felizes e menos divórcios problemáticos, conflituosos ou mesmo dramáticos.

 

(Disclaimer: Limitei-me a teorizar sobre um tema que me atrai e que não tem - mas podia muito bem ter - obviamente nada a ver comigo em termos pessoais...)

publicado às 15:11

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D