Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

TEREMOS (DE NOVO) PORTUGAL QUANDO TODOS FIZEREM A SUA PARTE!

Hoje - ontem, anteontem, já há bastante tempo por sinal - apetece-me ser um pouco inconveniente, mesmo politicamente incorrecto. Tenho feito parte daquele grupo enorme que não tem perdido uma oportunidade para zurzir na 'corja' policromática que nos últimos anos se tem revezado no processo destrutivo da nossa Pátria, conduzindo-a ao estado miserável em que se encontra - alguns ainda no poleiro, outros temporariamente afastados dele, mas à espera da primeira distracção do adversário para abocanhar o naco novamente.

 

Desde o 25 de Abril, não falhei um único acto eleitoral - posso prová-lo! - porque acho que é apenas por aí que se consegue construir o discurso crítico que muitos temos feito e continuaremos a fazer.

A partir do momento em que em muitos actos eleitorais a abstenção passou a fazer a maioria - incluo aqui também e estranhamente, as eleições autárquicas e obviamente as do Parlamento Europeu - comecei a sentir-me zangado, mas mesmo muito zangado com quem se vai lamentando com a falta de empregos, com a perda dos mesmos, com os apelos do primeiro ministro aos jovens para que deixem a 'zona de conforto' e se façam à vida por esse mundo fora.

 

Muitos desses que lamentam, são jovens, à procura do primeiro emprego, saídos às fornadas das Universidades para onde entraram com a promessa de que à saída, teriam uma oportunidade à sua espera. Muitos desses, a maioria desses, não têm votado - dizem-se 'desiludidos com os políticos'... Mas isso também eu estou e no entanto voto!

 

Quando a maioria imensa daqueles que se andam a 'baldar' à sua obrigação cívica começar a fazer o que deve, teremos a 'corja' a deixar a zona de conforto - e talvez nessa altura, comecemos a ter também a Pátria de volta!

publicado às 23:28

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D